quarta-feira, 4 de maio de 2016

A Bruxa na Janela (Brasil)

Quando eu era criança, dormia em um berço de madeira antigo que ficava perto da janela, a minha casa era de madeira e ficava em cima de uma casa de alvenaria.

Desde pequeno eu sempre via vultos, figuras estranhas e também tinha muitos pesadelos, era como se todas aquelas coisas quisessem me levar com elas.

Numa certa noite eu não conseguia dormir, via um vulto preto voando na janela.

Eu devia ter uns 5 anos de idade, eu chorava muito e dizia para minha mãe que tinha algo lá fora.

Ela dormia no mesmo quarto que eu e mesmo assim não via nada, como não tínhamos ar-condicionado a janela sempre ficava aberta, pois era muito calor.

Meu padrasto trabalhava a noite e só chegava de manhã.

Já era tarde, minha mãe já tinha dormido e eu não conseguia nem fechar os olhos de tanto medo.

Aos poucos o vulto se mexia menos e aquela sombra ia tomando forma.

Eu sei que você vai dizer: Bruxas não existem! Mas foi exatamente o que eu vi naquela noite.

Ela era idêntica as bruxas dos contos de fadas, tinha um longo nariz, pele escamada meio verde, usava um vestido preto com brilho, mas ao contrário das bruxas de contos de fadas ela não tinha vassoura.

Ela tinha asas pretas enormes, parecidas com asas de mariposa, seus dentes eram pontudos e pretos, seu cabelo longo e cinza.

Eu gritava de medo e minha mãe mesmo assim não via nada.

Ela então fechou a janela, e depois de algum tempo eu consegui dormir.

Jamais vou esquecer aquela cena da bruxa sorrindo para mim, me olhando como se quisesse me devorar.

sábado, 16 de abril de 2016

A Sugadora

Lá está ela, dançando nua na floresta escura.

Ela têm cabelos longos, negros e lisos, seu cabelo parece ser tão macio, daria tudo para tocar nele.

Faz meia-hora que estou aqui, ela dança lindamente, de um jeito leve e calmo.

Por mais que eu queira sair, eu não consigo, é como se eu estivesse hipnotizado.

Ela está vindo em minha direção, não consigo me mover, os galhos não quebram quando ela pisa neles.

Ela está desenterrando algo, parece um espelho.

A linda moça está caminhando em minha direção, estou com medo.

Ela me entregou, sorriu e desapareceu em meio as folhas secas que caiam das arvores.

Eu não sei porque ela me deu esse espelho, e eu também não sei a quanto tempo estou aqui, pois acabei de olhar o meu reflexo e pareço ter envelhecido 30 anos..



terça-feira, 12 de abril de 2016

Aranhas

-. Mamãe, estou com medo!

-. O que foi filha?

-. As aranhas mamãe, elas não me deixam dormir.

-. Volte para a cama querida, se cubra bem, elas não vão te perturbar mais.

-. Mas não vai adiantar mamãe, eu sei disso.

-. E porque não filha?

-. Porque elas estão dentro de mim..

(Autor: Andrey Menezes)

Comente e avalie. 

SENSITIVOS