sábado, 21 de dezembro de 2013

Projeto: Demoniac Personality. Não pode ser... Cap 10

- Rafaela? O que aconteceu? – Vitoria pergunta enquanto abre a porta.
- Na... De... Mas... – Respondo ainda tremula e assustada.
- Você viu ‘’ele’’ de novo? – Vitoria pergunta preocupada e Alexandre fica com uma expressão de quem não esta entendendo nada. Também... Quem entenderia?
- Não... – Respondo tentando conter as lagrimas. Alexandre vai rapidamente para a cozinha e pega um copo de água para mim. Bebo a água lentamente, soluçando.
- Ei, eu não sei o que está acontecendo, mas vamos jogar. Só para distrair um pouco. – Alexandre fala com um pequeno sorriso em seu rosto. Não custa nada e pode ser divertido.
- Tudo bem. – Respondo enquanto seco minhas lagrimas na camisa.

Jogamos um jogo de luta, depois um corrida, outro de aventura e por fim um de tiro. Já estava tarde e Vitoria estava dormindo no sofá.
- Ei, você pode ver fantasmas, certo? – Alexandre pergunta enquanto estava com os olhos concentrados no jogo.
- Posso. Por quê? – Pergunto com um tom entristecido na voz, pois falar disso não me trás boas lembranças.
- Porque isso parece legal e assustador ao mesmo tempo. Não deve ser fácil viver com isso. – Alexandre afirma enquanto me mata no jogo.
- Você tem razão. Não é nada fácil. – Afirmo dando pausa no jogo. – Estou cansada. Se importa se eu for dormir agora? – Pergunto sonolenta. Realmente estou cansada, mas não queria deixá-lo sozinho.
- Tudo bem. Eu já ia perguntar o mesmo. – Alexandre fala com um sorriso em seu rosto. Levanto-me e vou para meu quarto.

Chegando ao meu quarto, resolvo ligar o computador e pesquisar os nomes Dantalion e Judai. Dantalion aparece segurando um livro em sua mão direita. Pode mudar os pensamentos das pessoas e ensina qualquer coisa. Existem vários relatos de pessoas que o invocaram. Hã? Eu achava que pactos apenas envolviam almas, mas eles alegam estar pagando com esses depoimentos de invocações bem sucedidas. Isso é estranho. Agora vou pesquisar sobre Judai. Hã? Apareceu um personagem de um desenho... Nesse desenho eles ‘’duelam’’ com monstros que são invocados das cartas. Eu ouvi o nome dele errado? Provavelmente. Estou morrendo de sono agora. Fecho o computador e me deito em minha cama.

Mas será que Leandro está bem? Talvez já tenha acordado. Espero que ele esteja melhor. Ele parecia um demônio naquela hora, mas ele ainda tinha sua mentalidade. Então, ele ainda deve ser o Leandro que eu conheço, mas eu realmente o conheço? Não sei quem são seus pais, o que aconteceu com eles, e nem sei onde ele mora, ou em que sua tia trabalha. Eu apenas conheço o que ele me mostra. Me sinto um pouco triste e angustiada por pensar nessas coisas. E se ele estiver apenas brincando comigo? Ele pode ser realmente um demônio e apenas está jogando comigo... Não pode ser. Não pode! Leandro não é assim! Meu coração esta começando a doer. Por quê? Será que eu realmente amo ele? Mas e se ele estiver brincando comigo? Esses pensamentos apenas fazem meu coração doer mais e mais. Que droga... Estou começando a chorar de novo. Eu realmente sou muito chorona...
- Por favor, apenas não esteja brincando comigo Leandro. – Falo baixinho com voz tremula. Sou realmente idiota... Droga...

Acabo dormindo e sonho com Julieta brincando comigo, quando éramos pequenas. O que aconteceu para ele ter tanta raiva de mim? Éramos muito amigas quando pequenas. Ela der repente mudou comigo, na mesma época em que os pais dela morreram no incêndio. Mas eu não tenho nada haver com isso. Será que ela suspeita de mim? Levanto da cama e vejo o cachorrinho da porta. Esse cachorrinho... Quem é ele? Desvio o olhar dele e quando olho novamente ele não esta mais lá. Um cachorrinho ninja?
- Rafaeeelaaaa. Hora de almoçar. Você já dormiu muito, venha ao menos almoçar. – Minha mãe grita para mim. Desço para a conzinha e me sento no meu lugar na mesa. Apos comer Alexandre vai para a sala e liga o seu vídeo-game e Vitoria senta para jogar com ele. Eu fico apenas no sofá olhando Vitoria perder de 50 a 0 no jogo de tiro.
- Rafaela, quer jogar? – Alexandre me pergunta e Vitoria sorrindo me entrega o controle.
- Tudo bem. – sento no chão ao lado de Alexandre e começamos a jogar.

Já tinha jogado contra ele nessa fase e ele sempre começava com a mesma estratégia. Pegava um esconderijo onde era uma falha no jogo, ele não poderia atacar e nem ser atacado, mas saia com algum tempo depois. No momento em que ele ia saindo eu joguei uma granada e o matei. Vitoria ficou indignada, pois não conseguia matar ele uma única vez e eu consegui de primeira. Hahahaha... O jogo terminou com 15 a 13, para Alexandre.
- Isso esta errado. – Vitoria afirma tremula. Parece que não acredita que sua irmã mais nova é melhor que ela... HAHAHAHA.
- Você que é ruim! – Afirmo com um sorriso que tentei conter, mas eu realmente estou feliz. Jogamos eu e Vitoria. O jogo terminou em 16 a 10 para mim, é claro. Depois trocamos para um jogo de corrida. Nesse eu não ganhei uma única vez. Já estava 4 da tarde eu resolvi ir a lanchonete comer um pastel. Alexandre e Vitoria decidiram vir comigo. Eu pedi o meu preferido de sempre, um de queijo com frango. Vitoria pediu um de apenas carne e Alexandre um de apenas queijo. Conversamos sobre coisas aleatórias. Alexandre ate pediu um emprego lá e queria um bom pagamento fora um pastel daqueles por dia, e o pior, a dona da lanchonete aceitou. Disse que ele pode começar a trabalha na segunda.

Voltando para casa encontramos com Leandro no meio do caminho... Ele esta com algumas faixas no braço esquerdo e no pescoço. Será que está muito ferido?
- Vamos Alexandre. Quero ganhar de você. – Vitoria fala puxando Alexandre e me deixando sozinha com o Leandro... Maldita...
- Desculpa pela noite passada. – Leandro se desculpa timidamente.
- Não se desculpe. Você não teve culpa... Você esta bem agora? – Pergunto preocupada. Ele está todo enfaixado, deve estar bem machucado.
- Claro que estou! Sou um homem forte, esses machucados não vão me deixar de cama, mas eu realmente não sei como eu me machuquei tanto... Eu apenas desmaiei, não foi? – Leandro pergunta confuso. Ele realmente não se lembra de nada? Será que eu deveria contar a ele? Não, Judai pediu para eu não comentar nada com ele e com que cara eu vou dizer ‘’Você me beijo!’’?
- Foi... Fiquei muito preocupada. – Respondo sem conseguir olhar para seu rosto.
- Desculpe se te preocupei. Eu queria apenas me divertir com você um pouco, mas estraguei tudo. – Leandro afirma entristecido. Ele está realmente triste. Me sinto mal em ter que esconder o que realmente aconteceu para ele. Eu vou contar... Não quero que ele se sinta culpado.
- Na verda... – Sou interrompida por um grito de uma mulher saindo de uma, limusine. – Maldito garoto... Volte aqui agora! Você não está em condições para sair por ai, moleque! – Essa é a Lucindra. Ela está correndo para cá. Hã? Leandro repentinamente me segura em seus braços e sai correndo comigo... Ele está realmente fugindo dela? – Você não deveria ter saído de casa não é? – Pergunto irritada enquanto ele corre comigo. Esse teimoso, vai acabar piorando o seu estado.
- Eu já estou bem, mas ela quer me deixar preso em casa. – Leandro afirma enquanto tenta despistar sua tia. Depois de algum tempo correndo, Leandro consegue despistar sua tia, me coloca no chão e senta em uma cadeira da lanchonete onde paramos.
- Você... Você deveria estar em casa não era? – Pergunto irritada. Ele não quer cuidar da própria saúde. Ele cuspiu sangue e está todo enfaixado... Como poderia estar bem?
- Bem... Era, mas já estou me sentindo ótimo. – Leandro afirma com um sorriso e respiração pesada. Levanto minha mão e bato em seu braço enfaixado. – Aaaaiii... Por que fez isso? – Leandro pergunta com uma expressão de dor.
- Viu... Você não está bem... Você não quer cuidar da sua saúde não? Vai ficar pior se continuar assim... – Afirmo calmamente. Hã? Ele está irritado... – Desculpe, eu só estava preocupada... – Afirmo com voz entristecida.
- Desculpa... Eu que sou o teimoso aqui. Depois de comer eu volto para casa e descanso direito. Não se preocupe. – Leandro afirma sorrindo. É impressão minha ou ele parece mais bonito? Mais atraente... Nam... Para de pensar nisso. É só impressão, impressão.
- Tudo bem, mas você sabe que ela deve estar de guarda na lanchonete com seu pastel preferido. – Afirmo me sentando a mesa com ele. A garçonete entrega o cardápio e fica de longe olhando para ele. Ela está interessada nele? Espera... Todas as garotas que estão passando pela gente estão olhando para ele e sorrindo. Ele sempre foi tão popular assim?
- Então vamos comer aqui. Pode ser? Eu pago. – Leandro afirma sorridente. Mas acabei de comer.
- Eu acabei de comer... – Falo calmamente. Leandro parece entristecido... – Mas um refrigerante seria bom. – Afirmo com um sorriso e ele sorri de volta. Ele pede um sanduíche e 2 refrigerantes. Depois de comer ele me chama para dar uma volta na praça. Eu aceito e nós vamos para o meio dela, onde não tinha ninguém alem de nós... Meu coração começou a bater mais rápido... Será que ele vai me beijar aqui? Se declarar?
- Você está vermelha. Está bem? – Leandro pergunta colocando sua mão na minha testa. Eu... Estou pensando besteiras de novo...
- Não é nada. – Afirmo abaixando a cabeça, envergonhada.
- Você sabia que a Julieta também pode ver entidades? – Leandro pergunta seriamente. Como assim? Ela pode ver? Então porque ela me julgou todo esse tempo?
- Pode? – Pergunto completamente espantada.
- Sim, mas não no mesmo nível que você, em um nível um pouco inferior. – Leandro afirma calmamente.
- Mas... Porque ela fica me xingando e excluindo? – Pergunto ainda surpresa.
- Eu não sei! – Leandro afirma inquieto. – Mas deixando isso de lado. Tenho uma coisa para lhe dizer. – Leandro afirma inquieto e relutante. Será? Meu coração está batendo muito rápido... Ele vai mesmo se declarar para mim?
- E... O que é? – Pergunto tremula. Ele segura meus ombros e repentinamente me joga no chão. Mas o que? Ele é louco? Hã? Uma espada esta presa no chão mesmo no local onde eu estava...
Leandro sorri – Eu... Finalmente entendi o que aquele cara queria dizer com aquilo... Demônios não devem pensar em anjos. Isso apenas trará problemas para os anjos. – Leandro olha para mim sorrindo, mas seu sorriso parece tão triste, sua aura esta tão melancólica e de seu olho escorre um lagrima.
- Abigor... Irá morrer aqui e agora! – Um homem magro, completamente enfaixado surge do escuro. Parece uma múmia. A espada levita e vai para a mão dessa múmia.
- Não sou Abigor e nem pretendo ser. – Lembro afirma irritado e seus olhos começam a ficar roxos e a brilhar. – E mesmo que fosse não irei morrer aqui e nem agora. Ainda tenho muito para fazer. – Um sorriso começa a surgir em seu rosto e ele corre em direção à múmia. A múmia começa a tentar acertá-lo com sua espada, mas ele fica desviando rapidamente. Seus movimentos são muito difíceis de acompanhar.
- Por que não usa tudo que tem Abigor? Caso não se apressar em usar eu irei usar o meu sem nenhum ressentimento. – A múmia grita irritada enquanto tenta acerta Leandro que se aproxima aos poucos. Ele esta se contendo? Mas por quê? Hã? Ele... Foi acertado pela múmia... A espada transpassou o seu tórax e ele parou de se mover.
- Leaaandroooo... – Grito desesperada e lágrimas começam a sair de meus olhos. Não pode ser. Ele não pode morrer, certo? Ele é um demônio, ou seja lá o que for... Ele sempre me surpreende, ele não pode morrer aqui.
- Hã? Já morreu? Serio isso? Deram-me uma seqüência imensa de avisos e você morre tão fácil? Que droga. – A múmia fala segurando o pescoço de Leandro ainda com a espada encravada em seu tórax. Ele realmente morreu? Não pode ser... Mas não posso discutir com o que está á minha frente. Leandro morreu... Minhas lagrimas param e eu fico apenas ali, olhando para aquela cena horrível. Sem sentir nada, fazer nada ou pensar em nada. Sinto-me morta, serei morta de qualquer forma. Já que ele começou a vir em min

Continua...
Próximo capitulo: Sentirei sua falta.
Escrito por: Luan

Espero que tenham gostado. :) ~Luan

2 comentários:

  1. Pq quando eu lu o tìtulo eu lembrei do meme "NAO PODE SE" :p

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois de eu postar eu pensei na mesma coisa... kkk

      Excluir

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS