terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Tempestade em Snagov – O Tesouro do Conde Drácula (Final)


Um fio de sangue desprendia-se do corpo do alquimista morto, indo cair na pequena fresta aberta pelos golpes de picareta na laje pintada. Mas Kalil não percebeu isso. Não, ao menos, até que um chiado forte, como água sobre ferro incandescente, chamasse sua atenção. Vapores fétidos agora emanavam da fenda no piso.

Como se convocado por alguma força sobrenatural, um raio golpeou o teto da igreja, deixando ali um buraco que, em seu formato, parecia uma versão ampliada daquele feito pela picareta na pedra. Ambos tinham o contorno aproximado de um morcego.

Imediatamente depois, um segundo relâmpago passou pela abertura, que ainda ardia em brasa, e atingiu a própria laje sob o altar, reduzindo-a a uma nuvem de faíscas, quentes como o próprio raio e afiadas como navalhas. Essas fagulhas atingiram os olhos de Kalil, causando as dolorosas feridas que iriam levá-lo à cegueira.

Naquele momento, no entanto, apesar da dor, do sangue e das lágrimas, ele ainda enxergava. Pôde ver que, da cratera aberta no chão pelo segundo raio, emergiu a figura, sem cabeça, de um homem trajando roupas que, no passado, talvez tivessem sido envergadas por um grande monarca. Mas, naquele momento, os trajes apresentavam-se puídos e descorados, trazendo consigo o odor acre da sepultura.

O estranho tinha o porte da realeza, movendo-se com gestos sempre majestosos. Aquele poderia ser o vulto acéfalo de um grande príncipe, uma mancha negra de sangue sublinhando o vácuo sobre os ombros.

Kalil ouviu então uma gargalhada profana, vinda, sem sombra de dúvida, do cilindro de couro. Da misteriosa caixa que Ghaji sempre trazia junto de si.

A chuva e os raios intensificavam-se do lado de fora. Das quatro tochas que Ghaji improvisara, usando o compasso e algumas outras ferramentas de madeira, apenas uma permanecia acesa. A água gelada

que se filtrava pelo teto, trazendo partículas de madeira e rocha, escorria pelos cabelos e testa do guerreiro, atingia-lhes as vistas, fazia com que os olhos feridos de Kalil ardessem ainda mais.

Mas ele se sentia incapaz de fechá-los. O príncipe acéfalo abriu a caixa cilíndrica com muito cuidado. E retirou, dali, seu prêmio das Trevas: a cabeça mumificada – mas ainda viva – de Vlad Drácula.

Exceto pelo sorriso e pelos olhos brilhantes, ela era tal como Kalil, que a transportara na ponta da lança durante boa parte do trajeto até Istambul, se lembrava. Uma relíquia sangrenta, de barbas negras e carne vincada pelas dores da morte.

Com dignidade marcial, o corpo fez seu complemento pousar sobre a mancha escura entre os ombros. As feridas que separavam a cabeça e o tronco cicatrizavam de forma lenta, mas perceptível. Havia um som desagradável associado ao processo.

– Você vai viver, e vai se lembrar – amaldiçoou o príncipe que, com uma mesura, se ajoelhou diante de Kalil, beijando-lhe as faces e sorvendo o sangue que escorria dos olhos já quase cegos.

Os instantes se arrastavam. A própria tempestade parecia aguardar que algo emanasse das Trevas de Snagov. E então, um uivo gélido se fez ouvir, vindo de toda parte, vindo da própria terra. Na floresta, além do lago, as alcateias da Transilvânia, manifestando-se pela primeira vez desde a conquista turca, saudavam o retorno de seu mestre.

Um último raio atingiu a base comum às três torres da igreja, fazendo-as ruir com um estrondo. Kalil, distraído pela música das feras, não teve tempo de fugir ou esquivar-se. Rochas atingiram as pernas do soldado, esmagando-as.

O relâmpago foi forte o suficiente para projetar as três cúpulas recobertas de alcatrão por sobre as muralhas, enviando-as diretamente para o fundo do lago.

No acampamento turco montado às margens de Snagov, um sentinela que tremia de fri em meio à violenta tempestade, jura ter visto, nas águas revoltas pelo impacto das cúpulas, um braço humano, já bem decomposto, vir à tona e submergir logo em seguida.

Preso a esse braço, afirma o soldado, havia uma algema e um grilhão, ambos feitos de um metal que, sob a luz dos relâmpagos, pareceu estranhamente dourado...


Pessoal, espero que tenham gostado da história,
mas fiquei triste por vocês não comentarem...
Até a próxima, galera........

2 comentários:

  1. Tava com saudade dos seus contos, são sempre bem escritos, intrigantes e divertidos. Continue postando, pleeease... PS: Que bom q voltou, pensei q vc tinha morrido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKKK.
      Como diz meu grande amigo Michael (Príncipe Gangrel de Constantinopla): "Não se pode matar o que já está morto"....
      Que bom que você comentou, querida. Aliás, seus comentários me motivam muito, sabia? Estive fora por motivos trabalhistas, mas agora estou tentando obter um tempinho pra postar algumas histórias.
      Agradeço de coração seu comentário.

      Excluir

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS