terça-feira, 26 de novembro de 2013

Projeto: Demoniac Personality. Demônios não devem pensar em anjos. Cap.9

Parece que resolvi meus problemas bem antes do esperado '-'...
Que bom né... Espero que gostem. ~Luan


Serio mesmo? Leandro não ira mais voltar... Droga, logo agora... Hã? Uma chuva de fogo cobre tudo a minha frente. Abigor larga-me e encara um caminho de fogo que se forma a nossa frente e começa a emanar sua tenebrosa aura. Palmas ecoam por todo o local e se focalizam aos poucos em um único ponto, de onde surge um homem com cabelos brancos de bordas vermelhas, usando uma mascara.
- Abigor! Não imaginava que iria se libertar tão cedo! – O homem fala com um tom entusiasmado.
- Pois é, parece que esse garoto era mais humano do que imaginávamos. Se apaixonar pela sua presa, que triste. – Abigor afirma com um grande sorriso. Presa? Por acaso está falando de mim? Dês de quando eu sou uma presa? E... Leandro se apaixonou por mim?
- Verdade, mas isso apenas mostra ate onde humanos são capazes para proteger quem amam. Ao contrario de você Abigor. Apenas um demônio egoísta e sanguinário. Admita, você não sente vontade de vingança para com Miguel, apenas quer mais uma guerra sem sentido. – O homem afirma enquanto as chamas ao seu redor dissipam.
Abigor gargalha e logo após encara o homem com um olhar ameaçador. – Quem dera... Aquele desgraçado acabou com o meu exercito, acabou com minhas prostitutas, acabou com meu corpo e acabou com meu cavalo... Meu precioso cavalo... Eu estava contentado com a minha morte para ele. Isso estava decidido dês do inicio do mundo, mas agora, eu quero destroná-lo e você vai me ajudar nisso... Já que é um dos poucos que não estão presos ao destino. Sua criatura anômala! – Abigor afirma confiante e com um grande sorriso. Então é assim... Aquele homem irá ajudá-lo e o fim do mundo chegará. Parece que estou vivendo em uma espécie de filme, um tipo de filme que sempre odiei.
- Rá... - O homem grita. – Quer saber de uma coisa? Eu não gosto nada desse destino em que o mundo se encontra. Apenas um único fim? Que piada. Não temos escolhas? Que injusto. Devemos seguir calados? Não concordo. Eu agora decido mudar o futuro, a partir de agora cada um terá suas escolhas e infinitas chances de mudar o futuro. – O homem fala confiante. Quem ele acha que é? Deus?
- E como pretende fazer isso? Apenas por estar fora do livro do destino não significa que você pode mudar tudo. Apenas uma parte. Você não é o deus supremo, é apenas uma anomalia no universo. – Dantalion grita enfurecido.
- Caro Dantalion... Há quanto tempo. Como tem passado? Não responda... Eu não me importo. Em seu destino Abigor, está escrito que eu iria ajudá-lo, mas eu não sou obrigado a isso. – O homem fala calmamente.
- Mesmo assim, isso não irá mudar muita coisa. Eu não esperava muito de você mesmo. Basta eu continuar aqui. Você seria uma ajuda opcional. – Abigor afirma desaparecendo. Ele reaparece com sua lança nas costas do mascarado e tenta acertá-lo. Hã? De onde essa garota saiu? Uma garota está segurando a lança de Abigor, impedindo que atinja o mascarado.
- Primeiramente. Meu nome é Judai. Segundamente... Abigor... Olhe para o chão! – O homem fala com um tom de voz sádico. Abigor olha para baixo e um círculo de luz, com símbolos brilha e Abigor cai de joelhos inconsciente. O que aconteceu? – Terceiramente, garotinha... Entre nesse circulo. – O homem fala apontando para minha frente, um circulo de luz surge a um passo de distancia a mim, eu mesmo não... E se eu ficar inconsciente também? Ele ira querer fazer alguma coisa comigo e com o Abigor, certo? Será que... Ele irá querer dissecar o corpo de Leandro e o meu achando que também sou uma deles? – Você quer trazer o Leandro de volta ou não? Se você entrar nesse circulo, irá entrar no subconsciente de Leandro e poderá puxá-lo para fora, enquanto Abigor dorme. Vamos, ande logo! – O homem afirma irritado. Eu posso trazer Leandro de volta? Pulo rapidamente dentro do circulo minha visão apaga.

Onde estou? Está tudo tão escuro. O único foco de luz está atrás de mim. Tenho que encontrar Leandro e trazê-lo para essa luz? Bem, é a única coisa que posso fazer.
- Alguém? Alguém por favor... – Uma voz de criança a minha frente. Sigo em linha reta e encontro um garotinho encolhido, ele me é familiar. Será o Leandro quando era mais novo?
- Ola! Você é o Leandro? – Pergunto tocando a criança. Hã? Minha mão esta manchada de sangue... O garoto olha para mim com lagrimas nos olhos. Esse garoto... É o mesmo da minha visão... Aquele da igreja...
- Quem é você? Você deveria sair daqui... Esse não é um lugar para você. Existe um grande monstro aqui... Você não pode com ele. – O garota afirma me puxando em direção a luz. Ele está completamente ensangüentado. Exatamente igual ao garoto da igreja.
- Mas eu estou atrás de uma pessoa... Um amigo meu... Eu não posso ir agora! – Afirma parando de andar.
- Mas... Eu não quero que mais ninguém se machuque por minha causa... Por favor vá embora. Aqui não é seguro. – O garoto afirma choroso.
- Não posso... Você é o Leandro, certo? – Pergunto com um pouco de medo.
- Sim e não... Não sou o verdadeiro Leandro... Você está atrás dele? – O garoto pergunta me olhando fixamente.
- Sim, você sabe onde ele está? – Pergunto animada, pois ele deve saber onde é.
- Sei... Venha. – O garoto afirma sem expressões e anda em linha reta. O sigo ate um trono feito de ossos. Há uma pessoa sentada nele.
- Leandro? – Pergunto sentindo um forte medo em meu peito. Duas orbitas brilhantes roxas aparecem repentinamente. Parece ser seus olhos.
- O que esta fazendo aqui Rafaela? Você deveria está aos braços de Abigor a essa hora. – A voz de Leandro afirma com um tom de irritado. Ele esta achando que eu sou o que?
- Você acha que eu sou o que? Uma prostituta que cairia aos braços de um demônio com tanta facilidade? Eu estou começando a me arrepender de ter findo aqui lhe salvar. – Grito, furiosa.
- Me salvar? Não há mais salvação para mim! – Leandro afirma com um tom triste. Hã? Apenas vejo o borram de sua imagem, mas eu estou vendo chifres nele?
- Claro que há. Um homem chamado Judai apareceu e pós Abigor para dormir, agora, você só precisa sair. Venha. – Afirmo animada.
- Não reparou em minha imagem? – Um brilho roxo cobre todo o local e... Hã? Esse é o Leandro? Seu corpo está coberto por tatuagens estranhas e ele possui chifres. Estou sentindo muito medo agora, mas ainda é o Leandro não é? – Viu? Apenas de ver minha imagem seu corpo treme, seus olhos lacrimejam e sua alma implora para que me abandone. Não sou mais humano, antes ate poderia dizer que era, mas agora estou quase completamente fundido com Abigor... Seu poder, seus sentimentos, sua angustia, maldade e sangue fluem pelo meu ser agora. Então saia daqui e me deixe, não sou mais o Leandro, o humano insano que lhe salvou. Agora eu sou um demônio sanguinário e insano! – Leandro afirma seriamente.
- Mas se você diz isso, significa que ainda é o Leandro. Um rapaz que não quer causar mal a ninguém e que apenas quer ajudar. Sua forma pode ter mudado, seu poder pode ter aumentado, mas ainda é você. O Leandro que me salvou e continua me salvando ate mesmo sacrificou sua humanidade por mim. Venha comigo. Eu quero lhe ver lá fora e não aquele demônio Abigor! – Grito, tentando desesperadamente convencê-lo a vir comigo.
Leandro me olha com espanto. Sua face entristece e depois ele sorri. – Tudo bem. Vamos. – Leandro afirma levantando-se do trono, rapidamente me segura nos braços e corre para a luz.

Após passar pela luz acordo deitada no chão. Levanto e corro para onde Leandro estava acordando.
- Pare de ser um incomodo Judai! – Uma mulher incrivelmente linda grita com Judai.
- Qual é... Eu não sou uma anomalia? Devo fazer coisas anômalas. Porque se não, eu perco o motivo de minha existência... Certo Lucifer? – Judai afirma com um tom sarcástico. A garota que o ajudou aparece por detrás dele... Hã? Ela acertou um chute na cabeça de Judai... Ele saiu ‘’voando’’ para onde eu e Leandro estamos. Leandro ainda esta acordando, parece estar muito fraco... – Lindia! O que diabos, acha que esta fazendo? – Judai grita furioso, enquanto sua mascara cai aos poucos, mostrando um rosto branco como uma folha de papel e olhos completamente negros.
- Você estava pensando coisas inapropriadas com ele não era? – Lindia afirma confiante.
- Não, eu não estava! – Judai grita furioso enquanto se levanta.
- Não adianta dizer que não! Eu sei bem como os homens pensam... E você estava pensando em trair a garota que ama certo? Não pense essas coisas, eu já te falei. – Lindia afirma calmamente. Ela é uma especialista ou uma paranóica?
- Pare de agir como se soubesse ler meus pensamentos, por que você não sabe! – Judai grita ainda mais furioso.
- Não preciso saber... Eu sei. Eu entendo muito bem os homens e principalmente você! – Lindia afirma com um fofo sorriso. Como ela pode falar desse tipo de coisa com tanta inocência?
- Lindia... Eu vou te queimar inteira se você continuar... – Judai irritado, pondo a mão no rosto. Deve esta tentando se controlar.
- Viu só... Judai sempre quer fazer coisas pervertidas comigo. Judai sempre quis se deliciar no corpo de Lindia, mas Judai não pode, pois mesmo tendo o corpo de Lindia, Judai já ama alguém, e se Judai ama alguém, Lindia não pode deixar Judai fazer coisas pervertidas com ninguém, nem com Lindia... – Lindia termina de falar segurando seus seios. Começo a achar que a pervertida aqui é essa garota...
Hã? As roupas de Judai estão pegando fogo... Ele está com um olhar de morte... Ela não deveria ter falado essas coisas. Judai olha para mim e as chamas em sua roupa somem. – Vejo que já o trousse. Isso é bom, mas garotinha. Lembre-se que ele não se lembrará de nada que aconteceu aqui... Nada mesmo e não comente nada com ele. – Judai afirma calmamente. – Demônios não devem pensar em anjos, isso apenas trará problemas para os anjos. – Judai fala enquanto abri uma espécie de portal ao nosso lado. Leandro parece estar dormindo. O que eu faço agora? – Quando voltar ao seu mundo, pegue o celular de Leandro e ligue para a tia dele. Diga que ele desmaiou sem mais, nem menos e que você esta preocupada sem saber o que fazer. Ela virá buscá-lo e a deixará em casa. – Judai afirma calmamente. E vira-se para a Lúcifer e abre um grande sorriso. – Vê? Eu fiz com que ele superasse a influencia de um demônio uma segunda vez. Eu fiz algo alem de um milagre, eu acabei de quebrar um conceito que foi aceito como verdade absoluta. Vê Lúcifer? – Judai afirma euforicamente, com grande satisfação, enquanto os outros demonstram imensa raiva e ódio.
- O destino mudou?... Sim, mudou!... Essa mudança será boa ou ruim?... Boa ou ruim?... Ao menos será boa para mim! – A voz da garota de olhos vermelhos que, apareceu em meu sonho ecoa pela minha mente. O que isso significa? Hã? O anel que eu não conseguia tirar partiu-se ao meio... Pego as duas metades do anel e passo pelo portal junto com Leandro.

Estou na frente do parque e tudo está normal. Faço como Judai me falou e Tia do Leandro vem nos buscar. Leandro não acordou no caminha da minha casa. Lucindra fala que ele apenas precisa de um descanso e ignorou meu pedido de levá-lo a um hospital. Estou preocupada com o Leandro... Quem eram aquelas pessoas? Judai... Ele é um aliado? Eu posso confiar nele? E aquela voz... O que significa o que ela falou? Foi apenas minha imaginação?... Aiiii minha cabeça... Estou confusa, muito confusa... E esse anel... O que significa ter quebrado agora?
- Significa que não será muito bom para você! – A voz da garota ecoa em minha mente.
- Quem é você? E o que quer? – Pergunto na esperança de não haver resposta.

- Eu já lhe disse quem sou... Olhe para o espelho. – A voz fala tranqüilamente. Olho para o espelho que estava próximo a mim... Minha... Imagem, esta... Se transformando... Meus cabelos ficam brancos, meus olhos vermelhos, minha pele de um pálido mórbido e um grande sorriso surge em meu reflexo. – Eu sou Satã! – Meu reflexo afirma alegremente. Meu reflexo volta a mim e me mostra chorando... Droga... Porque isso tem que acontecer comigo? Estou com medo... Muito medo...

Continua...
Escrito por: Luan

Um comentário:

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS