sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Sádica Delphine LaLaurie


Delphine LaLaurie, também conhecida como Madame LaLaurie (nascida Marie Delphine Macarty), foi uma socialite estadunidense e assassina em série, torturava e mutilava escravos negros por pura diversão e vaidade. Delphine Macarty nasceu por volta de 1775. Seus pais eram Barthélemy Louis Macarty e Lecomte Vevue, membros proeminentes da comunidade Crioula branca de Nova Orleans. A mãe de Macarty foi supostamente morta em uma revolta de escravos. O primo de Delphine Macarty, Augustin de Macarty, foi prefeito de Nova Orleans entre 1815-1820.

Ela foi casada com Don Ramon y Lopez de Angulo, em 1800; ele morreu em Havana, Cuba, em 26 de março de 1804. Em 1808, ela casou com o traficante de escravos Jean Blanque, que morreu em 1816. Duas vezes viúva, casou-se com o médico Dr. Luís LaLaurie em 25 de junho de 1825. O casal comprou uma mansão na 1140 Royal Street em 1831, onde Delphine LaLaurie manteve uma posição central nos círculos sociais de Nova Orleans. Embora ela organizasse festas suntuosas, com listas de convidados constituídas por algumas das pessoas mais proeminentes da cidade, a maneira pela qual Delphine LaLaurie torturava seus escravos é provavelmente a mais conhecida dos contos macabros do bairro francês da cidade.

Mansão Lalaurie
Madame Lalaurie foi considerada uma das mulheres mais inteligentes e bonitas da cidade. Aqueles que receberam sua atenção nas reuniões maravilhosas não conseguiam parar de falar sobre ela. Os hóspedes em sua casa eram mimados como sua anfitriã se movimentava pela a casa, atendendo a todas as suas necessidades. Mas esse era o lado de Madame Lalaurie os amigos e admiradores foram autorizados a ver. Havia um outro lado. Sob o exterior delicado e refinado era uma mulher cruel, a sangue-frio e possivelmente insana que alguns só suspeitavam. Mas outros sabiam de fato.

A lei que proibia o tratamento cruel de escravos estava em vigor, em Nova Orleans e as autoridades que investigaram as reivindicações do vizinho apreenderam os escravos Lalaurie e vendeu-os em leilão. Infelizmente para eles, Madame Lalaurie persuadiu alguns parentes em comprá-los e depois vendê-los de volta para ela em segredo.

As histórias continuaram sobre os maus-tratos dos escravos Lalaurie e fofocas espalhadas por vizinhos apreensivos entre seus ex-amigos. Alguns convites de festas foram recusados​​, convites para jantar foram ignorados ea família foi logo educadamente evitada por outros membros da sociedade. 

Ela manteve a posição de destaque nos círculos sociais de Nova Orleans até 10 de Abril de 1834, quando equipes de resgate responderam a um incêndio em sua mansão se descobriu escravos acorrentados em estado deploravel e desumano, dentro da casa, que mostraram evidência de tortura durante um longo período. A casa de LaLaurie foi posteriormente saqueada por uma multidão indignada pelos cidadãos de Nova Orleans.

Graças ao incêndio provocado por dois escravos acorrentados na cozinha da residência, eles iniciaram o fogo para chamar a atenção, os bombeiros que atenderam a emergência se depararam com uma verdadeira câmara de horrores. Os bombeiros foram levados por outros escravos ao sótão da mansão, onde encontraram mais de uma dúzia de pessoas desfiguradas e mutiladas acorrentadas às paredes.

Vários escravos foram encontrados com os intestinos para fora passados em volta da cintura, presos com as mãos para cima, outros tinham tido seus olhos arrancados, haviam buracos em suas nádegas onde a carne tinha sido cortada, suas unhas arrancadas pelas raízes, outros tiveram suas articulações e pele inflamada, as orelhas penduradas por pedaços, intestinos foram retirados e atados ao redor da cintura nua, havia buracos no crânio, onde um pedaço de pau tinha sido inserido para agitar o cérebro, alguns tinham seus sexos trocados. Também tinham os escravos que tinham seus braços amputados e suas peles haviam sido 'descascadas' de forma que o corpo os fizessem parecer lagartos, uns tinham as bocas costuradas - mortos por inanição, e outros ainda vivos implorando para que fossem sacrificados, para acabar com o sofrimento. A maioria havia sido submetido ao que pareciam ser experiências médicas abomináveis, como uma mulher que teve seus membros quebrados e reorganizados para que apresentasse a aparência de um caranguejo.

Os bombeiros fugiram do local com nojo e os médicos foram convocados em um hospital próximo. Não se sabe exatamente quantos escravos foram encontrados na "câmara de tortura", de Madame Lalaurie mas a maioria deles estavam mortos. Desnecessário dizer que, os relatórios horripilantes da casa Lalaurie foram as coisas mais horríveis que já ocorrem na cidade e a história sobre as atrocidades se espalhou. Acreditava-se que Madame Lalaurie sozinha foi responsável pelo horror e que seu marido fingia não ver, mas sabia de suas atividades. Infelizmente, LaLaurie fugiu antes de ser julgada por seus crimes, e jamais foi encontrada.

Madame Lalaurie e sua família nunca mais foram vistos. Circularam rumores sobre o que aconteceu com eles, alguns disseram que fugiram para a França e outros afirmaram que viviam na floresta ao longo da costa norte do Lago Ponchatrain. Ainda outros rumores alegavam que a família desapareceu em uma das pequenas cidades perto de Nova Orleans. Mas o que de fato aconteceu com a família ninguém sabe, não existe nenhum registro que qualquer ação legal foi tomada contra ela e não há menção de que ela foi vista novamente, ou em sua bela casa, de novo. Claro, o mesmo não pode ser dito de suas vítimas...

Um dos escravos que pertenceu a família.
Alguns escravos foram apresentados
ao público para mostrar os
horrores da LaLaurie.
A propriedade tem fama de ser amaldiçoada e uma árvore em especial é famosa por nela ter sido enterrada uma garotinha de oito anos que sem querer puxou o cabelo de sua senhora o que acabou acarretando em sua morte por chibatadas. E mais recentemente vários corpos de escravos foram encontrados embaixo do assoalho da casa, quem passa perto do local relata ouvir gritos, lamentos agoniados e passos, até mesmo tem os que dizem ouvir pedidos de socorro. Mesmo assim foi adquirida pelo ator Nicolas Cage em 2007, que a comprou por mais de US $ 3 milhões, mas vendeu em 2009. Ele evita falar no assunto.

As histórias de fantasmas e assombrações na 1140 Royal Street começou quase tão rapidamente quanto a carruagem Lalaurie fugiu da casa na escuridão. Depois que os escravos mutilados foram retirados da casa, que foi saqueada e vandalizada pela multidão. Depois de uma breve ocupação, a casa permaneceu vaga por muitos anos depois, caindo em um estado de ruína e decadência. Muitas pessoas diziam ouvir gritos de agonia vindo da casa vazia à noite e viram as aparições de escravos andando sobre nas varandas e nos pátios. Algumas histórias ainda alegaram que mendigos que tinham ido para a casa à procura de abrigo e nunca se ouviu falar deles. A casa tinha sido colocado no mercado em 1837 e foi comprado por um homem que só a manteve por três meses. Ele foi atormentado por estranhos ruídos, gritos e gemidos no meio da noite e logo abandonou o lugar. Ele tentou locação de quartos para um curto período de tempo, mas os inquilinos só permaneceram por alguns dias, no máximo. Finalmente, ele desistiu e a casa foi abandonada.

Após a Guerra Civil, Reconstrução transformou a mansão Lalaurie vazia em uma escola integrada para "meninas do Distrito inferior", mas em 1874, a Liga Branca forçou as crianças negras a deixar a escola. Pouco tempo depois, porém, a diretoria da escola segregacionista as coisas mudaram completamente e fez a escola apenas para as crianças negras. Isso durou um ano.

Seta indica onde é o sótão.
Em 1882, a mansão mais uma vez tornou-se um centro para a sociedade de Nova Orleans quando um professor de Inglês transformou em um "conservatório de música e uma escola de dança da moda". Tudo correu bem durante algum tempo como o professor era bem conhecido e atraiu estudantes das mais finas  famílias locais, mas depois as coisas chegaram a uma terrível conclusão. Um jornal local aparentemente publicou uma acusação contra o professor, alegando que algumas irregularidades com estudantes do sexo feminino, pouco antes de um evento social grande estava para acontecer na escola. Alunos e convidados evitaram o lugar e a escola fechou no dia seguinte.

Alguns anos mais tarde, eventos mais estranhos atormentaram a casa e tornou-se o centro de rumores sobre a morte de Jules Vignie, o membro excêntrico de uma rica família de Nova Orleans. Vignie viveu secretamente na casa depois de 1880 até sua morte em 1892. Ele foi encontrado morto em um berço esfarrapado na mansão, aparentemente vivendo na sujeira, enquanto escondido nos quartos ao redor foi uma coleção de antiguidades e tesouros. Um saco contendo várias centenas de dólares foi encontrado perto de seu corpo e outra busca encontrou vários milhares de dólares escondidos em seu colchão. Durante algum tempo depois, os rumores de um tesouro perdido circulou sobre a mansão, mas poucos se atreveram a ir à sua procura.

A casa foi abandonada novamente até o final da década de 1890. Neste momento de grande imigração para a América, muitos italianos vieram morar em Nova Orleans. Senhorios rapidamente compraram prédios antigos e abandonados para converter em moradia barata para essa nova onda de locatários. A Mansão Lalaurie tornou-se apenas uma casa, e mesmo os inquilinos de baixa renda não permaneceram lá. Durante o tempo em que a mansão era um prédio de apartamentos, foram registrados uma série de acontecimentos estranhos. Entre eles estava um encontro entre um ocupante e um homem negro nu acorrentado que o atacou. O negro de repente desapareceu. Outros afirmaram ter animais abatidos em casa, as crianças foram atacados por um fantasma com um chicote; figuras estranhas apareceram envolto em mortalhas, uma jovem mãe estava aterrorizada de encontrar uma mulher em roupas de noite elegantes curvar-se sobre seu bebê dormindo, e é claro, os sempre presentes sons de gritos, gemidos e choros que reverberam por toda a casa à noite. Nunca foi fácil manter os inquilinos na casa e, finalmente, após a notícia se espalhou dos estranhos acontecimentos, a mansão foi abandonada mais uma vez.

Suposto fantasma na frente da mansão.
A casa mais tarde se tornaria um bar e, em seguida, uma loja de móveis. O salão, aproveitando-se da história medonho do edifício foi chamado de "Haunted Saloon". O proprietário conhecia muitas das histórias de fantasmas do edifício e manteve um registro das coisas estranhas vividas por clientes. A loja de móveis não se saíu tão bem na antiga casa Lalaurie. O proprietário primeira suspeita vândalos quando toda a sua mercadoria foi encontrada em ruínas em várias ocasiões, cobertos de uma espécie de, líquido fedorento escuro. Ele finalmente esperou uma noite com uma espingarda, esperando que os vândalos voltassem. Quando amanheceu, o imóvel foi todo destruído novamente, mesmo que ninguém, humano, tinha entrado no edifício. O proprietário fechou o lugar.

Hoje, a casa foi renovada e restaurada e serve como apartamentos de luxo para aqueles que podem pagar por eles. Aparentemente, os inquilinos são um pouco mais fáceis de manter hoje do que eram há cem anos atrás.

Alguns anos atrás, os donos da casa estavam no meio da remodelação quando encontraram um cemitério mal feito escondido na parte de trás da casa sob o piso de madeira. Os restos mortais foram jogados sem cerimônia no chão e quando as autoridades investigaram, eles encontraram os restos como sendo de origem razoavelmente recente. Eles acreditavam que era próprio cemitério particular de Madame Lalaurie. Ela havia retirado seções do piso na casa e tinha apressadamente enterrado os para evitar ser vista e descoberta. A descoberta dos restos respondeu uma pergunta e, infelizmente, criou outra. O mistério de por que alguns dos escravos Lalaurie pareciam simplesmente desaparecer foi resolvido finalmente, mas faz você se perguntar quantas vítimas Madame Lalaurie realmente fez?


Fontes:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS