terça-feira, 29 de julho de 2014

Fome de Amor



Nádia era uma artista.

Amava desmesuradamente sua vida e esta se resumia a um nome: Walter.

Eles se conheceram há mais ou menos 07 anos, num concurso de culinária patrocinado por uma empresa de farináceos.

Casaram-se 02 meses depois da entrega do prêmio, onde Walter entregou a Nádia uma batedeira último modelo, presente destinado ao primeiro lugar. Formavam um casal apaixonado e levavam uma vida recheada de aromas e sabores refinados.

Durante os doces 07 anos de relacionamento, Nádia aprimorava sua culinária, refinando os gostos e apurando seu dom. Walter, por sua vez, tornara-se um verdadeiro Gourmet. Tiveram um filho, Walter Jr., que era testemunha das delícias de Nádia e do amor do casal.

De tão doce chega-se ao amargo.

O amor de Walter por Nádia parece ter perecido, não se pode definir exatamente quando ele se saciou. Walter não sentia mais o amor de Nádia em seus pratos, a comida lhe parecia insossa. Sua mulher, desesperada, não sabia mais de onde tirar receitas para recuperar o apetite do marido.

No dia do aniversário do filho do casal, Nádia teve a idéia que poderia salvar o seu casamento: Lídia, tia do menino, disse uma frase iluminada ao olhar seu sobrinho, soprando a vela de 05 anos que afundava no marshmellow:
 
– Mas como o Júnior é fofinho!!

No dia seguinte, Walter provou a mais sublime especiaria já preparada por Nádia.

A cada pedaço daquela carne dourada, reacendia a chama do amor. Cada garfada daquele assado reafirmava que Nádia era a mulher de sua vida.

A partir daquele banquete, eles se amaram eternamente e em seu amor não cabia mais ninguém.

Eram apenas duas bocas sorvendo as delícias do ser humano.



Pessoal, comentem por favor........
Incentivem-nos a continuar........
Grande abraço a todos........



As Vozes Inexplicáveis



Transportando tropas em Outubro de 1942, o transatlântico Queen Mary ziguezaveava para despistar os submarinos inimigos quando colidiu com um cruzador da escolta.

O enorme navio de 84.000 toneladas cortou ao meio o cruzador de apenas 4.200 toneladas, lançando cerca de 300 marujos nas águas geladas.

Mais de 40 anos depois, quando o navio já estava ancorado como atração turística em Long Beach, Califórnia, o carpinteiro Jonh Smith relatou ter ouvido vozes e barulho de água enquanto trabalhava no porão do navio, na proa, exatamente a parte que passara através do cruzador, cortando-o ao meio.

Segundo Smith, ele desconhecia de tal acidente ocorrido durante a guerra ao ouvir os barulhos pela primeira vez.

Willian G.Roll, o famoso parapsicólogo, examinou o navio em 1988. No compartimento da proa ele ouviu vozes que não pôde explicar. Um gravador que tivera deixado à noite captou vozes e um estranho ruído de água corrente.

Roll não comparou tal efeito a tal tragédia, mas até hoje o caso continua insolúvel e as vozes e os ruídos continuam a assombrar o estranho navio.

Pessoal, aguardo seus comentários........
Grande abraço a todos........


quinta-feira, 24 de julho de 2014

A Data

Janeiro de 1980.

Era tarde, eu havia acabado de sair do colégio e estava voltando pra casa, mas começou a chover e eu tive que cortar caminho por baixo da ponte.

Estava tudo muito calmo, foi então que ouvi passos atrás de mim, eu comecei a andar mais rápido e os
passos só aumentavam, quando percebi já estava correndo.

Fazia meia hora que eu estava correndo, não conseguia chegar ao final daquela maldita ponte!

Eu resolvi parar de correr e olhar para trás.

Era uma garota completamente machucada, não dava pra ver bem o seu rosto.

Foi então que ela se aproximou de mim e disse:
‘’Não pare de correr, falta pouco para chegar do outro lado. ’’  

Depois que disse isso ela caiu no chão, percebi que ela segurava um jornal, eu peguei e li a seguinte matéria: Garota morre em desabamento de ponte. Data (1997).

segunda-feira, 21 de julho de 2014

O Jogo da Vida

Olá, hoje trago pra vocês um texto diferente dos que eu posto aqui. É um texto que mexe com o imaginário, te faz pensar e refletir. Se gostarem por favor deixem um comentário e me digam se vocês gostariam de ler outros textos como esse. Um abraço! 

A vida e a morte caminham de mãos dadas. 

Num belo dia você está de olhos abertos vendo tudo ao seu redor, no outro dia tudo o que consegue ver é um enorme mundo fantasma, cheio de almas vagantes.

Eu não sei como é do outro lado, ninguém que vive sabe, mas alguém certamente sabe, e quem sabe não sabe como voltar para te contar como é.  

O Céu e o Inferno, a Vida e a Morte, o Bem e o Mal o Caminho da Sorte. 

A vida é um jogo onde você precisa apostar,mas sempre com muito cuidado porque um dia as fichas acabam. 

Os que decidem parar de jogar acabam ficando sem lugar, somente há vagar e sem hora e nem dia para parar. 

Há somente um prêmio, uma passagem para o Céu, mas é preciso apostar certo se não você vai para o inferno. 

Todos os dias é preciso parar e pensar: Será que estou apostando as fichas certas?


Pense nisso, a sorte lhe deu um Aviso. Pense nisso com muito Juízo.

Você está pronto para jogar?

Autor: Andrey Slv


terça-feira, 15 de julho de 2014

O Presente do Dia Dos Namorados

Bob era um cara completamente apaixonado por sua vizinha chamada Mary, ele não tirava os olhos dela.

Um dia Mary se aproxima e eles começam a conversar, passam horas até que ele resolve tentar roubar um beijo, mas ela se afasta e vai embora.

Ele não conseguia se perdoar por ter estragado tudo, então ele vai até a casa de Mary pedir desculpas, mas ela não aceita e manda ele ir embora.

Aos poucos o amor que ele sente passa a se transformar em uma terrível obsessão.

Bob. -  Eu não durmo há dias, eu só penso nela. Minha mãe acha que eu estou ficando louco.

Hoje é dia dos namorados e Bob só pensa em algo para presentear Mary, a loucura obsessiva que domina a sua cabeça faz com que ele tenha a ideia de um presente perfeito.

Numa noite de sexta-feira , 12 de junho, Dia dos Namorados, um entregador bate na porta de Mary e entrega uma caixa com um laço vermelho.

Preso ao laço está um pequeno cartão que diz: A prova do meu amor por você está nesta caixa.

Ao abrir a caixa Mary encontra algo que jamais poderia imaginar.

Dentro da caixa está o coração de Bob, ainda batendo.

‘’O amor ferido pode se tornar uma terrível obsessão.’’        
 Conto com os comentários de vocês. 

Gargalhada Sinistra



Nos arredores de Juiz de Fora morava a família Mendonça, uma família rica e famosa na cidade. Jussara, uma estudante de filosofia da U.F.J.F., trabalhava esporadicamente como babá para os Mendonça quando estes iam à alguma comemoração, pois a moça tinha necessidade de cobrir seus gastos.
Certa noite, os Mendonça saíram para um coquetel e seus 03 filhos ficaram dormindo no andar superior da mansão, enquanto Jussara lia um livro na sala.
O silêncio era sepulcral. A noite estava escura, sem lua e muito fria. Jussara estava quase pegando no sono quando, de repente, o telefone toca, como um alarme.
Jussara deu um salto do sofá, jogando seu livro longe. Ela vai correndo ao alcance do telefone e atende com voz rouca. A resposta que ela ouviu foi uma diabólica gargalhada.

– Merda!! Um trote! Como tem gente desocupada! – revoltou-se Jussara.

– Será que foi o Tarcísio? Não, acho que ele não seria capaz. – indagou a moça.

Jussara, mais uma vez quase adormecendo, é acordada com o tocar do telefone. Com receio, ela foi até o telefone, ficou um tempo esperando, mas achou melhor atender, pois poderia ser os Mendonça.
Ledo engano, mais uma vez era aquela voz sinistra a gargalhar. Jussara, inebriada pelo ódio, gritou ao telefone:

– Sua hiena filha de uma égua. Você come merda, fode uma vez por ano e ainda fica rindo da cara dos outros!!

Ainda soltando fogo pelas ventas, Jussara bate o telefone com tanta violência que quase quebra o aparelho. A estudante estava pensativa. A mansão ficava distante do centro e em um lugar muito deserto.
Já com medo, ela decide ligar para a polícia.

– Alô? É do Departamento de Polícia?

– Sim minha filha. É daqui sim. O quê você deseja? – perguntou o tira.

– Tem um engraçadinho me passando um trote e eu estou meio temerosa, pois esta casa fica num lugar meio sinistro. – disse a moça, quase chorando.

O policial pegou todas as informações necessárias e mandou uma rádio-patrulha rondar o local. Jussara se acalmou e foi até a cozinha beber um copo d’água.
De volta na sala de estar, o telefone toca novamente e um frio polar sobe pela espinha de Jussara. Desta vez ela decide em não atender.

– Este cara já esta me enchendo o saco! – pensou Jussara com os seus botões.

Nem 02 minutos depois, o telefone toca de novo.

– Agora eu vou dar um basta nesta situação. – gritou a garota.

– Aqui, ô seu filho da... – ia dizendo Jussara, quando a interrompe uma voz gritando a 100 decibéis pelo telefone.

– Minha filha!! Saia desta casa imediatamente. Aqui e da polícia, nós identificamos a chamada e ela vem daí mesmo, da outra linha. Fuja logo!!

Jussara nem esperou o homem terminar e saiu correndo porta afora.
Mais tarde, a patrulha chega ao local e prende o perturbado mental no segundo andar, no quarto das crianças. O maluco tinha trucidado as 03 crianças e foi encontrado violentando a mais nova, que tinha 03 anos.
Jussara escapou por pouco.
Cada telefonema era uma criança morta e ela seria a próxima.
Mas depois, quem ouviria a próxima gargalhada sinistra?...

Pessoal, aguardo seus comentários........
Grande abraço a todos........

Os Ruídos da Morte



Os habitantes das Ilhas Samoa acreditam que, quando a morte se aproxima, pancadas secas paranormais são ouvidas na casa da vítima. Esse estranho fenômeno já foi chamado de ruídos da morte, e sua existência representa mais do que mero folclore.
Genevieve Miller, por exemplo, sempre ouviu esses estranhos ruídos, principalmente na infância. As pancadas ocorreram durante o verão de 1924, em Woronoco, Massachusetts, quando sua irmã, Stephanie, ficou acamada com uma doença misteriosa.
Enquanto a menina permanecia na cama, ruídos estranhos, semelhantes a batidas feitas com os dedos, ecoavam pela casa. Eles soavam de 03 em 03, sendo que o primeiro era mais longo do que os outros dois.
Certa vez, o pai da Sra. Miller ficou tão irritado com os ruídos que arrancou todas as cortinas das janelas da casa, culpando-as por aquele barulho infernal. Contudo, essa demonstração de nervosismo de pouco adiantou para terminar com aquele sofrimento.
No dia 04 de Outubro, já se sabia que Stephanie estava morrendo. Quando o médico chegou, ele também ouviu as pancadas estranhas.

– O que é isso? – perguntou, voltando-se para tentar descobrir a fonte do barulho.

Quando se virou novamente para a pequena paciente, ela pronunciou suas últimas palavras e morreu. As pancadas diminuíram a atividade após a morte de Stephanie, porém nunca chegaram a parar de todo. Elas voltaram, ocasionalmente, quando a família se mudou para uma casa nova.
Então, em 1928, o irmão de Stephanie morreu afogado, quando a superfície congelada de um rio sobre o qual caminhava quebrou-se. A partir dessa época, os ruídos da morte nunca mais foram ouvidos.

Pessoal, aguardo seus comentários........
Grande abraço a todos........
Walacionil Wosch

 

segunda-feira, 14 de julho de 2014

RELATO DOS LEITORES #20

Olá pessoal do Medo Sensitivo, não sei se lembram de mim mas já contei para vocês dois relatos ano passado, me chamo Mari e hoje estou com 14 anos, mas quando ocorreu ainda tinha 13. Foi no finalzinho do ano passado, talvez novembro, dezembro, não me lembro muito bem. Mas sei que desta vez isso me assustou muito mais do que das outras duas vezes que contei para vocês...

Tenho o hábito de dormir de madrugada, umas 2, 3, 4 enfim, da manhã, fico acordada conversando com amigos e vendo televisão, e eu não leio a bíblia, não sou uma pessoa que tem fé e na verdade não sei se Deus existe, mas confesso que ultimamente eu estou começando a questionar um pouco certas coisas. Mas voltando ao relato, tinha acabado de dar tchau para um amigo que eu conversava por mensagens e estava prestes a dormir e me lembro que eu vi as horas e eram três e pouco, ok, me deitei e desliguei a televisão e -aqui dormimos com tudo escuro, nenhuma luz sequer - logo que me deitei me virei para a parede como sempre faço.

Logo que adormeci comecei a ouvir barulhos em cima da casa, nem me importei muito pois já me acostumei com o fato de essa casa ser barulhenta de noite, mas então os barulhos aumentaram e "desceram" aqui para baixo, tentei não me assustar, mas então abri os olhos e alguém acendeu e apagou em um piscar de olhos a luz do banheiro (o banheiro é do lado do meu quarto) e não podia ser meus pais, pois foi algo super rápido, questão de segundos e a luz do banheiro nunca deu problema algum.

E então pude ouvir claramente algo/alguém andando pelo corredor pra lá e pra cá, gelei na hora e fiquei com os olhos abertos sem me mexer, e depois de um tempo andando pelo corredor, senti alguém parando na porta do meu quarto e me observando, senti a presença de alguém e o mais assustador: eu OUVI a respiração de alguém, era muito estranho pois os passos que eu ouvi no corredor eram "leves", e depois de uns segundos essa coisa saiu do meu quarto e acho que foi embora, depois de muito tempo dormi. No dia seguinte contei para meus pais e minha mãe disse que não foi ao banheiro, dormiu direto. E meu pai disse que foi, mas na hora que ele foi era uma hora da manhã e eu estava acordada e além do mais ele não parou na porta do meu quarto.

Pesquisei sobre as três horas e me assustei um pouco, conversei com uma garota que é espírita e ela disse que acha que era sim um espirito, bem, se era ou não, não sei e não quero descobrir... Mas percebi algo: toda vez que começa esses barulhos aqui de noite, eu tento me manter o mais calma possível e então vai embora... O segredo é não ter medo, para mim é isso rs...

Tenho medo de que aconteça de novo, mas ao mesmo tempo curiosidade, sabe? Quero que aconteça, mas não quero... Enfim, é isso rs...

P.S.: Não era uma paralisia pois eu podia me mexer, falar e etc...

Enviado por: Mari Suicide

Lerina Garcia, a mulher que acordou em um mundo paralelo

Em julho de 2008, uma mulher de 41 anos de idade, chamada Lerina Garcia acordou em sua cama para mais um dia que parecia super normal. No entanto, ao iniciar sua rotina, ela afirma que descobriu pequenos detalhes que eram nada peculiares. Por exemplo, os lençóis e o edredom eram diferentes do que ela se lembrou de colocar na cama na noite anterior.

Resolveu deixar de lado essa estranha mudança e se dirigiu até seu local de trabalho, onde trabalhava há 20 anos. Entretanto, ao chegar ao seu departamento, ela percebeu que não era, na verdade, o seu departamento, apesar da sua localização estar exatamente onde era!

Tendo consciência de que algo estranho estava definitivamente acontecendo, ela voltou para casa apenas para encontrar o homem de quem ela diz ter se separado seis meses antes… porém, tal separação nunca ocorreu (pelo menos, nessa versão de universo). Seu ex e novamente atual marido, relatou espantado que ela estava desaparecida fazia quatro meses e que ele estava sendo investigado e acusado por isso! Disse também que contratara um detetive particular, contudo seu paradeiro continuou desconhecido. Investigando mais a fundo, Lerina percebeu que, a sua vida, tudo que conhecia, seus familiares, amigos, haviam sumido! O único que permanecia era o ex-marido…

Embora, para muitos, pareça mais provável que as percepções de Garcia sejam o resultado de algum mau funcionamento neurológico, ela acredita ter acordado em um universo paralelo. Infelizmente para a nossa suposta viajante dimensional, Garcia não foi capaz de retornar ao seu universo normal, deixando-a presa em uma dimensão onde não pertence, com um ex-atual-marido! Garcia não tem nenhuma das lembranças do qual falam, sendo que as suas lembranças nada se assemelham com aquelas que os outros dizem!

É, as vezes mudar de Universo não é uma vantagem tão grande assim!

Fontes:
http://ahduvido.com.br/
www.mundoesotericoparanormal.com

Ong’s Hat

Ong’s Hat, Nova Jersey, foi fundada em algum momento do século 19 por um homem chamado Ong depois que ele jogou seu chapéu no ar e perdeu-o em um galho de árvore… Por volta de 1920, a cidade tornou-se uma cidade fantasma, mas apesar disso, ela não foi esquecida.

Conta a teoria que durante os anos 1970 e 80, um novo paradigma científico chamado “Caos”, que se preocupa em encontrar a correlação entre situações cotidianas, tal como amarrar o tênis e ler um livro e todas as consequências que cada uma delas pode trazer – por exemplo, você foi amarrar o tênis, encontrou o livro embaixo da cama, levou o livro consigo, foi ler em uma praça, uma pessoa passou, leu o título da capa, achou curioso, resolveu comprar o livro, leu o livro e virou um assassino em série por causa disso, ou seja se você não tivesse amarrado o cardaço naquele exato momento, não haveria assassino em série – começou a ganhar popularidade.

Dois grupos de cientista, liderados por Dobbs desenvolveram uma teoria de que através da consciência pode-se modelar o seu próprio universo, desde que se aprenda a capacidade de controlar o caos e, por consequência, disponibilizando ao observador viajar para outras dimensões. Dobbs haveria até inventado um maquinário para desenvolver o cérebro das pessoas para atender essa estranha complexidade: a primeira câmara de privação sensorial chamada de “O Ovo”. Entretanto, como toda boa história, possui versões alternativas ainda mais sinistras...

Uma das outras versões dizem que Dobbs não fez absolutamente além de encontrar um Portal Interdimensional! Lembra do Ong do inicio desse item? Pois é, conta a lenda urbana que ele era um homem sempre muito bem vestido com um terno e um chapéu de seda que fundou a tal cidade em 1920 e que tinha sérios problemas com o seu chapéu que não parava em sua cabeça. Ong era um cara bem estranho e ninguém sabe de onde veio e nem para onde foi … para ser mais exato, ninguém sabe para onde todos os moradores do vilarejo foram depois de 1936. Todos eram muito recatados e só mantinham vínculos com os habitantes do próprio vilarejo. Todavia, por volta de 1932, segundo a lenda urbana local, as coisas ficaram estranhas. Aos poucos, a cidade parecia estar desaparecendo! No inicio de 1936, não havia mais nada na cidade, senão tijolos representando as estruturas que um dia estiveram ali e um galpão velho. Nenhum habitante, nada além do vento que sempre derrubava o chapéu de Ong.

Em 1970, Dobbs haveria chegado ao pequeno vilarejo abandonado com uma equipe de cientistas especializados em Estruturas Subterrâneas. Por algum motivo- que não ficou claro – Dobbs teria conhecimento de que havia algo embaixo do vilarejo. E parece que o seu palpite estava certo! Dobbs haveria encontrado em uma espécie de bunker uma máquina chamada “O Ovo” que permitia com que qualquer homem pudesse viajar entre as dimensões.

Quando essa lenda urbana chegou na Internet por volta de 1999, recebeu uma nova roupagem na história de Joseph Matheny. A lenda urbana terminou virando hoax e meme e, por fim, ganhou centenas de versões. A verdade é que as vilas do Condado de Burlington sempre contaram histórias sinistras sobre essa cidade fantasma, porém, onde termina a realidade e começa a ficção somente Dobbs – se ele existir – pode dizer (ainda que, seja difícil contatá-lo agora que ele está em outra dimensão).

Fonte: http://ahduvido.com.br/

quinta-feira, 10 de julho de 2014

O Caso: Ada

Estados Unidos, New Jersey, Janeiro de 2001.

Uma garota chamada Alice resolve sair de casa para dividir um apartamento com sua amiga chamada Ada.

Elas se conheceram em uma viajam na Rússia e desde então são melhores amigas.

As garotas se mudam, o lugar é ótimo e elas parecem muito animadas com a ideia de serem mais independentes.

Na primeira noite Alice percebe um comportamento estranho em Ada, ela parece inquieta e meio confusa.

Alice pega no sono e minutos depois o celular toca, a chamada é de sua amiga Ada.

Alice: Alô! Ada, o que houve?
. - Eu preciso de você, estou em um lugar muito escuro.
Alice. - Ada, onde você está?!

De repente a ligação cai e Alice ouve um barulho vindo do banheiro.

Ela abre lentamente a porta e acende as luzes, dentro da banheira está um gravador.

Ela aperta o play e uma voz estranha diz: Olhe em baixo da cama.

Ela volta para o quarto e se abaixa para olhar, em baixo da cama de Ada, há uma garota com a garganta cortada, mas não é a sua amiga.

Ao lado do corpo há um outro gravador.

Novamente ela aperta o play e a mesma voz diz: Agora olhe em baixo de sua cama.

Ela olha, e para sua surpresa quem está debaixo da cama é ela, completamente esfaqueada.

Depois de alguns dias os vizinhos chamaram a polícia. A polícia encontrou os dois corpos em baixo das camas e na mão de Alice havia outro gravador.

O policial apertou o play e ouviu as seguintes palavras: ‘’Você nunca saberá a verdade. ’’

Nenhum registro sobre Ada foi encontrado, era como se ela nunca houvesse existido.

O caso foi arquivado e permanece um mistério.  

domingo, 6 de julho de 2014

Gnosticismo

O Gnosticismo é um sistema religioso cujo início deu-se antes da Era Cristã. Considerado por muitos como resultado da interação do Judaísmo, Cristianismo e as filosofias religiosas do Oriente. Possui seus próprios textos sagrados, sendo que o principal é o Evangelho de Tomás.

De fato, o Gnosticismo designa um do movimento religioso Cristão que tornou-se bem conhecido durante os séculos II e III, cujas bases filosóficas eram as da antiga Gnose, com influências do neoplatonismo e dos pitagóricos. Este movimento reivindicava a posse de conhecimentos secretos que, segundo eles, os tornava superiores aos cristãos comuns desprivilegiados do mesmo. Originou-se provavelmente na Ásia menor, e tem como base as filosofias pagãs, que floresciam na Babilônia, Egito, Síria e Grécia. O gnosticismo combinava alguns elementos da Astrologia e mistérios das religiões gregas, como os mistérios de Elêusis, com as doutrinas do Cristianismo.
A palavra gnose, tem por origem etimológica o termo grego "gnosis", que significa "conhecimento". Mas não um conhecimento teórico e empírico (a "episteme" dos gregos), mas de caráter intuitivo e transcendental. Foi usada para designar um conhecimento profundo e superior do mundo e do homem. 
O termo "Gnose" acabou designando nos tempos atuais um conjunto de tradições que acreditam no aspecto espiritual do Universo e na possibilidade de salvação por um conhecimento secreto. A Gnose é uma corrente de pensamento esotérica, normalmente identificada com o misticismo oriental, Teosofia, cabala, rosa- crucianismo e maçonaria.

Doutrina gnóstica

O gnosticismo tornou-se uma forte influência na Igreja primitiva levando muitos cristãos da época como Marcião (160 d. C.) e Valentim de Alexandria a ensinar sobre a cosmovisão dualista, premissa básica do movimento. Efetivamente, para os gnósticos, existem dois deuses: o criador imperfeito, que eles associam ao Jeová do Velho Testamento e outro, bom, associado ao Novo Testamento. O primeiro criou o mundo com imperfeição, e desta imperfeição é que se origina o sofrimento humano. Mas, o deus bom teve pena dos homens e dotou-os de uma "centelha divina", que lhes dá a capacidade de despertar deste mundo de ilusões e imperfeição.


A premissa essencial da filosofia gnóstica é o postulado da existência de uma "entidade imortal", que não é parte deste mundo, que pode ser chamado de Deus, divina essência, perfeito, puro, imaculado, vivendo no paraíso etc. que existe em todos os homens que é a sua única parte imortal. Tal deus gerou outros seres divinos (aeons), com, metaforicamente falando, os sexos definidos. Eles também são capazes de gerar proles perfeitas em si mesmas contanto que as gerem utilizando um parceiro do sexo oposto.
Os gnósticos consideram que o estado do homem neste mundo é "antinatural", pois ele está submetido a todo tipo de sofrimentos. Para eles, é necessário que o homem se liberte deste sofrimento, e isto só pode ocorrer pelo conhecimento. De um modo geral, os gnósticos acreditam que o Universo manifestado foi iniciado pelas emanações do Absoluto, seres finitos chamados de Aeons que se reúnem no Pleroma. No princípio tudo era Uno com o Absoluto, então em um determinado momento, emanaram do Absoluto estes æons (éons), formando o pleroma.

O pleroma dos gnósticos é um plano arquetípico, abaixo do qual está o plano material, manifestado. Assim, o que antes era Uno e vivia no pleroma, se despedaça em partes. Este estado de infelicidade, pela descida no pleroma (e separação do Todo Uno), é o que ocasiona o sofrimento do homem neste mundo.
Um dos éons, Sofia, decidiu gerar sozinha um filho sem a ajuda de um parceiro. O resultado foi um deus imperfeito e mal formado, chamado de Yaldabaoth um Demiurgo (artesão em grego), que criou o mundo material "mal", juntamente com todos os elementos orgânicos e inorgânicos que o constituem. Consciente do erro, Sofia joga seu filho numa região separada do cosmo. Tal entidade mal formada e ignorante, vendo-se sozinha, acredita ser o único deus. Ele então cria a Terra e os seres humanos. Sendo frutos de um deus imperfeito, somos igualmente incompletos, num mundo ilusório. Este deus, é o deus da Bíblia (antigo testamento). 

Os gnósticos ensinam que a salvação vem por meio de um desses éons. 

Cristo seria um enviado do verdadeiro deus perfeito, oriundo de outro plano de existência, mandado para nos ajudar a enxergar a verdade e nos libertarmos desta ilusão em que fomos gerados, escapando das armadilhas da matéria e alcançando as altas regiões espirituais. Tal processo ocorre através da consciência da nossa verdadeira natureza e origem. Porém, existem os Archons, entidades criadas para nos manter na ilusão, detendo a jornada espiritual.

Segundo a doutrina, Cristo, se esgueirou através dos poderes das trevas para transmitir o conhecimento secreto (gnosis) e libertar os espíritos da luz, cativos no mundo material terreno, para conduzi-los ao mundo espiritual mais elevado. Segundo algumas linhas gnósticas Cristo não veio em carne e nunca assumiu um corpo físico, nem foi sujeito a fraqueza e emoções humanas embora parecesse ser um homem, enquanto algumas defendem a tese do nestorianismo. O apóstolo João trata deste assunto e enfatiza que "o Verbo se fez carne" (Jo l .14), e em sua primeira epístola que "todo o espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne não é de Deus..." (l Jo 4.3). Os escritos joaninos são do final do primeiro século, quando nasceu o "gnosticismo cristão".

Para que o homem possa se libertar dos sofrimentos deste mundo, segundo os gnósticos, ele deve retornar ao Todo Uno, por ascensão ao pleroma, e isto só pode ser alcançado pelo Conhecimento Verdadeiro (representado pela Gnose). Este despertar só pode ocorrer se o homem se descobre, "conhecendo-se a si próprio". 

Links

Gnosis Archives ( Em Inglês ) 

Evangelhos Gnósticos

 Fonte:
 Ocultura
Wikipédia 

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Querido Jeff The Killer..

Olá, meu nome é Clara, eu adoro histórias de terror e desde que conheci a história de Jeff The Killer não penso em outra coisa.

Meus pais trabalham muito e não se importam se eu estudo ou não, na verdade às vezes parece até que moro sozinha.

Eu estou há quase duas horas lendo a mesma história, nunca vi um garoto tão perfeito quanto o Jeff, nossa ele é lindo demais!

Não sei, acho que estou apaixonada, é estranho eu sei, mas eu só consigo pensar em seu lindo rosto.

Eu mataria os meus pais pra ficar com ele, cortaria o meu cachorro em pedaços e daria aos porcos pra conhecer o meu querido Jeff.

Acho que vou escrever uma carta para o Jeff e amanhã deixarei na porta do Hospício Denbigh que fica há três horas daqui.

(Carta)

''Querido Jeff The Killer, eu te conheci faz pouco tempo através de uma história que li na internet, eu me apaixonei por você, te acho lindo!''

''Eu gostaria muito de conhecer você pessoalmente e beijar a sua boca, abraçar o seu corpo sujo de sangue e também gostaria que você me ensinasse à arte de matar, você é mestre nisso, eu realmente adoraria aprender.''

''Os meus pais não se importam comigo, o meu cachorro só dorme e a minha vida é um lixo!''

''Sinto vontade de matar todo mundo e depois enterrar no porão da minha casa.''

''Muitas pessoas não entendem você, mas eu te entendo, sou sua fã e faria tudo, absolutamente tudo por você meu amor. ''Eu preciso de você.''

-Acho que está bom, amanhã levarei até lá.

Estou no ônibus e meu coração bate mais forte cada vez que o caminho diminui, eu estou ansiosa para entregar a carta, não vejo a hora.

Finalmente cheguei, é tudo tão sombrio.. Confesso que estou com medo, mas o meu amor por ele é maior do que qualquer medo.

Deixei a carta na porta, tenho que ir embora antes que os meus pais cheguem do trabalho.

Não acredito que perdi o ônibus, vou ter que ir andando.

Demorei, mas cheguei em casa, ufa! Parece que os meus pais ainda não chegaram, vou pro meu quarto descansar.

O que é isso? Parece sangue na escada, vou até o quarto dos meus pais.

Não posso acreditar no que vejo, os meus pais.. Eles.. Estão sorrindo pra mim!

Mas porque não se mechem? Falem comigo droga!

Espera.. Tem alguém atrás da porta.

Clara.- Jeff? É você meu amor?
Jeff. – Hahaha! Quem mais poderia ser? Eu li os seus pensamentos e já sabia que você escreveria a carta pra mim.
Clara. – Eu não sabia que você podia ler pensamentos!
Jeff. – Há muitas coisas que você não sabe sobre mim.
Clara. -  Querido Jeff, eu te amo.
Jeff. – Você me ama? Eu não acredito em você sua vadia estúpida!
Clara. – Eu posso provar!
Jeff. – Como?
Clara. -  Arranque o meu coração, você verá que ele bate forte quando está perto de você.
Jeff. -  Hahahaha.. Você tem um belo coração, posso sentir o pulsar em minhas mãos, pena que você está morta agora e não poderá nunca mais ver o meu lindo rosto.

(Clara) Acabo de acordar, há um buraco enorme no meu peito, não me sinto mais viva!

Não sei como, mas acho que Jeff passou alguma energia maligna pra mim, ele me tratou como uma vadia. Eu não sinto mais amor, sinto ódio profundo por ele, quero me vingar daquele monstro maldito!

Estou com fome e sede de sangue hahaha..

Billy(cachorro) você gostaria de me conhecer por dentro?

Você tem um gosto bom. Dá próxima vez que encontrar com o Jeff eu irei comer cada parte daquele maldito!

(Carta 2.)
Querido Jeff..                                                        (Continua)..

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Norman

Dina é mãe de Norman, depois de um incêndio misterioso em sua antiga casa eles resolvem mudar de cidade.

Dina trabalha o dia inteiro e deixa a sua vizinha tomando conta dele. Ela se chama Sarah e tem 17 anos.

Certo dia o namorado de Sarah aparece de surpresa na casa de Dina, Sarah e ele trocam beijos e vão até o quarto namorar.

Norman ouviu alguns gemidos e foi até o quarto ver o que era. Ele observava com um olhar vazio e sombrio.

Sarah diz ao seu namorado: Você me faz pegar fogo!
Algum tempo depois enquanto eles dormiam, o garoto foi até o porão e pegou um galão de querosene e espalhou por todo o quarto.  Ele risca delicadamente o fósforo e joga em direção á cama.

Enquanto os dois são queimados vivos e gritam de dor, Norman apenas observa mais uma vez com aquele olhar vazio.  

Quando a mãe dele chega, o encontra do lado de fora da casa. Ela assustada pergunta: O que aconteceu filho?!

Norman. – Sabe mãe, uma vez eu vi o papai no quarto da nossa antiga casa com outra mulher e no chão havia um livro. Sabe o que ele dizia?
Dina. – Do que você está falando?!  
Norman. – Ele dizia que só o fogo tem o poder de purificar. Se algum dia você deixar de me amar, eu terei que te purificar também.

Dina fica em estado de choque, mas não demonstra nenhum sinal para que ele não perceba.

Eles vão para a casa do irmão de Dina (Ricky), chegando lá ela manda Norman ir descansar.  

Dina diz á Ricky: O meu filho é um louco! Ele botou fogo na casa junto com duas pessoas dentro!
Ricky. – Nós precisamos agir com calma, é melhor avisarmos a polícia amanhã.

A noite chega e eles dormem, mas logo acordam com o barulho do telefone tocando.

Dina atende e uma voz abafada diz: Eu ouvi tudo.
Em seguida a casa toda pega fogo enquanto Norman observa do lado de fora.

quinta-feira, 26 de junho de 2014

RELATO DOS LEITORES #19

Há um tempinho, contei a vocês um relato de meu cunhado. No qual dizia, que ele havia visto um homem misterioso aparecer e desaparecer do nada em sua frente.

Sua filha (3 anos), desde então começou a agir estranhamente. Toda noite, a menina se debate, às vezes fala enquanto dorme. Poderia ser apenas simples pesadelos, porém, há mais coisas que me assustam.

Sempre que passa em frente ao espelho, ela para e observa seu reflexo. Depois começa a conversar com o espelho. Ela também olha  para um lugar onde "não há ninguém" e começa a conversar. Quando pergunto com quem ela conversa, ela diz que é um tal de Alexandro, e quando questiono sobre ele, ela responde que ele sofreu um acidente em uma van e está no hospital com o braço quebrado.

Às vezes tenho a impressão de vê-la com os olhos revirados e ela muda o comportamento de uma hora pra outra. Ou fica carinhosa demais ou violenta demais.

Estou bastante preocupada com ela. Antes desse tal cara misterioso aparecer para o pai dela, não haviam pesadelos, nem problemas de saúde como esses que ela tem agora (duas hérnias). Não havia comportamentos que mudam do nada. Quero muito ajudá-la. Eu e minha amiga estamos tentando descobrir o que há com ela, fazendo pesquisas e juntando nossos conhecimentos sobre o mundo sobrenatural, mas ainda não conseguimos chegar a lugar nenhum.

Talvez tenha alguém com o mesmo problema e é por isso que estou mandando meu relato.

Obrigada pela atenção.

Eviado por: Vanessa Oliveira

segunda-feira, 23 de junho de 2014

A outra face.




                Muitos sonham com o dia em que suas vidas mudarão drasticamente. E alguns desses buscam a outra face da realidade. Porem, poucos conseguem a alcançar. Uma serie de fatores impede a entrada e impossibilita a saída. Uma vez dentro, nunca mais fora.Esse outro lado possui muitos perigos que nem mesmo o mais louco poderia imaginar. Fatos desconhecidos e alguns conhecidos, mas descartados.
                Isso que vou escrever para você não é uma simples historia. Acredite. Tudo que estiver aqui escrito é de grande importância. Não irei mostrar ou dizer como se entra nesse mundo. Porem, irei dizer como deve agir em determinadas situações e como não deve. Caso você já esteja metido nesse mundo e não saiba o que fazer, essa historia é para você, por isso preste bem atenção em milhas palavras. Crenças, ceticismos e fanatismos, de nada o ajudaram na outra face. Apenas servem para mostrar o caminho ao gado, porem você não faz mais parte desse gado tolo. Na outra face, você é um lobo. Um lobo que caça e é caçado. A morte, medo, desespero e energias negativas iram lhe caçar, mas não se dê por vencido. Você é humano e sua natureza é sua força. A natureza humana é boa, forte e determinada. Pergunto-me onde essa natureza está escondida na sociedade atual... Lembre-se, não fazemos parte de um rebanho, somos mais parecidos com lobos. Então busque sua alcatéia e não seu rebanho!
                O maior erro de alguém que se envolve nesse meio é achar que sabe de tudo. Você nunca pode ter certeza de nada, porem, não deve viver de incertezas. Logo, deve seguir sua intuição acima de tudo e todos. Mas, não confunda a sua intuição com emoções auto-destrutivas. Peço que leia tudo que escrevo com discernimento e com os olhos do seu eu e não de seu ego. Irei contar a historia de um garoto que acabou se apaixonando por esse mundo, e nessa historia irei passar ensinamentos preciosos. Por isso, abra seus olhos!

                Jeff sempre achou que não pertencia ao mundo em que vivia. Um erro do destino que o colocara sentado em frente a uma maquina com acesso a internet?
                Um dia, Jeff encontrou um site cheio de curiosidades e historias de terror, se apaixonou pelo sombrio naquele instante. Começou a ver vários vídeos de supostos fantasmas, demônios e criaturas extraterrestres. Mas, cometia um erro comum. De tanto ver vídeos falsos e verdadeiros, se confundindo e chamou de falso o que era real e real o que era falso. Alegava ser falso apenas por ser: ‘’Surreal’’. Como pode alguém buscar o sobrenatural sem acreditar no surreal?
                Depois de semanas, Jeff começou a se sentir chateado com aquilo. Eram sempre as mesmas coisas. Ate as creepypastas estavam sem alma. As lia e sentia em seu peito: ‘’Algo falta aqui!’’, mas não sabia o que era. Jogou o jogo do copo, não se moveu, e o do compasso, era apenas rodado pelo vento e não formava palavra alguma. Buscou e buscou, ate encontrar uma historia sobre uma casa abandonada. Alegavam existir espíritos malignos naquele lugar e uma serie de desaparecimentos a sua volta. Ao olhar bem para a foto, Jeff sentiu uma familiaridade e lembrou-se que essa mesma casa ficava á meros três quarteirões de distância de seu apartamento. Animado, chamou todos os seus amigos mais próximos para irem, mas nenhum teve coragem de ir aquela noite. Mas, o coração de Jeff saltitava. Ele realmente queria ir lá o mais rápido possível, e partiu para a residência abandonada, sozinho.
                Em frente à enorme casa escura, Jeff observa animado. Cada detalhe da casa intensificava o mistério. A pintura cinzenta descascava, e uma espécie de planta subia pelas paredes. Todas as portas e janelas dos dois andares estavam abertas. O jovem quase retornou para casa, mas a sua euforia em experimentar algo pessoalmente era incrivelmente forte. Entrou na casa e ligou a lanterna.
                O piso rangia a cada passo. Para não se perder, decidiu seguir em frente ate encontrar o fim da casa e virar para a direita. Andou por dez minutos em linha reta em um corredor cheio de portas.
                - Droga, essa casa é maior do que eu imaginava... – Sussurrou consigo mesmo. Já estava com uma postura relaxada. Não esperava nenhuma surpresa.
                - Oi... – A voz de uma criança sai de um quarto.
                - Oi... – A foz grave de homem sai do mesmo quarto. Jeff apaga a luz da lanterna, se encosta ao lado da porta e tenta ver quem falava. O brilho da lua iluminava o quarto.
                Jeff estranha, pois não havia lua quando ele saiu de casa, mas ela poderia estar escondida atrás das nuvens.
                - Então... – A criança é interrompida. Jeff não sabia se era menino ou menina, pois a voz era muito baixa, quase inaudível.
                - Sim... Venha... – O homem afirma, retira o cinto e abaixa as calças.
                O homem começa a despir a criança. Jeff surta e pula com a lanterna apontada para o quarto.
                - Maldito. Usando um lugar abandonado para su... – Jeff interrompe seu grito ao ver que não havia ninguém no quarto e nem mesmo a luz da lua restava.
                Engolindo a seco, o jovem se pergunta se isso poderia ser uma experiência paranormal. Pegou uma garrafa de água que carregava na mochila e bebeu. Olhou para os lados e pensou em seguir o caminho de volta, mas queria ver algo a mais. Escutar uma conversa e ver uma sombra pervertida não era muita coisa para contar. Continuo seu caminho ate chegar a uma sala ampla com um homem sentado em uma grande poltrona vermelha, no escuro.
                - Quem é você? – Jeff pergunta sentindo forte medo.
                - Considere-se um homem de sorte! – O homem afirma em alto e bom som, mas sem gritar. Sua imagem não se movia.
                - Quem é você? – Jeff insiste. Começa a recuar.

                - Serei seu guia! – O homem afirma animado. Um raio passa pelo lado de fora da janela e ilumina a sala. Por poucos segundos, Jeff pôde ver um ser sem olhos, nariz, orelha, pelos e feições alem de uma boca sorridente e com dentes afiados. Vestia um terno vermelho semi-aberto. – Não... Eu não sou o Slenderman. Mas, sou esguio, não posso negar... – Afirmou ainda imóvel, como se pudesse ler os pensamentos de Jeff.

Continua...

 O que lhe atormenta? Escreva nos comentários e darei algumas sugestões na historia. Podem ser bem uteis se usadas da maneira correta. ~ Quase Sábio Anônimo.

Sensitivos