Imagem de Slenderman surge em asilo psiquiátrico!

Muitos dizem que o Slenderman é uma lenda que foi inventada e espalhada, no entanto há quem diga que isso é apenas um boato e que bem antes disso já existiam relatos da criatura. O fato é que, talvez, jamais saibamos a verdade, seja ela qual for...

A imagem foi encontrada nas ruínas de um asilo muito antes do Slender se tornar um nome conhecido. Leia e tire sua conclusões.

Coulsdon é uma cidadezinha que fica ao sul de Londres, e lá está localizado o hospital psiquiátrico Cane Hill, as portas do lugar foram abertas no ano de 1882 e se tornou um sucesso, as instalações enormes do lugar chegaram a ser lotadas com pacientes. No entanto, após quase um século recebendo pacientes com os mais variados tipos de problemas mentais, à partir do ano de 1980, o lugar começou a entrar em decadência e aos poucos foi tendo cada vez menos pacientes, até que no ano de 1991, foi fechado definitivamente por ter se tornando inviável manter aberto.

RELATO DOS LEITORES #15

À dois anos atrás, quando tinha 14 anos, costumava ir para campos e florestas para ter "Aventuras".

Uma vez, eu e mais 4 amigos decidimos ir em um local que, antigamente era um cemitério de crianças. Fomos de dia e ficamos até, mais ou menos às 20:50 lá. Quando estávamos saindo, vi um vulto. Meus amigos acharam que eu estava zoando com eles, mas realmente vi.

Resolvemos voltar para lá pra ver se era uma pessoa, mas o que encontramos ainda me aterroriza. Fomos até o fim do cemitério e encontramos pequenas covas abertas, que não estavam assim antes. Saímos correndo e quando estavamos quase saindo ouvimos sons, passos e risos, de crianças brincando.

Penso nisso e me pergunto: como crianças podem virar almas penadas/perturbadas?? Será possivel isso??

Essas crianças só podem terem sido juradas ao diabo...


Relato de Alexia Miller

Americana diz ter passado três semanas com Pé Grande

Encontro aconteceu nos anos 70 e a mulher diz que visita a família de criaturas até hoje.

Keila, uma moradora de Tacoma no Estado norte-americano de Washington, ligou para uma estação de rádio, a Cost To Coast AM, da Georgia, e fez uma revelação bombástica.

Ela diz ter sido sequestrada pelo Pé Grande e, assim, passou três semanas morando na caverna dele, nas cavernas de Boulder, em Washington. Isso foi na década de 1970, quando ela visitou tais cavernas em um passeio.

Naquela época, o lugar ainda era considerado parque nacional e, por isso, as pessoas podiam passar a noite acampadas lá. Hoje isso não acontece mais.

Keila estava com a mãe e o padrasto, mas os dois brigavam tanto na casa que eles alugaram que ela resolveu acampar no meio do mato a aguentar o climão da mesa de jantar.

Sons do inferno


Desde o colapso da antiga União Soviética em 1989, muitos bizarros arquivos secretos da KGB foram inspecionados tanto pelos Estados Unidos quando pela Inglaterra. Em 1990, um desses arquivos antigos foi enviado por fax ao Departamento D11 do Serviço Secreto em Whitehall London, mas o que o dossiê continha era tão extraordinário e inacreditável, que a informação vazou.

A informação contida naquele arquivo, incluindo informação colhida do artigo de uma revista finlandesa chamada Ammennusatia, é mostrada abaixo:

Em 2006, o projeto Kola na estação Zapolyarny perto de Murmansk, no Ártico comemorou o seu vigésimo
quinto aniversário. Apesar de ter alcançado uma profundidade de 12 quilómetros em 1983, levou-se mais dez anos para perfurar outros 262 metros.

A Criatura Estranha de Quaiaquil (Equador)

Em Guaiaquil, no Equador um garoto começou a filmar com seu celular o quarto, depois filmou seu pai ao computador, a tatuagem de seu pai, seu próprio rosto... e no final da gravação, quando o menino não parece "mirar" em nada, é possível ver uma estranha criatura no vídeo!


Usurpado do Assombrado

OPINIÃO: Eu sei, parece bem fakezão mas se o assombrado postou né...

Tempestade em Snagov – O Tesouro do Conde Drácula (Parte 01)

Olá, amigos. Estive por muito tempo afastado do Blog devido a problemas pessoais.
Mas estou retornando aos poucos e vou tentar postar algumas histórias legais pra vocês.
Vamos começar com essa intrigante história sobre o mais cobiçados de todos os tesouros.
O tesouro de Vlad Tepes, o Conde Drácula.
Onde será que ele teria escondido tal tesouro, acumulado durante seu reinado de terror?
Isso é o que vamos tentar descobrir.
Prestem bastante atenção na história e vocês verão um final totalmente inusitado.
Ah, e não deixem de comentar, pois nossa imaginação se alimenta de seus comentários, sejam bons ou ruins.
Um grande abraço a todos vocês, amigos.

Tempestade em Snagov – O Tesouro do Conde Drácula (Parte 01)



Testemunho que o relato que se segue é verdadeiro.

Digo-lhe que ouvi a história de um mercador que, por sua vez, disse tê-la ouvido de um outrora jovem guerreiro, hoje um mendigo cego e aleijado, em terras tão distantes quanto as províncias de Valáquia e Transilvânia.

Contou o mercador que o mendigo afirmava ter sido soldado da tropa que fincou o estandarte do grande Sultão Mehmed II nas terras da Transilvânia. Jactava-se mesmo de ter sido um dos que trouxeram a esta corte e em esplendoroso triunfo a cabeça daquele chamado Vlad, conhecido como o Empalador ou o Filho do Dragão. Drácula, como chamavam os infiéis.

Disse o aleijado que perdeu seus olhos e pernas a serviço do Sultão, numa tarefa de alto segredo de estado, e que só se dispôs a relatar os fatos porque dez anos já são passados e todos têm o direito de saber, afinal, o que aconteceu àqueles dois homens enviados ao mosteiro cristão de Snagov e o destino trágico que se abateu sobre eles.

Pois esta é sua história:

B.O.B - Besta Obscena e Brutal

Andrew acordou de repente. Ele sabia o que tinha acontecido e seu coração afundou... o som do vidro quebrando lá embaixo tinha feito o mesmo com os seus nervos. A coisa tinha entrado. Depois de semanas observando-o e perseguindo-o, a criatura finalmente decidiu entrar. As portas do pátio, feitas totalmente de vidro, providenciaram a entrada perfeita.

Andrew estava deitado em sua cama, na escuridão iluminada apenas pela pequena quantidade de luz que a lua fornecia através do espaço entre as cortinas. Ele tentou escutar a criatura. Tentou escutar para descobrir se ela estava ali dentro com ele enquanto secretamente rezava para que tudo permanecesse em silêncio. O barulho horrível de vidro quebrando havia confirmado seus piores temores...a coisa tinha conseguido entrar em sua casa.

Com essa descoberta esmagadora, Andrew, agora tremendo, agarrou seu taco de beisebol de titânio e desceu as escadas na mais profunda escuridão, determinado a enfrentar isso de uma vez por todas, mas secretamente esperando que a criatura fugisse ao vê lo, como normalmente acontecia. O rapaz parou no pé da escada...ouvindo. No início, tudo o que ouviu foi o vidro quebrar sob os pés da coisa. Então, pela primeira vez, Andrew ouviu a criatura respirando pesadamente, como se sua garganta estivesse bloqueada por uma gosma. A coisa hedionda rosnou e foi, gradualmente, se aproximando de Andrew.

Gloomy Sunday - A música mais triste do mundo

Você com certeza conhece alguma música que te traz uma melancolia sem tamanho, daquelas que só a introdução já dá vontade de cortar os pulsos. Algumas músicas são realmente inspiradoras para mergulhar na depressão, mas a música "Gloomy Sunday" ou "Domingo Sombrio" do compositor húngaro Rezso Seress parece ser a campeã nesse quesito.

“O domingo é sombrio. Minhas horas são insônes. As sombras com as quais eu convivo são inúmeras”. Com esses versos a canção ficou conhecida por estar relacionada a mais de 100 casos de suicídio, incluindo a morte do próprio compositor Rezso Seress.

Essa é a "música húngara suicida”. Rumores revelam que Seress compôs a música após um fora que tomou de sua então namorada, em 1933 e deprimido escreveu a música como forma de desabafo. Mas também dizem que ele não teria escrito a respeito desse fato e sim a respeito da tristeza que sentia com a situação social do mundo, das guerras e até mesmo de previsões apocalípticas. Independente do que o tenha inspirado, a tristeza e a melancolia estão garantidas.

A possessão de Ronald

Acerdita-se que esse é o caso real, que originou o filme "O Exorcista".

Tudo começou em Janeiro de 1949.

Esse caso assustador e macabro, envolveu um garoto de 13 anos chamado Ronald que vivia com seus pais e a avó em Cottage City, Maryland. Conta-se que os eventos estranhos narrados a seguir foram reais. E teriam começado logo após uma tia muito próxima que havia  lhe ensinado a mexer na tábua ouija, veio a falecer.

Após a morte dela, Ronald começou a usar a tábua no quarto de sua avó na tentativa de comunicar-se com sua parente falecida, quanto mais tentava mais obcecado se tornava. Foi então que sorrateiramente, começaram as primeiras manifestações perturbadoras.

Primeiro foi o som repetitivo de uma torneira a pingar incessantemente, mesmo não havendo torneira alguma nos quartos, logo após começaram a ouvir barulhos, como se alguém ou alguma coisa estivesse arranhando as paredes. O pai do garoto chegou a derrubar uma das paredes convencido de que eram ratos fazendo ninhos.

Beyond: Two Souls


Beyond: Two Souls (Duas Almas) é um jogo de terror psicológico produzido pela Quantic Dream, exclusivo para PlayStation 3. Lançado no dia 8 de Outubro de 2013 nos EUA, e 11 de Outubro de 2013 na Europa.

A personagem principal do game é interpretada pela atriz Ellen Page (X-Men 3 e A Origem) utilizando a tecnologia de captura de movimentos.

O jogo gira em torno de possessões e forças ocultas... E tudo aquilo que acontece depois da morte. Jodie Holmes é uma garota que nasceu conectada com uma entidade espiritual chamada Aiden e tem que passar por situações tenebrosas, por culpa de seus sinistros dons. O jogador controla a personagem de 15 anos, numa viagem para descobrir o significado de uma entidade sobrenatural que está ligada a Jodie, desde muito nova. O produtor deixou claro, que os jogadores podem ser capazes de descobrir "o que está além", após finalizarem o jogo.

O medo da Verdade

4 Forças Armadas desrespeitam determinação legal e protelam entrega de documentos sobre fenômenos UFO

Mesmo sendo centro do universo o planeta Terra está ameaçado. Discos voadores foram vistos nos quatro cantos do nosso planeta retangular.

Achou esta afirmação ridícula? O que soou mais estranho? A Terra como centro do universo, o planeta retangular ou a existência de discos voadores ou Ovnis como são chamados os objetos voadores não identificados?

Pense bem, lembre-se que um dia a humanidade acreditou que a Terra era o centro do universo e tinha forma retangular e nesta época, as pessoas que acreditavam no contrário foram ridicularizadas como foi o caso de Galileu Galilei, físico e astrônomo, Italiano, que em julho de 1609, construiu e aperfeiçoou uma luneta com a qual pode observar corpos celestes. Algumas de suas descobertas só poderiam ser explicadas se fosse aceita a hipótese heliocêntrica de Nicolau Copérnico. Porém em 1616 a igreja decretou que as idéias de Copérnico eram falsas. A repercussão foi tamanha que o próprio papa Paulo V pediu para Galileu a renegar suas afirmações. Hoje, quase quatrocentos anos depois qualquer criança sabe que a Terra é esférica e que não é o centro do universo. Então pense bem antes de responder: você acredita em vida extraterrena?

Projeto: Demoniac Personality. Sentirei sua falta. Cap. 11

Narração de Leandro


Onde estou? Lembro-me de ter acordado Abigor, daí a Rafaela entrou na minha mente e me tirou de lá. Há eu beijei a Rafaela... Eu beijei a Rafaela... Eu achava que nunca mais ia voltar a ser eu, mas olha só pra mim. Embora, eu esteja todo dolorido e enfeixado, ainda sou eu.

- E eu posso lhe dizer que ela adorou seu beijo. Ate mais que o meu... Ela é uma garota estranha! – Uma voz ecoa em minha mente. Será que é Abigor? – Claro que sou eu! Quem mais seria? Humano idiota. E permito que se dirija diretamente a mim. – Abigor afirma com um tom autoritário. Gargalho.

- Então você ainda está acordado? – Pergunto enquanto levanto de minha cama.

- Você está de olhos abertos? Se sim, então estou! – Abigor afirma calmamente. O que isso significa? – Significa que eu sou você, ou você sou eu, mas como você está no controle falar que eu sou você é mais justo. – Abigor fala repentinamente. Maldição... Ele pode ler meus pensamentos. – Se acostume! – Abigor afirma autoritário.

Abro a porta do meu quarto e me deparo com dois seguranças. Sinto que não são pessoas comuns. Demônios? – Claro que são demônios! Acha mesmo que Lúcifer iria permitir que, você um demônio de alto nível com consciência humana ficasse livre? – Abigor pergunta, irritado. Agora eu entendo... Eu sou Abigor, um demônio. Leandro não existe mais, mas eu ainda tenha a consciência do humano. Que porre... Mas dane-se eu ainda sou eu no final das contas.

- Volte para o seu quarto. Você está muito machucado. Descanse ate se curar. – Um dos seguranças afirma me empurrando levemente para dentro e fechando a porta. Maldito, acha mesmo que vou seguir ordens de um demônio fraco com você? – Isso mesmo, mate-os e seja livre. Muahahahahaha – Abigor gargalha insanamente.

- Eu não vou fazer isso! Eu vou fugir. – Sussurro para Abigor. – Pare de ser idiota. Matá-los é muito mais fácil. Deixe que eu lhe ensine algumas coisas. – Abigor grita indignado. Eu posso muito bem pular dessa janela e sair. – Mas para que você irá querer sair? Não me diga que é para ver aquela garotinha. – Abirgor fala, irritado.  – Claro que não eu estou com vontade de comer aquele pastel da lanchonete perto do colégio. – Afirmo em minha mente enquanto abro a janela.

Pulo a janela e caindo no chão vejo a mim mesmo sendo segurado pelas costas por outros três seguranças... O que é isso? – Você pode chamar isso de previsão. Mesmo que aquele maldito Judai tenha quebrado a linha de tempo, você ainda pode ver algumas coisas, mas apenas momentos antes. Então... Corra! – Abigor grita eufórico. Começo a correr com tudo que eu tenho e ao olhar para trás percebo que estou sendo seguido pelos três seguranças da minha visão. Droga, meu corpo está começando a doer, mas nada que eu não possa suportar. Sinto que não são apenas eles que estão me seguindo... Existe algo mais, e esse algo é diferente deles. – Deve ser porque Lúcifer está te seguindo naquela limusine ali. – Abigor afirma me mostrando a limusine numa visão. Droga... Ela vai sair logo a minha frente, preciso mudar de rota. Dobro a direta no exato momento em que a limusine surge na esquina à frente.

- Wow... Essa habilidade é bastante útil. – Falo eufórico enquanto corro. – Claro, agora dobra a direita e depois esquerda, esquerda de novo e siga reto. – Abigor afirma tranquilamente. Não sei se devo confiar nisso. – Apenas faça humano. – Abigor grita irritado. Bem, não vou conseguir correr eternamente, vão me pegar uma hora ou outra. Faço o que Abigor mandou e chego ao parque. Olho para trás e vejo que ninguém está me seguindo.

- Graças a deus! – Afirmo aliviado. – Não foi graças a ele. – Abigor afirma alegre. – Ok, obrigado Abigor. 
– Agradeço com um sorriso enquanto caminho para a lanchonete. – Não agradeça. Louve-me. Muahahahahaha- Abigor gargalha insanamente. Ignoro e continuo seguindo meu caminho. Hã? Rafaela? E quem é aquele cara? Algum amigo dela? Será que ele tem algum envolvimento com ela? E o que é essa angustia. Ela faz o que ela quiser. Não tenho nada haver com ela. – Me poupe garoto... Estou me sentindo na cabeça de uma garotinha apaixonada. Vai lá falar com eles e descubra. – Abigor fala autoritário e com um tom de irritação. E quem é a garotinha apaixonada? Seu maldito...

Quando me aproximo a eles Vitoria puxa o garoto que estava com elas. Alexandre é seu nome. Converso com Rafaela ate o momento em que Lúcifer aparece saindo na limusine. Sendo movido pelo desespero, seguro Rafaela nos braços e saiu correndo na maior velocidade que consigo. Paro em uma lanchonete qualquer e me sento numa cadeira.

- Você... Deveria está em casa, não era? – Rafaela pergunta me encarando. Ela esta preocupada?

- Bem... Era, mas já estou me sentindo ótimo. – Minto sorridente, pois cada músculo do meu corpo está doendo agora. Ela bate em meu braço e um grande dor percorre todo o meu corpo. – Aaaaiii por que fez isso? – Pergunto á encarando. Hã? Ela está com uma expressão tão fofa...

- Viu... Você não está bem... Você não quer cuidar da sua saúde não? Vai ficar pior se continuar assim... – Rafaela afirma me olhando com um olhar de preocupação. O que á com essa expressão? Me faz querer ficar com ela e protegê-la... Nunca tinha sentindo isso antes. – Desculpe, eu só estava preocupada... – Rafaela afirma com um tom triste em sua voz. Droga... Não gosto de vê-la assim.

- Desculpa... Eu que sou o teimoso aqui. Depois de comer eu volto para casa e descanso direito. Não se preocupe. – Falo sorrindo, tentando acalmá-la enquanto um frio corre pela minha espinha. Estou me sentindo intimidado. Sinto que muitas pessoas estão me olhando... Estas faixas chamam tanta atenção assim?

- Tudo bem, mas você sabe que ela deve estar de guarda na lanchonete com seu pastel preferido. – Rafaela afirma calmamente sentando-se a mesa. Maldição... É verdade. Aquela mulher não deixará que eu toque um dedo naquele pastel por um bom tempo.

- Então vamos comer aqui. Pode ser? Eu pago. – A convido para comer comigo sorrindo, já que realmente estou com fome.

- Eu acabei de comer... – Rafaela afirma calmamente. Ah... Ela deve ter comido com aquele Alexandre. – Mas um refrigerante seria bom. – Rafaela afirma sorridente, sorrio de volta impulsivamente.

- Com licença. – Falo chamando a garçonete. Ela vem rapidamente. – Um sanduíche e dois refrigerantes de laranja, por favor. – Falo calmamente. Ela anota o pedido de se retira. – Ela está caidinha na sua, garoto! E é uma gostosa. Pega ela humano. Faça ao menos algo digno de um homem. – Abigor afirma eufórico. – Não, eu não a quero. – Afirmo mentalmente para Abigor. – Então realmente está apaixonado por essa Rafaela, é? – Abigor pergunta calmamente. Será? Eu sinto algo forte por ela que, nunca senti antes e fica mais forte a cada momento que estou com ela. Deve ser verdade. – Claro que é! E se ela não sentir o mesmo? – Abigor me pergunta meio que, sadicamente. Essa duvida irá me torturar. – Exato! Por isso tire essa duvida o mais rápido possível. Se declare... – Abigor afirma seriamente. Ele realmente tem razão. Depois de comer irei levá-la para um lugar onde podemos ficar sozinhos e irei tirar essa duvida.

A garçonete trás o pedido e pisca para mim... Abigor está certo? – Claro que estou! – Abigor fala mais uma vez, se intrometendo em minha linha de pensamentos. Depois de comer chamo Rafela para um passeio pela praça. Vamos para o meio da praça e meu coração começa a acelerar. Hã? Ela está vermelha? Ela está com febre?

- Você está vermelha. Está bem? – Pergunto colocando a mão em sua testa para medir sua temperatura.

- Não é nada. – Ela afirma abaixando a cabeça. Droga... E agora? Tenho que puxa algum papo. Ah é... Ela não deve saber que Julieta pode ver entidades assim como ela.

- Você sabia que a Julieta também pode ver entidades? – Pergunto tentando esconder meu nervosismo.

- Pode? – Ela fica completamente espantada. Ela realmente nem suspeitava...

- Sim, mas não no mesmo nível que você, em um nível um pouco inferior. – Afirmo tentando me acalmar para o verdadeiro motivo de ter trago ela ate aqui. Nivel inferior já que ela não pode ver as asas de Samael e minha aura. Ela apenas sentiu minha aura.

- Mas... Porque ela fica me xingando e excluindo? – Rafaela pergunta inquieta. Infelizmente ela não me contou.

- Eu não sei! – Afirmo agitado. É agora ou nunca. – Mas deixando isso de lado. Tenho uma coisa para lhe dizer. – Meu coração acelera.

- E... O que é? – Rafaela pergunta ficando novamente vermelha. Hã? Tive uma visão de uma espada atravessando ela. E a frase que Judai falou antes que eu perdesse a consciência, passou pela minha mente. Seguro rapidamente os ombros de Rafaela e a empurro.
Riu de mim mesmo, por achar que poderia ter uma vida normal. – Eu... Finalmente entendi o que aquele cara queria dizer com aquilo... Demônios não devem pensar em anjos. Isso apenas trará problemas para os anjos. – Afirmo sentindo uma grande tristeza em meu peito. Essa é a escolha certa. Não devo trazer mais problemas para você.

- Abigor... Irá morrer aqui e agora! – Uma espécie de múmia afirma enquanto sai da escuridão em que se escondia.

- Não sou Abigor e nem pretendo ser. – Afirmo irritado, afinal acabo de decidir deixar o que mais me importa. Começo a liberar meu poder. – Que no caso é meu, mas se diz que é seu... Fazer o que? – Abigor afirma com um tom irônico. Ignoro. Não posso liberar tudo pois isso machucaria Rafaela. Então vou usar apenas essa pequena quantia. – E mesmo que fosse não irei morrer aqui e nem agora. Ainda tenho muito para fazer. – Afirmo com um sorriso surgindo em meu rosto. Ainda tenho que matar aquele anjo desgraçado. Corro em direção a múmia e desvio de todas a suas investidas. Bastante rápida, mas não o suficiente. – Seu corpo ainda é humano apesar de tudo. Acabe logo com isso! – Abigor afirma irritado. – Acho que tenho uma idéia que resolverá todos os meus problemas... Eu posso mandar mensagens telepáticas? – Claro, mas não pode escutar pensamentos. – Abigor afirma calmamente.

- Por que não usa tudo que tem Abigor? Caso não se apressar em usar eu irei usar o meu sem nenhum ressentimento. – Essa múmia grita, irritada. Argh... Permito que a múmia me acerte... Sua espada atravessa meu tórax... Isso dói pra caralho... Fico parado enquanto as funções em meu corpo seção.

- Leaaandroooo... – Rafaela grita desesperada. Maldição... Odeio ver ela assim... Mas é para o seu bem.

- Hã? Já morreu? Serio isso? Deram-me uma seqüência imensa de avisos e você morre tão fácil? Que droga. – A múmia fala, indignada, enquanto segura meu pescoço para tentar detectar batimentos cardíacos. Vamos ver quem vai morrer seu maldito. É torturante... Não essa espada em meu tórax, e sim escutar o choro de Rafaela. Ele me solta e vai em direção a ela. É agora Abigor.

- Corra Rafaela... Corra... Minha vida acaba aqui... Desculpe-me se eu não fiz nada alem de lhe trazer problemas, mas eu quero que viva... Então, corra o mais rápido que puder... Com a ultima gota de poder em minha alma eu irei segura ele aqui para você fugir. Sentirei sua falta, mas não deixe que meu sacrifício seja em vão.  – Falo mentalmente para Rafaela. Ela parece espantada, mas se levanta e corre.

- Acha que vou te deixar fugir? – A múmia fala fazendo posição de corrida.

- Fique bem ai! Eu ainda não acabei com você! – Falo mentalmente para ele, enquanto começo a emanar uma aura avassaladora e invocar minha lança. Ele fica completamente assustado e tremulo, vira-se para mim. Em um movimento de fúria corro numa velocidade incrível e antes que eu perceber, minha lança já havia transpassado essa maldita múmia.

- Como? Tão poderoso... – A múmia afirma em suas ultimas palavras. Realmente estou bem poderoso... Ate mais do que imaginava. – Mas precisa treinar... Você teve sorte de ele não ter desviado. Se ele tivesse desviado, você estaria com a lança encravada naquela arvore ali. – Abigor afirma autoritário.

- Pensando bem... Pode me chamar de Abigor... Foda-se... Acabo de deixar meu único motivo de querer continuar como um humano comum, fugir de você. - Afirmo calmamente, sentindo nada alem do vazio em meu peito. – Então, morra! – Afirmo eufórico com um grande sorriso. Giro com a lança, assim partindo ele ao meio. Depois das duas partes tão ao chão: cravo a lamina da minha lança na parte superior e pisoteio a parte inferior ate ambas virarem pó e faixas. – Eu posso acender um fogo que queime ate as cinzas? – Pergunto a mim mesmo. – Não, mas pode extinguir a existência usando poder na lança. – Abigor afirma calmamente.

Concentro poder em minha lança e ela começa a emanar uma aura roxa e uma leve nevoa a cerca. Certo contra o chão e todo o pó e faixas da múmia se extinguem junto com parte do chão. Argh... Repentinamente meu corpo inteiro dói, principalmente a parte do tórax e caio ao chão sem conseguir me mover.
- Afinal meu corpo ainda é humano... – Afirmo deitado ao chão olhando para o céu. Apenas espero que Rafaela não sofra muito com a minha ‘’morte’’. Bem, eu a conheci faz pouco tempo, talvez ela nem sofra tanto. – Ta de brincadeira, humano? Tu se ‘’sacrificou’’ por ela... Ela nunca vai se esquecer de você! E quanto ao seu corpo... Vá com calma e ele irá aos poucos se acostumas com seu poder e se tiver sorte ele poderá ate mesmo se tornar imortal como minha alma, mas caso tenha azar, ele irá se deteriorar repentinamente e você irá parar no limbo. Bem, soube que lá é um lugar bem tranqüilo. – Abigor fala sarcasticamente. – Apenas quero que ela viva a vida dela. – Afirmo em voz alta enquanto espero alguém me encontrar.

- E se ela continuar seguindo por esse caminho? O que fará? – Judai pergunta enquanto se agacha ao meu lado. Como é que esse cara surge do nada, sempre? – Cara irritante! – Abigor afirma irritado.

- Eu não irei impedi-la, mas tentarei protegê-la – Afirmo encarando ele.
Ele sorri – Mas você não irá poder proteger ninguém por um bom tempo! – Judai afirma rindo de mim.

- Verdade, e provavelmente mesmo depois de me recuperar eu ainda não estarei perto o suficiente para protegê-la! – Afirmo entristecido.

- Verdade. – Judai confirma olhando para os lados. – Mas caso queira eu posso protegê-la. Não tenho muito que fazer mesmo e tipo... Quando ela estiver em perigo real, eu irei aparecer e tirar ela, mas não a impedirei em suas decisões: fazer pactos, dar a vida por alguém ou caso ela seda á alguma possessão. Sacas o botão ‘’run’’ dos jogos... Eu posso ser o dela, por algum tempo e com acionamento automático. – Judai afirma sorridente e fazendo sinal de positivo com a mão. Hã? A garota que estava com ele acabou de parecer e chutar ele a cabeça dele e o lançou contra uma arvore?

- Já está pensando coisas pervertidas não é? Pare com isso Judai! Isso é errado. A garota ainda é menor de idade seu pedófilo pervertido. – Lindia afirma demonstrando indignação.
Judai levanta e encara Lindia por alguns segundos. – Eu não mereço isso... Eu só quero dormir hoje... To sem saco para discutir... Não adianta... É inútil... Vamos apenas embora, em silencio, por favor. – Jadai afirma completamente depressivo e com uma voz tremula. Depois disso ambos somem nas sombras.

Pouco tempo depois Lúcifer aparece e fica em silencio por algum tempo olhando para mim com indignação. – Sinceramente... Nem Abigor é tão idiota... Arrumar briga estando tão machucado... Você é masoquista, Leandro? – Lúcifer afirma me encarando.

- Desculpa Lúcifer... Apenas tinha que resolver um problema. – Tendo me desculpar mostrando a cara mais arrependida com consigo fazer.


- Não me chame de Lúcifer enquanto eu estiver nessa forma. Chame-me de Lucindra e eu sou sua tia aqui. Entendeu? Estou apenas preocupada. – Lúcifer afirma mostrando preocupação. Não sei se Lúcifer realmente está preocupada comigo ou com algo que queira que eu como Abigor, faça para ela no futuro. – Tome cuidado. Lúcifer pode ler pensamentos de demônios. – Abigor afirma calmamente. Bem, não tenho certeza se ‘’Lucindra’’ realmente está preocupada comigo... – Vamos levem ele para a limusine e vamos para casa. O levantem com cuidado. – Lucindra afirma virando suas costas enquanto os seguranças me levantam. Droga... Só espero que Rafaela não se meta em problemas... Aquele Judai me deixou preocupado...

Continua...
Escrito por: Luan

Iaê? Como está indo a estoria? Algumas reviravoltas aqui outras ali... Está legal? 

Ma-No-Umi

Do outro lado do globo terrestre, a meio mundo de distância do infame Triângulo das Bermudas existe uma região oceânica que também é notória pelo desaparecimento de aviões e navios.


Os japoneses estão cientes dos perigos dessa área faz mais de um milênio. Eles o chamam de Ma-no-Umi: o Mar do Diabo. Há séculos, homens do mar atribuíram misteriosos desaparecimentos de embarcações pesqueiras, naquela região, ao ataque  letal de demônios marinhos e dragões das profundezas. Monstros que vinham à superfície para destruir embarcações e arrastar seus ocupantes para as águas profundas a fim de devorá-los. Não é coincidência que a extensa área no oeste do Pacífico seja chamada também de Triângulo do Dragão, pois diante de eventos trágicos, que não podiam ser logicamente explicados, o sobrenatural se tornava a resposta mais conveniente.

Lá no meu colégio antigo.

Me lembrei hoje disso e resolvi postar. Um relato real de uma coisinha que eu vi no ensino fundamental. ~Luan

Era meu primeiro ano naquele colégio. Estava na segunda serie e sempre me senti mal com alguma coisa que estava lá e eu não poderia ver. Ainda sinto ate hoje quando eu vou para lá. É como está sendo observado constantemente, mesmo não tendo ninguém por perto. Aquela energia levemente hostil. O colégio possui dois andares, os mais novos naquele tempo, estudavam no segundo andar. Minha sala era mesmo em cima da diretoria. Eu estava com sede e apertado para ir ao banheiro. Então pedi para minha professora me deixar sair. Ela permitiu, e no momento em que pus o pé para fora da sala me veio uma relutância em me mover, meu corpo tremeu por um instante e eu senti como se tivesse algo bem próximo a mim que, eu não era capaz de ver. Ignorei fui em direção ao bebedouro e por azar, ele estava quebrado, fui ao banheiro e decidir ir ao bebedouro de baixo, quando eu estava indo para a escada para o primeiro andar, levo meus olhos para a minha sala e vejo uma sombra. Ela era esquisita, não era humana, parecia como se fosse uma gosma. Aumentava e diminuía, inclinava a sua cabeça para um lado e para o outro. Eu fiquei olhando para aquela coisa e sentia que ela estava olhando para mim e deduzi que o motivo de seus movimentos suspeitos era que, aquele ser estava testando se eu realmente podia vê-lo. Eu realmente me assustei quando ele foi vindo em minha direção. Como eu disse antes, era como uma gosma, não possuía pernas e sim, se arrastava. Eu dei apenas um passo para trás quando ele começou a se mover, afinal, estava longe de mim e meu corpo recusava-se virar as costas para esse ser. Eu fiquei apenas olhando ele se aproximar lentamente. Ate que percebi que estava prestes a entrar em meu caminho para a escada. O que eu fiz? Passei correndo. Chegando ao primeiro andar bebi água e na volta fiquei olhando de baixo para ver se ele ainda estava nas passagens. Quando tive certeza que ele não estava eu subi e fiquei com medo de ir para minha sala, já que ele ainda poderia estar ali. Quando eu cheguei à porta da sala eu senti aquela mesma vibração hostil e quando olhei para meu lado direito eu via aquele ser, mas de uma forma transparente e ele estava apenas parado, entrei na sala rapidamente e minha professora brigou comigo, pois eu estava correndo pelo colégio. Eu falei que tinha visto uma sombra que estava me seguindo e ela irritada, apenas mandou que eu me sentasse.

Lembrança de infância

Lembro de muita coisa que aconteceu quando eu era criança, coisas estranhas...

Essa semana estava curtindo um momento nostalgia quando lembrei subtamente que havia perdido um ano de escola porque a mesma havia sido fechada perto do final de ano dos anos 90 e o motivo só descobri muitos anos depois.

Época tranquila... As meninas usavam sainhas azuis drapeadas, os meninos shortinhos igualmente azuis e o famoso conga... Em meio a tantas lembranças recordei dos recreios dessa escola, que era uma casinha simples no interior do Ceará, não havia pátio e sim um quintal ENORME (pelo menos assim parecia), terrenos de perder de vista. Como eram muitas crianças, quatro professoras ficavam nos supervisionando. O limite era uma grande e velha árvore, era a única do lugar, não podíamos passar de lá.

Mas sabe como é? Diga não a uma criança e ela fará exatamente o contrário! Eu e uma coleguinha dedicimos ir até a árvore porque um garotinho dizia que era divertido e que tinha um coleguinha muito legal lá que sempre brincava com ele.

As 10 perguntas mais curiosas sobre alienígenas

Não se tem certeza se estamos ou não sozinhos no universo, mas muitas vezes o medo do desconhecido nos faz preferir acreditar que sim... Existem muitas chances de que haja vida em outros planetas, esse é de fato um assunto fascinante que provoca a nossa imaginação.
   
Entretanto, ao imaginar como seriam ou como se comportariam os alienígenas, a gente costuma fazer algumas presunções bastante antropocêntricas (ou seja, a gente acaba assumindo que eles são parecidos conosco de alguma forma), mesmo sem querer.

A ideia que temos de como um extraterrestre deve parecer foi moldada pelas artes e entretenimento que, de uma forma ou outra, criaram alienígenas que serviam para contar uma história, embora fossem um pouco inacreditavelmente parecidos conosco.

Vamos fazer de conta que a humanidade está a ponto de fazer contato com uma espécie, uma civilização que viva perto de nós. O que podemos e o que não podemos presumir acerca deles? Vamos dar uma olhada, bem especulativa, em alguns fatores que merecem um pouco de consideração, e como eles estão relacionados à ciência real e à ficção científica.

10. APARÊNCIA

Viagem ao futuro será possível


O professor, cientista e físico japonês Hitoshi Murayama afirma que falta pouco para que possamos viajar para o futuro. Murayama, diretor do Instituto Kavli para Física e Matemática do Universo além de catedrático da Universidade de Tóquio, afirmou que o homem poderá viajar para o futuro a partir do momento em que exista tecnologia suficiente para chegar até a estrela mais próxima da Terra.

Projeto: Demoniac Personality. Não pode ser... Cap 10

- Rafaela? O que aconteceu? – Vitoria pergunta enquanto abre a porta.
- Na... De... Mas... – Respondo ainda tremula e assustada.
- Você viu ‘’ele’’ de novo? – Vitoria pergunta preocupada e Alexandre fica com uma expressão de quem não esta entendendo nada. Também... Quem entenderia?
- Não... – Respondo tentando conter as lagrimas. Alexandre vai rapidamente para a cozinha e pega um copo de água para mim. Bebo a água lentamente, soluçando.
- Ei, eu não sei o que está acontecendo, mas vamos jogar. Só para distrair um pouco. – Alexandre fala com um pequeno sorriso em seu rosto. Não custa nada e pode ser divertido.
- Tudo bem. – Respondo enquanto seco minhas lagrimas na camisa.

Jogamos um jogo de luta, depois um corrida, outro de aventura e por fim um de tiro. Já estava tarde e Vitoria estava dormindo no sofá.

Revenant

Revenant - em português, o retornado - é um fantasma visível ou um cadáver animado, que acredita-se voltar do túmulo para aterrorizar os vivos. A palavra "revenant" é derivado do latim, reveniens, "retorno" (no francês, o verbo "revenir", que significa "voltar").

Histórias vívidas de retornados surgiram na Europa Ocidental (especialmente Grã-Bretanha, e mais tarde foram relatadas por invasores anglo-normandos à Irlanda) durante a Alta Idade Média. Embora a lenda e folclore retrate os revenants como criaturas, em vida eles eram indivíduos que sofreram uma morte violenta e injusta, que foi atraiçoado, emboscado ou traído por alguém em quem confiava. No momento de sua morte, a revelação é tão traumática que se cristaliza em um desejo esmagador de obter vingança custe o que custar, então, retornam para vingar-se. Na maioria dos relatos medievais, eles voltam para assediar suas famílias e vizinhos.

Retornados compartilham uma série de características com os vampiros folclóricos, ambos são o produto resultante de uma pessoa que retornou dos mortos e vaga por aí se alimentando de sangue.

O Trem Fantasma


Por volta das três horas da manhã, os passageiros foram subitamente despertados pelo violento balanço do trem. O maquinista lutava pelo controle dos vagões, todos os passageiros correram desesperados para as janelas, somente para vislumbrar...  O impacto fulminante contra as pedras e tijolos da ponte Bostian, perto de Statesville EUA.

O trem havia descarrilado, bruscamente impactando contra as guarnições da ponte.  O som da locomotiva percorrendo os trilhos foi substituído pelo grito do metal de seus freios, e das pessoas em pânico dentro dos vagões.

O enorme trem caiu dramaticamente, em direção ao leito do riacho, 60 metros abaixo da ponte. O som de trovão que fez, quando colidiu com o fluxo de água, foi rapidamente substituído pelo igualmente terrível som de seus passageiros presos gritando e gemendo em agonia nos destroços retorcidos do trem. 42 pessoas foram mortas naquela noite num dos piores desastres na história da Carolina do Norte. Ocorrido no dia 27 de agosto de 1895. Desse ponto em diante, começou a lenda!

RELATO DOS LEITORES #14

Desde bem pequena, escuto minha mãe me contar suas histórias. Todas elas contêm fatos dramáticos, engraçados e até bem assustadores. E quando eu digo "assustadores", quero dizer assustadores em todos os sentidos.

Uma vez, ela me contou sobre o dia do meu nascimento. O parto foi bem complicado e ela ficou entre a vida e a morte. Segundo ela, durante o parto, ela apagou e viu tudo branco. A partir daí, ela viu o que pessoas costumam chamar de "A luz no fim do túnel".

Antes, ela viu sua vida passar como num filme e depois viu uma luz que se aproximava. Antes de se ficar bem perto da tal luz, ela voltou e viu várias pessoas de branco em volta da maca aonde ela se encontrava.
"Mas, por que tanta gente aqui comigo? Aconteceu alguma coisa com a minha filha ou comigo?" - perguntou ela.

"Não tem muita gente com você, querida. Somente eu e mais uma enfermeira." - respondeu a médica.

Depois disso, ela dormiu e tudo voltou ao normal. Foi como se ela morresse e voltasse.

Eu fiquei pensando nessa possibilidade de você morrer e voltar. Por que? Como?

Bom, é isso.

Enviado por: Vanessa Oliveira

O sonho de Abraham Lincoln


Raras as vezes, são consideradas dignas de crédito, as afirmações de pessoas que dizem que seus sonhos tornaram-se realidade. E mesmo quando em 1865 o presidente Abraham Lincoln, previu em sonhos a sua própria morte, esta visão não foi imediatamente levada a sério pelos seus colaboradores.

Lincoln contou seu sonho perturbador a um amigo intimo, Ward Hill Lamon, que nessa mesma noite registrou por escrito as palavras do ex-presidente Norte-americano:

"Há cerca de dez dias deitei-me muito tarde, para logo em seguida cair em sono profundo, para então começar a sonhar... quando dei por mim parecia haver um silêncio sepulcral ao meu redor. Mas subitamente, quebrando aquele silêncio gélido ouvi soluços abafados, como se houvesse muitas pessoas chorando no andar inferior.

Seria uma fantasma no meio do Mato??

Eu encontrei essa imagem sem descrição em um forum estrangeiro, no meio de um compilado de imagens qualquer, e achei muito interessante.

Mostra uma sequência de imagens feitas por aquelas cameras que biólogos usam para fazer estudo sobre comportamento e monitoramento de animais selvagens.

Durante o dia eles estalam as cameras e recolhem  dois, três dias depois, e essa camera é acionada por sensor de movimento , ou seja quando passa algo perto dela ela dispara, semelhante com os alarmes residenciais por exemplo, mas ao invés de acionar uma sirene ele aciona a camera.

Pois bem, a sequência mostra o que parece ser um cervo caminhando e de repente se assusta e corre ao ver o que parece ser uma silhueta de uma criança, confiram:

Círculos da Namíbia

Nos campos de planície do sul da África, surgem esses milhares de círculos. A população local, sem saber como explicar aquilo, os chamou de “círculos de fadas”. Eles variam entre 2 metros a 15 metros de diâmetro, e ocorrem em meio a vegetação gramínea, especificamente na Namíbia. Mas eles também aparecem em Angola e na África do Sul.


Trem Fantasma


Adriano, Maurício e Gustavo, eram três amigos inseparáveis, que cresciam juntos desde a infância. No
vilarejo onde eles moravam, uma estrada ferroviária passava nas proximidades, porém, já estava abandonada há muitos anos. Havia também naquele pequeno município, um senhor viúvo chamado Afonso, que se aposentou pela estrada de ferro, trabalhando mais de 30 anos de sua vida, onde no passado ele fora um excelente maquinista.

O senhor Afonso passava mais de 6 horas todos os dias, sentado no banco de uma antiga e pequena Estação de Trem, onde antigamente servia somente para embarque e desembarque de trabalhadores, ou seja, pessoas que trabalhavam numa empresa mineradora que se localizava nas redondezas daquele município.

Todos os moradores locais achavam muito estranho os hábitos do senhor Afonso e colocavam até mesmo a sua sanidade em dúvida, pois sempre que perguntavam o que ele estava fazendo ali, o velho respondia:

- Estou esperando ele voltar... Eu sei que ele vai voltar...

- Mas ele quem senhor Afonso? – Perguntavam os moradores e ele sempre respondia:

A escuridão

Aparentemente era uma noite como todas as outras, mas logo percebi que alguma coisa estava errada. A chuva estava muito forte e ao que parecia não pararia tão cedo, foi quando senti um frio na espinha.

Não sabia o porquê de uma sensação tão ruim e tampouco o que ela queria dizer, então ignorando complemente meus instintos fui deitar.

Acordei sobressaltada e tive a nítida impressão de que era observada, mas não tinha coragem de tentar enxergar na escuridão, então cobri minha cabeça com o lençol e para meu terror, senti que algo me tocava.

Queria gritar, mas o grito ficou preso na garganta, nesse momento me lembrei quando minha avó dizia, que a escuridão podia guardar segredos horríveis e amedrontadores, nunca acreditei no que ela dizia, era pura bobagem...

Depois de alguns segundos percebi que tudo estava quieto, ainda com o lençol sobre a cabeça decidi me dormir e virei para o lado, rezando baixinho para o meu medo ir embora e me sentindo uma idiota supersticiosa.

Alguns segundos depois, mais calma, decidi abrir meus olhos e para minha surpresa o quarto estava muito mais escuro, na penumbra... me senti momentaneamente aliviada, foi quando de repente percebi a escuridão se mover, senti meu braço ser agarrado e minha pele queimar, e para meu terror a escuridão sussurrou em meu ouvido:

Acredita em mim agora?


Por: 

5 pessoas que foram encontradas mortas muitos anos depois

Tente manter contato com um ao menos um círculo pequeno de pessoas se não quiser acabar no esquecimento (se bem que não fará diferença, então...). Pode ser que você não seja fã de dar as caras em absolutamente todas as confraternizações agendadas via Facebook, mas pertencer a um nicho social qualquer é o que nos faz ser lembrados. Essas breves considerações se dão em função desta lista: indivíduos que foram encontrados mortos em suas próprias casas depois de muitos anos.

42 anos assistindo à TV sem dar um suspiro


Os restos desta mulher foram encontrados 42 anos depois de sua morte. Mais curioso foi notar que o corpo sem vida estava sentado sobre uma poltrona, em frente a uma TV. Hedviga Golik, nascida em 1924, aparentemente fez um copo de chá antes de sentar-se como espectadora de um show qualquer...

Loa loa: o verme de olho


A Loa loa é uma espécie de nematódeo do gênero Loa causador de um tipo de filaríase, nestes casos é denominada “loaíase”. Estes vermes estabelecem-se em pares macho e fêmea nos vasos linfáticos, podendo causar um aumento de volume devido a drenagem linfática deficiente nas pessoas contaminadas.

A viagem  deste verme é assustadora:os adultos se reproduzem sexualmente gerando inúmeras larvas microscópicas que atingem os tecidos subcutâneos e migram pelo corpo podendo ser sugadas pelas moscas transmissoras do sangue. As moscas responsáveis por essa transmissão são da família Tabanidae, especialmente do gênero Crysops, encontrada, sobretudo na África tropical.

A carta de John Lear

John Lear (JL) , um capitão de grande Companhia Aérea dos EUA, já voou com mais de 160 aeronaves diferentes, sobre mais de 50 países. Ele possui 17 recordes mundiais em velocidade com um Lear Jet, e é o único piloto comercial a possuir o certificado de piloto cedido pela Administração Federal de Aviação dos EUA. JL já voou pelo mundo em missões para a CIA e outras agências do governo americano, foi o designer do Lear Jet, EMPRESA DE JATOS EXECUTIVOS DA QUAL É FILHO DO FUNDADOR DA EMPRESA Lear Jet. JL começou a interessar-se pelo fenômeno UFO, 13 meses após falar com o Pessoal da USAF. Foi testemunha do pouso de uma nave em Bentwaters AFB, próxima a Londres, Inglaterra, e três pequenos ALF's (Alien Life Forms, Greys) andaram até o comandante da base.

Esta é uma reprodução

John Lear 1414 Hollywood Blvd Las Vegas, Nevada 89110

13 de dezembro de 1987

Caro Steven:

Foi bom conversar com você na noite passada. Eu estou enviando os “DULCE PAPERS” para sua informação. Também está incluída uma transcrição da conversação McCampbell com Paul Bennewitz e o Projeto Beta. Também a declaração de Gary Stollman. O que se segue é a minha atual hipótese formada depois desta viagem de duas semanas por Colorado, Novo México e Arizona falando com várias pessoas, algumas da força aérea, algumas dos Laboratórios Sandia e muitas outras.

MJ-12, representando o governo americano, fez um trato com os EBEs (EXTRA- TERRESTRIAL BIOLOGICAL ENTITIES) ou Greys no período de 1969- 1970-1971. O “acordo” foi que em troca de tecnologia: os extraterrestres no-la forneceriam e nós ignoraríamos as abduções que estavam acontecendo. Os EBEs nos asseguraram que estas abduções tinham o único propósito de monitoramento do desenvolvimento de civilizações: na verdade estas abduções ocorriam visando o atendimento de três propósitos: (1) inserção de um pequeno aparelho de mais ou menos 3 milímetros de tamanho via nasal no cérebro para propósitos de monitoramento e programação; (2) sugestão pós hipnótica relativa a um evento que ocorreria num prazo de entre dois a cinco anos e que indicaria ao indivíduo algum lugar aonde ir ou alguma coisa a ser feita; mesmo com as nossas melhores técnicas hipnóticas, nós ainda não fomos capazes de descobrir o que ou aonde se refere este evento, e (3) intercruzamento genético entre EBEs e humanos.

As Múmias Monstro do Japão

Ocultas em salas de templos budistas e museus em todo Japão estão uma série de múmias monstro - vestígios preservados de demônios, sereias, kappa, Tengu, raijū, e até mesmo monges humanos. Aqui estão algumas espécimes notáveis:

Múmias de Demônios


Pode parecer estranho que templos budistas no Japão tenham espalhados dentro deles demônios mumificados, mas é preferível mantê-los sob o olhar atento de um sacerdote, em vez de deixá-los perambular pelas ruas...

Brecha


Sempre, sempre acontecia! Todas as noites meus pesadelos eram regados pela visão obtida com a pequeníssima brecha na porta do meu quarto. Minhas tentativas de sumir com aquela brecha eram, sem exceções, falhas. Por mais que eu fechasse a porta; nem com força, nem trancando, aquela brecha se desfazia. Havia algo através daquela abertura, algo que eu desejava incessantemente descobrir e, claro, me livrar.

A voz daquela coisa, sua voz... Era repugnante! O irônico "Kenny, venha brincar", dito por aquilo toda santa noite, divulgava-me um fato horripilante e desagradável: ele sabia meu nome! Mesmo que sua voz já tivera sido por mim ouvida, uma única parte do corpo, apenas uma, eu tinha ciência - a qual sinceramente eu desejava nunca ter conhecido: os olhos. Eram apenas pequenas bolinhas amarelas, destacando-se em meio ao negro forte de seus glóbulos oculares, no entanto o medo que podiam transmitir era tão imenso quanto o amor de uma mãe...

Te observando

Alessa era uma jovem garota que passava o dia olhando pela janela, talvez procurando algo de interessante ou algo do tipo. Ela morava com os avós em uma casa pequena e confortável, o lugar da casa que ela mais gostava era o quarto onde tem uma enorme janela.

Nada de novo acontecia até que um dia, um garoto se mudou para a casa em frente a sua. Ele parecia tímido e muito quieto, por coincidência ele estava usando a camisa da banda preferida dela, ela logo percebeu que eles tinham algo em comum.

Morto por um UFO - Caso Rutger Telford


Rutger foi uma vítima do que estão chamando de “o franco-atirador-fantasma”. Isso porque ninguém viu quem ele era e nem mesmo o que ele atirou. A história é muito estranha, parece enredo de filme. Aconteceu na Nova Zelândia...

Na manhã de 24 de outubro de 2013, o agricultor Rutger Telford Hale de apenas 22 anos, estava viajando com sua namorada, Daniele Oylir. Rutger dirigia um Subaru Legacy e estava perto da cidade de Wanaka. 

Em um minuto eles estavam bem, conversando enquanto ele dirigia e no minuto seguinte ele estava morto. Estranhamente, o “tiro” que matou Rutger atravessou o pára brisa, transpassou seu corpo e saiu do outro lado, destruindo partes do carro.

A namorada de Rutger diz que viu o pára-brisa se espatifando e Rutger perdeu a direção, virando o volante para o lado. Assustada Daniele viu um buraco na cabeça de seu namorado jorrando sangue. A ferida foi fatal. Ela precisou agarrar o voltante e o carro acabou caindo em uma vala lateral à rodovia, só quando o carro parou que ela viu que a coisa que atingiu o carro e o motorista saiu pelo outro lado, estourando também a janela traseira. 

A pintura sinistra


Esta pintura tenebrosa, verdadeiramente aquerôntica, não é apenas estranha e sinistra... É assombrada!

A pintura se chama “O homem angustiado”. Dizem que ela  pode causar atividade paranormal inexplicável. Hoje, a pintura estranha  está atualmente na casa de Sean Robinson, morador de Cumbria, Inglaterra.

Quando Sean era um menino, ele viu a pintura a óleo de aparência estranha na casa de sua avó. Esta estava - por alguma razão que parece não ser coincidência - bem escondida sob um monte de cortinas no porão da velha casa. Sean se sentiu atraído por ela, como que enfeitiçado por uma força misteriosa. Ele passou algum tempo a sós com a pintura e apenas olhando para ela durante horas.

6 maldições mais famosas da História

1. Múmia congelada


Em 1991, foi descoberta uma múmia incrível, de 5.300 anos atrás: tratava-se do corpo de um homem da Era do Bronze, que provavelmente morreu durante o ataque de um inimigo. Porém, a consequência para a equipe de pessoas envolvidas nesse feito extraordinário não foi nada boa.

O patologista forense que investigou a múmia, Rainer Henn, morreu em um acidente de carro, no ano passado. Kurt Fritz, o guia que levou Henn até a múmia, morreu em uma avalanche não muito tempo depois. A pessoa que descobriu o corpo, Helmut Simon, morreu em uma queda, enquanto escalava, em 2004. E Dieter Warnecke, que organizou uma busca para encontrar o corpo de Simon, faleceu de um ataque cardíaco logo após o funeral do amigo. Tudo isso pode ser uma grande coincidência, mas não deixa de ser assustador.

Vulto em acidente

Esse video não é novo, já tem um certo tempinho que vi porem é bem interessante, e como aqui no MS esta liberado umas imagens mais fortes de vez enquando, resolvi postar.

Ou seja : QUEM NÃO GOSTAR DE IMAGENS FORTES NÃO ASSISTA O VIDEO !!

O video mostra um grave acidente no qual duas pessoas aparentemente mortas estão no chão a espera de socorro, quando de repente um vulto sai de uma das pessoas e vai em direção a outra e some. Apesar da qualidade do video ter sido gravada por um celular antigo, essa sequência do vulto é bem nítida.

Pés


Ela sempre estudava sozinha até tarde na biblioteca do internato.

Enquanto estudava ouviu passos. Outra garota entrou na sala e pediu para sentar-se com ela. Ela disse que não tinha problema, companhia não era uma  má ideia.

Pouco tempo depois sua caneta caiu e ao olhar por baixo da mesa percebeu que a garota não tinha pés. Chocada e muito assustada recolheu seu material dizendo que estava com com sono e que iria dormir.

A garota sorriu sarcástica e perguntou "Como pretende andar sem seus pés?"

Ela foi encontrada pela manhã,
e seus pés haviam sumido...

Por:

UFO capturado perto de tornado em Indiana


Como todo o OVNI que se preze visita desastres naturais que ocorrem em áreas com população, aqui está um vídeo de um objeto voador brilhante, que foi gravado durante uma tempestade que gerou tornados na cidade de Noblesville, estado de Indiana, EUA.

Obviamente, como todos já estão cansados de saber, OVNI não significa ‘nave alienígena’ e há a grande possibilidade de que este objeto tenha sido um ‘drone‘ das forças armadas dos EUA, fazendo um levantamento da região que estava sendo afetada pelos tornados… ou não!

A filmagem foi feita no dia 17 de novembro passado.

“Genes do Suicídio”

Suicídio do latim sui, "próprio", e caedere, "matar". Sua causa mais comum é um transtorno mental e/ou
psicológico que pode incluir depressão, transtorno bipolar, esquizofrenia, alcoolismo e abuso de drogas. Dificuldades financeiras e/ou emocionais também desempenham um fator significativo. Além da consideração nefasta do suicídio, há também avaliações positivas, sendo visto como uma vontade legítima ou um dever moral.

Mais de um milhão de pessoas cometem suicídio a cada ano, tornando-se esta a décima causa de morte no mundo. Trata-se de uma das principais causas de morte entre adolescentes e adultos com menos de 35 anos de idade. Entretanto, há uma estimativa de 10 a 20 milhões de tentativas de suicídios não-fatais a cada ano em todo o mundo.

As interpretações acerca do suicídio tem sido vistas pela ampla vista cultural em temas existenciais como religião, filosofia, psicologia, honra e o sentido da vida. Albert Camus escreveu certa vez: "O suicídio é a grande questão filosófica de nosso tempo, decidir se a vida merece ou não ser vivida é responder a uma pergunta fundamental da filosofia." As religiões abraâmicas, por exemplo, consideram o suicídio uma ofensa contra Deus devido à crença religiosa na santidade da vida. No Ocidente, foi muitas vezes considerado como um crime grave. Por outro lado, durante a era dos samurais no Japão, o seppuku era respeitado como uma forma de expiação do fracasso ou como uma forma de protesto. No século XX, o suicídio sob a forma de auto-imolação tem sido usado como uma forma de protestar, enquanto que na forma de kamikaze e de atentados suicidas como uma tática militar ou terrorista. O sati é uma antiga prática funerária hindu no qual a viúva se auto-imolavam na pira funerária do marido, voluntariamente ou por pressão da famílias e/ou das leis do país.

Projeto: Demoniac Personality. Demônios não devem pensar em anjos. Cap.9

Parece que resolvi meus problemas bem antes do esperado '-'...
Que bom né... Espero que gostem. ~Luan


Serio mesmo? Leandro não ira mais voltar... Droga, logo agora... Hã? Uma chuva de fogo cobre tudo a minha frente. Abigor larga-me e encara um caminho de fogo que se forma a nossa frente e começa a emanar sua tenebrosa aura. Palmas ecoam por todo o local e se focalizam aos poucos em um único ponto, de onde surge um homem com cabelos brancos de bordas vermelhas, usando uma mascara.
- Abigor! Não imaginava que iria se libertar tão cedo! – O homem fala com um tom entusiasmado.
- Pois é, parece que esse garoto era mais humano do que imaginávamos. Se apaixonar pela sua presa, que triste. – Abigor afirma com um grande sorriso. Presa? Por acaso está falando de mim? Dês de quando eu sou uma presa? E... Leandro se apaixonou por mim?
- Verdade, mas isso apenas mostra ate onde humanos são capazes para proteger quem amam. Ao contrario de você Abigor. Apenas um demônio egoísta e sanguinário. Admita, você não sente vontade de vingança para com Miguel, apenas quer mais uma guerra sem sentido. – O homem afirma enquanto as chamas ao seu redor dissipam.
Abigor gargalha e logo após encara o homem com um olhar ameaçador. – Quem dera... Aquele desgraçado acabou com o meu exercito, acabou com minhas prostitutas, acabou com meu corpo e acabou com meu cavalo... Meu precioso cavalo... Eu estava contentado com a minha morte para ele. Isso estava decidido dês do inicio do mundo, mas agora, eu quero destroná-lo e você vai me ajudar nisso... Já que é um dos poucos que não estão presos ao destino. Sua criatura anômala! – Abigor afirma confiante e com um grande sorriso. Então é assim... Aquele homem irá ajudá-lo e o fim do mundo chegará. Parece que estou vivendo em uma espécie de filme, um tipo de filme que sempre odiei.
- Rá... - O homem grita. – Quer saber de uma coisa? Eu não gosto nada desse destino em que o mundo se encontra. Apenas um único fim? Que piada. Não temos escolhas? Que injusto. Devemos seguir calados? Não concordo. Eu agora decido mudar o futuro, a partir de agora cada um terá suas escolhas e infinitas chances de mudar o futuro. – O homem fala confiante. Quem ele acha que é? Deus?
- E como pretende fazer isso? Apenas por estar fora do livro do destino não significa que você pode mudar tudo. Apenas uma parte. Você não é o deus supremo, é apenas uma anomalia no universo. – Dantalion grita enfurecido.
- Caro Dantalion... Há quanto tempo. Como tem passado? Não responda... Eu não me importo. Em seu destino Abigor, está escrito que eu iria ajudá-lo, mas eu não sou obrigado a isso. – O homem fala calmamente.
- Mesmo assim, isso não irá mudar muita coisa. Eu não esperava muito de você mesmo. Basta eu continuar aqui. Você seria uma ajuda opcional. – Abigor afirma desaparecendo. Ele reaparece com sua lança nas costas do mascarado e tenta acertá-lo. Hã? De onde essa garota saiu? Uma garota está segurando a lança de Abigor, impedindo que atinja o mascarado.
- Primeiramente. Meu nome é Judai. Segundamente... Abigor... Olhe para o chão! – O homem fala com um tom de voz sádico. Abigor olha para baixo e um círculo de luz, com símbolos brilha e Abigor cai de joelhos inconsciente. O que aconteceu? – Terceiramente, garotinha... Entre nesse circulo. – O homem fala apontando para minha frente, um circulo de luz surge a um passo de distancia a mim, eu mesmo não... E se eu ficar inconsciente também? Ele ira querer fazer alguma coisa comigo e com o Abigor, certo? Será que... Ele irá querer dissecar o corpo de Leandro e o meu achando que também sou uma deles? – Você quer trazer o Leandro de volta ou não? Se você entrar nesse circulo, irá entrar no subconsciente de Leandro e poderá puxá-lo para fora, enquanto Abigor dorme. Vamos, ande logo! – O homem afirma irritado. Eu posso trazer Leandro de volta? Pulo rapidamente dentro do circulo minha visão apaga.

Onde estou? Está tudo tão escuro. O único foco de luz está atrás de mim. Tenho que encontrar Leandro e trazê-lo para essa luz? Bem, é a única coisa que posso fazer.
- Alguém? Alguém por favor... – Uma voz de criança a minha frente. Sigo em linha reta e encontro um garotinho encolhido, ele me é familiar. Será o Leandro quando era mais novo?
- Ola! Você é o Leandro? – Pergunto tocando a criança. Hã? Minha mão esta manchada de sangue... O garoto olha para mim com lagrimas nos olhos. Esse garoto... É o mesmo da minha visão... Aquele da igreja...
- Quem é você? Você deveria sair daqui... Esse não é um lugar para você. Existe um grande monstro aqui... Você não pode com ele. – O garota afirma me puxando em direção a luz. Ele está completamente ensangüentado. Exatamente igual ao garoto da igreja.
- Mas eu estou atrás de uma pessoa... Um amigo meu... Eu não posso ir agora! – Afirma parando de andar.
- Mas... Eu não quero que mais ninguém se machuque por minha causa... Por favor vá embora. Aqui não é seguro. – O garoto afirma choroso.
- Não posso... Você é o Leandro, certo? – Pergunto com um pouco de medo.
- Sim e não... Não sou o verdadeiro Leandro... Você está atrás dele? – O garoto pergunta me olhando fixamente.
- Sim, você sabe onde ele está? – Pergunto animada, pois ele deve saber onde é.
- Sei... Venha. – O garoto afirma sem expressões e anda em linha reta. O sigo ate um trono feito de ossos. Há uma pessoa sentada nele.
- Leandro? – Pergunto sentindo um forte medo em meu peito. Duas orbitas brilhantes roxas aparecem repentinamente. Parece ser seus olhos.
- O que esta fazendo aqui Rafaela? Você deveria está aos braços de Abigor a essa hora. – A voz de Leandro afirma com um tom de irritado. Ele esta achando que eu sou o que?
- Você acha que eu sou o que? Uma prostituta que cairia aos braços de um demônio com tanta facilidade? Eu estou começando a me arrepender de ter findo aqui lhe salvar. – Grito, furiosa.
- Me salvar? Não há mais salvação para mim! – Leandro afirma com um tom triste. Hã? Apenas vejo o borram de sua imagem, mas eu estou vendo chifres nele?
- Claro que há. Um homem chamado Judai apareceu e pós Abigor para dormir, agora, você só precisa sair. Venha. – Afirmo animada.
- Não reparou em minha imagem? – Um brilho roxo cobre todo o local e... Hã? Esse é o Leandro? Seu corpo está coberto por tatuagens estranhas e ele possui chifres. Estou sentindo muito medo agora, mas ainda é o Leandro não é? – Viu? Apenas de ver minha imagem seu corpo treme, seus olhos lacrimejam e sua alma implora para que me abandone. Não sou mais humano, antes ate poderia dizer que era, mas agora estou quase completamente fundido com Abigor... Seu poder, seus sentimentos, sua angustia, maldade e sangue fluem pelo meu ser agora. Então saia daqui e me deixe, não sou mais o Leandro, o humano insano que lhe salvou. Agora eu sou um demônio sanguinário e insano! – Leandro afirma seriamente.
- Mas se você diz isso, significa que ainda é o Leandro. Um rapaz que não quer causar mal a ninguém e que apenas quer ajudar. Sua forma pode ter mudado, seu poder pode ter aumentado, mas ainda é você. O Leandro que me salvou e continua me salvando ate mesmo sacrificou sua humanidade por mim. Venha comigo. Eu quero lhe ver lá fora e não aquele demônio Abigor! – Grito, tentando desesperadamente convencê-lo a vir comigo.
Leandro me olha com espanto. Sua face entristece e depois ele sorri. – Tudo bem. Vamos. – Leandro afirma levantando-se do trono, rapidamente me segura nos braços e corre para a luz.

Após passar pela luz acordo deitada no chão. Levanto e corro para onde Leandro estava acordando.
- Pare de ser um incomodo Judai! – Uma mulher incrivelmente linda grita com Judai.
- Qual é... Eu não sou uma anomalia? Devo fazer coisas anômalas. Porque se não, eu perco o motivo de minha existência... Certo Lucifer? – Judai afirma com um tom sarcástico. A garota que o ajudou aparece por detrás dele... Hã? Ela acertou um chute na cabeça de Judai... Ele saiu ‘’voando’’ para onde eu e Leandro estamos. Leandro ainda esta acordando, parece estar muito fraco... – Lindia! O que diabos, acha que esta fazendo? – Judai grita furioso, enquanto sua mascara cai aos poucos, mostrando um rosto branco como uma folha de papel e olhos completamente negros.
- Você estava pensando coisas inapropriadas com ele não era? – Lindia afirma confiante.
- Não, eu não estava! – Judai grita furioso enquanto se levanta.
- Não adianta dizer que não! Eu sei bem como os homens pensam... E você estava pensando em trair a garota que ama certo? Não pense essas coisas, eu já te falei. – Lindia afirma calmamente. Ela é uma especialista ou uma paranóica?
- Pare de agir como se soubesse ler meus pensamentos, por que você não sabe! – Judai grita ainda mais furioso.
- Não preciso saber... Eu sei. Eu entendo muito bem os homens e principalmente você! – Lindia afirma com um fofo sorriso. Como ela pode falar desse tipo de coisa com tanta inocência?
- Lindia... Eu vou te queimar inteira se você continuar... – Judai irritado, pondo a mão no rosto. Deve esta tentando se controlar.
- Viu só... Judai sempre quer fazer coisas pervertidas comigo. Judai sempre quis se deliciar no corpo de Lindia, mas Judai não pode, pois mesmo tendo o corpo de Lindia, Judai já ama alguém, e se Judai ama alguém, Lindia não pode deixar Judai fazer coisas pervertidas com ninguém, nem com Lindia... – Lindia termina de falar segurando seus seios. Começo a achar que a pervertida aqui é essa garota...
Hã? As roupas de Judai estão pegando fogo... Ele está com um olhar de morte... Ela não deveria ter falado essas coisas. Judai olha para mim e as chamas em sua roupa somem. – Vejo que já o trousse. Isso é bom, mas garotinha. Lembre-se que ele não se lembrará de nada que aconteceu aqui... Nada mesmo e não comente nada com ele. – Judai afirma calmamente. – Demônios não devem pensar em anjos, isso apenas trará problemas para os anjos. – Judai fala enquanto abri uma espécie de portal ao nosso lado. Leandro parece estar dormindo. O que eu faço agora? – Quando voltar ao seu mundo, pegue o celular de Leandro e ligue para a tia dele. Diga que ele desmaiou sem mais, nem menos e que você esta preocupada sem saber o que fazer. Ela virá buscá-lo e a deixará em casa. – Judai afirma calmamente. E vira-se para a Lúcifer e abre um grande sorriso. – Vê? Eu fiz com que ele superasse a influencia de um demônio uma segunda vez. Eu fiz algo alem de um milagre, eu acabei de quebrar um conceito que foi aceito como verdade absoluta. Vê Lúcifer? – Judai afirma euforicamente, com grande satisfação, enquanto os outros demonstram imensa raiva e ódio.
- O destino mudou?... Sim, mudou!... Essa mudança será boa ou ruim?... Boa ou ruim?... Ao menos será boa para mim! – A voz da garota de olhos vermelhos que, apareceu em meu sonho ecoa pela minha mente. O que isso significa? Hã? O anel que eu não conseguia tirar partiu-se ao meio... Pego as duas metades do anel e passo pelo portal junto com Leandro.

Estou na frente do parque e tudo está normal. Faço como Judai me falou e Tia do Leandro vem nos buscar. Leandro não acordou no caminha da minha casa. Lucindra fala que ele apenas precisa de um descanso e ignorou meu pedido de levá-lo a um hospital. Estou preocupada com o Leandro... Quem eram aquelas pessoas? Judai... Ele é um aliado? Eu posso confiar nele? E aquela voz... O que significa o que ela falou? Foi apenas minha imaginação?... Aiiii minha cabeça... Estou confusa, muito confusa... E esse anel... O que significa ter quebrado agora?
- Significa que não será muito bom para você! – A voz da garota ecoa em minha mente.
- Quem é você? E o que quer? – Pergunto na esperança de não haver resposta.

- Eu já lhe disse quem sou... Olhe para o espelho. – A voz fala tranqüilamente. Olho para o espelho que estava próximo a mim... Minha... Imagem, esta... Se transformando... Meus cabelos ficam brancos, meus olhos vermelhos, minha pele de um pálido mórbido e um grande sorriso surge em meu reflexo. – Eu sou Satã! – Meu reflexo afirma alegremente. Meu reflexo volta a mim e me mostra chorando... Droga... Porque isso tem que acontecer comigo? Estou com medo... Muito medo...

Continua...
Escrito por: Luan

Acidentado possuido

Salve amigos do blog Medo Sensitivo , aqui quem fala é o sumido do Silvio que resolveu dar o ar de sua graça rsrs

E trago até vcs um video no mínimo inusitado: Um homem que acaba de sofrer um acidente de moto parece ser possuido pelo demonho (isso mesmo, demonho) , ou teria sofrido a acidente por estar possuído ?

Confiram:

Jorogumo


Originaria da mitologia japonesa é descrita como uma gigantesca aranha youkai com cabeça de mulher. A Jorogumo possui as habilidades de uma aranha, mas também pode metamorfosear-se em uma bela jovem, as vezes num bebê, usando desta habilidade para atrair uma presa e encerra-la em suas teias. Diz à lenda que ao completar 400 anos seus poderes mágicos se manifestam.

As lendas que cercam Jorogumo, a torna “Dona” da cachoeira Joren, em Izu - shizuoka. Elas contam como um lenhador se salvou do ataque da criatura, que ao descansar nas margens da cachoeira, teve suas pernas envoltas de fios de teias, rapidamente as cortou com seu machado, amarrando-as em um tronco solto logo após, lentamente o tronco foi sendo puxado para dentro da cachoeira, surpreso, o lenhador fica ao escutar uma voz dizer “Esperto... inteligente”.

Outra lenda conta que se disfarçando de uma bela jovem voluptuosa, Jorogumo, atrai suas vitimas para uma casa vazia, seduzido por sua beleza, a vitima, tem sua atenção desviada pelo som melódico de um Biwa (instrumento musical de cordas japonês), envolvido pela beleza de Jorogumo a tocar a bela canção, ele não percebe, mas seu corpo está sendo envolto de fios de teia, quando finalmente perceber, será tarde demais.

Cercado pelas sombras.

Galera... Vou ter que parar de postar por algumas semanas... Ou algum tempo a mais... Estou com alguns problemas emocionais... E tipo: Não consigo escrever nada se eu estiver indeciso ou pensando em algo muito paralelo a estoria... Desculpe... Então estou parando de postar. Desculpa Lady por ter que dar mais um intervalos... Não me tire okay? Ainda pretendo voltar a postar... Mas como despedida, vou deixar algo que aconteceu comigo aqui, ou seja, acredite ou não é um fato real... Ate a próxima e espero resolver esses problemas o mais rápido que eu puder. ~Luan


Eu estava praticando arduamente exercícios de meditação e espiritualidade. Eu estava muito ansioso para ver os resultados. Eu realmente queria ver algo, sentir algo, ouvir esse algo e poder afirmar que qualquer tipo de pessoa poderia adquirir a mediunidade. Eu posso afirmar isso, pois meus resultados a esse ponto foram satisfatórios, mas não foram nada agradáveis. Tudo estava indo bem. Eu estava me sentido em paz e com uma grande confiança em meu peito. Já estava tarde, por volta das duas da manha. Eu resolvi ir tomar banho para dormir. Quando passei pela porta do quintal em direção ao banheiro, senti um grande frio na espinha. O medo foi tão grande que não tive coragem de olhar para o lado e passei direto pela porta. Tomei meu banho, mas eu precisava estender a toalha do lado de fora. Encarei a porta por alguns instantes e tomei coragem de para ir lá fora. ‘’Que besteira, deve ser apenas minha imaginação. Só isso! Comecei a treinar espiritualidade hoje. Como poderia ter resultados tão rápidos?’’ eu pensei comigo, e abri a porta. Estendi a toalha e no momento em que eu iria virar as costas, reparo um borrão negro na lateral de meu olho direito. ‘’Que droga! Já esta surtindo efeito? Sou foda demais cara!’’ pensei comigo mesmo sentindo uma mistura de medo, felicidade e alto-satisfação. Achei que quando eu olhasse diretamente para a sombra, ela iria simplesmente sumir, mas para meu azar isso não aconteceu. Olhei para a sombra, minhas pernas tremeram. ‘’A sombra ainda esta na minha frente? Ela geralmente não some quando olhamos para ela diretamente? Ou será que é minha sombra?’’, pensei na esperança de haver algum engano de minha parte, mas eu tinha dois motivos para discordar da minha afirmação. O primeiro: era que essa sombra era muito larga, parecia estar em pé e eu senti medo por estar olhando para ela. Sou magro, minha sombra nunca seria larga. E a segunda: minha sombra estava ao meu lado e era muito mais claro do que a que estava a minha frente. Fiquei parado a encarando por alguns segundos. Ate ela começar a se mexer em minha direção. Parecia esta querendo me pegar. Seja lá o que estava a minha frente, estava se arrastando em minha direção. Eu via suas mãos indo para frente e puxando o resto do corpo. Suas mãos eram finas e pequenas, completamente incomuns para um corpo tão largo. Eu queria correr, mas minhas pernas estavam tão tremulas que eu mal podia me mover. Ate que respirei fundo e corri para a porta e a tranquei. Fiquei assustado, claro, eu nunca tinha passado por isso antes. ‘’Incrível! Eu consigo vê-los.’’ Eu pensei enquanto me acalmava, mas o que eu não tinha pensado era que, a partir daquele momento, eles também podiam me ver. Eu olhei pela brecha da porta para ter certeza que não era um ladrão ou alguma coisa do tipo, afinal, meu quintal não possui telhado, mas não vi mais nada fora do normal.


Estava calmo. Achando que a minha experiência teria acabado com aquela sombra, mas eu estava enganado, a noite ainda não tinha acabado. Fui para meu quarto, feliz, pois eu já estava a um passo de ver esses seres em suas formas reais. Deitei-me em minha cama e estava tranqüilo. Ate que fui acordado por algo empurrando minhas pernas, uma contra a outra. Ao abrir os olhos, reparei de imediato, duas coisas. A primeira foi que eu estava em posição de cruz (Braços abertos e pernas juntas) e a segunda era que a minha frente estava uma pessoa. Essa pessoa era igual a mim e estava me encarando com um olhar furioso. Fiquei olhando para ele, esperando que ele fosse alguma imagem do meu sonho e que logo iria sumir, mas passaram-se três minutos e ele ainda estava me encarando. Ate que aos poucos ele foi desaparecendo, sobrando apenas seus olhos furiosos amostra. Olhei para o meu quarto e vi que no teto, aos quatro cantos das paredes estavam quatro sombras incomuns. Você pode estar pensando: ‘’Claro, seu quarto estava escuro, sempre existem sombras mais escuras nos cantos das paredes. ’’, mas elas eram sobra humanoides... Elas pareciam estar olhando para mim. Encolhi-me e fechei os olhos. ‘’É apenas um pesadelo! Tem que ser!’’, afirmei enquanto mantinha meus olhos fechados, mas quando os abri as sombras estavam mais próximas. Belisquei meu braço esquerdo com muita força, para ver se era um sonho, mas eu senti a dor, e deixou uma grande marca no dia seguinte. Eu fiquei piscando os olhos e cada vez que os abria, via as sombras mais próximas. Ate que senti algo sentando logo atrás de mim. Abri meus olhos e vi que as outras sombras estavam paradas e ao olhar para minhas costas, vi uma sombra enorme, muito maior que as outras. E parecia estar sentada ao meu lado. Eu me assustei e fechei meus olhos tentando dormir, senti a cama mexendo mais uma vez, mas dessa vez senti um calor em minhas costas. Ao abrir meus olhos vejo a sombra que estava sentada ao meu lado me olhando de cima... Não possuía olhos, nem boca, nem forma humana... Era apenas humanoide, aterrorizantemente eu sentia que ela estava me olhando com um olhar sereno, indiferente. Sentir-me como um inseto, algo bem pequeno e que poderia sumir com o desejo daquele ser. O sentimento de olhar para ele era o mesmo de olhar para um buraco bem fundo, do qual apenas se vê a escuridão e o desespero de não ver nada naquela forma vez com que eu começasse a chorar. Fechei meus olhos uma ultima vez e dessa vez, mesmo com o medo, eu sentia certa proteção e dormi muito rápido. Quando acordei achei que era um sonho, mas como já falei... Existia uma grande marca no meu braço, por causa do beliscão que eu me dei. Então eu tomei uma decisão. ‘’Não treinarei para ter isso, para ver isso... Não foi me dado, pois não posso conviver com isso.’’, e comecei a sentir um grande respeito e admiração pelas pessoas que convivem com isso... Ate um pouco de pena... Isso é realmente assustador. Eu apenas tive uma experiência assim e apenas por me lembrar dela meus olhos lagrimejam, imagine conviver com esses seres todos os dias! Imagine o desespero! É algo terrível... Por isso agora eu no máximo medito. Por isso deixo o aviso: Se você não nasceu com esse dom de ver essas entidades, não tente vê-las, pois você não estará preparado para isso! Mas caso queira vê-las para confirmar meu aviso... Eu posso lhe ajudar...

Escrito e vivido por: Luan