terça-feira, 25 de junho de 2013

Noites sem Dormir. Maria, A Gentil - Part.01


Terça a noite, acabei de deitar. Coloco os fones de ouvido e fecho meus olhos tentando embarcar em meus pensamentos, passo algum tempo meditando à procura de algo que me ajude há dormir, mas nada me vem a cabeça, retiro os fones me levanto e vou a cozinha.

Algo força a porta, me aproximo até conseguir ver o lado de fora da casa, mas nada vejo, não há nada lá fora. Imagino ter sido uma brincadeira do meu subconsciente e retorno há cozinha, encho um copo com água e volto para meu quarto. Bebo todo o liquido no copo, ingerindo um comprimido para dormir.

Coloco os fones novamente e me deito, ao fechar os olhos escuto um barulho vindo da porta de meu quarto, abro os olhos e me deparo com uma garota loira, que parecia conhecer bem os cômodos da casa, ela olha para mim e faz um sinal como se quisesse que eu me levantasse e a seguisse, limpo meus olhos achando ser uma ilusão, mas infelizmente não era.

Ao me levantar vejo ela seguir para um cômodo que eu usava como armário, quando chega na parede do cômodo ela olha fixamente para um ponto da parede, ao tento me comunicar com ela escuto um grito agudo vindo da sala. No instante em que virei o rosto em direção a sala a garota sumiu, mas vi um nome escrito na parede com giz de colorir: ''Maria". Minha espinha gela e procuro algo que possa usar para abrir um buraco na parede, acho um braço de pilão de ferro, começo a bater na parede. Depois de fazer um buraco razoável, vejo uma caixa e dentro dela uma dezena de fotos, três folhas de papel completamente escritas e um chumaço de cabelo loiro.

As fotos eram velhas, em algumas era impossível ver o rosto das pessoas, mas em meio a todas as fotos uma chamou minha atenção: uma foto de uma garota loira. Na maioria das fotos havia nomes escritos no fundo e ao olhar atras da foto que me intrigou, não me surpreendo com o nome que encontro escrito, "Maria". Guardo a foto da garota em meu bolso e as outras em seguida. Começo a ler uma das folhas e me surpreendo com o que há escrito.

Experimento 3, Dia 1

"Decidimos diminuir o numero de cobaias por experimento, dessa vez estamos usando apenas três.

Maria, que aparenta ser uma criança normal, Julian o mais inquieto dos três, mas o que apresenta mais afetividade pela equipe de pesquisa e por último Emanuel, a mais assustadora das cobaias que usamos até hoje.

Os três se dão incrivelmente bem apesar de suas diferenças parecem não brigarem ou mesmo se desentenderem, mas saindo da parte psicológica de cada um, percebemos que Emanuel é o mais sensitivo dos três apresentando monólogos que parecem discursos. Seguindo de Julian que facilmente pode receber espíritos em seu corpo o que em certas situações nos causa grandes problemas, Maria é a menos sensitiva ou é o que aparenta.

É a mais maleável podendo ser usada para barrar a entrada de espíritos em recintos ou filtrar os que nós procuramos..."

Chego em uma determinada parte da folha e se torna impossível de ler o restante, já que infelizmente o efeito do meu remédio tarda mas nunca falha.

Bem como muitos devem ter percebido não sou o mais ativo dos autores, to começando esse conto e espero que deixem seus comentários se gostam ou odeiam, e oque pensam sobre ele e no que eu deveria mudar. Ah, esqueci de perguntar vocês querem que eu mostre minha cara feia no blog se quiserem deixem nos comentários. Um abraço desse maluco "primeiro anjo"

2 comentários:

  1. o conto tá ficando bom. Tem alguns errinhos de portuga, mas dá pra entender. Ps: adoraria ver sua "cara feia".=)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou tentar arrumar os erros de português e logo vou mostrar minha cara feia ^^

      Excluir

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS