domingo, 2 de junho de 2013

Infestação

O policial entrou na sala, seus olhos revelavam desprezo, e então começou a falar: "Bom, garoto... uma série de assassinatos está acontecendo e você está envolvido em todos, diretamente ou indiretamente..." - um suspiro escapa - "Garoto, o que sabe sobre isso?"
O garoto sorriu. "Tudo. Mas é claro que não vou falar para você, vou?" Seus olhos, agora revelavam sua psicose e sua loucura, mas os policiais já tinham certeza, a roupa do pobre louco garoto estava manchada de sangue e segurava uma faca em suas mãos, obviamente ele era o assassino.

"Acho que vou te contar, sim..." - disse o garoto em tom sarcástico.

"Tudo começou quando eu estava no computador navengando inocentemente na internet, e então encontrei um tópico de um blog, falando sobre... rituais, magia negra e essas coisas... pobre de mim. Era tão inocente... Não suportei tudo àquilo e logo sai da página. Entenda, velho, eu sai do tópico sobre os rituais, mas continuei a pesquisa, a curiosidade me dominou. Rapidamente encontrei outra coisa. Um conto, creio, dos mais realistas e filosóficos. Ele falava sobre o 'interior' humano." - Falava como se fosse algo simples, enquanto repirava fundo.

O policial olhava-o seriamente, ele precisava saber o que havia acontecido... Permaneceu atento ao que o garoto falava: "Mas especificamente sobre como nós, humanos, temos demônios dentro de nossas almas... Dentro de cada um de nós um demônio diferente, todos variados dos 7 pecados capitais." - Abrindo um sorriso, continuou - "O que habita meu corpo é o da IRA... e o seu ?" O policial estava surpreso com um discurso tão intenso, para um mero psicopata de 7 anos.

Decidiu comunicar à central através do rádio e pedir reforço, mas devido aos fatos serem nada "normais" recebeu como resposta um garnde e claro NÃO.
"Velho, ninguém virá aqui, você está sozinho, como sempre..." O policial começou a temer por sua vida, o medo lhe invadira naquele instante quando os olhos do garoto ficaram negros e seu semblante demoníaco, sua voz aterradoramente distorcida, um sorriso deformado se fez em sua face.
"Farei contigo o mesmo que fiz com todos, o mesmo que fiz com metade da cidade." - brincava com a lâmina de cutelo em suas mãos, sem se imortar com o sangue que corria delas. Ao policial só restava implorar por sua vida, e o pensamento lhe invadira a mente: "Estou com medo de uma criança??? Posso detê-lo!"
O garoto parecia ler seus pensamentos e se pôs a dizer com uma voz trovejante: "Não, não... Essa não é uma decisão muito sábia! Liberte seu demônio, talvez ele faça o trabalho correto!" Então o garoto corr....."
----------------------

"Delegada, a fita acabou. O que faremos? Sem o áudio, não poderemos fazer a pesquisa!" - O homem olhava assustado para sua chefe, algo estava diferente...

"Horas, mas você sabe sim o que fazer!" - Agora sua voz era um pouco mais aguda e distorcida. Um grito ensurdecedor ecoou pela cidade. Tudo era CAOS. Às vezes ouvia-se gritos agonizantes de dor, choros e ranger de dentes, ou citações de palavras indecifráveis, mas ninguém nunca mais quis chegar perto de Silent Hill que desde então tem sido o domínio dos demônios....

Quer encarar os seus demônios???


Bom pessoas, é isso! Essa foi a minha primeira creepy depois da volta. Bom, digam o que acharam. Se gostarem eu continuarei a fazer creepys assim, mas se não é só falar que eu volto a fazer do jeito de sempre. E então?

Escrito por: Felipe Berto

5 comentários:

  1. Daora :D. Por acaso você conseguiria fazer uma baseada em Bioshock? Ficaria daora também e daria mais de 1 parte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. posso sim ^^ mais antes tenho que ver a história do jogo denovo (não presto muita atenção quando jogo) , tudo bem ?

      Excluir
    2. Ok. Te desafio a inventar um plasmid também. >:D

      Excluir

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS