sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Revenant

Revenant - em português, o retornado - é um fantasma visível ou um cadáver animado, que acredita-se voltar do túmulo para aterrorizar os vivos. A palavra "revenant" é derivado do latim, reveniens, "retorno" (no francês, o verbo "revenir", que significa "voltar").

Histórias vívidas de retornados surgiram na Europa Ocidental (especialmente Grã-Bretanha, e mais tarde foram relatadas por invasores anglo-normandos à Irlanda) durante a Alta Idade Média. Embora a lenda e folclore retrate os revenants como criaturas, em vida eles eram indivíduos que sofreram uma morte violenta e injusta, que foi atraiçoado, emboscado ou traído por alguém em quem confiava. No momento de sua morte, a revelação é tão traumática que se cristaliza em um desejo esmagador de obter vingança custe o que custar, então, retornam para vingar-se. Na maioria dos relatos medievais, eles voltam para assediar suas famílias e vizinhos.

Retornados compartilham uma série de características com os vampiros folclóricos, ambos são o produto resultante de uma pessoa que retornou dos mortos e vaga por aí se alimentando de sangue.

O que diferencia o Revenant de uma Assombração é o fato dele se manter de alguma forma ligado aos seus restos mortais, portanto é um fantasma incorpóreo, que busca habitar novamente seu corpo putrefato com o intuito de matar seu inimigo, pois só assim poderá descansar.

O Revenant pode escolher uma ou mais pessoas para localizar seu cadáver se este tiver sido ocultado ou enterrado em lugar inacessível. Uma vez capaz de retornar ao seu corpo, o espírito embarca em uma missão implacável e não irá parar até destruir quem tomou a sua vida. Uma vez habitando seu corpo original, o Revenant se assemelha a um zumbi que mantém parcialmente a sua inteligência. Ao extrair sua vingança geralmente de forma brutal, o cadáver se desmancha em um monte de poeira. A resposta dos habitantes dos locais atacados, normalmente é a exumação, seguida por alguma forma de decapitação, e a queima ou a remoção do coração do retornado enquanto ele está repousando no túmulo.

Várias histórias implicam que também praticaram a drenagem do sangue do cadáver. Devido a isso, retornados, por vezes, foram descritos como "vampiros" por uma série de autores de livros populares sobre lendas de vampiros, começando com Montague Summers. Medievalistas, no entanto, em grande parte são céticos em relação a essa interpretação, possivelmente porque acredita-se que as lendas de vampiros foram originadas no folclore do leste europeu e tornaram-se conhecidas do público ocidental só mais tarde, através de relatórios vindos do oriente, no século 18. Vampiros não aparecem na ficção ocidental (com modificações) até o final do século 18 e início do século 19, começando com autores como Robert Southey, Lord Byron e John William Polidori. No entanto, antropólogos e folcloristas tendem a borrar as distinções entre as várias formas de "Mortos-vivos", para as quais existem homólogos nos mitos e lendas de quase todas as civilizações que remontam ao início da história. (Ou seja, existem histórias de mortos-vivos/espectros sugadores de sangue em quase todas as culturas, desde os primórdios da história. Seria apenas coincidência?).

William de Newburgh

William de Newburgh (1136 ? -1198?) Escreveu de uma série de casos "...como um aviso para a posteridade". Ele diz que essas histórias eram muito comuns e que "se eu fosse anotar todas as ocorrências desse tipo que eu apurei terem acontecido em nossos tempos, o empreendimento seria além da medida trabalhosa e problemática".

Uma história envolve um homem de "má conduta", estava sempre às margens da lei, ele fugiu de York e fez a escolha malfadada de se casar. Tornando-se ciumento com sua esposa, ele se escondeu nas vigas de seu quarto e pegou-a em um ato de infidelidade com um jovem local, mas, em seguida, acidentalmente caiu no chão, ferindo mortalmente a si mesmo, e morreu alguns dias depois.

Como Newburgh descreve:

Um enterro cristão, de fato, ele recebeu, embora indigno dele, mas isso não o beneficiou muito: para a emissão, pela obra de satanás, ele ergueu-se do seu túmulo durante a noite, e perseguido por uma matilha de cães com latidos horríveis, ele  perambulou através das estradas e ao redor das casas, enquanto todos os homens fechavam rapidamente suas portas, e não se atreviam a sair de casa para irem a qualquer lugar que fosse, a não ser do período que o sol nascesse até ele se pôr, por medo de encontrarem e serem atacados por esse monstro errante.

Um grande número de aldeões foram mortos pelo monstro e assim:

Então, pegando uma pá, mas indiferentes com sua amolação, apressaram-se para o cemitério. Lá eles começaram a cavar, e enquanto eles estavam pensando que teriam de cavar a uma profundidade maior, de repente, notam que grande parte da terra já havia sido removida, revelando o cadáver, inchado e de uma enorme corpulência, com seu semblante além da medida inchado e repleto de sangue, enquanto o sudário em que tinha sido envolvido, estava quase despedaçado. Os jovens, no entanto, estimulados pela ira, não temiam, e infligiram uma ferida em cima da carcaça desfalecida, da qual jorrou um grande fluxo de sangue, que havia sido tomado por esse sanguessuga, preenchido com o sangue de muitas pessoas. Em seguida, arrastando-o para além da aldeia, eles rapidamente construiram uma pira funerária, e enquanto um deles dizia que o corpo pestilento não iria queimar a menos que seu coração fosse arrancado, outro abria seu peito com repetidos golpes de pá, e, com sua mão, arrancou para fora o coração amaldiçoado. Este, sendo rasgado aos poucos e o corpo agora entregues às chamas....

Em outra história, Newburgh conta o relato sobre uma mulher cujo marido havia morrido recentemente. O marido havia retornado dos mortos e vinha visitá-la à noite, em seu quarto e ele "... não apenas aterrorizou ela ao desperta-la, mas quase esmagou-a com o peso insuportável de seu corpo". Isso repetiu-se por três noites, e o retornado passou a repetir essas visitas noturnas com outros familiares e vizinhos próximos e "... assim se tornar um incômodo sério" , eventualmente estendendo suas caminhadas em plena luz do dia, ao redor da aldeia. Posteriormente, o problema foi resolvido pelo bispo de Lincoln, que escreveu uma carta de absolvição, sobre a qual o túmulo do homem foi aberto, enquanto o seu corpo estava lá. A carta foi colocada em seu peito, e o túmulo re-enterrado e selado.

Abade de Burton

O Inglês Abade de Burton, conta a história de dois camponeses em fuga, por volta de 1090, que morreram subitamente de causas desconhecidas e foram enterrados, mas:

No mesmo dia em que foram enterrados, apareceram à tarde, enquanto o sol ainda estava de pé, carregando em seus ombros os caixões de madeira em que eles haviam sido enterrados. Toda a noite seguinte eles vagavam pelos caminhos e campos da aldeia, agora em forma de homens carregando caixões de madeira sobre os seus ombros, agora, à semelhança de ursos ou cães ou outros animais. Eles falavam com os outros camponeses, batendo nas paredes de suas casas e gritando "Movam-se rapidamente, movam! Vamos! Venham!"

Os moradores ficaram doentes e começaram a morrer, mas, eventualmente, os corpos dos retornados foram exumados, as suas cabeças foram cortadas e seus corações retirados, o que pôs fim à propagação da doença.

Walter Map

O cronista Walter Map, um escritor galês do século 12, conta a história de um "homem mau", em Hereford, que ressuscitou dos mortos e vagou pelas ruas de sua aldeia à noite, gritando os nomes de quem iria morrer da doença, dentro de três dias. A resposta do bispo Gilbert Foliot foi "desenterrar o corpo e cortar a cabeça com uma pá, polvilha-la com água benta e reenterrá-lo".

Até poucas décadas atrás, ainda haviam casos em que retornados e fantasmas famintos perturbavam seus parentes. A solução encontrada por essas pessoas foi a exumação dos corpos. Com o advento da vida moderna, as pessoas abandonaram o habito de resolver o problema dos retornados fazendo "justiça com as próprias mãos" mas isso não quer dizer que os retornados deixaram de existir...

Fontes:

Posts Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS