terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Espíritos presos

Algumas religiões acreditam que quando uma pessoa morre de forma abrupta, seu espírito fica por um tempo preso ao local de sua morte até libertar-se e ir seja lá para onde for... Como, por exemplo, em um acidente de carro onde a morte é rápida, o espírito da pessoa pode ficar por anos junto ao carro sem saber o que aconteceu.

Li muito sobre isso, pois o que aconteceu comigo quando tinha 9 anos me obrigou a buscar alguma explicação plausível que não me deixasse duvidar de minha sanidade mental (fui em muitos psiquiatras, não tenho problema mental nenhum).

Minha família era pequena, apenas minha mãe, dona-de-casa, meu pai, vendedor ambulante, minha irmã e eu. Nós duas dividíamos a mesma cama de solteiro, mas chegou um ponto que não foi mais possível, eu já tinha 9 anos e ela, 12. Então minha mãe decidiu procurar uma beliche para nosso quarto.

Por sermos muito pobres, a única alternativa era procurarmos em lojas de móveis usados. Encontramos uma beliche que minha mãe conseguiria pagar. Era de madeira, aparentemente muito antiga, e com alguns arranhões.

Um amigo do meu pai foi buscar a cama e logo ela estava em nosso quarto. Vendemos nossa cama antiga e assim pudemos comprar mais um colchão. Eu estava muito feliz, pois nunca ganhava presentes como as outras crianças, e uma cama nova era algo incrível para mim.

Meu pai conseguiu alguns restos de tinta de uma obra perto da nossa casa e resolvemos pintar a cama para que ficasse mais bonita. Eu, empolgadíssima, insisti em ajudá-lo. Ele deixou que eu pintasse a parte de baixo e ele pintaria a de cima. Deitei na cama de baixo e, entre uma pincelada e outra, percebi que os arranhões que eu tinha visto no dia da compra da cama, na verdade, eram palavras.

Fiquei um pouco assustada com o que dizia ali. Meus pais disseram para eu não sentir medo, pois era coisa dos antigos donos da cama, mas não consegui evitar. Antes de pintar, anotei cada palavra que dizia ali, numa agenda que guardo até hoje.

“dormir para morrer.” 
“a maldição está aqui.” 
“fuja” 
“não durma.” 
“nunca durma.” 
“ele está aqui.” 
“ele nunca sairá daqui.” 
“ele está em você?” 
“eu dormi e ele está em mim.”

Depois disso, não consegui dormir na cama de baixo da beliche. Implorei para minha irmã que deixasse eu dormir na cama de cima e ela concordou. Me arrependo de ter feito esse pedido à ela até hoje. Naquela noite, antes de dormir, ouvi o último “boa noite” de minha irmã. Eu não fazia ideia do que estava prestes a acontecer, mas mudou minha vida para sempre.

No outro dia, minha irmã acordou perturbada. Ela gritava e dizia que sua garganta e estômago estavam queimando. Minha mãe deu alguns medicamentos à ela, mas não adiantou. Ela urrava de dor e se debatia. A única alternativa foi levá-la correndo para o hospital. Seus últimos 5 dias de vida, foram os 5 dias de internação.

Nenhum medicamento fez efeito. Nenhum tratamento conseguiu curá-la. Seus gritos eram ouvidos de fora do hospital, mas nenhum calmante fazia com que ela dormisse. Ela arrancou os próprios cabelos com as mãos, fazendo seu couro cabeludo sangrar, rasgou a pele dos braços e pernas com as próprias unhas. Ela foi amarrada na cama. No seu último dia de vida, minha mãe implorou que o médico lhe deixasse levá-la para casa. Ela não aguentava mais ver minha irmã naquele estado e, se ela não se curasse, pelo menos estaria em casa, conosco. O médico, após avisar minha mãe de que minha irmã estava em estado crítico e não viveria muito tempo, liberou-a, e uma ambulância nos levou para casa, com ela. A última visão que tive da minha irmã foi dela deitada na parte de baixo da nossa beliche, com apenas algumas mechas de cabelo, com os braços e pernas em carne viva, olhando fixamente para mim. Por algum motivo, a parte branca de seus olhos estava vermelha, cheia de sangue e seu rosto estava roxo devido às pancadas que levou enquanto se debatia. Ela faleceu, deitada naquela cama, duas horas após chegarmos em casa.

Eu só dormi uma noite naquela cama, pois com todo o acontecido, minha mãe permitiu que eu dormisse
junto com ela nas outras noites. Após a morte de minha irmã, ela decidiu vender a cama, pois precisávamos de dinheiro. No dia em que a cama seria levada para uma loja de móveis usados, deitei novamente na parte de baixo da beliche. Tamanha foi minha surpresa ao ver que por cima da pintura haviam palavras:

“ele sempre estará aqui.” 
“não durma aqui.” 
“prisão.”

E, com a letra da minha irmã:
“eu também estou aqui.”

Fonte: http://terrorameianoite.tumblr.com/

Um comentário:

  1. Que história fantástica. Comigo aconteceram episódios realmente cabulosos quando estive em coma. Coisas que, se eu contasse, sairia numa camisa de força. Parabéns pela sua coragem. Depois desse dia, você chegou a ver sua irmã, falar com ela?
    Abraços...

    ResponderExcluir

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS