segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Pela luz dos vaga-lumes



Quando eu era menino, eu morava com minha mãe em uma casa velha na Geórgia. Era pequeno, e a maioria das partes da casa eram bastantes desgastadas, mas o preço pedido era barato e nós precisávamos de uma casa. Não foi tão ruim, apesar; o lugar tinha um belo e grande quintal e vários hectares de floresta por trás dele.

Em um dia particularmente quente de verão, eu estava sentado brincando com o meu cão, Marley, enquanto minha mãe saía para o trabalho e discutia as diretrizes usuais para a babá.

"Eu vou estar de volta por volta das onze," Eu me lembro dela dizendo. "Certifique-se de que ele esteja na cama ás dez." A babá acenou e sorriu enquanto minha mãe falava adeus para mim e fechou a porta. Agora era só eu, Marley, e a babá da rua de baixo.

"Eu estou indo para fazer algumas tarefas", disse a babá, na qual eu acenei com a cabeça sem olhar para cima. Acho que aqui é onde eu deveria falar que a babá era uma cuzona. Depois que minha mãe saía para trabalhar, ela educadamente se desculpava e saia da casa, voltando a tempo apenas para receber seu salário. Eu nunca reclamei, no entanto. Eu nunca tive medo de ficar sozinho, e que criança não gosta de não ter regras?

Passei a maior parte do dia jogando Gameboy e perseguindo Marley ao redor da casa. Quando o sol caiu, chegou a hora da minha atividade favorita de verão: pegar vaga-lumes. Eu não posso te dizer o por que, mas eu estava tão fascinado por vaga-lumes e gostava de mantê-los como animais de estimação.

Peguei um velho frasco de pedreiro embaixo da pia e sai pela porta de tela estridente até a varanda dos fundos, Marley me seguiu. Eu fui recebido pelo som esmagador de insetos zumbindo em todo o quintal. Desci os degraus de madeira do deck e começei minha busca pelos vaga-lumes. Eu procurei pelas luzes fracas brilhantes pelo que pareciam horas, baralhando através da grama no ar quente da noite.

De repente, eu vi: o maior vaga-lume que eu já tinha visto, piscando ao redor da antiga cerca de arame enferrujado na parte trás. Com o frasco na mão, eu fui atrás dele, Marley latindo atrás de mim. Eu finalmente cheguei na cerca aonde o vaga-lume começou a recuar para a floresta. Eu não pretendia voltar de mãos vazias, então eu pulei a cerca com um pouco de dificuldade e fui para a floresta.

Marley lamentava, do outro lado, enquanto eu passava pelos troncos velhos cobertos de musgo, folhas eram esmagadas pelos meus pés enquanto, seguia a luz amarela brilhante.

O bosque parecia que eu tinha entrado em outro mundo. As árvores eram extremamente altas e as folhas no topo impediam a luz do luar de entrar.

Quando comecei a pensar que tinha ido longe demais, eu olhei para trás para encontrar as brilhantes luzes da varanda da minha casa, mas eu não podia ver qualquer vestígio delas; Eu tinha sido engolido pelo bosque. Eu não podia mais ouvir os zumbidos dos insetos; estava tudo em silêncio agora. Eu olhei para a frente novamente para encontrar o vaga-lume se aproximando. Eu precisava pegá-lo agora, para usar como fonte de luz para voltar.

Eu tentei apanha-lo no ar. Assustado, o vaga-lume começou a voar para cima, piscando a luz amarela. Ele continuou indo até ficar fora do meu alcance e eu o segui com os meus olhos. Ele se afastou das madeiras altas, e de repente eu vi ... Eu vi tudo.

Corpos

Centenas de corpos retorcidos: homens e mulheres, meninos e meninas, amarrados como marionetes nas filiais, iluminados apenas pela luz do vaga-lume.

Eu não podia me mover, estava paralisado pelo medo. Eu podia ouvir tudo: o ranger das cordas, o gemido das árvores antigas, e as pegadas se aproximando.

Eu me escondi atrás de uma árvore, tentando acalmar minha respiração ofegante. Eu tinha ido longe demais, pensei, e agora eu estava indo viver como um boneco. Eu não sabia o que fazer, se eu fugia ou se eu esperava, mas os passos estavam se aproximando. Ele sabe que eu estou aqui, eu pensei. Não havia nenhuma maneira dele não ter me ouvido.

Reunindo toda a minha coragem, eu peguei impulso da árvore e corri para a direção que eu tinha vindo, batendo nas folhas enquanto corria. Eu podia ouvi-lo me perseguindo, seus pés batendo na terra sincronizados com os meus. Eu corri o mais rápido do que já tinha corrido na minha vida. Eu não conseguia parar as lágrimas de escorrerem enquanto o vento batia no meu rosto. Eu não tinha dito "Adeus" a minha mãe quando ela saiu.

Como eu esperava, as luzes da varanda dos fundos estavam brilhando no escuro na minha frente. Eu podia ouvir o Marley latir, e eu sabia que logo iria chegar na cerca enferrujada. Me lembro de pensar que escalar a cerca iria me atrasar, mas era o único caminho. O tremor de terra foi se aproximando, e a ponta do meu sapato pegou em uma raiz e eu escorreguei, caindo de barriga.

Eu apalpei minhas costas e começei a chutar para longe a raiz enquanto os passos se aproximavam. Segurei meu frasco e joguei o mais forte na madeira preta. Eu ouvi um barulho e fiquei de pé.

Eu cheguei no muro e saltei para o meu quintal. Eu gritei para o meu cão, e nós dois corremos para dentro, fechando a porta à medida em que corriamos. Eu corri para o meu quarto no andar de cima e levei Marley comigo, trancando a porta e empurrando uma cadeira contra ela. Eu desmaiei na minha cama com as luzes acesas, minha mente estava agitada. Eu olhei para o relógio."10:33". Um alívio tomou conta de mim. Eu estava seguro agora, e minha mãe estaria em logo em casa.

Talvez era a adrenalina saindo do meu corpo, pois de repente estava muito cansado. Eu não queria dormir, mas eu não podia resistir. Eu desmaiei na minha cama com as luzes acesas e Marley ao meu lado.

Acordei de repente no meio da noite e me deparei com o quarto escuro. O lençol estava sobre mim, então eu tinha adivinhado que mãe tinha chegado e tinha me checado. Eu estava suando sob o o conforto do lençol quente e me virei pro outro lado.

E foi aí que eu vi. Um rosto, a centímetros do meu próprio, com uma pele pálida esticada sobre seu crânio. Era alta, magra e corcunda e estava inclinado sobre minha cama. Seus olhos sem pálpebras me observavam, me estudando. Eu queria desviar a visão dele, mas eu não podia me mover. De repente, tudo mudou.

Acordei ofegante. As luzes estavam acesas no meu quarto, e a cadeira ainda estava contra a porta. Marley levantou a cabeça e olhou para mim. Meus olhos se desviaram para o relógio que marcava 10:46. Eu ouvi a campainha tocar, e eu corri lá embaixo para a porta da frente, abrindo-a e caindo nos braços da minha mãe, chorando.

E agora aqui estou eu, 10 anos depois desse dia, em um hall de entrada cheia de gente, porque eu não aguento ficar sozinho. Lembro-me da minha mãe entrando na floresta no dia seguinte contra a minha vontade, só voltando dizendo que ela não viu nada. Meu cérebro estava brincando comigo, na calada da noite, ela disse. Eu não acreditei e ainda não acredito.

Não há uma noite em que passe sem que eu pense que irei ver aquela figura novamente, mas dessa vez não será um pesadelo.

O que mais me assusta é o pensamento de que naquela noite quente de verão, há dez anos, eu fui o único que escapou...

Animais não devem ser presos.

Traduzidohttp://www.chillingtalesfordarknights.com/

6 comentários:

  1. Não entendi " animais não devem ser presos"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele caçava os vaga-lumes e os deixava presos, mas a "mesa" virou e ele foi perseguido por uma criatura, agr a criatura está esperando por ele deixando ele "preso". Tipo "o feitiço se virou contra o feiticeiro", entendeu?

      Excluir
    2. Não é nada de extraordinário, mas... é legalzin

      Excluir
  2. De onde vc tira isso void?So teu fã;-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa nem sabia que tinha um fã e fico meio sem graça por ter xD. Eu esqueci de botar o link do site em que traduzi, mas já atualizei o post. Obrigado pelo comentário

      Excluir

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS