segunda-feira, 4 de março de 2013

Defeitos

Tenho muitos defeitos...

Ainda criança, notei que as pessoas eram diferente uma das outras. Percebi cedo que ninguém é igual. Alguns eram mais altos, uns mais baixos. Uns mais fortes, outros mais fracos. Alguns eram bem inteligentes, outros nem tanto.

Não importa suas diferenças, eles sempre pareceram não gostar de crianças que não se encaixavam no grupo deles, se os pensamentos, o jeito e os gostos mudassem já havia um certo conflito. O mais forte ria do mais fraco. O mais fraco desprezava o mais forte. O magro zombava o mais gordo. E assim por diante...

Mas, o que nunca entendi, era por que isso que parecia favorecer um traço sobre o outro. Aqueles com má coordenação invejavam aqueles que podiam praticar esportes, mas eles também se davam bem com os inteligentes da escola. Os tolos encontravam consolo entre aqueles que eram ruins nos esportes, simplesmente porque eles não foram escolhidos para ter um cérebro.

Estes preconceitos pareciam quase naturais, enraizado em suas mentes desde o nascimento. Os seres humanos odeiam os outros seres humanos, simplesmente porque eles têm características diferentes das próprias.
Mas eu, eu amo meus defeitos.

Na época, eu tinha 17 anos, tive uma revelação. Finalmente entendi que as pessoas se odiavam porque não podiam apreciar a beleza de suas próprias falhas! Tudo o que eu tinha a fazer era mostrar-lhes que eles são todos bons e imperfeitos. Tornou-se a minha missão de esculpir o mundo em torno de mim, fazer a minha parte para torná-lo um lugar melhor.
Achei melhor começar com a minha família.

Tive uma estrutura familiar bastante normal. Pelo menos, pelos padrões de hoje. Meu pai nunca estava por perto, embora eu não tivesse certeza nem de como ele era. Minha mãe me criou, meu irmão adolescente e minha irmã mais nova, praticamente sozinha. Ajudei-a quando atingi idade suficiente.

Meu irmão era apenas um ano mais novo que eu, então ele estava naquela fase em que ele não gosta de qualquer envolvimento com a família, que seja. Eu entendia isso. Também experimentei essa sensação... muitas vezes... Minha irmã, no entanto, era muito mais jovem do que eu. Quando minha mãe estava trabalhando, eu cuidava dela. Criei uma ligação especial com a minha irmãzinha. Eu a amava muito.

Então, comecei a minha cruzada, tentando explicar a importância das falhas para o meu irmão. Ele me dispensou, como eu suspeitava que ele faria. Quando falei com minha mãe, ela estava exausta, tão cansada que mal conseguiu chegar a sua cama. Não achava que minha irmã iria compreender o que eu estava dizendo, ela era muito jovem.

Foi quando eu decidi que precisava para ensiná-los à força.

Fui para o quarto da minha mãe por volta das três da manhã. Achei que depois de quatro horas de sono, ela provavelmente me entenderia, certo? Peguei um pedaço de vidro e cortei seu ombro exposto, até seu decote. Ela acordou em desespero. Como ela começou a se debater, o vidro escapou da minha mão!

As coisas parecem nebulosas quando eu tento olhar para trás, mas ela parou de se debater, então eu sei que ela deve ter entendido. Lembro-me de voltar ao seu leito para obter o vidro de volta, mas ele deve ter quebrado, ou algo assim, porque tudo que eu podia encontrar era um pedaço dele, preso na garganta da minha mãe.

O vidro não é tão importante, então, pensei comigo mesmo: "Se ela quer tanto, eu vou deixá-la ficar com ele." Sai do quarto, fui para a cozinha pegar uma faca, em seguida, fui à garagem pegar uma corda. Depois de ver a reação da minha mãe, eu sabia que deviam ser tomadas medidas para manter meu irmão contido.

Fui capaz de amarrar uma corda ao redor de seu braço direito, em torno da área do pulso, mas ele acordou quando eu apertei. Ele olhou para mim em um estado de estupor, mas caiu da cama, levando a corda com ele. Ele não se levantou, então verifiquei, encontrei a corda envolta em seu pescoço em vez do pulso. Engraçado, eu podia jurar que tinha amarrado o pulso...

Não importa! Pensei enquanto firmei minha decisão. Puxei-o de volta para a cama e amarrei a outra ponta da corda em sua cabeceira, por segurança. Não sendo tolo para desperdiçar uma oportunidade quando ela se apresenta, aproveitei a chance de dar-lhe as falhas que precisava. Fiz algumas marcas ao redor de seu torso. Uma através de suas costelas superiores, um no lado esquerdo da parte inferior de seu abdômen e um do centro de seu peito.

Eu também marquei os lados de seus braços. Então eu deixei uma falha passada ao longo da base do pescoço, abaixo da área coberta pela corda. "Perfeito", pensei comigo mesmo. Talvez minha mãe e meu irmão poderiam ter um vínculo agora, com as falhas que eu lhes dei. Mas, não posso deixar de fora a minha irmã, é claro!

Eu fui para o quarto dela, mas me surpreendi ao encontrá-la acordada, sentada em sua cama. "O que foi todo esse barulho?", perguntou ela.

"Eu estava apenas me ajudando mamãe e nosso irmão se aproximar", respondi.

Ela respondeu com: "Como assim?"

"Bem, eu dei-lhes marcas para dar-lhes algo em comum."

"Que tipo de marca?"
"Bem..." Eu tive que parar e pensar por um momento. Como posso explicar isso para uma criança?

Me deu um branco, mas decidi dar uma chance a ela e ser honesto. Eu esperava que ela pudesse entender. "Eu dei-lhes marcas, para que eles pudessem compreender as suas ... err ... bem, falhas."

"Falhas?" , ela disse.

"Sim, falhas. Você sabe, as coisas que nos fazem especial".

"Você pode dar elas as pessoas?"
"Sim! Você é muito esperta, não é?"

"Mamãe sempre diz que sou."

"Ela estava certa."
Minha irmã notou a faca na minha mão. "O que é isso?", perguntou ela. Eu sorri e respondi: "Eu usei isso para dar falhas especiais para a nossa mãe e irmão." Ela era muito mais esperta do que eu pensava. Talvez ela pudesse entender depois de tudo.

"Posso tentar dar falhas especiais?"

Sua vontade de aprender e explorar me fez sorrir. "Claro que você pode!" Eu disse, ao lhe entregar a faca.

"Como posso fazer isso?"
"É fácil. Basta pressionar o final de prata na pele e puxar."

"Posso tentar em você?"
Este foi um momento perfeito para mim. A única pessoa que entendia era a única pessoa que me importava!

"Claro que você pode!" Respondi. Eu estava realmente preso e entusiasmado com aquele momento.

Ela pressionou pela primeira vez em meu ombro e puxou. Eu quase não senti nada. Eu estava com muito êxtase para notar qualquer dor.

"Vê?" Eu disse: "Você me deu uma falha especial!"

Naquele momento, eu estava tão orgulhoso dela. Ela pediu para dar outra, então eu lhe permiti. Ela pressionou a lâmina contra a minha junta e puxou. Eu não senti quase nada.

Eu amava minha irmã. Eu estava feliz que eu poderia mostrar-lhe a beleza das falhas.

"Posso fazer mais uma? Por Favooooor?"

Eu não podia dizer não para alguém tão adorável e perto de mim. "Sim! Você pode me fazer especial!"

Ela colocou a lâmina para o lado esquerdo do meu pescoço e puxou-a para trás. Eu não senti coisa alguma naquele momento. Quer dizer, depois disso, as coisas ficaram um pouco embaçadas. Eu me senti muito cansado. Eu estava tendo problemas para ficar acordado. Eu apenas tive que deitar  um pouco...

Olhei para a minha irmã e sorri. As coisas tornaram-se desvanecidas e escuras.

E olhando para trás, eu ainda não entendo a lógica sobre tudo que fiz. Acho que foi apenas um dos meus defeitos...

4 comentários:

  1. PQP, manolhos, que creepy ótima! Há tempos não leio uma tão boa assim! Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. a garota foi esperta o suficiente pra matar a irmã antes que a irmã matasse ela tb ou ela virou alguém igual a irmã dela?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, no meu entendimento a pequenina tb era, digamos, "diferente".

      Excluir

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS