quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

RELATO DOS LEITORES #23

A ponte

Eu não sei se, especificamente, tem haver, mas desde criança vejo e ouço coisas "diferentes". Não gosto de pensar que seja alguma relação com religiões (não sou religiosa). Mas a minha bisavó, segundo a família, foi uma praticante de ocultismo e magia negra, não sei dizer bem. É um pouco macabro.

Minha mãe também tinha dessas coisas, de enxergar o que ninguém está vendo, e talvez eu tenha herdado isso dela. De qualquer forma, aconteceu quando eu era pequena, uns oito anos, na ponte de meu bairro.

A ponte cortava duas bandas de terra, dando acesso a uma igrejinha protestante. Na verdade, era mais uma pinguela do que outra coisa. A minha escola particular ficava justo após a pontezinha, mas eu tinha medo de altura e meu pai me levava por um caminho alternativo. Bem... até no dia 09/08/2006.

Uma mulher, depois de um tempo,  disse que uma outra engravidava frequentemente, e abortava ela mesma, algumas vezes com o feto já grande em seu ventre. Ela enterrou o primeiro feto de sua primeira gravidez, ali mesmo no quintal de sua casa, e assassinava seus próprios bebês após esse incidente. Ninguém achava que ela se tratava de um perigo real, até tentar matar o feto de outra pessoa, uma passante na rua de sua casa. Ela foi linchada e sumiu por uns tempos. Talvez até anos.

Mas, naquele dia, meu pai e eu estávamos atravessando a pobre ponte. Tinha um valão passando abaixo de nós e fedia. Eu acordei atrasada demais e tínhamos que pegar aquela caminho.  Meu pai disse que ficaria tudo bem se eu só andasse, sem olhar pra baixo. Mas eu olhei.

Eu vi uma sacola boiando, e um braço de boneca para fora. Mas não era uma boneca. Parecia uma mão humana, de bebê, e saber do fato dos abortos, anos mais tarde, me leva a imaginar que as coisas realmente foram sinistras.

A sacola preta foi sendo arrastada pelo curso. Então eu vi, na penumbra do barranco, uma mão atrofiada agarra-la e afundar com ela. Eu não gritei, mas fiquei tão pasma que puxei meu pai e quase caímos também.

Depois disso, nunca mais passo em pontes e pinguelas.

Relato de Suu Zombie

domingo, 25 de janeiro de 2015

O Maníaco do Porta-Malas

Eu estava voltando pra casa quando percebi um cochicho entre os vizinhos, me aproximei e perguntei o que estava acontecendo de novo no bairro.

Eles me disseram que faziam alguns dias que um carro preto estava estacionado na rua e nem sinal do dono.

Horas mais tarde os vizinhos chamaram a policia e para o espanto de todos haviam sido encontrados dois corpos enrolados em sacos pretos, os corpos tinham cortes profundos na garganta.

Na semana seguinte o fato voltou a se repetir, e na outra semana também.

Os moradores estavam em pânico e já não saiam mais sozinhos de casa, com o passar dos dias tudo voltou ao normal, mas a policia ainda estava investigando.

Às vezes eu achava engraçado o medo das pessoas, o bairro é muito calmo e é bom que coisas desse tipo aconteçam para trazer emoção a vida dessas pessoas.

Estou com muito tédio, amanhã é domingo e acho que vou levar os meus pais para darem uma volta de carro.

Só espero que eles caibam no porta-malas..
(Por favor comentem e avaliem a Creepypasta, a opinião de vocês é muito importante para nos incentivar a continuar com as postagens.) 

Autor: Andrey Slv 



terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Ovni assassino?!?

Contam os ribeirinhos que em noites bem escuras cerca aos rios e igarapés da Amazônia um objeto voador não identificado sobrevoa as canoas dos pescadores, decepam-lhe as cabeças e as levam. No meio do rio ou em sua beira a visibilidade do céu é nula. Você não consegue ver nada que sobrevoe você.

Um ribeirinho contando, que uma certa vez se encontrava na beira da praia cerca do rio, e um companheiro seu estava no rio em uma canoa, quando de repente, surgiu uma luz em cima do seu companheiro.

O som do objeto voador era similar a um helicóptero, mas não podendo confirmar se realmente o era. Quando em um segundo viu a cabeça do seu companheiro sendo decepada em meio à luz que o cercava.

No momento do acontecido o ribeirinho que se encontrava na praia correu desesperado para o mato para esconder-se, enquanto a luz depois que tirou a cabeça de seu companheiro começou a persegui-lo.

No mato ficou escondido até a luz ir embora, pois a mesma ficou cerca de três minutos em sua busca focando para o meio da selva, depois sumindo na imensidão do céu escuro e azul da Amazônia.

A luz indo embora, o ribeirinho foi ao rio, com bastante medo que a luz retornasse, a fim de encontrar o corpo de seu companheiro, pois agora estava sem cabeça para poder entregar-lhe a seus familiares.

Então, mais uma história de pescador?

Fonte: http://arquivosdoinsolito.blogspot.com.br/ 

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

SCP-148 "A liga Telekill"

SCP-148
Item #: SCP-148

Classe do Objeto: Euclid

Procedimentos de contenção especiais:

Revisão 3

SCP-148 deve ser armazenado em 120 lingotes, cada um pesando 10 kg no momento. Lingotes do SCP-148 não podem ser alojados no mesmo local, como qualquer SCP (devido as potenciais interações imprevistas); caso contrário, os lingotes devem ser distribuídos igualmente entre as instalações da Fundação aceitáveis. A massa de cada lingote confinado do SCP-148 deve ser medido e reportado mensalmente.

Sob nenhuma circunstância um SCP capaz de afetar a mente ou com propriedades extra-sensoriais pode entrar em contato com SCP-148. Em caso de tal contato, a área deve ser evacuada imediatamente e a amostra afetada do SCP-148 detonada por controle remoto.

Agentes não devem estar atribuídos ao SCP-148, durante um período de tempo maior que três semanas. Qualquer agente designado para SCP-148 devem ser dados avaliações psicológicas regulares.

Descrição: SCP-148 é uma substância metálica, composta por uma variedade de elementos conhecidos e desconhecidos. A massa total do SCP-148 na mão é de aproximadamente 1.1 1.2 toneladas. SCP-148 tem uma cor verde-acinzentada, com um tom azulado e oxida facilmente na presença de água. SCP-148 tem o ponto de fusão de aproximadamente 4500 ° C e um ponto de ebulição de cerca de 9000 ° C. SCP-148 tem uma densidade de 6,20g/cm3 6.76g/cm3 e se qualifica como HRC 39 em um teste de rigidez Rockwell.  Ele exibe as propriedades do material, tais como a resistência, ductilidade, e trabalhabilidade, semelhante à platina.

SCP-148 é composto principalmente de platina e irídio, os dois compõem 62% e 20% da sua massa, respectivamente. Além disso, vários outros metais conhecidos estão presentes em sua composição, incluindo ferro, cobalto e cobre, que coletivamente compõem 16,5% da massa do SCP-148. No entanto, dada a massa do material, acredita-se que há outras substâncias não detectáveis por espectrometria de massa ou outros meios. Imagens do SCP-148 tiradas com um microscópio de tunelamento mostram lacunas na sua estrutura que, em circunstâncias normais, seriam preenchidas com outros materiais.

SCP-148 tem demonstrado a capacidade de bloquear ou de esconder as propriedades que afetam as mentes extra-sensorias de organismos vivos que se aproximam dele. Este efeito, apesar de difícil de quantificar, parece inversamente proporcional á distância do objecto até a superfície do SCP-148 e é diretamente proporcional a quantidade do SCP-148 em consideração. A alcance para que este efeito seja detectável é de cerca de 0,8 metros por quilograma de SCP-148.

1,1 toneladas do SCP-148 foram recuperados do departamento de metalurgia de facilidade básica "Prometheus Labs" durante a varredura do prédio feita pela Fundação. Documentos relacionados com o projeto revelaram que a substância era para ser sujeita a um desenvolvimento adicional, vendida para ███████████, patenteada e então vendida como "Telekill Alloy". No entanto, devido á [REDIGIDO] e sua consequência política, juntamente com a destruição das instalações "Prometheus Labs", ███████████ adquiriu 1,3 toneladas de SCP-148 e as vendeu para compradores desconhecidos. Agentes da Fundação e contadores forenses estão em processo de rastreamento das entregas restantes do SCP-148.

Adendo 148-01

Devido ao seu potencial para uso de contenção de SCPs que afetam a mente, SCP-148 foi aprovado para o testes cruzados com outros objetos SCPs. Embora os testes ainda estejam em seus estágios iniciais, testes com itens anômalos de baixo nível parecem indicar que o SCP-148 vai ser uma ferramenta eficaz na contenção disses itens. No entanto, o sujeito não parece afetar os objetos cujas propriedades notáveis são puramente memética.


Adendo 148-02

Começando ██ / ██ / ████, funcionários relataram comportamento irracional e baixa capacidade de comunicação entre a equipe de limpeza encarregada da manutenção regular da contenção do SCP-148 Depois de três semanas de comportamento cada vez mais anormal, dois funcionários foram levados para interrogatório e exames. O teste revelou que os sujeitos eram incapazes de interpretar a linguagem corporal e pareciam não perceber a entonação ou fraseamento das sentenças. Além disso, os indivíduos afetados eram incapazes de determinar o estado emocional ou a intenção dos outros e demonstraram um vocabulário muito limitado.

Mais testes revelaram que as habilidades de linguagem e comunicação das pessoas que entram contato regular ou exposição prolongada ao SCP-148, com o tempo, irão se deteriorar e desaparecer. Tem sido observado que, após oito semanas, os indivíduos afetados ficaram completamente mudos e incapazes de compreender pedidos não-verbais, comandos, ou outras declarações, apesar de mostrarem a capacidade mental normal.

Adendo 148-03

Uma medida tomada em ██ / ██ / ████ (██ meses após a aquisição do SCP-148 da Fundação) indicou que, apesar de não haver aumento do volume, SCP-148 aumentou 0.1 toneladas de massa (um aumento de densidade de 9,0%). A fonte dessa massa adicional é desconhecida

Relatório do Incidente 148-████-1

Para testar os limites dos efeitos do SCP-148 e sua capacidade de mudar em massa, 0,9 kg do material foi colocado em uma balança e transferido para a câmara do SCP-████. Previsivelmente, o [REDIGIDO] do SCP-████ foi anulado pela presença do SCP-148. No entanto, a amostra do SCP-148 começou a ganhar massa a mais de 50 gramas por segundo. Após um minuto, esta taxa começou a diminuir, e SCP-148 deixou de aumentar sua massa após 40 segundos, no ponto em que pesava 1,4 kg. Ele manteve-se com esta massa por oito segundos antes de diminuir para 0,8 kg, no espaço de dois segundos. Durante este tempo, os agentes em um distância de sessenta metros (doze vezes o alcance efetivo de SCP-████) começaram a sentir os efeitos do SCP-████, em uma taxa muito maior, resultando em [DATA EXPOURGADO] bloqueio até que os sujeitos afetados, pudessem ser removidos.

A partir deste incidente, o contato entre SCP-148 e objetos com propriedades mentais foi estritamente proibida.

Adendo 148-04

Medidas tomadas após o incidene indicam que a massa combinada do SCP-148 está aumentando a uma taxa de [REDIGIDO]. Especula-se que caso uma grande quantidade de SCP-148 passe por um evento semelhante ao da amostra utilizada no Experimento 148-████, [DATA EXPURGADO]. Novos procedimentos de contenção estão sob revisão.

domingo, 11 de janeiro de 2015

SCP-173 "A escultura"

SCP-173
Item #: SCP-173

Classe do Objeto: Euclid

Procedimentos de contenção especiais: O item SCP-173 deve ser mantido em um contêiner fechado em todos os momentos. Quando agentes entrarem na sala de contenção do SCP-173, devem ter no mínimo 3 pessoas e após a entrada a porta deve ser trancada. Em todos os momentos, duas pessoas devem manter contato visual direto com o SCP-173 até que todos os agentes tenham saido e trancado o container.

Descrição: Foi transferido para o Site-19 em 1993. A sua origem ainda é desconhecida. Ele é feito de concreto e vergalhões com traços de Krylon de pintura. SCP-173 é animado e extremamente hostil. O sujeito não pode se mover enquanto estiver dentro de um campo de visão. O campo de visão não deve ser quebrado em nenhum momento com o SCP-173. Os agentes designados para entrarem são instruídos a avisar uns aos outros antes de piscarem. É relatado que o objeto ataca quebrando o pescoço na base do crânio, ou estrangulando. Em caso de um ataque, os agentes devem seguir os procedimentos de contenção de objetos perigosos classe-4.

Agentes relatam sons de raspagem de pedra provenientes de dentro do contêiner quando ninguém está presente no interior. Tal evento é considerado normal, e qualquer mudança neste comportamento deve ser comunicado ao supervisor HMCL de plantão.

A substância marrom avermelhada no chão é uma combinação de fezes e sangue. Origem destes materiais é desconhecida. O gabinete deve ser limpo em uma base bi-semanal.

A animação da sala de contenção não foi criada por mim. Eu só fiz o .gif
Se gostarem desse "novo" jeito de ver os SCPs, me avisem.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

A Boneca Sem Rosto

Molly tinha 9 anos e morava com sua mãe num pequeno apartamento que ficava no quinto andar. Ela adorava brincar com suas bonecas, ela tinha uma coleção de bonecas antigas de porcelana que eram de sua avó Rose.

Era noite, a mãe de Molly (Mary) havia saído para fazer compras no supermercado, Molly como sempre estava brincando com suas bonecas.

De repente alguém bate na porta e ela resolve abrir, não havia ninguém lá, somente uma caixa preta na frente da porta.

Molly levou a caixa para o seu quarto e rapidamente abriu, dentro havia uma boneca sem rosto, com cabelos longos, um vestido branco e uma cordinha nas costas.

Após algumas horas Mary chega e encontra sua filha dormindo abraçada com uma de suas bonecas. Ela decide ir dormir e acha melhor não acordar a sua filha.

No dia seguinte ao entrar no quarto de Molly ela se depara com algo que jamais poderia imaginar, a garotinha estava sem rosto e no chão estava a boneca caída.

Mary pega a boneca e ao olhar para ela percebe que o rosto de sua filha está nela!

Ela puxa a cordinha que está nas costas da boneca e ouve as seguintes palavras: Socorro me tira daqui.

Dias depois a policia foi chamada ao local, os policiais encontraram a mãe em estado avançado de decomposição abraçada com uma boneca.

Molly nunca foi encontrada, nenhum sinal dela foi localizado até hoje.

Mas o mais curioso de tudo é que todas as bonecas da coleção de Molly estavam sem rosto.

SENSITIVOS