domingo, 22 de novembro de 2015

Seres Greco-Romanos #2

Seres Japoneses
Seres Greco-Romanos #1
Seres Celtas
Seres Egípcios
Seres Malignos
Seres Sagrados (Atualizado)

Dryope

Dríope (Δρυοπη=voz da árvore) foi a ninfa de um álamo e nascente, no Monte Oita em Dryopia (Doris), Grécia central. Ela era originalmente uma princesa Driopian que, algum tempo depois de ser seduzida por Apolo, foi transformada em uma ninfa pelos Hamadríades do Monte Oita.

Dysaules

Dysaules (Δυσαυλης=Dysaulês) era um semideus ou herói dos mistérios de Elêusis que presidiu o campo sagrado de Rharos onde o primeiro grão foi semeado. Este campo continha uma eira e um altar sagrado do filho de Dysaules, o semi-deus Triptólemos.

Dyosis/Horae

A décima primeira das doze Horae, deusas das horas, que presidiu a hora do pôr do sol.

As doze Horae (Ὡρα=Hora) eram as deusas das horas do dia e talvez dos doze meses do ano. Elas supervisionavam o caminho do deus-sol Helios, enquanto viajava pelo céu, dividindo o dia em porções.

Os gregos antigos não tinham horas fixas como nós temos hoje. Em vez disso, eles dividiam as horas do dia em doze porções, identificadas pela posição do sol no céu. Assim, a duração de cada hora variava entre os dias de verão mais longos e mais curtos de inverno.

As doze Horai nem sempre foram claramente distinguíveis das Horai das estações do ano, que também foram descritas como supervisoras do caminho do sol.

Dysnomia

Dysnomia (Δυσνομια, ilegalidade) era o espírito (daimona) da ilegalidade e da constituição civil precária . Ela era companheira de Adikia (injustiça), Ate (Ruína) e Hybris (Violência). Seu oposto era Eunomia (Ordem Civil).

Echidna

Ekhidna (Εχιδνα, víbora) (ou Echidna) foi um dragão fêmea monstruosa (Drakaina) com a cabeça e peito de uma mulher. Ela provavelmente representava ou presidia as corrupções da terra: podridão, lodo, águas fétidas, doenças e enfermidades.

Ela foi muitas vezes igualada com Python (o apodrecido), um dragão nascido do lodo fétido deixado para trás pelo grande dilúvio. Outros chamam-lhe a de lampreia tartárea, atribuindo-a ao poço escuro, pantanoso do Tártaro, abaixo da terra.

Em todos os casos, ela foi descrita como a consorte de Typhoeus, uma daemon que desafiou Zeus no céu. Juntos, eles geraram uma série de monstros terríveis para assolarem a Terra.

Echo

Ekho (Εχω, Eco(ou Echo))  era uma ninfa do Monte Kitharion (Cithaeron) em Boiotia. A deusa Hera amaldiçoou-a com a voz do eco, para apenas repetir as últimas palavras do que foi dito antes, como punição por distraí-la com tagarelices. Ela era amada pelo deus Pan, e ela tornou-se encantada com o menino Narkissos (Narcissus). Quando ela morreu, deixou apenas sua voz ecoando por trás. Na antiga pintura de vasos gregos Ekho foi retratada como uma ninfa alada com o rosto envolto em um véu.

Eirene

Eirene (Ειρηνη-Eirênê=Paz) (ou Irene) era a deusa da paz (Eirene) e da estação da primavera (eiar, eiarinos). O final da primavera era a estação da habitual na Grécia, quando a paz estava mais em risco. Eirene foi uma das três Horai, deusas das estações e as guardiãs dos portões do céu. Suas irmãs eram Eunomia (Ordem ou Bom Pasto) e Dike (Justiça).

Ela provavelmente foi identificada com a Hora Thallo (Brotos Verdes), cujo nome Hesíodo dá para Eirene como um epíteto na Teogonia. Seu número oposto era Polemos (Guerra).

Elete

A oitava das doze deusas Horae, que presidiu a hora do meio da tarde.

Eleusis

Ελευσις (Eleusis- De Eleusis (cidade)) foi a semi-deusa, heroína ou ninfa da cidade de Eleusis. Ela foi uma das assistentes da deusa Deméter nos "mistérios de Elêusis". Eleusis também era um título da deusa.

Élpis

Ελπις (Elpis=Esperança, Expectativa) era o espírito (daimona) da esperança. Ela, juntamente com os outros daimones foram aprisionados  na caixa de pandora por Zeus e entregues ao cuidado da primeira mulher criada (Pandora). Quando ela abriu a caixa todos os espíritos escaparam exceto por Elpis (Esperança), que ficou para confortar a humanidade sozinha. Elpis foi descrita como uma jovem mulher levando flores em seus braços. Seu número oposto era Moros, espírito da desesperança e da desgraça.

Enyalus

Ενυαλιος (Enyalios=Bélico) foi um deus menor da guerra e ajudante de Ares. O nome" Enyalios", no entanto, foi usado geralmente apenas como um título do deus Ares.

Enyo

Enyo ( Ενυο Ενυω=Bélica)era a deusa da guerra. Ela era a contraparte feminina e companheira do deus Ares Enyalios.

Eos


Eos (Ηως=Aurora(Latim)=Alvorada) era a deusa do amanhecer. Ela e seus irmãos Helios (o Sol) e Selene (a Lua) foram colocados entre os deuses titãs da segunda geração. Eos subia para o céu a partir do rio Okeanos no início de cada dia, e com seus raios de luz dispersava as brumas da noite.

Eos tinha um desejo insaciável de rapazes bonitos, alguns dizem que é o resultado de uma maldição lançada sobre ela pela deusa Afrodite. Seus amantes incluem Orion, Phaethon, Céfalo e Tithonos. Príncipe troiano Tithonos tornou-se seu consorte oficial. Quando a deusa pediu Zeus para sua imortalidade, ela esqueceu também de pedir eterna juventude. Com o tempo ele foi encolhendo pela idade avançada e transformado em um gafanhoto.

Eosphorus e Hesperos

Εωσφορος (Eôsphoros=Lúcifer=Portador da Luz)

Ἑσπερος (Hesperos=Vesper=Noite)

Eósforo e Héspero eram os deuses da estrela (planeta) Vênus. Eles foram originalmente considerados como duas divindades bastante distintas - o primeiro, cujo nome significa "portador da alvorada", era o deus da estrela d'alva, enquanto o segundo, "Noite", foi a estrela do anoitecer. Os dois deuses foram posteriormente combinados.

Epiales

Epiales (Επιαλης=Epiales=Pesadelo) era o espírito (daimon) dos pesadelos, também conhecido como melas oneiros (Sonho Negro). Os Oneiros ou Espíritos dos Sonhos eram filhos da deusa Nyx (Noite). A palavra epialês acabou por ser derivado do verbo epiallô, "deitar em."

Epione

Epione (Ηπιονη Επιονα=Epiona=Calmante), Epione era a deusa do calmante de dor. Ela era a esposa do deus da medicina Asklepios, e mãe de vários deuses menores da cura, incluindo Hygeia (Boa Saúde), Panakeia (Cura para todos os males) e Iaso (Cura).

Erebus

Erebus (Ερεβος=Erebos=Trevas) era o Protógenos (deus primordial) da escuridão, consorte de Nyx (Noite), cujas névoas escuras envolviam as bordas do mundo, e enchiam as cavidades profundas da terra. Sua esposa Nyx levou estas névoas para os céus afim de trazer Noite para o mundo, enquanto sua filha Hemera as dispersava trazendo Dia: um bloqueando a luz de Aither e outro revelando-a. O ar superior brilhante (Aither ou Aether) foi considerado como a fonte do dia nas cosmogonias antigas, em vez do sol.

Eris

Eris (Ερις=Discórdia) era a deusa ou espírito (daimona) da contenda, discórdia, disputa e rivalidade. Ela foi muitas vezes representada especificamente como o daimon da contenda da guerra, que assombrava o campo de batalha e ficava satisfeita com o derramamento de sangue humano.

Por causa da natureza desagradável ela foi a única deusa a não ser convidada para o casamento de Peleu e Tétis. Quando ela apareceu de qualquer forma, sua entrada foi recusada, num acesso de raiva, jogou uma maçã de ouro entre as deusas com a seguinte inscrição "Para a mais justa." Três deusas reivindicaram, e em rivalidade levou os eventos que levaram à Guerra de Tróia.

Eucleia

Eucleia (Ευκλεια=Eucleia=Idoneidade, Glória) era a deusa ou daimona da boa reputação e glória. Ela e suas irmãs Eufeme (Aclamação), Euthenia (Prosperidade) e Filofrósine (Boas-Vindas) eram provavelmente, as deusas conhecidas coletivamente como Kharites (Graças).

Eunomia

Eunomia (Ευνομια=Eunomia=Boa Ordem) era a deusa da boa ordem e conduta lícita. Ela foi associada com a estabilidade interna de um Estado, incluindo a promulgação de boas leis e à manutenção da ordem civil. Ela também era a deusa da primavera dos pastos verdes (nomia em grego). Eunomia foi uma das Horai, deusas das estações do ano e as guardiãs dos portões do céu. Suas irmãs eram a deusas Dike (Justiça) e Eirene (Paz, Primavera). Seu oposto era Dysnomia (Ilegalidade).

Euphrosyne

Euphorosyne (Ευφροσυνη=Euphrosyne= Bom ânimo, regojizo) era a deusa da alegria e regojizo. Ela foi uma das três Kharites .

Eurynome

Eurynome (Ευρυνομη=Eurynome=Governante Selvagem (talvez)  era a titã dos prados e pastagens hídricos, e uma das Oceânides mais velhas. Ela foi a terceira esposa de Zeus que deu à luz a Kharites, as três deusas da graça e beleza. Ela também era a deusa do rio Neda em Arcadia, e mãe de Asopos, um córrego próximo.

Gaia

Gaia (Γαια Γαιη Γη =Gaia, Gaiê, Gê=Terra) foi a Protógeno (divindade primordial) da terra, um dos elementos primordiais que primeiro surgiram no alvorecer da criação, juntamente com o ar, mar e céu. Ela era a grande mãe de todos: os deuses celestiais eram descendentes de sua união com Urano (o céu), os deuses do mar com a sua união com Pontos (o mar), os Gigantes com sua união com Tártaros e as criaturas mortais foram concebidas de sua carne terra.

No mito, Gaia aparece como a principal adversária dos deuses celestiais. Primeiro, ela se rebelou contra seu marido Urano (Céu), que havia aprisionado seus filhos no seu ventre. Então, mais tarde, quando seu filho Cronos desafiou ela por aprisionar esses mesmos filhos, ela ajudou Zeus em sua batalha contra os Titãs. Finalmente, ela entrou em conflito com Zeus, irritada com ele por jogar seus filhos titãs no Tártaro. Na sua oposição, ela produziu a primeira tribo de Gigantes e mais tarde Typhoeus para destroná-lo, mas ambos falharam em ambas as tentativas.

Gymnastica

A quarta das doze deusas Horae, que presidiu a hora de manhã reservada para ginástica.


Fonte: Theoi
Greek Mythology
Wikipédia

Um comentário:

  1. Belo trabalho cara, parabéns. Mostrando cultura pro povo haha

    ResponderExcluir

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS