quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Seres Egípcios

Seres sagrados, clique aqui
Seres malignos, clique aqui

Cosmogonias

Cosmogonia é o termo utilizado para determinar uma ou mais teorias sobre a formação do Universo. A primeira de todas as culturas reconhecida pela academia científica a interessar-se por este estudo e a tentar apresentar material objectivo foi a civilização Egípcia.

O Egito maravilhava-se com o mundo cheio de vitalidade e procuraram sistematicamente desenvolver e compreender Cosmogonias múltiplas, que apesar das diferenças entre as escolas de pensamento, quanto interpretações da realidade, possuíam traços fundamentais comuns entre si.

O Universo para os Egípcios tinha três regiões: o mundo inferior, que era o reino dos mortos; a terra, o reino de toda a criação animada; o céu, que era o reino das divindades Cósmicas, da lua e das estrelas.

A Terra era um disco rodeado pelas águas primordiais, designadas por Nun. O centro da Terra era o Egipto e Nun rodeava ainda o Mundo Inferior e o Céu, ou seja, todo o Cosmos estava envolvido num oceano primordial.

Como surgiu então, este Mundo?


Podemos detectar a influência de três obras clássicas que levaram a Cosmogonias múltiplas: o Livro das Pirâmides, o Livro dos Sarcófagos, e o Livro dos Mortos do Egito. Existiram ainda outras obras de algum relevo, porém apenas três principais escolas teológicas singraram, inspiradas nas três obras identificadas.  É neste ponto em que as interpretações divergem quanto as relações entre os elementos fundadores do Universo: a Escola de Heliópolis (Grande Escola da Enéade de Heliópolis), a Escola de Hermópolis e a Escola de Mênfis.

A Grande Escola da Enéade de Heliópolis

No Inicio do Universo existia apenas Nun, o oceano primordial onde o Deus de toda a criação, Atum, caminha sem qualquer preocupação, ocupação ou propósito. Um mundo caótico, inconsciente do seu estado.

Atum dirigiu-se para um lugar elevado nas águas de Nun e colocou-se de pé pela primeira vez. Ao masturbar-se Atum ejaculou, "cuspiu" Chu, o Deus da vida, do ar e da luz, que também simbolizava o princípio masculino ativo, Tefnut, a Deusa da Humidade que personificava a água e a verdade e o princípio feminino ativo. Atum era hermafrodita sendo simultaneamente pai e mãe deste primeiro casal primordial Divino

Deste casal surgiram Nut, Deusa do Céu e Geb, o Deus da terra. Chu ergueu Nut (o céu) sobre Geb (a terra), e assim formaram a abóboda celeste. Nut e Geb criaram o tempo, a noite e o dia, e quando Geb e Nut se uniam, criaram a noite e autorizaram os homens á ver a beleza do céu estrelado.

Da união entre Geb e Nut nasceram quatro deuses que acasalaram da seguinte maneira: Isis com Osíris e Set com Néftis.

Isis personificava o trono da realeza e simbolizava a natureza, logo, toda a criação. Osíris o lodo fertilizador do Nilo e constituía o modelo para o faraó reinante. Osíris tornou-se Deus da Terra, que governou durante muitos anos com o apoio de Isis, sua mulher.

Set simbolizava o caos e a morte, ou seja, as forças hostis à vida do homem. Néftis é também uma deusa da natureza que se tornaria a guardiã dos mortos.

Set que invejava o estatuto de Osíris como Deus da Terra, convidou-o para um banquete. Durante a celebração, exibiu um Sarcófago e prometeu oferecer a quem coubesse perfeitamente nele. Vários dos convidados de Set experimentaram, porém ninguém tinha as medidas certas, uma vez que Set tinha meticulosamente preparado o Sarcófago com as medidas de Osíris. Por fim Osíris, experimenta e entra no Sarcófago, sendo de imediato aprisionado por Set que o atira para as profundezas do rio Nilo.

Isis parte em uma demanda para encontrar o seu marido e encontra o Sarcófago preso á uma árvore, que logo em seguida o esconde em plantação de papiros. Set encontra o Sarcófago e furioso esquarteja o corpo em 14 pedaços.

Novamente Isis parte em outra demanda, porém acompanhada da sua irmã Néftis, em busca de recuperar todos os pedaços do corpo de Osíris. A missão é quase bem-sucedida, porém, elas percebem que o falo (pénis) de Osíris havia sido devorado por um peixe. Para compensar a falta do falo, Isis cria um falo artificial.

Aqui encontram-se várias versões: umas dizem que o falo artificial é de ouro, outras de caules de vegetais. Isis, Néftis e Anúbis  procedem então à prática da primeira mumificação. Ísis transforma-se em uma milhafre, e graças ao bater das asas, agora sob forma de animal e sobre o corpo de Osíris, realiza uma magia que o ressuscita. Uma vez feito isso, Isis une-se sexualmente a Osíris e deste momento resulta em filho o deus Horús. A partir de então, Osíris passou a governar apenas o mundo dos mortos, até que Hórus venceu o seu tio Set em uma épica batalha divina.

Cosmogonia da Escola de Hermópolis

Nesta escola o Caos não era apresentado como um vazio ou ausência total de ordem, dado que nele existiam quatro casais de Deuses/Génios: os machos com cabeça de rã e as fêmeas com cabeça de serpentes. Os casais são Noun e Nounet (Nounet)  a personificação do oceano primordial, o espaço antes da criação;  Kouk (Kekou) e Kauket ( Kekout-Keket) a personificação da obscuridade que reinava sobre o espaço primordial antes do nascimento do sol;  Houh (Hehou) e Hauhet (Hehet) a água que se alastra e flui procurando o seu caminho, o infinito;  por fim Amon e Amaunet  (Amonet) tudo o que está escondido, O oculto.

Estes Oito Deuses (quatro casais), unem-se para criar um ovo no topo de uma elevação. Este ovo primordial, é a manifestação da união entre os princípios divinos celestes, fora do caos primordial, fazendo emergir o mundo manifestado. Do ovo nasceu Rá, o Deus Sol, que sobe ao Céu para irradiar o mundo com os seus raios benfeitores.

Depois do seu nascimento, os Deuses adotaram uma aparência visível e cumpriram em conjunto um ritual mágico através do qual fizeram aparecer uma Lótus. Esta flor abriu-se com um flamejamento de luz e deu origem á um ser divino feminino,  que se uniria com Rá. Desta sua união nasceu Thot, o primeiro nascimento divino.

Três dos casais retiraram-se do mundo visível para se tornarem os guardiões do equilíbrio. Amon e Amonet adaptaram-se à nova ordem e abandonaram Hermópolis seguindo para Tebas.

Cosmogonia da Escola de Mênfis

Combina os elementos das escolas anteriores, porém confere ao Deus Ptah, o papel de criador. Após criado o mundo, ele usa a sua língua e o coração para gerar Atum.

Este sistema não rejeitava a Enéade de Heliópolis, simplesmente considerava Ptah como criador dessa Enéade. O deus Ptah também era considerado o criador do Ka ou a alma de cada ser.

Os Deuses e Seres

Aker

O deus do horizonte, do crepúsculo, e do amanhecer na mitologia egípcia extremamente arcaica.
Seu nome significa "Aquele que se curva".

Ammut

Ammut, ou Amun, é uma fera mística egípcia que aguarda nos corredores do julgamente antes da vida após a morte. Se o coração da alma julgada ser mais pesada do que a pena da verdade, Ammut devora o pecador.

Apep

Apep (ou Apophis) era um deus do mal, escuridão e do caos na mitologia egípcia. Ele odeia e é o inimigo da luz e de Maat. Ele sempre se opõe a Rá e constantemente batalha contra ele, perdendo toda vez. Por Apep ser oposto a Rá, ele ganhou o título"Inimigo de Rá". Como uma personificação do mal que ele foi originalmente visto como uma serpente gigante, mas ao longo dos anos passou a ser visto como um dragão.

Astarte


Uma deusa adorada sob vários nomes ao longo do Mediterrâneo, ela é uma deusa associada à fertilidade, amor e da guerra, além de ser a deificação de Vênus. Na Grécia, ela é conhecida como Afrodite e era adorada como uma deusa do amor. No Egito Astarte era uma deusa guerreira emparelhado com Anat. Na Fenícia ela é uma irmã de Asherah e Ba'alat Gebal que é casado com o irmão El por ordem de seu pai Epigeius.

Bes

Divindade egípcia, protetor das famílias, especialmente das mulheres e crianças. Inimigo de tudo o que é ruim e defensor de tudo de bom. Embora originalmente representado como um leão sobre as patas traseiras, as representações posteriores transformou-o em um, figura negra de pele com pele abundante agachada.

Bastet

Na mitologia egípcia, Bastet, é uma divindade solar e deusa da fertilidade, além de protetora das mulheres. Também tinha o poder sobre os eclipses solares. Quando os gregos chegaram no Egito, eles associaram Bastet com Ártemis e ela deixou de ser a deusa do sol para ser a deusa da lua.

Hequet

Heqet é uma deusa-sapo na mitologia egípcia e está associada com fertlilidade e as fases avançadas do parto. Ela deu vida para o novo corpo de Horus durante seu nascimento. Também é considerada como um aspecto de Isis.

Hathor

A deusa com cabeça de vaca do amor maternal e da boa sorte na mitologia egípcia. Ela é a mãe e também a esposa de Hórus. Ela é identificada com a deusa grega Afrodite. Hathor tem muitos outros nomes também, incluindo "Senhora do Templo do Nascimento" e "Mãe dos Deuses e dos Homens".

Hathor era a segunda deusa mais adorada no Egito, depois de Isis. Cleópatra era uma devota fervorosa, e hoje o Templo de Hathor continua de pé.

Taueret

Taueret, ou mais comumente Tawaret, é a deusa egípcia do parto e da fertilidade. Ela já foi a esposa do deus demônio Apep, o caos original, mas eventualmente, ela foi vista como mais benigna. Alguns fazem par dela com o deus Seth, outros associam ela com Ammit.

Seker

Seker é um deus egípcio da morte do Memphis Necropolis e é comumente descrito como um falcão mumificado. No Livro dos Mortos, é dito que ele faz taças de prata e também está associado com a ressurreição ou passagem segura através do submundo.

Sekhmet


No Egito, ela é uma deusa solar, temível com a cabeça de leoa. Ela também rege sobre guerra e doença. Em um mito, Rá se cansou da humanidade e mandou-a para destruí-la. No entanto, quando Rá mudou de idéia, ele tentou impedi-la, deixando ela bêbada. Ela era venerada nos santuários de Mênfis como esposa de Ptah.

Selket

Selket é uma das quatro deusas que guardavam o túmulo de Tutancâmon. Selket é vista como uma deusa benigna, porque ela deu poder sobre seus escorpiões para um grupo de médicos feiticeiros conhecidos como os "Encantadores de Selket".

Thoth

Thoth é um deus importante na mitologia egípcia, comumente descrito como um homem com a cabeça de um íbis ou babuíno. A maioria das representaçõess o mostram segurando um cajado e um ankh. O papel de Thoth é a manutenção do universo e mais tarde associado a resolução de disputas entre deuses, mágia, ciência e escrita.

Khonsu

Khonsu é um deus egípcio antigo cuja principal função era associada com a lua. Seu nome significa "viajante" e isso pode estar relacionada com o curso noturno da lua no céu. Junto com Thoth ele marcou a passagem do tempo. Khonsu foi fundamental para a criação de uma nova vida, em todas as criaturas vivas. Em Tebas, ele fazia parte de uma tríade família com Mut como sua mãe e seu pai Amun. Em Kom Ombo ele era adorado como filho de Sobek e Hathor.

Normalmente ele é retratado como uma múmia com o símbolo da infância, um cacho de cabelos. Ele tem laços próximos com outras crianças divinas como Horus e Shu. Ele às vezes é mostrado usando uma cabeça de falcão como Horus, com quem ele está associado como um protetor e curandeiro, adornado com o disco de sol e lua crescente.

Esfinge

A criatura mitológica que se originou no Egito, e mais tarde foi importada para a Grécia. A esfinge egípcia é mais frequentemente retratada como um leão deitado com a cabeça de um homem. Menos comumente, será um leão com a cabeça de um carneiro, caso em que ele é chamada de "Criosphinx". O exemplo mais conhecido de esfinge egípcia é a Grande Esfinge de Gizé.

Anubis

Anubis é amplamente conhecido como o deus egípcio da mumificação. Nessa função, ele supervisiona o processo de mumificação dos mortos, e é geralmente visto em hieróglifos nas tumbas como supervisionasse o ritual do enterro para os faraós e os da linhagem real - isto é devido aos sacerdotes vestirem as máscaras de Anubis para simboliza-lo como o superintendente do ritual.

Isis

Isis era uma deusa nas crenças religiosas egípcias antigas, cuja a adoração se espalhou por todo o mundo greco-romano. Ela era adorada como a mãe e a esposa ideal, consumidora da natureza e da magia; amiga dos escravos, pecadores, artesãos e os oprimidos, bem como ouvinte as orações dos ricos, das donzelas, aristocratas e governantes.

A deusa Isis foi a primeira filha de Geb, deus da terra, e Nut, a deusa do céu, e nasceu no quarto dia intercalado. É dito que Isis literalmente chantageou o deus supremo Rá, para ele falar seu verdadeiro nome, fazendo um veneno de cobra, que só poderia ser curada por ela mesma. (Rá, por ser um deus, não podia morrer com o veneno, mas continuaria sentindo dor) Em mitos posteriores sobre Ísis, ela teve um irmão, Osíris, que se tornou seu marido, e então ela concebeu Hórus. Isis foi fundamental na ressurreição de Osiris quando ele foi assassinado por Set. Suas habilidades mágicas restauraram seu corpo à vida depois que recolheu as partes do corpo que tinham sido espalhados sobre a terra por Set.

Osíris

Osiris é um dos principais deuses egípcios e o primeiro rei do Nilo. Ele é o filho de Geb e Nut. Seus irmãos são Set, Ísis e Néftis. Ele se casou com sua irmã Ísis e tornou-se o pai de Horus.

Embora hajam muitas variações diferentes de como ele morreu, Set normalmente dito ser o assassino. Após sua morte, Osíris tornou-se Senhor do Submundo e Juiz dos Mortos.

Osíris também era conhecido como um símbolo da ressurreição. Isis realizou um ritual de magia em que ela restaurou sua vida. Ele é geralmente descrito como um homem barbudo envolto em bandagens de múmia e segurando um mangual para simbolizar sua realeza.

Set

Set, também escrito Seth ou Sutah, é uma divindade da mitologia egípcia. Set é a divindade dos desertos, tempestades e caos e serviu como uma das maiores divindades no mito egípcio. Set era casado com a deusa Néftis, que também era sua irmã. Ele matou e desmembrou seu irmão Osiris por ciúmes. Isis, esposa e irmã de Osíris, remontou Osiris e ele (Osíris) se tornou o governante dos mortos. Isis deu à luz o filho de Osíris, Hórus, que se tornou um inimigo de Set. Em mitos anteriores, Set lutou contra Apep cada noite enquanto Rá viajava através do submundo. Set tinha sido demonizado, em certa medida, e os gregos interpretavam ele como uma força do mal, o que pode ser uma das razões pelas quais ele é visto como uma força antagônica nos romances originais.

Hórus

Muitas vezes identificado com o sol, Hórus era conhecido como um dos mais poderosos seres do egípcio. Filho do deus Osíris, ele busca vingança pela morte de seu pai nas mãos do Seth. Era dito que ele e Seth teriam uma batalha sem fim, e quando o sol nascesse, Hórus começaria a triunfar, mas quando o sol começasse a se esconder, Seth começaria a ganhar.

O Faraó do Egito era pensado ser a personificação humana de Horus, e foi responsável por manter Ma'at, ou equilíbrio, no Egito. Quando o faraó morria, ele se tornava a personificação de Osíris.

Os deuses julgaram a batalha entre Hórus e Set, favorecendo Hórus como o deus do dia. O símbolo "olho de Hórus" na arte egípcia representa a cura.

Amon-Rá

Uma divindade egípcia e berbere. Amon-Rá ou Amun representa o essencial que está escondido e Rá representa a divindade revelada. Ele não tinha pais e criou a si mesmo. Ele era o rei dos deuses e bem conhecidos ao lado de Osíris. Suas três esposas são Wosret, Ammunet e Mut.

Ankh

"Ankh" é o símbolo egípcio antigo da vida. Também um nome alternativo para o deus criador egípcio.

Fontes: 

Cerberus Magazine



2 comentários:

  1. Obrigada pela matéria maravilhosa! =) Sou fã deste blog desde 2013

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço por nos acompanhar desde de 2013 x)

      Excluir

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS