segunda-feira, 5 de maio de 2014

Até Que A Morte Nos Separe (Part.1)

Meu nome é Rafael, tenho 28 anos e moro numa casa grande e confortável com a minha namorada Suzana. 

Somos muitos felizes e não gostamos de sair de casa, pois sabemos que ninguém jamais aceitaria o nosso amor. 

Quando os pais de Suzana morreram ela veio morar comigo e prometemos que ficaríamos juntos até o fim. 

Ainda lembro daquele verão onde eu e Suzana fomos acampar, e perto de onde estávamos havia uma árvore enorme. Decidimos subir nela e ver as estrelas. 

Nós subimos, mas Suzana queria ir mais alto, eu disse pra ela não ir, mas ela continuou subindo e subindo até e quando chegou no galho mais alto ele se partiu e ela caiu violentamente. 

Eu desci o mais rápido que pude, mas já era tarde, Suzana já estava morta.

Ela estava tão linda, parecia um anjo dormindo. Eu jamais poderia deixar que as larvas se alimentassem de seu corpo enquanto ela apodrecia de baixo da terra fria. 

Eu a levei pra nossa casa que fica á poucas horas dali. Dei um banho nela pra tirar todo aquele sangue que escorria de seu corpo. 

Coloquei em Suzana a roupa mais linda que ela tinha, espalhei flores por todo o quarto e fizemos amor. Ela ainda estava quente e parecia tão viva quanto antes.

No dia seguinte ela estava fria e pálida, mas ainda assim continuava linda e com um ar angelical. 
A
lgumas semanas se passaram e o cheiro de carne podre ficava cada vez mais forte. Eu não podia me desfazer da mulher que eu amo.

Sabe, eu aprendi a gostar daquele cheiro, agora eu encaro o cheiro de carne podre como um odor afrodisíaco.

Tem dias que o odor fica muito mais forte e eu interpreto isso como uma forma dela me dizer que quer fazer amor comigo.

Eu gostaria de estar morto nesse momento só pra poder apodrecer junto ao corpo de minha amada, enquanto estamos abraçados sendo comidos por larvas e cobertos de terra fria. 

‘’A morte nunca será capaz de nos separar’’. –Amém.   
Autor: Andrey Slv. 

2 comentários:

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS