O Incidente do voo 1628 da Japan Airlines

Em 16 novembro de 1986 ocorreu um dos casos ufológicos mais espantosos envolvendo aeronaves comerciais. O voo 1628 da Japan Airlines (JAL), operado por um Boeing 747 cargueiro, havia decolado de Paris com destino a Tóquio transportando uma carga de vinho quando algo extraordinário aconteceu. A rota prevista no plano de voo seria de Paris até Reikjavik, na Islândia, cruzando o Oceano Atlântico, depois passando pela Groenlândia e seguindo pelo Canadá até Anchorage, no Alasca. Saindo de cima da camada polar, o avião cruzaria o Oceano Pacífico até Tóquio. A bordo estavam o experiente capitão Kenju Terauchi, o copiloto Takanori Tamefuji e o engenheiro de voo Yoshio Tsukuba.

Surge uma luz estranha

Tudo estava dentro da normalidade até o dia 17, quando, já no final da tarde, o Boeing 747 cruzara a fronteira do Canadá e se aproximava de Anchorage. Por volta das 17h00 houve o primeiro contato entre a aeronave e o centro de controle de tráfego aéreo daquela localidade, que solicitou ao cargueiro realizar uma curva de 15 graus para a esquerda, seguindo na direção de Talkeetna — nesse momento a aeronave encontrava-se a pouco mais de 10.000 m de altitude e viajava a uma velocidade de 950 km/h. Por volta das 17h11, o comandante Terauchi observou uma estranha luz cerca de 600 m abaixo deles e 30 graus a esquerda e à frente de sua aeronave.


Devido à sua coloração clara, de tonalidade âmbar, ele concluiu que o objeto era de um jato militar norte-americano que estaria nas proximidades de Eielson ou da Base Aérea de Elmendorf, que rotineiramente fazia patrulhas pela região. Terauchi não deu muita atenção ao fato e continuou o voo normalmente. Poucos minutos depois, o piloto percebeu que a estranha luz se aproximava rapidamente de sua posição, e notou então que, na verdade, se tratavam de dois objetos luminosos que se posicionaram logo à frente do avião. Eles eram intensamente luminosos, a ponto de clarear toda a cabine e provocar uma sensação de calor na face dos tripulantes. Os artefatos ficaram um em cima do outro, voando próximo ao Boeing 747 com um movimento suave e em perfeita sincronia.

Depois de aproximadamente sete minutos, mudaram a formação para um voo lado a lado, permitindo ao comandante perceber alguns detalhes na estrutura dos objetos. Havia algo semelhante a escapes na fuselagem, e durante determinadas manobras foram emitidas fagulhas ou luminescências semelhantes a fogo, de tonalidade bem amarela. Em seu depoimento, o copiloto Tamefuji disse que os artefatos tinham um brilho claro, da cor de salmão, com luzes externas vermelhas ou laranjas, além de uma branca. “Havia também uma pequena luz verde piscante”, declarou.

Todas as luzes pareciam pulsar sucessivamente, ora mais fortes, ora mais fracas. A tripulação ressaltou em depoimentos posteriores que os objetos voavam muito próximos um do outro, em perfeita sincronia. O engenheiro de voo Tsukuba estava sentado atrás do copiloto e não tinha uma boa visão das luzes, mas observou o objeto pela primeira vez através da janela lateral. “Era como um agrupamento de luzes de tonalidade branca ou âmbar”, descreveu.

Voo paralelo ao do avião

Diante de um evento tão incomum, Tamefuji entrou em contato com o controle de tráfego aéreo de Anchorage e relatou o episódio. Os operadores solicitaram então informações sobre condições visuais, presença e altura de nuvens locais. Os pilotos do 747 relataram que havia apenas algumas poucas nuvens baixas cobrindo o topo das montanhas — acima delas o céu era limpo e a visibilidade total. Enquanto isso, os estranhos objetos aceleraram rapidamente em direção à parte esquerda do avião, permitindo aos pilotos observarem um novo objeto, agora plano de aparência pálida, voando paralelamente ao avião, na sua mesma altitude e aparentemente na mesma velocidade. Os dois objetos que acompanhavam o 747 passaram então a se dirigir ao terceiro aparelho, e Terauchi decidiu estabelecer sua posição através dos radares de bordo.

Um dos instrumentos, apesar de ter longo alcance, nada registrou de anormal. Mas o radar meteorológico acusou a presença do objeto entre 13 e 15 km de distância do Boeing 747, exatamente na direção em que era observado. O comandante informou ao controle de Anchorage que haviam captado o corpo com os instrumentos, indicando sua distância e posição. Às 17h25, o radar militar do Centro de Controle Operacional de Elmendorf detectou o estranho veículo voador.

Quando o cargueiro já se encontrava próximo da cidade de Fairbanks ocorreu uma nova aproximação. O gigantesco objeto acercou-se rapidamente da aeronave e os pilotos, assustados, solicitaram mudança de curso para 45 graus à direita. Pouco depois, ao sair da região de Talkeetna, na altitude de 10.500 m, o UFO ainda acompanhava o avião. Por volta das 17h40, uma aeronave da United Airlines decolou de Anchorage e seguiu para Fairbanks, e o controle solicitou que o piloto tentasse localizar visualmente o estranho artefato nas proximidades do avião da JAL. O voo da United desviou um pouco sua rota para passar próximo ao avião japonês, a fim de favorecer a observação, e posicionou-se um pouco abaixo, a uma altitude de 9.500 m.

Quando o Boeing da United se aproximou do JAL, o UFO se afastou um pouco do cargueiro — os pilotos da United então solicitaram que os japoneses piscassem suas luzes para facilitar sua identificação. Quando ambas as aeronaves se encontravam a cerca de 20 km uma da outra, o estranho objeto desapareceu. Logo em seguida os pilotos da United localizaram o avião da JAL e não observaram a presença de qualquer objeto próximo.

Explicações que não convencem

Poucos minutos depois, o centro de Anchorage solicitou a um caça militar que seguisse em direção à região, aproximando-se do voo da JAL na tentativa de localizar e identificar o estranho artefato. Por vários minutos os militares acompanharam o avião japonês — sem, no entanto, detectar nada de diferente. O avião da JAL seguiu até Anchorage, pousando no aeroporto local por volta das 18h20. A Administração Federal de Aviação (FAA) dos Estados Unidos [Equivalente à brasileira Agência Nacional de Aviação Civil, ANAC] conduziu uma severa investigação sobre o episódio, emitindo um relatório final em 05 de março do ano seguinte.

No documento o órgão afirmou que “os radares captaram o avião da JAL e o reflexo dele nas nuvens presentes no local”. A absurda explicação foi rechaçada de imediato por todos os envolvidos, pois as nuvens não produziriam tal efeito por estarem um pouco acima da cadeia de montanhas e bem abaixo do nível de voo do avião. Além disso, há o registro de bordo da aeronave e o testemunho do objeto observado. O caso continua, portanto, uma das evidências mais contundentes da ação na Terra de outras espécies cósmicas.

Copiado e colado de:http://www.ufo.com.br/

Os Pokémons mais sinistros

Para o público em geral, todos os Pokémons são vistos como criaturas bonitas e fofas. Claro, existem algumas exceções como Koffing ou Voltorb - mas eles estão longe de serem tão populares como os Pikachus, Togepis, e Evees que dominam o mercado Pokémon. Como poderia, uma franquia para crianças ser mais alegre? Se ao menos todos esses pais inconscientes soubessem dos horrores que aguardam seus filhos no deserto selvagem que é o universo Pokémon...

É um mundo muito parecido com o nosso: para cada entidade adorável encontrado na natureza, existem dezenas de predadores e parasitas viciosos revoltantes deslizando através do lado sombrio do ambiente. Aqueles que leem sobre as entradas na Pokédex vão encontrar alguns comportamentos verdadeiramente grotescos, perturbadores. Aproveitem a lista com os pokémons mais sinistros.

Glalie


Entrada da Pokédex (Safira): "Glalie tem a capacidade de controlar livremente gelo. Por exemplo, ele pode congelar instantaneamente seu inimigo e depois de imobilizar o seu adversário no gelo, este Pokémon gosta de devora-lo como forma de lazer."

Você acorda por causa de um rangido. Seu corpo está frio; os seus membros estão anestesiados e incapazes de se mover, envoltos por uma prisão de gelo sólido. Apenas os músculos dos olhos podem responder a seu cérebro, mas você sente tudo. Crunch. Crunch. Que barulho é esse? Soa como ossos e carne sendo processados por uma máquina de gelo enferrujada. Você olha para baixo, e ver que há um Glalie que o olha com indiferença. Aquele som que você está ouvindo é este pokémon de gelo, que lentamente está mordiscando o gelo vermelho-sangue que ocupa o espaço onde os seus braços costumava estar.

Lampent



Entrada da Pokédex (Black 2 / White 2): "Os espíritos que ele absorve alimentam seu fogo funesta. Ele se pendura em torno dos hospitais à espera que as pessoas faleçam"

Quando você morrer, sua alma vai para o céu? Não. Ela vai servir como nada mais do que um lanche para este ser. Imagine que encontra-se em seu leito de morte, olhando com temor e ódio para um Lampent solitário pairando suavemente fora de sua janela. Não há um grande além. Há apenas o nada que vem depois quando seu espírito arder nas chamas deste Lampent como folha seca em um forno.

Banette



Entrada da Pokédex (Black 2 / White 2): "Uma boneca que se tornou um Pokémon através de seu rancor, após ser jogada fora. Ela busca a criança que deserdou-a"

O que a Pokédex está realmente lhe dizendo é que uma boneca descartada conseguiu animar-se através de pura força de vontade, trazida a vida apenas com desejo de vingativa. Se os olhos cheios de ódio e sorriso com dentes em forma de zipper não fossem o suficiente, considere esta entrada da de Pokédex (Ruby) "Banette gera energia por colocar maldições poderosas por se perfurar com alfinetes em seu próprio corpo." Só podemos imaginar que tipo de agonia vai acontecer ao proprietário anterior do Banette se este conseguir finalmente encontrá-lo.

Yamask


Entrada da Pokédex (Black): "Cada um deles carrega uma máscara que costumava ser seu rosto quando estes eram humanos Às vezes eles olham para o rosto e choram"

Perdão? Você está dizendo estávamos capturando os restos incorpóreos de pessoas conscientes, prendendo suas almas atormentadas dentro de uma Pokébola? Deus. nos perdoe; nós não poderíamos ter conhecimento sobre. Nós simplesmente encontramos um Pokémon chorando no meio da noite, caído em uma poça de lágrimas e suavemente acariciando sua máscara inexpressiva. Respondemos ao seu desânimo, tristeza existencial a única maneira que sabemos: o atacando e mantendo como um animal de estimação.

Pinsir



Entrada da Pokédex (Diamond / Pearl / Platinum / Black/ White): "Ele aperta suas presas com suas pinças até que a presa seja rasgada ao meio O que não consegue rasgar, ele joga para longe."

Não há muitos casos de Pokémons atacando humanos, mas certamente deve acontecer. Se algum Pinsir já foi provocado, nós podemos imaginar que a vítima seria um conjunto irreconhecível de membros, ossos e material vermelho. Também é estranho como Pinsir joga longe tudo o que ele não pode rasgar da presa, como mostrasse frustração

Hunter (Meu pokémon fantasma favorito)


Entrada da Pokédex (Silver):"Sua língua é feita de gás Se lambida, a vítima começa a tremer constantemente até que a morte venha eventualmente.".

Isso equivale basicamente a intensa tortura física. Haunter já é um Pokémon com aparência malvada, então ele é obrigado a entrar em algumas situações ruins. Mas indo tão longe a ponto de prejudicar intencionalmente suas vítimas com convulsões fatais é toda um nível bem alto de medo

Drowzee

Entrada da Pokédex(Silver): "Ele se lembra de todos os sonhos que ele come Ele raramente come os sonhos dos adultos porque os das crianças são muito mais saborosas.".

Drowzee já é bastante bizarro, com aquele seu focinho articulado e dois tons de couro. Mas a ideia dele saborear os sonhos de uma criança faz com que tenhamos uma ideia de quão bizarro ele é. Imagine que coisa, comer um sonho, mastigando-o. Tudo isso com aquele sorriso perturbador no rosto. Horrível.

Alakazam

Entrada da Pokédex(Silver): "Suas células cerebrais multiplicam-se continuamente até que ele morra Como resultado, ele se lembra de tudo."

Enquanto o próprio Alakazam pode não ser tão estranho, seu terrível destino é assustadoramente macabro para uma série que se orgulha de ser adequada para todas as idades. Pior ainda é a ideia de que ele se lembra de cada segundo doloroso de sua massa encefálica expandindo através do seu crânio frágil.

Grimer

Entrada da Pokédex (Silver): "Onde quer que Grimer passe, tantos germes são deixados para trás que nenhuma plantas nunca mais vai crescer novamente."

Com toda a sujeira que o rodeia, não ficaria surpreso ao encontrar Grimer cambaleando sobre um homem emagrecido vomitando insetos. Enquanto isso, Grimer só olha e sorri, como se fosse uma coisa boa que ele está transformando o mundo em um terreno  sujo e deserto. Se houver vários Grimers no mundo pokémon (e há), isso não sugere que grandes porções do planeta estão inóspitas? Um destino cruel para Ash e Pikachu.

Litwick

Entrada da Pokédex (White/X/): "Enquanto brilha uma luz e finge ser um guia, suga a força vital de qualquer um que segui-lo."

Imagine você, neste cenário. Você está perdido em uma floresta no mundo Pokémon, está congelando e está totalmente escuro. De repente, quando você está prestes a perder a esperança, você vê uma chama na cabeça de um Pokémon, na qual você pede ajuda para sair da floresta. Aww... tão bom que ele aceitou ajuda-lo, certo? Na verdade, não. Ele quer que você o fique seguindo enquanto suga sua energia vital para em seguida você morrer.

Honedge


Entrada da Pokédex (X): "Aparentemente, este Pokémon nasce quando um espírito habita uma espada. Ele se prende as pessoas e bebe sua força vital"

Entrada da Pokédex (Y): "Se alguém se atrever a pegar sua empunhadura, ele irá envolver braço da pessoa por um pano azul, e a energia vital da vítima será sugada completamente"

Então não apenas contém o espírito de uma pessoa morta, ele também tem um pano azul que drena a energia vital na qual usa para atacar qualquer um que o confunda com uma espada...

Phantump
Entrada da Pokédex (Y): "De acordo com contos antigos, esses Pokémon são tocos possuídos pelos espíritos de crianças que morreram enquanto perdidas na floresta."

O comentário dos Yamask se aplica aqui também...

Gostaram da nova série? Se quiserem mais posts sobre pokémos sinistros avisem!


Olhos Vermelhos

Um jovem empresário, em uma viagem de negócios passa por uma estrada, cai a noite e ele para na frente de um hotel. Decidindo que seria mais seguro não dirigir de noite em rodovias sem iluminação, decide passar a noite no hotel. Ele se dirige ao balcão e é prontamente atendido por uma simpática garota, que lhe dá a chave do último quarto do corredor.

Без имени-1.jpgQuando está no caminho para seu quarto, ele nota que de frente para o seu, há um quarto sem marcação (número). Com curiosidade ele olha pela fechadura do quarto e vê uma mulher extremamente pálida de costas para a porta, olhando para a janela. Sem nada de estranho, ele vai dormir. No outro dia ele acorda e resolve olhar de novo, e tudo o que vê é vermelho.

Ele logo pensa "provavelmente a mulher notou que eu estava olhando e colocou algo vermelho para bloquear a fechadura. Depois, não aguentando a curiosidade, ele, quando já estáva saindo do hotel, pergunta à garota que fica no balcão:

"Quem é aquela mulher do quarto à frente do meu?"

A garota olha surpresa e responde: "Naquele quarto, uma vez, ficou uma família. O pai assassinou a mulher e os  filhos, se matando logo em seguida. Era uma familia aparentemente normal, exceto pelos seus olhos extremamente vermelho.

Fonte: Creepypasta Wiki Br

Relato dos Leitores #26

Eu tenho 14 anos, minha história começa quando eu tinha 7 anos, era de noite e eu estava assistindo desenho, de frente para meu quarto tinha um corredor e em cima desse corredor tinha uma porta que dava no sótão da casa, minha tia veio e desligou a TV, pois no dia seguinte eu tinha aula e sim, eu me lembro de tudo, não tem como esquecer! Eu não estava conseguindo dormir e então eu fiquei olhando para o corredor que sempre me deu medo, foi ai que eu vi um homem saindo do sótão, ele estava assustado parecia que estava fugindo de algo, ele colocou o indicador sobre os lábios e fez um sinal de ''Shh'' e minha vida toda eu sempre vi uma entidade corcunda bem negra, e o que eu vou contar a seguir é meio forte para mim já que eu nunca mais dormi de luz apagada por causa da presença dessa entidade...

Eu estava na casa da minha mãe, eu não moro com ela moro e sim com uma amiga dela, mas isso já é outra história, eu estava de férias de dezembro de 2013 indo para 2014, uma noite eu estava muito assustado, pois minha irmã também consegue ver ele, e ela disse que tinha um homem no quarto dela, ela tinha 6 anos na época e eu 13 a minha sensação de ser observado estava muito forte, então eu pedi para minha mãe que se ela fosse sair me acordasse no dia seguinte para eu ir com ela, foi ai que aconteceu... Minha mãe não acredita em mim e por conta disso ela saiu com minha irmã e me deixou sozinho, eu fiquei paralisado no sofá, porque só foi eu acordar que a porta bateu e a TV do quarto ligou, eu vi uma outra entidade, ela era transparente, então eu me levantei e cheguei bem perto dela, fiquei a mais ou menos 6 dedos de distancia, e ela sorriu pra min, ela piscou e desapareceu, e então eu creio que seja alguma entidade boa que me protege. Mas eu nunca tive descanso, eu sempre me sinto observado e não posso fugir disso. As vezes eu ainda vejo essa sombra me olhando quando eu acordo...

Relato de: Vitor Hazzouri

Para aqueles que gostariam de ajudar o Vitor de alguma forma, por favor deixe a sua ajuda no campo de comentários. Obrigado! 

10 mistérios envolvendo pessoas não identificadas

E se você fosse morrer, mas ninguém fosse capaz de identificar o seu corpo? E se você cometeu uma série de crimes terríveis, mas ninguém poderia identificá-lo como o culpado? E se você escondesse sua verdadeira identidade do mundo, para que as pessoas continuem debatendo sobre quem é realmente você.

Aqui vai uma lista de pessoas que nunca foram identificadas.

10) O desastre ferroviário de Charfield


Nas primeiras horas da manhã de 13 de Outubro de 1928, na aldeia de Charfield, tornou-se o local de uma terrível tragédia. Um trem de correio estava viajando de Leeds para Bristol com 50 passageiros a bordo, mas por causa de um nevoeiro, a tripulação não conseguiu ver um sinal vermelho antes de chegar na estação ferroviária de Charfield. Eles acabaram colidindo com um trem de carga, e o descarrilamento acendeu alguns cilindros de gás, causando um grande incêndio. Um total de 15 passageiros perderam as suas vidas, e 23 pessoas ficaram feridas. Este incidente abriria um mistério mais inesperado depois que foi descoberto os corpos de 2 passageiro, um menino e uma menina não identificados.

O fogo queimou estas duas crianças além do reconhecimento. Eles não tinham como liga-los com qualquer um dos outros passageiros, e ninguém nunca veio para reclamá-los. Havia ainda algumas teorias rebuscadas que as vítimas carbonizadas não eram crianças, mas até mesmo um par de pequenos jóqueis ou chupetas de algum ventríloquo.

Após o acidente, um memorial às vítimas foi construído em Charfield, e as duas crianças foram enterradas lá. Segundo a lenda local, uma mulher não identificada que veste uma veste preta longa aparecia no memorial no dia do aniversário do acidente a cada ano e colocava flores sobre as sepulturas das crianças. A última aparição desta mulher é acreditada ser em algum momento durante o início dos anos 1960. Neste tempo, a palavra se espalhou sobre suas aparições, então os membros da mídia apareceram em Charfield na data de aniversário. Quando eles tentaram se aproximar da mulher, ela foi embora e nunca mais foi vista desde então.

9) Sr. Cruel


Um dos criminosos não identificados mais infames da história da Austrália vitimou quatro crianças de Melbourne e ganhou o apelido de "Sr.Cruel". O primeiro ataque conhecido do agressor ocorreu no meio da noite em 22 de agosto de 1987, quando ele invadiu a casa de uma família. Depois de amarrar o casal e seu filho mais novo, o Sr. Cruel passou a agredir sexualmente a filha de 11 anos. Em 27 de dezembro de 1988, ele invadiu a casa de outra família, amarrou os pais e sequestrou a filha de 10 anos. Ela foi abusada sexualmente antes de ser liberada 18 horas depois. Em 3 de julho de 1990, o Sr. Cruel invadiu outra casa e sequestrou uma menina de 13 anos de idade. Ela foi mantida em cativeiro e abusada sexualmente em uma casa durante 50 horas antes de soltá-la. Finalmente, o seu próximo crime seria de assassinato.

Em 13 de abril de 1991, Karmein Chan de 13 anos foi raptada de sua casa. Desta vez, o autor deixou uma mensagem pintada com spray no carro de seus pais o que implicava que o rapto fosse relacionado com drogas, mas isso só foi feito para enganar a polícia. Karmein permaneceu desaparecida durante um ano antes que seu corpo decomposto fosse encontrado. Ela foi baleada três vezes na cabeça.

O modus operandi desses crimes é tão semelhante que a polícia tem certeza de que foram cometidos pelo mesmo homem. Sr. Cruel dava banho nas suas vítimas do sexo feminino antes de liberá-las para eliminar provas forenses, muitas vezes limpando à si mesmo. De acordo com uma vítima sobrevivente, o Sr. Cruel colocava uma câmera para documentar suas agressões sexuais, e as autoridades acreditam que ele provavelmente está envolvido na distribuição de pornografia infantil. Apesar de uma extensa investigação na qual mais de 27.000 suspeitos foram interrogados o Sr. Cruel nunca foi identificado.

8) Andrea Jerome Walker


03

Em 2006, um homem negro foi condenado em Toronto depois de ser pego com crack equivalente a US$10. As autoridades não poderiam ter adivinhado que esta apreensão de drogas iria abrir as portas para um mistério bizarro que se transformou em um pesadelo burocrático.

Um ano antes, o homem tinha chegado no Canadá usando um passaporte americano que dizia que seu nome era  "Andrea Jerome Walker." No entanto, quando a Agência de Serviços de Fronteira do Canadá tentou deportá-lo de volta para os Estados Unidos, eles descobriram que o passaporte era falso e Andrea Jerome Walker não era seu nome real. Como resultado, "Walker" foi preso em um centro de detenção da imigração, enquanto funcionários tentavam descobrir sua verdadeira identidade. Desde então, ele ganhou o apelido de "O homem sem nome".

Walker permaneceu na detenção de imigrantes por quase nove anos, porque as autoridades não conseguiram descobrir o que fazer com ele.

Ele não podia ser deportado de volta ao seu país de origem até que este país fosse identificado. Uma verificação de impressão digital revelou que Walker viveu sob pelo menos oito identidades diferentes em numerosos países. Depois de anos de confinamento, Walker finalmente revelou que uma dessas identidades "Michael Mvogo", era o seu verdadeiro nome, e que veio originalmente de Camarões. No entanto, Walker já havia mentido sobre sua identidade em várias ocasiões, e o Governo dos Camarões não irá aceitá-lo sem uma prova definitiva de que ele é Michael Mvogo. Mesmo depois de fazer uma tentativa frustrada de um desafio constitucional de garantir a sua libertação, Andrea Jerome Walker continua a permanecer no limbo como um homem sem identidade.

7) Dama das Dunas


04

Milhares de Johns e Janes Does falecidos são encontrados e nunca identificados, mas um dos exemplos mais famosos é de uma mulher conhecida apenas como "Dama das Dunas." Em 26 de julho de 1974, o corpo nu em decomposição de uma jovem foi descoberto nas dunas do ponto de corrida próximo a Provincetown, Massachusetts. O lado esquerdo de seu crânio tinha sido espancado, e sua garganta foi cortada até a coluna.

As mãos da vítima e alguns de seus dentes foram removidos em uma tentativa presumida de impedir a identificação. Ela também estava deitada em cima de uma toalha de praia com uma bandana e um par de jeans que estava sendo usado como um travesseiro. Sua idade foi acreditada ser entre 20 e 40 anos de idade. Existe especulação de que a mulher não identificada possa ter sido Rory Gene Kissinger, uma criminosa de 25 anos de idade, que escapou da prisão em 1974.

Um possível suspeito na morte da mulher é o mafioso notório James "Whitey" Bulger, que era um dos fugitivos mais procurados do mundo antes de sua captura em 2011. Bulger era conhecido por frequentar a área de Provincetown, e relatos de testemunhas o colocaram junto com uma mulher que se assemelhava a "Dama das Dunas" em 1974. Bulger também era conhecido por remover os dentes de suas vítimas de assassinato para evitar a identificação. Teorias dizem de que a "Dama das Dunas" era uma prostituta na qual Bulger havia pego, mas se ela era Rory Gene Kissinger, uma teoria é que Bulger tinha matado para impedi-la de dar informações sobre atividades criminosas. Até o momento, não há nenhuma evidência definitiva que liga Bulger ao crime, e uma vez que não existem amostras de DNA da Kissinger, sua identidade ainda é desconhecida.

6) Sr. Bojangles
05

Em 5 de maio de 1993, a cidade de West Memphis, Arkansas, seria atormentada por um dos casos criminais mais controversos de todos os tempos após o assassinato brutal de três meninos de oito anos de idade: Christopher Byers, Michael Moore, e Steve Filiais. Três adolescentes locais: Damian Echols, Jesse misskelley, e Jason Baldwin foram condenados pelo crime, mas logo adquiriram uma enorme quantidade de apoiadores que acreditaram que estavam sendo injustamente condenados. O caso gerou tanta controvérsia que os três foram libertados da prisão em 2011. Sempre houve muito debate sobre quem é o verdadeiro assassino dos três garotos, mas uma "carta coringa" nesta história é uma pessoa não identificada conhecida apenas como "Mr. Bojangles ".

Na noite na qual os meninos desapareceram, a polícia de West Memphis recebeu um telefonema do gerente de um restaurante do Bojangles, que se localizava perto da área arborizada onde as vítimas foram encontradas. De acordo com testemunhas, um homem negro entrou no restaurante e foi para o banheiro feminino, onde permaneceu por quase uma hora. Ele estava sangrando, coberto de lama, e parecia desorientado e em estado de choque.

No momento em que a polícia chegou para fazer um relatório, o homem já tinha saído, mas já que eles estavam preocupados com a busca dos meninos perdidos, eles não inspecionaram o banheiro até o dia seguinte. Pequenas amostras de sangue foram retiradas da parede do banheiro, mas a evidência nunca foi enviada para análise e inexplicavelmente desapareceu. O misterioso "Sr Bojangles "não foi visto novamente.

Mesmo que este homem não tinha nada a ver com os assassinatos, é possível que ele possa ter tropeçado em cima de corpos das vítimas em um ponto ou testemunhado algo que poderia dar respostas tão necessárias para o caso.

5) B.Traven


06

Não é incomum para os escritores à publicarem suas obras da literatura sob um pseudônimo, mas poucos deles fizeram a repercussão que um autor misterioso chamado "B. Traven" fez. Ao longo de duas décadas, B. Traven publicou 12 romances e vários contos sob este pseudônimo. Seu romance mais famoso é provavelmente O Tesouro de Sierra Madre, uma história de aventura de 1927, que acabou por ser adaptado em um filme premiado com o Oscar e estrelado por Humphrey Bogart. No entanto, apesar de escrever uma peça tão icônica de trabalho, Traven conseguiu levar o segredo de sua verdadeira identidade para o seu túmulo. Quando ele morreu, em 1969, ele deixou para trás um testamento dizendo que seu nome verdadeiro era "Traven Torsvan Croves" e que ele nasceu em Chicago em 1890. No entanto, não há nenhuma evidência de que qualquer um chamado Traven Torsvan Croves realmente existiu.


Acredita-se que B. Traven passou a primeira parte de sua vida vivendo na Europa, já que muitos de seus trabalhos foram escritos em alemão antes que eles fossem traduzidos para o Inglês. Traven escreveu a maioria de seus romances, enquanto vivia no México e trabalhou duro para manter sua privacidade. Ele limitou suas interações com outras pessoas, e existem muito poucas fotos dele.

Há muitas teorias sobre quem Traven poderia ser, mas o melhor candidato é Ret Marut, um ator alemão que desapareceu depois de fugir da Europa em 1924. Pouco depois, B. Traven começou a publicar seus romances no México. Marut também era conhecido por ser muito protetor sobre sua identidade, e especula-se que ele já viveu sob um nome diferente antes de se tornar um ator. Foram Ret Marut e Traven Torsvan Croves a mesma pessoa? Seja qual for a verdade, a identidade de B. Traven continua sendo um mistério.

4) O garoto no Polaroid


07

Um dos piores assassinos em série da história dos Estados Unidos é Dean Corll, que se acredita ter estuprado, torturado e assassinado pelo menos 28 vítimas durante os anos 1970. Corll exclusivamente procurava adolescentes e foi apelidado de "O homem dos doces", porque sua família era dona de uma fábrica de doces e muitas vezes ele distribuía doces para as crianças. Corll trabalhou ao lado de dois cúmplices adolescentes, Elmer Wayne Henley Jr. e David Brooks, que ajudaram a atrair as vítimas de Corll para sua casa. Em 1973, Henley atirou em Corll até a morte para impedi-lo de matar um de seus amigos. Henley e Brooks ambos receberam penas de prisão perpétua por seu papel nos assassinatos de Corll, mas uma peça recente de evidências sugere que a saga horrível do homem dos doces pode não estar completamente terminado.

Em 2012, o cineasta Josh Vargas estava fazendo uma pesquisa para um filme sobre a vida de Henley e conseguiu uma velha caixa contendo objetos pessoais de Henley. Ele descobriu uma Polaroid desbotada do que parecia ser um adolescente algemado. Já que o menino parecia genuinamente apavorado, há pouca dúvida de que a foto foi tirada logo antes que Corll o matasse. O problema é que ninguém conseguiu descobrir a identidade do menino, já que ele não se assemelhava a nenhuma das vítimas conhecidas do Corll. Henley também nega saber quem é o menino.

Uma teoria possível diz que a vítima poderia ser Darren Bruce Hillis, um garoto de 14 anos de idade, que desapareceu de Virginia em 1973. A foto foi liberada para a mídia, mas, até agora, ninguém foi capaz de identificar o menino que pode ser vigésima nona vítima de Dean Corll.

3) O sócio clube de Toledo


08

Há muitos assassinos em série que nunca foram identificados, mas poucos deles eram tão imprevisíveis como o "Toledo Clubber", que cometeu uma série estranha, aleatória de crimes em Toledo, Ohio, em meados dos anos 1920. O assaltante desconhecido começou a sua série de crime após atear fogo a uma série de depósitos de madeira em 1925. Quando a cidade respondeu colocando guardas nos depósitos, o autor decidiu começar a bombardear casas e cortiços. Quando os agentes federais foram chamados para investigar os atentados de repente chegaram ao fim, e que o assaltante logo se transformou em assassino

Ao longo de uma semana em novembro, pelo menos nove mulheres foram atacadas por um homem desconhecido, que passou a estuprá-las e golpear seus corpos indefesos com um objeto pesado antes de deixá-las para morrer. Quatro dessas mulheres perderam a vida, e que o atacante tornou-se conhecido como o "Toledo Clubber".

Após uma recompensa ter sido oferecida para a captura do assassino, a violência terminou por um ano. No entanto, em 26 de Outubro de 1926, duas mulheres foram estupradas e espancadas dentro de algumas horas umas das outras, e suas mortes combinaram, com o modus operandi do Clubber. Pouco tempo depois, outro depósito de Toledo e vários outros edifícios foram incendiados por incêndio criminoso, mas, mais uma vez, a série aleatória de Clubber de crimes chegou ao fim sem explicação.

Em 1927, a investigação voltou-se para um homem encarcerado chamado James C. Coyner, que estava cumprindo pena na prisão por roubo de sepultura. Quatro crânios femininos foram encontrados em seu baú, e já que ele tinha mencionado estar em Toledo antes de sua prisão, ele foi visto como um possível suspeito. No entanto, nenhuma evidência foi encontrada que conectasse Coyner aos crimes, e o infame Toledo Clubber não foi identificado.

2) Monica Libao

09


Ao longo de sua infância, Monica Libao se mudou muito e passou os primeiros 15 anos de sua vida vivendo em 28 endereços diferentes com seus pais, Pablo e Birmânia. Depois que ela completou 16 anos, Monica descobriu um segredo após sua mãe ficar doente, ela olhou seus registros médicos. Ela notou que a Birmânia passou por uma histerectomia quase duas décadas antes de Monica ter nascido.

Depois de confrontar Burma sobre isso, foi dito à ela que uma de suas meias-irmãs mais velhas era sua mãe biológica real. Após dar à luz a Monica quando ela tinha 19 anos, a irmã desistiu dela e deixou- a com Birmânia e Pablo para criá-la em seu lugar. No entanto, quando Monia questionou sua irmã, ela foi informada de que a história de Burma era uma mentira e que sua mãe verdadeira havia vendido-a para os Libaos em troca de uma passagem de ônibus.

A história ficou ainda mais bizarra quando Monica encontrou sua certidão de nascimento que afirmava que ela havia nascido em Chicago, mas não constava nenhum hospital ou médico e tinha sido arquivado quando Monica tinha sete anos. Anos mais tarde, durante uma calorosa conversa em família, Monica finalmente aprendeu sobre um incidente em que sua mãe havia lhe escondido da polícia quando ela era um bebê. Ela se convenceu que seus pais tinham raptado ela de sua família real, o que explicaria o motivo na qual os Libaos se mudavam bastante na sua juventude.

Monica, desde então, contratou detetives para investigarem seu passado e descobrir quem ela realmente é. Em um ponto, ela se submeteu a um teste de DNA para ver se ela poderia ser Elizabeth Gill, uma menina de 2 anos do Missouri que havia desaparecido do quintal da frente de sua família em 1965. No entanto, o teste jogou esta probabilidade fora, então a verdade sobre a verdadeira identidade de Monica Libao continua um mistério.

1) Little Lord Fauntleroy

10

Em 8 de Março de 1921, o corpo de um garoto foi encontrado em um pouco de água atrás da Pedreira O’Laughlin em Waukesha County, Wisconsin. Foi acreditado ter entre 5 e 7 anos de idade e havia sido golpeado na cabeça com um instrumento contundente.

Cinco semanas antes que o menino fosse descoberto, um funcionário da pedreira informou que um casal tinha parado um veículo para perguntar se ele tinha visto um menino e a mulher parecia estar chorando. Apesar disso, nunca ninguém veio para reclamar o corpo do jovem, mesmo depois de uma recompensa ter sido oferecida por informações. Curiosamente, o garoto estava vestido com roupas de luxo, o que sugere que ele vinha de uma família rica. Uma vez que a vítima tinha uma semelhança com o personagem na famosa obra infantil de Francis Hodgson Burnett, ele foi apelidado de "Little Lord Fauntleroy".

O caso permaneceu parado por 28 anos, até que uma ligação foi feita entre Little Lord Fauntleroy e Homer Lemay, uma criança de seis anos de idade de Milwaukee que desapareceu em 1921. O pai de Homer, Edmond Lemay, alegou que, após a mãe de Homer morrer de tuberculose , ele deixou seu filho sob a custódia de um casal chamado chamado Norton. De acordo com Edmond, os Norton levaram Homer em uma viagem à Argentina, onde foi posteriormente morto em um acidente de carro. No entanto, uma investigação aconteceu e foi descoberto que não havia registro do acidente de Homero Lemay ou qualquer evidência de que os Norton sequer existiam.

Além disso suspeitas cercavam Edmond Lemay porque sua terceira esposa desapareceu misteriosamente em 1948, e ele enfrentou problemas legais por forjar sua assinatura em alguns cheques. No entanto, nenhuma evidência definitiva foi encontrada podendo conectar Homer Lemay ao caso Little Lord Fauntleroy, portanto, o mistério permanece sem solução quase um século mais tarde.

Fonte: List Verse

Seres Celtas

Os celtas não misturavam panteões de outras culturas e nem cultuavam Deuses celtas de outras tribos, apesar das semelhanças, cada ramo celebrava seus Deuses locais seguindo apenas as referências das tradições pertencentes a sua terra natal, com exceção de algumas divindades pan-célticas.

As Deusas e os Deuses celtas possuíam características próprias e distintas, conforme seus atributos. Relatos vindos de antigos ancestrais nos esclarecem que as tradições eram passadas de boca a ouvido, centrados nas esferas do Céu, da Terra e do Mar!

A seguir, alguns dos principais Deuses Celtas e suas tradições.

Mitologia Irlandesa

Áine

 Deusa do amor, da fertilidade e do verão. Rainha dos reinos feéricos dos Tuatha de Danann, conhecida como "Cnoc Áine" (Monte de Áine) é a soberana da terra e do sol, associada ao solstício de verão, às flores e as fontes de água. Áine (pronuncia-se Enya) - filha de Manannán Mac Lir - representa a luz brilhante do verão. Como uma Deusa solar, podia assumir a forma de uma égua vermelha.

Angus Mac Og / Oengus

 Deus da juventude, do amor, da beleza e da inspiração poética, um Tuatha de Danann. Era filho de Dagda e Boann e, assim como o pai, possuía uma harpa mágica, que produzia um som doce e irresistível. Foi associado à "Brugh na Bóinne" (Newgrange - Irlanda). Angus se apaixonou por uma linda jovem do Sídhe, mas somente a via em sonhos. Essa é uma lenda que faz parte do Ciclo Mitológico Irlandês, conhecida como: o Sonho de Oengus.

Badb

 Deusa da guerra, dos campos de batalha e das profecias. Era conhecida como: o Corvo de Batalha ou a Gralha Escaldada. Com suas irmãs, Macha e Morrighan, formava um trio de Deusas guerreiras, as filhas da Deusa-mãe Ernmas, que morreu em "A Primeira Batalha de Magh Turedh", conto que descreve como os Tuatha Dé Danann tomaram a Irlanda dos Fir Bolg. Badb rege a morte, a sabedoria e a transformação.

Bilé

 Considerado o pai dos Deuses e dos homens. Companheiro de Dana e pai de Dagda, o principal líder dos Tuatha Dé Danann. Alguns mitos dizem que ele era o antepassado dos Milesianos, último grupo de soldados liderados por Mil Espáine, que invadiram a Irlanda na época de Beltane e derrotaram os Tuatha de Danann. Bilé é o Deus do Outro Mundo, considerado o "primeiro ancestral", associado às fogueiras da purificação. Na tradição irlandesa "Bilé" significa "Árvore Sagrada", que pode representar uma árvore real ou um ponto de referência central a um local religioso ou altar.

Brigit / Brigid/ Brighid/ Brig

 Deusa reverenciada pelos Bardos, tanto na Irlanda como na antiga Bretanha, cujo nome significa "Luminosa, Poderosa e Brilhante". Brighid, a Senhora da Inspiração, era filha de Dagda, associada à Imbolc e as águas doces de poços ou fontes, que ficam próximos às colinas. É a Deusa do fogo, da cura, do lar, da fertilidade, da poesia e da arte, especialmente a dos metais. Brighid também é uma Deusa guerreira, conhecida como "Bríg Ambue", a protetora soberana dos Fianna. Brighid era consorte de Bres e mãe de Ruadan, que foi morto ao espionar os Fomorianos. Ela sentiu profundamente a morte do filho, dando origem ao primeiro lamento poético de luto irlandês, conhecido como keening.

Boann/Boand/Boyne

 Deusa que deu nome ao rio Boyne, na Irlanda, descrito nos poemas "Dindshenchas" - lendas relacionadas à origem dos nomes dos lugares sagrados da Irlanda - do Ciclo Mitológico Irlandês e na lenda do "Salmão da Sabedoria". Ela era esposa de Nechtan, o Deus do rio. Também é mãe de Angus Mac Og com o grande Dagda. Para esconder o adultério de Boann, Dagda usou o seu poder para esconder a gravidez de Boann, fazendo uma viagem de nove meses parecer ser de apenas em um dia e uma noite. É a deusa da fertilidade, da abundância e da prosperidade.

Cailleach

 É a Deusa da terra e das rochas, diz a lenda que ela criou os morros e as montanhas a sua volta, ao atirar pedras em um inimigo. Na mitologia irlandesa e escocesa é conhecida também como a "Cailleach Bheur", que significa mulher velha, às vezes, descrita de capuz com o rosto azul-cinzento. Geralmente é vista como a Deusa da última colheita (Samhain), dos ventos frios e das mudanças, aquela que controla as estações do ano, a Senhora do inverno.

Dagda

 Deus da magia, da poesia, da música, da abundância e da fertilidade. No folclore irlandês, Dagda era chamado de "O Bom Deus", possuía todas as habilidades sendo bom em tudo, "Eochaid Ollathair" (Pai de todos) e "Ruad Rofhessa" (Senhor de Grande Sabedoria), considerado mestre de todos os ofícios e senhor de todos os conhecimentos. Consorte de Boann, teve vários filhos, entre eles Brighid, Angus, Midir, Finnbarr e Bodb, o Vermelho. Dagda tinha um caldeirão mágico, o Caldeirão da Abundância, que nunca se esvaziava e uma harpa de carvalho chamada "Uaithne", que fazia com que as estações mudassem, quando assim o ordenasse. Além disso, tinha um casal de porcos mágicos que podiam ser comidos várias vezes e que sempre reviviam, bem como, um pomar que, independente da estação, dava frutos o ano todo.

Dana/Danu/Danann

 Considerada a principal Deusa Mãe da Irlanda e do maior grupo de Deuses, os Tuatha Dé Danann, o Povo de Dana ou o Povo Mágico (Daoine Sidhe), a tribo dos seres feéricos. Às vezes, identificada como Anu ou Ana, seu nome significa conhecimento. Era consorte de Bilé e mãe de Dagda. Em Munster, na Irlanda, Dana foi associada a dois morros de cume arredondados, chamados de "Dá Chich Anann" ou "Seios de Ana", por se parecem com dois seios. É a Deusa da fertilidade, da terra e da abundância.

Dian Cecht/Diancecht

 Deus da cura foi o grande médico e curador dos Tuatha Dé Danann, responsável pela restauração do braço de Nuada por um outro braço de prata. Diancecht era irmão de Dagda e teve vários filhos, entre eles Airmid, Etan, Cian, Cethé, Cu e Miach. Seu nome significa "Rápido no poder".

Erin/Eriu

Filha de Fiachna e Ernmas, descrito no Lebor Gabála Érenn (Livro das Invasões). Junto com suas irmãs Banba e Fotla, Erin era uma das três rainhas dos Tuatha Dé Danann, que deu seu nome à Irlanda, através de uma promessa feita por Amergin, após a invasão dos Milesianos.

Flidais

 Deusa da floresta, dos bosques, da caça e das criaturas selvagens, representa a força da fertilidade e da abundância. Viajava numa carruagem puxada por cervos e tinha uma vaca mágica que dava muito leite. Seu nome significa "Doar", elucidado no conto de "Táin Bó Flidais" - O Roubo do Gado de Flidais. Tinha o poder de se metamorfosear na forma de qualquer animal.

Goibniu/Goibhniu

Era o grande ferreiro, construtor e mestre da magia. Goibniu, junto com Credne e Luchta, formavam os três artesãos divinos, conhecidos como os "Trí Dé Dána". Foi quem forjou todas as armas dos Tuatha Dé Danann e criou o novo braço para o rei Nuada. Suas armas sempre atingiam o alvo e a ferida provocada por elas, era fatal. Deus dos ferreiros, das habilidades culinárias e do trabalho com metais em geral.

Lir/Lear

 No folclore irlandês, Lir era o Deus do mar, considerado também, o Senhor do submundo (o mundo dos ancestrais), da magia e da cura. Lir era pai de Manannán Mac Lir e das crianças Fiachra, Conn, Fingula e Aod, que foram transformadas em cisnes por causa do ciúme da sua madrasta Oifa, nos contos do Ciclo Mitológico Irlandês, conhecido como: O Destino dos Filhos de Lir.

Lugh / Lug / Lugus

 Um dos grandes heróis da mitologia irlandesa, Lugh era filho de Cian (neto por parte dos Dananns de Dian Cecht) e de Ethniu, filha de Balor, rei dos Fomorianos. Uma profecia dizia que Balor seria morto por seu neto. Para evitar esse destino, mandou dar fim nos netos, mas Lugh sobreviveu e foi criado por Tailtiu, sua mãe adotiva. Sua festividade é Lughnasadh, a festa da primeira colheita. Ficou conhecido como "Lugh Lámfada" - Lugh dos braços longos e "Lugh Samildanach" - Lugh, o artesão múltiplo. Lugh é o Deus dos ferreiros, cujo domínio incluía a magia, as artes e todos os ofícios em geral, seu nome significa "Luz" - belo como o Sol. Guardião da espada mágica e da lança invencível, vinda da cidade de Gorias, um dos quatro tesouros dos Tuatha Dé Danann.

Macha

 Deusa da fertilidade e da guerra, filha de Ernmas, junto com as irmãs Badb e Morrighan, podia lançar feitiços sobre os campos de guerra. Após uma batalha os guerreiros cortavam as cabeças dos inimigos e ofereciam a Macha, sendo este costume chamado de a "Colheita de Macha". É a Deusa dos equinos, que durante a gravidez foi forçada a uma corrida de cavalos. Quando chegou ao final, entrou em trabalho de parto e deu à luz a gêmeos. Antes de morrer, Macha colocou uma maldição sobre os homens da província para que em tempos de opressão e maior necessidade, eles sofreriam dores como as de um parto.

Manannán Mac Lir

 Filho de Lir, associado ao mar e ao Outro Mundo, homenageado como uma das principais divindades marítimas pelos irlandeses e reverenciado como protetor dos marinheiros. Viaja pelo mar muito mais rápido que o vento em um barco mágico puxado por um cavalo chamado Enbharr, que significa "Espuma de água". Mestre na mudança de forma, Manannán era uma divindade popular entre os Bardos e todos aqueles que praticavam a magia. Quando os Dananns foram derrotados pelos Milesianos, foi Manannán quem os levou à "Terra da Juventude", Tir na nÓg, através de colinas subterrâneas, o Sídhe. Ele tinha uma armadura que dizia ser impenetrável e uma capa mágica do esquecimento e da invisibilidade.

- Morrigu/Morrigan/Morrighan:

 É a Grande Rainha "Mor Rioghain", na mitologia irlandesa, da tribo dos Tuatha Dé Danann. Senhora da Guerra, possuía uma forma mutável e o poder mágico de predizer o futuro. Reinava sobre os campos de batalha e junto com suas irmãs Badb e Macha eram conhecidas pelo nome de "Três Morrígans", relacionadas à triplicidade que, para os celtas, significava a intensificação do poder. Associada aos corvos, ao mar, as fadas e a guerra, além da associação à Maeve, rainha de Connacht, casada com o rei Ailill e a Morgana, das lendas arthurianas. Podia mudar sua aparência à vontade, como em um lobo cinza avermelhado. Nos mitos relacionou-se com Dagda e apaixonou-se pelo grande herói celta, CuChulainn, que despertou toda sua fúria, ao rejeitá-la. Deusa da morte e do renascimento, da fertilidade, do amor físico e da justiça.

Nuada

 No folclore irlandês, era reverenciado como rei e grande líder dos Tuatha Dé Danann. Possuía uma espada invencível, vindo da cidade de Findias e que fazia parte dos Tesouros de Dananns. Na primeira Batalha de Magh Turedh perdeu o braço ou a mão, órgão que foi restituído, mas fez com que ele perdesse o trono da tribo. Ficou conhecido como "Nuada, Braço de Prata" ou "Nuada, Mão de Prata". Nuada era o Deus da justiça, cura e renascimento; irmão de Dagda e Dian Cecht.

Ogma/Oghma

 Deus da eloqüência, da vidência e mestre da poesia que, na tradição irlandesa, segundo o "Livro de Ballymote", foi quem inventou o alfabeto oracular "Ogham", utilizado pelos antigos Druidas, baseado em árvores sagradas. Ogma, meio-irmão de Dagda, Bres e Lugh, era um guerreiro, retratado como um ancião com sorriso no rosto, vestindo casaco de pele e carregando um arco e bastão.

Scathach /Scatha /Scath

 Seu nome significa a "Sombra", aquela que combate o medo. Deusa guerreira e profetisa que viveu na Ilha de Skye, na Escócia. Ensinava artes marciais para guerreiros que tinham coragem suficiente para treinar com ela, pois era dura e impiedosa. Considerada a maior guerreira de todos os tempos foi a responsável por treinar CuChulainn.

Mitologia Galesa

Para um melhor entendimento, devemos observar que o termo Galês se refere aos povos que habitavam o País de Gales.

Arawn

É o rei de Annwn ou Annwfn (Outro Mundo), o submundo na tradição galesa, que é visto como um castelo sobre o mar "Caer Siddi" - Castelo de Fadas ou "Caer Wydyr" - Palácio de Vidro. Como Tir na nÓg, Annwn era um lugar de doçura e encanto. Arawn possuía um caldeirão mágico, descrito no poema do Bardo Taliesin, em "Os Espólios de Annwn", em que descreve a viagem de Arthur e seus companheiros, ao Outro Mundo, para resgatarem o Caldeirão da Abundância.

Arianrhod

 Era filha de Dôn e Belenos, irmã de Gwydion, seu nome significa "A Roda de Prata", a virgem que dá à luz os filhos Lleu e Dylan, depois de passar num teste de magia feito pelo seu tio, Math. Arianrhod é a Deusa das iniciações, da terra e da fertilidade, na tradição galesa. Senhora do renascimento, vivia num castelo estelar chamado "Caer Arianrhod", associada à constelação Corona Borealis, retratada nos contos do Mabinogion em "Math, filho de Mathonwy".

Arddhu /Atho

 O "Escuro"no folclore galês, que representa Green Man, o Deus da natureza - o Grande Corvo Divino - uma divindade que habitava as matas e as florestas. Deus dos bosques e animais, da fertilidade e da renovação. É representado por um homem com o rosto todo coberto por folhas verdes, descrito no romance Arthuriano em "Sir Gawain e o Cavaleiro Verde".

Blodeuwedd/Blodeuedd

 Foi feita a partir de nove tipos de flores silvestres, por Math e Gwydion, para ser a esposa de Lleu (filho de Arianrhod), que depois foi transformada em coruja por causa da sua traição contra o marido. Seu nome significa "Rosto de Flor", representada muitas vezes, como um lírio branco. Deusa do amanhecer nos mitos galeses, é retratada nos contos do Mabinogion em "Math, filho de Mathonwy".

Bran: O "Abençoado"

 Bran era um dos grandes heróis do ciclo galês. Filho de Llyr, irmão de Manawydan e Branwen. Bran era um gigante, muito mais alto que uma árvore. Ao ser mortalmente ferido na coxa em um combate e, por ser muito grande, pediu que cortassem sua cabeça, que se manteve viva por algum tempo. Bran possuía o Caldeirão do Renascimento, com propriedades de restaurar a vida dos mortos. Associado aos corvos, Bran é o Deus da guerra, da caça e da música.

Branwen

 Era esposa do rei da Irlanda Matholwch, que foi punida pelo marido ao insultar o povo irlandês, mutilando seus cavalos. Branwen foi obrigada a trabalhar como copeira e da sua cozinha-prisão, treinou um estorninho para levar mensagens de volta ao País de Gales, descrevendo sua situação e pedindo ajuda. Bran liderou uma expedição para resgatá-la, mas foi ferido mortalmente e Branwen morreu de tristeza ao saber. Branwen é a Deusa galesa do amor, da soberania e da justiça, descrita nos contos do Mabinogion em "Branwen, a Filha de Llyr".

Beli

 É consorte de Dôn, conhecido também como Beli Mawr. Beli é um antigo Deus galês, considerado como um grande líder e o maior ancestral dos galeses. Corresponde a Belenus para os gauleses e Bilé para os irlandeses.

Cerridwen/Ceridwen/Kerridwen

 Esposa de Tegid Voel, o Calvo, mãe da linda donzela, Creirwy, Morvran e do feio rapaz, Afagddu. As lendas nos contam que Merlin pode ter sido o sucessor do Bardo Taliesin que, na forma de Gwyon, nascera de Cerridwen e se tornara um grande mago, após tomar, acidentalmente, algumas gotas da poção do conhecimento que Cerridwen preparava para o filho Afagddu, no Caldeirão da Inspiração, conhecido como Awen, descrito em "Taliesin". Por isso, os Bardos galeses chamavam a si mesmos de "Cerddorion", os filhos de Cerridwen. O caldeirão é um dos principais símbolos de Cerridwen, associado à fertilidade, a regeneração, a mudança de forma e ao renascimento.

Dôn

 A Deusa-mãe galesa é consorte de Beli, filha de Mathonwy e irmã de Math, nos contos do Mabinogion em "Math, filho de Mathonwy". Dôn era mãe de Amathon, Arianrhod, Gilvaethwy, Govannon, Gwydion e Nudd. É considerada Deusa da terra, da fertilidade e da abundância.

Dylan

 Filho das ondas do mar, o menino dos cabelos de ouro é o Deus do mar para os antigos galeses. Filho de Arianrhod, irmão gêmeo de Lleu e sobrinho de Gwydion. Seu símbolo é um peixe prateado, dos contos do Mabinogion em "Math, filho de Mathonwy".

Gwydion

 Filho de Dôn foi o grande Druida dos Deuses, mestre da magia e das ilusões. Regia as mudanças de forma, a poesia e a música. Gwydion era irmão de Arianrhod e provavelmente, pai dos seus filhos, Lleu e Dylan. Foi ele quem ajudou Lleu a superar as maldições da sua mãe, além de ajudar a criar uma esposa (Blodeuwedd) para o sobrinho, do Mabinogion em "Math, filho de Mathonwy".

Modron

 Deusa-mãe galesa, seu nome significa "Mãe". Modron era a mãe de Mabon, mencionado no conto de "Culhwch e Olwen". É a Deusa da terra e da fertilidade.

Lleu

Era irmão gêmeo de Dylan, filho de Arianrhod, sobrinho de Gwydion e consorte de Blodeuwedd. Deus da terra, seu nome significa "Luz" e foi associado ao Sol, nos contos do Mabinogion em "Math, filho de Mathonwy".

-Llyr

 Antigo Deus galês do mar, equivalente a Lir, o Deus irlandês do mar. Consorte de Penardun, filha de Dôn, é o pai de Manawydan, - descrito nos contos do Mabinogion em "Manawyddan, o Filho de Llyr" - Bran e Branwen.

Mabon

 Deus da juventude, do amor e das nascentes dos rios. Mabon era filho da Deusa Modron e de acordo com os mitos galeses, foi sequestrado de sua mãe, quando tinha apenas três noites de vida, conforme os contos do Mabinogion em "Culhwch e Olwen". É ele quem ajuda Arthur na caça ao javali com sua magia, após ser libertado de "Caer Loyw", o Castelo Brilhante.

Rhiannon

 A grande rainha dos galeses, Rhiannon era a protetora dos cavalos e das aves. É a Deusa dos encantamentos e da fertilidade, equivalente a Macha, na mitologia irlandesa e Epona, na mitologia gaulesa. Rhiannon teve seu filho roubado logo que ele nasceu e foi acusada, injustamente, por sua morte. O bebê foi achado, anos depois e restituído a sua mãe, que passou a chamá-lo de Pryderi, descrito nos contos do Mabinogion em "Pwyll, Príncipe de Dyfed".

Mitologia Gaulesa

O termo Gaulês se designa a um conjunto de povos celtas que vieram de Gales e povoaram a Gália, que atualmente, corresponde aos territórios que vão da França, à Bélgica e à Itália setentrional.

Bel/Belenus/Belenos

 Seu nome significa "Brilhante", é considerado o Deus do fogo e da luz, nos mitos gauleses. Belenos dá seu nome ao festival de Beltane e está relacionado às fogueiras que são acesas em colinas para promover a purificação. Foi associado à Beli na tradição galesa e a Bilé na tradição irlandesa.

Cernunnos

 Um dos mais antigos Deuses celtas, encontrado tanto entre os celtas continentais como os insulares. Deus da fertilidade, dos animais, do amor físico, da natureza, dos bosques e da abundância.  Seu nome é pronunciado como se tivesse um "k" - Kernunnos. É representado por um homem sentado na posição de lótus, cabelo comprido, de barba, nu e usando apenas um torque (colar celta) no pescoço ou ainda por um homem de chifres, como no Caldeirão de Gundestrup, que tem os seguintes símbolos: um torque em sua mão direita e a serpente na mão esquerda, rodeado por um veado à sua direita e um javali à sua esquerda. Cernunnos é o Guardião do Mundo Verde, conhecido como Green Man.

Epona

 Deusa gaulesa protetora dos cavalos, seu nome significa "Cavalo". Foi representada montada num cavalo ou numa égua, rodeada por potros e cavalos. Epona é a Deusa da fertilidade, da maternidade, da abundância e dos animais, associada a proteção, prestígio e poder. Podemos identificá-la com Rhiannon, na tradição galesa, e Macha, na tradição irlandesa.

Sucellus

 Deus gaulês da fertilidade, da cura e das florestas. Considerado como o rei dos Deuses na mitologia gaulesa, seu nome significa "Atacante". Usava uma coroa de folhas na cabeça, acompanhado por um cão de caça e carregava um grande martelo, usado para bater na terra e acordar as plantas, anunciando o início da primavera.

Taranis / Taranos

 É do Deus do trovão e dos relâmpagos, na mitologia gaulesa. Dizem as lendas que Taranis cruzava os céus numa carruagem de fogo, produzindo raios através das fagulhas que saíam dos cascos dos cavalos e o ruído do trovão através das rodas da carruagem. Mestre da guerra, seu símbolo é a roda, e que junto com Teutates e Esus formavam uma tríade das principais divindades guerreiras da Gália.

Me ajudem a escolher o próximo tema da série "Seres"

Fonte: Templo de Avalon