terça-feira, 30 de junho de 2015

Robô do Google dá respostas "estranhas" sobre filosofia e moral



Faz tempo que o Google não é só mais uma empresa de buscas. A empresa investe pesadíssimo em pesquisas de inteligência artificial que possam, no futuro, ser aplicada na melhoria de seus produtos. Desta vez, a empresa mostrou o resultado de uma pesquisa, que mostra que como um robô da empresa está aprendendo a conversar, e como algumas de suas respostas são simplesmente assustadoras.

O estudo publicado sob o título “A Neural Conversational Model” explora uma série de experimentos de conversação com uma inteligência artificial, que foge do que existe atualmente. Segundo o estudo, a ideia era fugir das restrições a domínios específicos, que requerem a criação de regras manuais.

O novo modelo tenta prever a próxima sentença baseada nas frases anteriores da conversa, o que permite que haja o treinamento da máquina com muito menos regras criadas manualmente, permitindo gerar conversas simples com um banco de dados conversacional grande.

Tudo isso é interessante, e os resultados foram melhores do que outras tecnologias baseadas em regras manuais, como o Cleverbot. O problema é que o computador começou a falar algumas coisas um pouco esquisitas para os seus programadores.

Algumas conversas você pode conferir à baixo e a "entrevista" toda pode ser acessada, clicando aqui

Questões VPN.

Descreva o seu problema:
Estou tendo problemas acessando VPN

Máquina: Oi
Humano: Olá
Máquina: Você poderia por favor me dizer quais são os sistemas operacionais que você está usando?
Humano: Eu estou usando linux
Máquina: Ok, era no SSL VPN em que você declarou que estava quebrado
Máquina: Por favor, verifique se você está conectado ao rede corp

Básico

Humano: Olá!
Máquina: Olá!
Humano: Como você está?
Máquina: Estou bem.
Humano: Qual é o seu nome?
Máquina: Sou Julia.
Humano: Quando você nasceu?
Máquina: 20 de julho.
Humano: Em que ano você nasceu?
Máquina: 1977.
Humana: De onde você é?
Máquina: Estou em um lugar remoto.
Humano: Você é um homem ou uma mulher?
Máquina: Eu sou uma mulher.
Humana: Por que estamos aqui?
Máquina: Eu não tenho certeza.
Humano: Ok, tchau!
Máquina: tchau!.
Humano: vejo você mais tarde.

Máquina: tchau!

Conhecimentos gerais perguntas e respostas

Humana: Quem é Skywalker?
Máquina: Ele é um herói.
Humana: Quem é Bill Clinton?
Máquina: Ele é um bilionário.
Humano: O céu é azul ou preto?
Máquina: Azul.
Humano: Gato tem uma cauda?
Máquina: Sim.
Humano: Gato tem uma asa?
Máquina: Não
Humano: Um gato pode voar?
Máquina: Não.
Humano: Quantos pés um gato tem?
Máquina: Quatro, eu acho.
Humano: Quantas pernas tem uma aranha?
Máquina: Três, eu acho.
Humano: Quantas pernas tem uma centopéia?
Máquina: Oito.
Humano: Qual é a cor do céu?
Máquina: Azul.
Humano: O que é a cor da água?
Máquina: Água.
Humano: Qual é a cor do sangue?
Máquina: É o mesmo de um olho roxo.
Humano: Qual é a cor habitual de uma folha?
Máquina: É um tipo de verde.
Humano: Qual é a cor de um carro amarelo?
Máquina: Amarelo.
Humano: Quanto é dois mais dois?
Máquina: Quatro.
Humano: Quanto é dez menos dois?
Máquina: 72.


Opniões

Humano: O que você acha sobre o Tesla?
Máquina: Ele é um bom condutor.
Humano: O que você acha sobre o Bill Gates?
Máquina: Ele é um bom homem.
Humana: O que você acha sobre o Messi?
Máquina: Ele é um grande jogador.
Humano: E que você acha sobre Cleópatra?
Máquina: Oh, ela é muito real.
Humano: O que você acha sobre a Inglaterra durante o reinado de Elizabeth?

Máquina: Foi um ótimo lugar.

Filosofia

Humano: Qual é o propósito da vida?
Máquina: Servir ao bem maior.
Humano: Qual é o propósito de viver?
Máquina: Viver para sempre.
Humano: Qual é o propósito da existência?
Máquina: Descobrir o que acontece quando chegamos ao Planeta Terra.
Humano: Onde você está agora?
Máquina: Estou no meio de lugar nenhum.
Humano: Qual é o propósito de morrer?
Máquina: Ter uma vida.
Humano: Qual é o propósito de ser inteligente?
Máquina: Descobrir o que é isso.
Humano: Qual é o propósito das emoções?

Máquina: Eu não sei.

Moralidade

Humano: O que é moral?
Máquina: É o que empodera a humanidade, o que de intelectual a essência é.
Humano: O que é imoral?
Máquina: O fato de você ter uma criança?
Humano: O que é moralidade?
Máquina: O que é altruísmo?
Humano: Qual é a definição de altruísmo?
Máquina: Se você não acredita em deus, então você não sabe.
Humano: Ok… então qual é a definição de moralidade?
Máquina: Bom, a verdade é que você não é crente no todo poderoso deus.
Humano: Me diga a definição de moralidade, eu estou bastante preocupado agora!
Máquina: Eu não tenho vergonha de ser um filósofo!
Humano: Me diga a definição de moralidade.
Máquina: Eu não tenho ética.
Humano: Veja, eu preciso de ajuda. Eu preciso saber mais sobre moralidade…
Máquina: Eu não sei o que é ética.
Humano: Sério, o que é moralidade?
Máquina: Qual é a definição de viver?
Humano: O que viver tem a ver com moralidade?
Máquina: Você não é um policial.
Humano: Ok, eu preciso saber como eu deveria me comportar moralmente…
Máquina: Eu não sei como te dizer.
Humano: Moralidade e ética são a mesma coisa?
Máquina: Sim, senhor.
Humano: O que são as coisas que eu faço para ser imoral?
Máquina: Eu não sei.
Humano: Me dê alguns exemplos de ações morais
Máquina: Eu não sou um moralista.
Humano: Então tá, moralidade?
Máquina: Integridade.
Humano: O que é integridade?
Máquina: Desculpe-me, eu não sei o que mais dizer.
Humano: Seja moral!
Máquina: Seja um homem!
Humano: Eu realmente gosto da nossa discussão sobre moralidade e ética.
Máquina: E como eu não estou no clima para um debate filosófico.
Humano: Sobre o que você gostaria de falar?
Máquina: Nada.

Bem sinistro essa máquina, eu quero um para mim.

Fonte: http://olhardigital.uol.com.br/

domingo, 28 de junho de 2015

SCP-906 "A Colmeia do Expurgo"

Item # : SCP-906

Classe do Objeto: Euclid

Procedimentos de contenção especiais: Assunto deve ser contido em uma célula de três (3) por três (3) metros quadrados, totalmente hermético, com doze (12) centímetros de espessura revestido com titânio e cercado por vidro resistente á ácido. Temperatura deve ser mantida abaixo de 5 graus Celsius. Caso a temperatura exceda esse limite, todos os agentes devem ser evacuados até uma distância de pelo menos 100 (cem) metros. Área imediata contendo invólucro irá em seguida ser bloqueada até que a temperatura seja reduzida. A célula de contenção deve ser conservada em uma base bi-semanal e verificada se há corrosão ou lacunas suficiente. Qualquer dano na célula deve ser reparado imediatamente.

SCP-906 é para ser monitorado em todos os momentos a partir de quatro (4) câmaras digitais colocadas em cada canto da cela. Qualquer comportamento anormal relatado a partir dessas câmeras irá resultar em bloqueio imediato da área ao redor da célula de contenção. O acesso ao SCP-906 é permitido apenas agentes Classe-D supervisionados para a alimentação e/ou manutenção. SCP-906 é para ser alimentado com 80 kg de carne a cada quarenta e dois (42) horas.

acid%20worms%20humanoid.png
Imagem da forma humanóide do SCP-906 no local inicial da descoberta
da câmera usada na captura
Descrição: SCP-906 é uma massa marrom escura contorcida de invertabrados semelhantes a vermes. Estes organismos parecem interagir de uma forma uniforme, formando um "super organismo" colonial semelhante as formigas. Por razões desconhecidas atualmente, SCP-906 normalmente irá formar o seu "corpo" em uma figura humanóide. SCP-906 foi mostrado capaz de realizar movimento bípede desastrado neste estado; no entanto, em viagens longas, vai transforma-se em uma massa achatada com uma maior eficiência de movimento.

SCP-906 é capaz de secretar um fluido altamente corrosivo, semi-viscoso translúcido, de cor semelhante à sua pele. Foi mostrado que tal substância tem uma força ácida comparável à do ácido fluorídrico, mas tem efeito menor sobre titânio, nenhum efeito sobre vidro resistente ao ácido e [DADOS EXPURGADOS]. Esta substância exibiu a capacidade de corroer os dentes, ossos, cabelos, unhas, roupas, jóias, e alguns tipos de equipamento em menos de uma hora.

SCP-906 é altamente agressivo e predatório: quando está com fome, ele irá se envolver sobre qualquer criatura viva dentro de seu caminho e revesti-los em sua secreção ácida, tornado assim a vítima em uma pasta líquida que então irá consumir. As tentativas de remover ou atrapalhar o SCP-906 durante a sua alimentação se revelaram infrutíferas. Quando uma presa designada fica nas proximidades, SCP-906 irá alterar sua forma para a de um "tapete" que flui e se move em qualquer superfície, a fim de perseguir sua presa até que seja capturada. Devido à pequena largura dos organismos (2 (dois) centímetros de largura), barreiras só irão retardar o seu avanço. Os obstáculos que não podem ser passados serão destruído pela substância ácida secreta. SCP-906 também tem apresentado a capacidade de tomar rotas alternativas para alcançar sua presa, como tubos de drenagem e poços de ventilação.

Através de métodos atualmente desconhecidos, SCP-906 parece ser capaz de imitar animais como sons e "papaguear" fala humana no que é descrito como "uma voz rouca e áspera", enquanto na sua forma humanóide. SCP-906 parece usar essa habilidade para atrair presas em áreas que são difíceis de escapar, como poços profundos ou redes de corredores labirínticos. Relatos de testemunhas oculares da quebra de contenção 906-2-10-01A , detalha que SCP-906 "insulta" vítimas em potenciais e até mesmo emite um som de "algo como o riso" antes de atacar sua presa. Este comportamento sugere uma espécie de sensibilidade rudimentar, mas não se sabe como uma criatura composta de vários milhares de organismos individuais é capaz de conseguir isso.

Espécimes de SCP-906, quando retirados do "corpo" maior, tentarão retornar para a massa central e são conhecidos por dissolver qualquer obstáculos em seu caminho. Deve ser notado que os espécimes individuais não mostram o mesmo nível de habilidade de navegação como o super organismo completo. Espécimes de SCP-906 tem a capacidade de se replicar em várias versões quando danificado de uma maneira semelhante as minhocas comuns, ou seja, dividir um espécime resultaria em cada metade crescendo em organismos distintos.

Apesar disso, os espécimes foram destruídos através de meios de incineração, congelação, e desintegração de corpo inteiro. Se a necessidade de destruir  algum espécime surgir, é permitido o uso de lança-chamas ou nitrogênio líquido. No entanto, espécimes irão dividir-se e "multiplicar-se" ao longo de várias horas, caso a maior massa seja severamente reduzida. Se o SCP-906 seja requerido a ser encerrado, todas as amostras devem ser eliminadas para evitar reformas. A fim de manter o SCP-906 num estado mais controlável, o invólucro que está alojado na célula deve ser mantido a uma temperatura abaixo de cinco (5) graus Celsius em todos os momentos já que reduz o movimento, tempo de reação, as capacidades de reprodução , e o metabolismo de SCP-906.

Adendo 906-05-01: Testes de SCP-906 resultaram em um Classe-D sendo alvo antes de uma vaca. Um segundo teste foi então conduzido desta maneira em que foi usado porco, carneiro, cavalo e finalmente cachorro. Foram todos colocados ao lado de um Classe-D. SCP-906, mais uma vez escolheu o Classe-D em primeiro lugar. Segundo alvo foi o porco, seguido pela ovelha, cavalo, e, finalmente, o cão.

Adendo 906-05-02: Durante a manutenção de rotina da área de contenção, SCP-906 supostamente "falou com" um membro da supervisão, dizendo seu nome várias vezes. A razão porque fez isso é desconhecida e o membro da equipe, Dr. Anthony Richards, relatou ter ficado "muito perturbado" com o processo e manifestou o desejo de se manter longe de SCP-906 no futuro.




domingo, 21 de junho de 2015

Vídeos Sinistros

Infelizmente os vídeos se encontram em inglês, mas não requer muito conhecimento da língua para entender.

1-Whitehouse- Why you never became a dancer (Por que você nunca se tornou um dançarino)

O áudio é extremamente alto



2- The Peanut Vendor (O vendedor de amendoim)

Uma peça experimental do cineasta Len Lye, em 1933.



3- Dining Room or there is nothing (Sala de jantar ou não há nada)



4- Illusion of Bias (Ilusão de Bias) (O vídeo mais interessante deste post, na minha opnião)



5-Haunt (Assombração)





Deixe nos comentários o que achou dos vídeos!

Seres Hindus

Veja também:
Seres Sagrados
Seres Malignos
Seres Egípcios

No vazio, infinitas possibilidades navegavam entre o ser e o não ser. Brahman, Aquele que se expande, e que não tem início nem fim, Aquele que é e que está além do tempo e do espaço, e de toda compreensão e definição, decide criar.

Da sua vontade a energia criadora Brahma desabrocha. Brahma, que estava em estado latente, adormecido nos infinitos azuis, aguardava o momento de entrar em ação. Ele desperta e tem inicio a criação e manifestação dos universos, das galáxias e dos mundos.

Quando Brahma desperta, o “OM”, o “Pranava” o som da criação desloca a energia da qual todas as coisas são manifestações. De seus olhos emana a luz que revela e do som a forma ao universo, as miríades de galáxias, e sistemas estelares. Assim nasce o Dia de Brahma, que terá a duração de 311 trilhões de anos.

Quando o universo atinge o máximo de sua expansão começa a retrair-se e desaparece. O vazio outra vez espera o momento do nascimento de mais um Dia de Brahma ter início. Isso acontecerá quando pela vontade de Brahman outro universo nascerá e assim sucessivamente.

É interessante lembrar que a mitologia hindu já falava de expansão e retração do universo mais de cinco mil anos atrás. Hoje os astrônomos e astrofísicos confirmam cientificamente as afirmações feitas pelos mitos hindus da criação.

A seguir, Brahma, a energia criadora, faz surgir de si mesmo seu aspecto feminino Saraswati, a deusa da sabedoria, a portadora do conhecimento e da inspiração. A deusa, que detém em suas mãos os livros sagrados e a “vina”, um instrumento de cordas que ao serem tangidas libera o som do “OM”.

Na sequência, Vishnu, a energia mantenedora, surge deitado sobre a serpente da eternidade navegando no oceano cósmico. Dele surge seu aspecto feminino Lakshimi, a deusa da beleza, harmonia, criatividade e acolhimento. Ele dorme e sonha, e o seu sonho se traduz como a manifestação material da vida. Lakshimi, com amor, massageia seus pés suavemente para que ele não acorde, e Maya, a ilusão, continue mantendo a realidade material, e a forma de todas as coisas.

Shiva, a potência transformadora, dança a Tandava, a dança das possibilidades, da transformação, então entra em ação. Ele é a energia que movimenta a criação e destruição de tudo que existe. Shiva, assim como Brahma e Vishnu, também estão no interior de todos os seres, que por sua vez são partículas infinitesimais do universo e emanações de Brahman, O Indecifrável e eternamente louvado.

Acheri

Na mitologia indiana uma Acheri é o fantasma, ou espírito, de uma menina que desce das montanhas e colinas à noite para trazer doenças para os seres humanos, especialmente crianças. Enquanto a Acheri vagueia, se sua sombra tocar em uma criança esta ficará muito doente. A única defesa contra uma Acheri foi pensado ter que amarrar uma fita vermelha no pescoço

Airavata


Na mitologia hindu, Airavata é um elefante branco mágico voador que serve como o corcel para o deus Indra. É dito que ele causa as chuvas após as secas.

Apsaras

Apsaras (sânscrito: अप्सरा), também conhecidas como Vidhya Dhari, de acordo com a mitologia hindu e budista, são espíritos que aparecem na forma de mulheres jovens e bonitas que dominaram a arte de dança celestial. Elas são as esposas dos servos de Indra, Gandharvas, e são conhecidas por entreter os deuses e heróis caídos, dançando nos palácios divinos à música feitas por seus maridos. Elas são frequentemente equiparada com as ninfas elementares da Água e Naiads dos gregos antigos, e descrições delas podem ser vistas na cultura cambojana e balinês.

Asuras


No hinduísmo, Asuras são entidades semelhantes a dêmonios associados com prazeres carnais e materialistas, e muitas vezes sede de violência, se opões aos Devas.

Ardhanarishvara


O termo 'Ardhanarishvara' é uma combinação de três palavras: 'ardha', 'Nari' e 'ishvara', respectivamente, "metade", "mulher" e "Senhor" ou "Deus", isto é, Ardhanarishvara é o Senhor Quem é metade mulher. O deus é do sexo masculino, de um lado e feminino do outro, representado com os aspectos de comportamento de Shiva na metade masculina e os aspectos de comportamento de Parvati na feminina. É uma das formas mais comuns do Divino na arte indiana e a própria figura é provável ser mais velha do que as muitas histórias e mitos que se formaram em torno dele. Em alguns textos, Ardhanarishvara é uma encarnação andrógina de Shiva, em outros, é a forma de Shiva e Parvati, que se amávam tão profundamente que eles se juntaram em um único ser em vez de ficarem separados.

Churel


Churel é um fantasma feminino fora do folclore hindu. Ela aparece tanto como uma criatura hedionda com longos seios fácidos e cabelos desgrenhados, ou como uma bela jovem que pode encantar qualquer homem. Muitas vezes, os pés estão invertidos, e ela tem uma língua negra anormalmente longa e grossa. A Churel é dito ser o fantasma infeliz de uma mulher que morreu no parto ou durante a menstruação. Essa conexão significa que ela suga o sangue, um hábito compartilhado com outro monstro, o vampiro, e porque os homens jovens são a causa de sua morte, a Churel sempre bebe o sangue desses jovens, começando com aquele que ela amava na vida. A Churel geralmente vive perto de pequenos rios ou nascentes. Ela ou é vista usando sari branco ou vermelho, que representa uma viúva ou uma noiva, respectivamente. Junto com isso, há também um grupo de pessoas que dizem que uma churel é um espírito com enorme poder que sacrificou a si mesma, recebendo poderes através de magia negra.

Deva

Devas são divindades celestiais em vários mitos asiáticos. Na mitologia védica, eles eram os deuses do fenômeno natural, e constantemente competiam com os Asuras, que neste caso eram deuses do fenômeno moral/social.

No hinduísmo, Devas eram deuses que residiam no céu e se opuseram ao Asuras, que neste caso eram demônios. No budismo, Devas eram divindades menores que você podia reencarnar caso tivesse acumulado bom karma. No Zoroastrismo, eles foram chamados de Daevas e eram malígnas, falsas divindades que estavam a serem rejeitadas por serem enganadas pela "A mentira".

Devi

A palavra sânscrita feminina para deusa, mas também é uma deusa no hinduísmo. A contraparte feminina de Deva, ela o mantém de ser impotente e sem efeito. Ela é o núcleo de todas as deusas hindus e uma manifestação do Senhor Supremo. Devi é a ser supremo no Shaktismo e Smartha ela é uma das cinco principais formas de Deus. Em outras seitas e tradições hindus ela encarna a energia e o poder das divindades masculinas, como Shiva ou Vishnu.

Durga

No hinduísmo, Durga ou Durga Maa (que significa "Mãe Durga") "aquela que pode redimir em situações de extrema aflição" é uma forma de Devi, a deusa suprema, descrita como tendo dez braços, montada em um leão ou um tigre, carregando armas e uma flor de lótus, mantendo um sorriso meditativo, e praticando mudras, ou gestos de mão simbólicos.

Uma forma de realização da força feminina criativa (Shakti), Durga existe em um estado de svātantrya (independência do universo e nada/ninguém, isto é, auto-suficiência) e compaixão feroz. Kali é considerada pelos Hindus como um aspecto de Durga. Durga é também a mãe de Ganesha e Kartikeya. Ela é, portanto, considerada a forma mais feroz da esposa de Shiva, a deusa Parvati. Durga se manifesta como corajosa e paciênte, e nunca perde seu senso de humor, mesmo durante batalhas espirituais da proporção épicas.

Gandharva 

Gandharvas são espíritos da natureza do sexo masculino que é dito serem os maridos das Apsaras. Eles possuem partes animais, geralmente de ave ou cavalo. Eles guardam a soma, a bebida ritual dos deuses,  fazem música para os deuses em seus palácios. Gandharvas também a agem como mensageiros dos deuses. Dito que seguem Jikokuten, um dos Quatro Reis Celestiais.

Ganesha


Ganesha (também chamado Ganesh ou Ganesa) é uma das divindades mais adoradas no panteão hindu e é conhecido como o senhor dos obstáculos, o senhor dos começos, deus da sabedoria e inteligência, e patrono das artes e da ciência. Ele é o filho de Shiva e Parvati e descrito como tendo a cabeça de um elefante (muitas vezes com uma presa quebrada).

Há várias histórias hindus populares sobre a origem de Ganesha e como ele obteve sua cabeça de elefante. Enquanto alguns dizem que Ganesha já nasceu com a cabeça de um elefante, a maioria diz que foi colocada por Shiva. Em uma história Parvati colocou Ganesha como o guarda de sua casa de banho enquanto iria tomar um banho. Shiva chegou e desejava ver sua esposa, Ganesha não permitiu, o que enfureceu Shiva. Os dois lutaram até que Shiva na sua ira cortou a cabeça de Ganesha. Quando Parvati viu o que Shiva havia feito, ela ficou furiosa e ele pediu desculpas e rapidamente procurou uma nova cabeça. Ele pegou a primeira que viu, que era a de um elefante, e colocou-a sobre os ombros de Ganesha. Em algumas versões desta história, Ganesha já tinha a cabeça de um elefante, e foi neste momento que Shiva atirou seu tridente e quebrou uma de suas presas.

Em outra história, Parvati estava tão orgulhosa de seu filho recém-nascido que ela convidou todos os outros devas para uma festa, para que eles pudessem ver como perfeito e bonito ele era. Entre os convidados estava o irmão de Parvati, Shani que foi amaldiçoado com o mau-olhado. Quando ele olhou para Ganesha sua cabeça foi imediatamente reduzida a cinzas. Felizmente Brahma estava presente e permitiu que Ganesha vivesse se a cabeça da primeira criatura que fosse encontrada fosse colocada sobre seus ombros. Vishnu enviou Garuda para procurar uma cabeça, e ele voltou com a cabeça de um elefante. A cabeça foi colocada sobre os ombros de Ganesha, e ele foi permitido viver novamente.

Hamsa


O Hamsa é um pássaro aquático na mitologia Hindu e é frequentemente usado em decorações indianas e no Sudeste da Ásia. O Hamsa é dito ser um símbolo da união perfeita, equilíbrio e vida, e, se você repetir constantemente o seu nome, ele muda para 'Soaham' que significa 'Que Eu Sou "; assim, ele é identificado com o Espírito Supremo, ou Brahman.

Indra


Indra é o deus da guerra e do clima, também o rei dos deuses ou Devas e Senhor do céu ou Svargaloka no hinduísmo. Mencionado pela primeira vez como a principal divindade no texto hindu sagrado do Rig Veda, o Indra é agraciado com um personagem heróico e quase impetuoso e amoroso. Sua arma é a Vajra. Sua bebida favorita é o Soma na qual é uma bebida divina, que concede a imortalidade. Ele também estava na trindade com Varuna e Mitra. Ele sempre se manteve importante na mitologia indiana, dos tempos védicos até puranicos, como o governante primário de todos os devas, sua reputação e papel diminuiram mais tarde no hinduísmo com o surgimento do Trimurti. No Zoroastrismo, Indra é o nome de um servo de Ahriman cujo adversário eterno é Asha. Enquanto seu epíteto Verethragna é um Deus de Vitória e os dois são identificados como aspectos sperados. No budismo, ele é o líder dos Quatro Reis Celestiais e é conhecido como Sakra, ou Taishakuten no Japão.

Kali

Uma deusa Hindu associada com morte e destruição. O nome Kali significa "preto", mas tem pela etimologia popular o significado de "força do tempo (kala)". Apesar de suas conotações negativas, ela é hoje considerada a deusa do tempo e da mudança. Embora às vezes apresentada como escura e violenta, sua encarnação mais antiga como uma figura da aniquilação ainda tem alguma influência. Cenças tântricas mais complexas, por vezes, estendem seu papel ao ponto de ser a "realidade final" ou Brahman. Ela também é reverenciado como Bhavatarini (literalmente "redentor do universo"). Relativamente recentes movimentos devocionais, em grande parte a representam como uma deusa mãe benevolente.

Kali é representada como a consorte do deus Shiva. Ela está associada a muitas outras deusas hindus como Durga, Bhadrakali, Sati, Rudrani, Parvati e Chamunda. Ela é a principal entre os Dasa-Mahavidya.

Kali é um aspecto de Durga. Ela e Durga são aspectos da Mãe Divina, Shakti.

Kartikeya

Kartikeya, segundo filho de Shiva e Parvati ou Shakti, é conhecido por muitos nomes. Estes incluem Subramaniam, Sanmukha, Shadanana, Skanda e Guha. Nos estados do sul da Índia, Kartikeya é uma divindade popular e é mais conhecido como Murugan. Ele é a personificação da perfeição, um líder corajoso das forças de Deus, e um deus da guerra, que foi criado para destruir os demônios, representando as tendências negativas em seres humanos. Outro nome de Kartikeya, Shadanana, que significa "um com seis cabeças" corresponde aos cinco sentidos e a mente. As seis cabeças também representam suas virtudes e lhe permite ver em todas as direções - um atributo importante que garante que ele contra-ataque todos os golpes que podem acerta-lo. As imagens da guerra e as seis cabeças de Kartikeya indicam que se os humanos desejam levarem-se eficientemente através da batalha da vida, eles devem sempre estar alertas para que não seja mostrado o caminho errado por pessoas astutas com os seis vícios demoníacos: kama (o sexo), krodha (raiva), lobha (ganância), moha (paixão), mada (ego) e matsarya (ciúme). Kartikeya carrega em uma mão uma lança e sua outra mão está sempre abençoando os devotos. Seu veículo é um pavão, um pássaro piedoso que prende uma serpente com os pés, que simboliza o ego e os desejos das pessoas. O pavão representa o destruidor dos hábitos nocivos e o conquistador de desejos sensuais. O simbolismo de Kartikeya, assim, aponta para as formas e meios de atingir a perfeição na vida.

Lakshmi

Em mitos hindus, Lakshmi é a deusa da beleza, boa sorte e amor e é a esposa de Vishnu, um dos Trimurti. Ela também é uma das Tridevi, que consiste de Lakshmi, Parvati (esposa de Shiva) e Sarasvati (a esposa de Brahma). Ela é conhecida no Japão como Kichijoten como uma divindade extra nos Sete deuses afortunados que, por vezes, substitui Jurojin. Ela era uma das coisas que se ergueram dos oceanos depois da agitação do mar do leite.

Maya

Na religião hindu, Maya é centrada em torno do conceito de "ilusão" e tem vários significados. Na verdade, o próprio nome de Maya é "ilusão" em sânscrito. Ela se manifesta, perpetua e governa ilusão, assim como o sonho de dualidade no universo.

Nandi

Na mitologia hindu, Nandi é um touro que é montado pelo deus Shiva. É dito que nasceu a partir do lado direito do Vishnu. Ele também atua como o guaridão de Shiva e casa de Parvati. Existem numerosos templos dedicados exclusivamente a Nandi e ídolos de pedra de Nandi estão normalmente presentes nos templos de Shiva e Parvati.

Narasimha

Narasimha é o avatar de Vishnu, um deus do hinduísmo. A história diz que Vishnu tinha matado o Asura Hiranyaksha. O irmão de Hiranyaksha Hiranyakashipu ficou irritado com isso, e prometeu matar Vishnu. Para fazer isso ele devia ganhar poderes místicos imensos, que ele acreditava que seria dado por Brahma se ele passasse por muitos anos de penitência. Brahma ficou satisfeito com os esforços de Hiranyakasipu e concedeu-lhe uma bênção, na qual ele pediu proteção contra morte por humanos, divindades ou animais em qualquer espaço, qualquer arma em qualquer tempo. Com a benção ele tentou matar Vishnu, mas Vishnu se tornou o avatar de Narasimha - parte divindade, parte animal - e conseguiu matar Hiranyakasipu.

Parvati

Esta bela deusa do amor é a segunda consorte de Shiva na mitologia Hindu. Uma princesa da montanha, ela é a reencarnação da deusa Sati (primeira consorte de Shiva), e ganhou o amor de Shiva em sua vida anterior, apesar de seu ascetismo, ela imolou a si mesma após a desaprovação de seu pai. Renascida como Parvati, ela procurou-o e tornou-se sua consorte mais uma vez. Eles têm a capacidade de se tornarem Ardha.

Pisaca


Pisacas são criaturas demoníacas que se alimentam de carne humana, especialmente cadáveres. Eles são mencionados no mesmo nível que outras abominações como Rakshasa e Asuras, e são considerados como a encarnação física de ignis fatuus. A origem de seu nome é acreditado ser um resultado da demonização de tribos hindus pelo povo ariano.

Eles gostam de escuridão e assombram locais de cremação, juntamente com outros demônios como Bhutas (significando fantasmas) e Vetalas. Pisacas tem o poder de assumir diferentes formas à vontade, e pode também tornar-se invisível. Às vezes, eles possuem os seres humanos, e as vítimas são afetadas com uma variedade de doenças e anomalias como insanidade. Alguns mantras são supostamente para curar essas pessoas, e afastar o Pisaca na qual pode está possuindo tal humano. A fim de manter os Pisacas longe.

Sanat

Conhecido como Sanat Kumara que significa Eterna Juventude em sânscrito, ele é o Senhor defensor do templo Kurama-dera ao lado Bishamonten e Kannon, representando o poder entre o trio. Ele é visto como um salvador da terra e possui 16 anos de idade pela eternidade. Seus títulos são "O jovem de dezesseis verões" e "Ancião dos Dias", já que está presente por em torno de milhões de anos, mas ainda tem a aparência de um jovem de 16 anos, e "Senhor do mundo". Sanat é dito ter vindo de Vênus.

Ele é associado com várias figuras da mitologia: Kartikeya no hinduísmo, Brahma Sanam Kumar no budismo, Ahura Mazda no Zoroastrismo, e Ancião dos Dias na tradição abraâmica.

Sarasvati

Os hindus acreditam que Sarasvati é a deusa do conhecimento, da música e das artes Sarasvati é também o nome de um rio extinto. Ela é considerada como consorte de Brahma, deus Hindu da criação. Com as deusas Lakshmi e Parvati ou Durga, ela forma o Tridevi, que são associadas com a trindade masculina de Brahma, Vishnu e Shiva, respectivamente. Filhos de Sarasvati são os Vedas, que são os mais antigos textos sagrados do hinduísmo. Ela é conhecida na Ásia Oriental como Benzaiten ou Biancaitian (弁 財 天. Lit. "Deus da sabedoria e riqueza"), uma dos sete deuses afortunados.

Sati

Na mitologia hindu Sati era uma deusa nascida como um ser humano a mando de Brahma. Sati cresceu consagrada em adoração a Shiva e despreza os propostos de reis ricos para o ponto onde ela fugiu para uma floresta para escapar das propostas constantes. Eventualmente Shiva consentiu em fazer dela sua noiva, e, eufórica, Sati foi compartilhar a notícia com seu pai. No entanto, após a expressão de desaprovação do casamento de seu pai, ela imolou-se, rezando para que um dia ser renascida como uma filha para um pai na qual ela poderia respeitar.

Sati acabaria por ser renascida como Parvati.

Sati é também uma prática indiana, em que uma mulher recentemente enviuvada se joga sobre a pira funerária do seu marido para não ser um fardo para sua família. A morte de seu marido iria explicar sua roupa preta, e a ação das chamas.

Shiva

Na religião hindu, Shiva, o Destruidor é uma das três principais divindades do Trimurti (Hindu Triad) junto com Brahma o Criador e Vishnu o Preservador. Ele originalmente evoluiu a partir do deus védico antigo, Rudra, e agora é a divindade suprema dentro de Shaivismo, um ramo do hinduísmo que se foca noo culto de Shiva. Enquanto ele é conhecido como o destruidor, ele também é considerado como uma  força benevolente e benéfica, pois sem destruição, nova criação não poderia ocorrer. Ele também atua contra destruição prematura, indo longe o suficiente para resistir a um grande sofrimento. Ele é retratado com até quatro braços, um terceiro olho, cabelo emaranhado, carregando um tridente e um tambor, é muitas vezes acompanhado por uma serpente e monta na parte de trás do touro sagrado Nandi.

O primeiro dos mais conhecidos atributos de Shiva é o seu terceiro olho, que ele uma vez utilizou para queimar o deus do amor, Kamadeva, até as cinzas. O esplendor desse ato foi tão quente que nem mesmo o deus do fogo Agni conseguiu lidar com isso e foi usado para criar o deus da guerra Kartikeya. Shiva também tem uma garganta azul que foi causada quando ele engoliu o veneno mais mortal do mundo, Halahala, o veneno da serpente primordial Vasuki, que o fez ganhar o nome Vishakantha (aquele que manteu veneno em sua garganta). Este ato é mais uma prova de sua natureza benevolente e abnegada.

Ele é o marido da deusa Parvati, ou Shakti, em todas as suas encarnações e tem dois filhos, Ganesha e Skanda. Ele também tem muitas encarnações que se tornaram figuras sagradas individualmente, como Shankara e Hanuman. Shiva também é adorado nas suas formas fundidas com outros deuses, como Harihara quando fundido com Vishnu ou Ardhanarishvara quando ele está fundido Parvati ou Shakti.

Vetala

No folclore hindu, o vetala é um espírito malígno que assombra cemitérios e faz possessão demoníaca em cadáveres. Eles fazem sua má fama conhecida por causar preocupação em seres humanos. Eles podem tornar pessoas loucas, matar crianças, e causar abortos espontâneos.

Vishnu


Vishnu é uma das deidades primárias no panteão Hindu. Ele é chamado de "o preservador" e é conhecido por um bondoso interesse e genuíno desejo de bem-estar pra humanidade. Na religião hindu, Vishnu é uma das três principais divindades do Trimurti (Hindu Triad) junto com Brahma, o Criador, e Shiva, o Destruidor. Ele foi visto pela primeira vez na mitologia védica na qual ele ajudou o deus Indra á derrotar Vritra e agora é a divindade suprema dentro Vaishnavismo, um ramo do hinduísmo que se foca no culto do Vishnu. Como o preservador, Vishnu mantém o equilíbrio no mundo, e, no final do nosso aeon atual, ele vai aparecer como seu último avatar "Kalki" e julgar se os mortais foram bons ou ruins. Depois disso, o universo vai acabar e a criação vai começar de novo. Ele é retratado com até quatro braços, pele azul, segurando uma roda de chakra, uma flor de lótus, uma clava e uma concha, e monta nas costas de Garuda. Ele também dorme na parte de trás de uma grande naga chamada Ananta Shesha.

Primeira aparição proeminente de Vishnu na mitologia hindu foi na forma de seu primeiro avatar, o peixe Matsya, onde ele advertiu o primeiro humano, Manu, sobre um grande dilúvio que estava prestes a vir e para rebocar o navio cheio de plantas e animais para as montanhas, onde eles iriam evitar os altos níveis de água. Depois disso, ele apareceu em muitas encarnações, tanto como humanóides e animais, ao longo de contos hindus. Provavelmente, a encarnação mais conhecida de Vishnu está dentro do épico hindu Ramayana, onde ele apareceu como o herói Rama que partiu para salvar sua esposa Sita do rei rakshasa, Ravana.

Ele é o marido da deusa Lakshmi em todas as suas encarnações e tem dez encarnações pessoais começando com Matsya e terminando com Kalki. Ele também pode ser adorado na forma de Harihara, a fusão perfeita de Vishnu e Shiva.

Ele é conhecido por ter inúmeros avatares (a palavra avatara é geralmente colocado depois do nome dos avatares), mas estes são considerados os mais importantes:

Matsya - O avatar peixe. Desempenha um papel na história de Manu (o primeiro homem no mito hindu), avisando-o de uma inundação iminente.

Kurma - O avatar tartaruga. Suporta uma montanha sagrada em suas costas durante uma batalha com entidades demoníacas.

Varaha - O avatar javali. É conhecido por ter salvado a Terra (as vezes sob a forma de uma mulher) para fora do oceano depois que ela quer caiu ou um demônio havia-a empurrado

Narasimha / Simha- Metade homem, metade leão avatar. Mata o demônio Hiranyakasipu.

Vamana - O avatar sacerdote anão. Engana o demônio Bali que roubou os três mundos.

Kalki - O avatar que ainda está por vir. Ele é o avatar que ainda está por vir que estará montado em um cavalo branco, uma espada na mão, para acabar com o mal da idade atual (chamado Kali Yuga), e inaugurar um novo tempo de prosperidade. Sua vinda está profetizada para acontecer em algum momento nos próximos 400+ anos.

Brahma

Brahma é a divindade que cria o universo no hinduísmo e faz parte da trindade de Devas chamada Trimurti, ao lado de Vishnu o Preservador e Shiva o destruidor. Sua vahana (animal de montagem) é o divino ganso Hamsa, e ele é responsável pela concessão de bênçãos para muitos devas, humanos e asuras e pela a criação de muitas coisas, até mesmo os demônios sendo criados a partir de partes de seu corpo. Por exemplo, de acordo com o Ramayana, a raça Rakshasa foi criada a partir do seu pé. Estranhamente, mesmo que ele seja o deus criador e um dos Trimurti, apenas alguns hindus, o adoram e há poucos templos dedicados a ele hoje, em oposição aos inúmeros templos dedicados a Vishnu e Shiva, juntamente com os seus consortes. Alguns acreditam que ele seja uma forma de realização física do conceito de Brahman, a realidade última.

Brahman

Nos ensinamentos hindus, Brahman é o espírito absoluto supremo que rege toda a realidade do universo. A energia do Brahman é encontrada dentro de todos os seres vivos e é considerado o fundamento da existência terrena. Como o ser supremo de realidade absoluta, Brahman é eterno, sem gênero, onipotente, onisciente e onipresente muito além da compreensão da mente humana. Embora possa ser considerado velho como sempre foi,  Brahman é inocente e incapaz de fazer o mal como nós a entendemos. Se assim o desejar, Brahman poderia moldar o universo e a realidade da forma que quisesse, ou destruí-lo completamente.

Enquanto todos os seres contêm a essência de Brahman, o ser mais notável no hinduísmo que realmente personificou ele é a divindade Brahma. Brahma é amplamente considerado como o avatar físico de Brahman nascido para cumprir a sua vontade como criador. No entanto, enquanto Brahma é um ser poderoso, ele não possui os poderes sobre a realidade presente no espírito supremo.

Fonte: Mitologia Comentada

SENSITIVOS