sábado, 12 de outubro de 2013

Projeto: Demoniac Personality. Por que Nunca Responde? Cap. 2

Saio de perto dele e vou para minha casa. Chego a minha casa e explico para minha mãe sobre o que aconteceu na escola e ela irritada pega o telefone e liga para o diretor e começa a tagarelar sobre o que teria acontecido, falando sobre a provocação que a garota me fez, sobre limites humanos e sobre o ocorrido... Subo para o meu quarto, tiro a blusa do garoto do parque e deito em minha cama. Aahh, que dia cansativo. Quase fui abusada, nocauteei o meu professor, bati na maldita da Julieta e conheci um garoto estranho... Serio, como alguém pode fazer tudo aquilo com um sorriso imenso e depois mostrar preocupação? Ele deve ser bipolar, só pode! Tomo banho e desço para a cozinha para almoçar.


- Rafaela! Falei com o diretor e ele falou que anularia a sua suspensão, mas recomendou que amanhã ficasse em casa para recuperar-se do que aconteceu! – Fala minha mãe pondo a comida na mesa.
Que bom, é bife, farofa e baião... Humm, meu prato preferido! Sento-me para comer e depois volto para o meu quarto e passo o resto do dia dormindo. Acordo no meio da noite às 3 horas em ponto. Fico assustada, pois sou um pouco supersticiosa, e esse horário é conhecido como a hora do diabo, mas não ligo muito para isso e desço para beber água. Chegando à cozinha escuto sussurros. Algo esta aqui... Mas... Será? Será que é ele novamente? Olho ao redor, mas esta tudo muito escuro, meu coração começa a acelerar e o ruído se mantém em uma mesma área, logo ao lado da mesa. Meus olhos começam a se acostumar com a luminosidade, quase tudo esta visível agora, mas existe uma sombra perto da mesa... Meu coração começa a bater em uma velocidade sufocante, minha respiração se torna pesada e ofegante... Estou com muito medo... A sombra puxa uma cadeira e senta-se depois bate levemente a cadeira ao lado como se quisesse que eu me sentasse ao seu lado... Não mesmo!

- Mãeeee! – Falo tremulamente e com tom de choro, mas minha mãe não escutou. A sombra levanta-se da cadeira e começa a vir em minha direção. – Mããããeeee! – Grito com toda a força que tenho e com lagrimas em meus olhos. Minha mãe desce correndo as escadas e acende a luz perguntando o que estava acontecendo. Meu coração para por um segundo... As luzes iluminam o ser antes sombra e mostra um homem alto, forte e com um olhar assustador... É ele... Por quê? Porque ele voltou? Lagrimas começam a sair descontroladamente de meus olhos, meu corpo inteiro treme e caio de joelhos...

- Por quê? – Grito para o homem que agora para de se mover. – Por que você continua aqui? Quem é você? O que quer? E porque nunca responde? Responda a mim apenas essa vez... – O homem permanece imóvel e apenas me olha fixamente. Minha mãe segura um crucifixo e aponta para ele. Ela recita uma oração e ele lentamente desaparece. Não entendo o porquê de eu ter sempre a mesma reação quando o vejo, sempre lagrimas saem de meus olhos sem que eu consiga perceber e quando percebo já estou aos prantos... Depois minha mãe me acalma me oferecendo um copo com água e eu volto para o meu quarto e vou dormir.

Acordo às 11 horas... Como é bom ter um dia inteiro de folga! Apesar do que aconteceu essa madrugada nada pode abalar minha tranqüilidade. Tomo banho vou para a sala assistir alguns filmes de ação que minha irmã alugou.

- Cheguei! – Escuto minha irmã. Ela vem ate mim, olha para a televisão. – Nam... Tu nem me espera para assistir os filmes... Mas... Ei, o que você esta fazendo aqui? Não deferia estar na escola? – Fala me encarando.
- Eu estou tendo meu dia de folga assim como o diretor pediu! Então silencio, estou querendo assistir ao filme! – Falou tentando irritá-la, ela odeia quando falam com ela dessa forma... Hehe.
- Mãe! A Rafaela foi suspensa? – Vitoria pergunta a minha mãe que estava sentada ao meu lado.
- Quase isso... Venha comigo... Eu irei lhe explicar! – Minha mãe levanta e leva minha irmã para o andar de baixo. Ela deve falar sobre o que aconteceu no colégio e sobre aquilo... Mas nem ligo mais...
- Há, esqueci de te dizer Rafaela... Aqueles homens foram presos! E não vão sair tão sedo da cadeia! Pode ficar tranqüila! – Minha mãe subindo as escadas fala para mim. Ela tem amigos policiais, por isso sei que é verdade e não é apenas para me fazer relaxar... Mas sabe, nem ligo mais.
- Que bom! – Falo sem desviar o olhar da tela.

Depois do filme almocei e agora sinto uma vontade de comer o pastel da cantina lá perto da escola... Vou lá. Aviso a minha mãe e ela e minha irmã insistem em quer ir comigo, mas nego. Não sou nenhuma criancinha. Passando pela praça, lembro do acontecido. Muito desconfortável lembrar-me disso, e muito mais se lembrar daquela aura... Será que era mesmo aquele garoto o dono dela? Não sei e também não quero saber... Nunca mais o verei mesmo!

Chego à lanchonete.
- Um de queijo com frango, por favor! – Peço para a senhora que cuida da lanchonete.
- Tudo bem, espere um pouco garotinha! – A senhora fala educadamente. Mas serio, eu não sou uma garotinha...

Escuto a gargalhada da Julieta e de suas ‘’subalternas’’, maldição! Não acredito que logo hoje elas vão experimentar o pastel daqui! Olho para o lado e vejo Julieta se esfregando no braço de um garoto, não consigo ver seu rosto, pois esta de costas para mim, mas sinto que não é um conhecido da minha classe, pode ser um aluno transferido, pois esta usando a farda do meu colégio e também Julieta é conhecida por ficar com todos os novatos. Aquela v... Eles se despedem, coloco os braços sobre o balcão e deito meu rosto entre eles. Relaxada, pois aquela v... Não iria comer aqui.

- Qual o seu pedido garoto? – A senhora pergunta ao garoto que estava com elas e que sentou ao meu lado no balcão.
- O meu preferido: Pastel de queijo com frango, por favor! – O garoto responde com uma voz energética. Mas espera... Eu conheço essa voz, mas de onde será? E ele também gosta bastante desse sabor assim como eu... Mas eu realmente sinto que conheço essa pessoa. Viro-me para ver quem era o garoto e vejo-o... O garoto da praça... Serio? Ele olha para mim.
- A ola garota! Tudo bem? – Pergunta sorridente.
- Sim, e com você? – Respondo educadamente, tentando esconder meu espanto ao vê-lo.
- Estou bem! Mas... Pode me devolver minha camisa? Ela é minha preferida e eu a usei para ir fazer um teste para a minha nova escola! É algo como um item de sorte para mim... Poderia devolvê-la hoje? – 
Pergunta mostrando sinais de timidez.
- Camisa? Há sim, claro... – Respondo assustada, me lembrando daquele sorriso e momento.
- Ainda esta assustada, certo? Não se preocupe, não irei fazer nada de mal! – Responde entristecido, parece já ter sofrido com esse tipo de coisa, assustar as pessoas sem querer e acabar sendo excluído...
- Não, que nada! Tudo bem! Vamos só terminar de lanchar e eu te levo ate a minha casa e lhe devolvo sua camisa... Okay?- Termino de falar sorrindo, para tentar animá-lo.

- Ok! – Responde sorrindo de volta.
- Prontinho. Um pastel de queijo com frango! – Levanto a mão para pega-lo e ele faz o mesmo nossas mãos se tocam e imagens começam a passar por minha mente. São como se estivesse vivendo isso... Estou sentada em um trono de pedra e milhares de seres ajoelhados para mim. Agora eu estou tranquilamente andando pela rua e sou empurrada por um policial correndo atrás de um bandido. Agora estou montada em um cavalo e marchando com milhares de soldados em uma direção. Mudou novamente, agora estou abrindo uma porta e dentro vejo... Corpos... Três corpos... Completamente dilacerados. Lagrimas caem de meus olhos... Não consigo acreditar em tal imagem... Meu coração começa a sentir um forte aperto... E entro lentamente na casa com a minha mão cobrindo minha boca. Mudou mais uma vez... Agora estou encarando um ser alado... Parece um anjo, e o exercito que antes estava atrás de mim esta completamente destruído. O anjo começa a jogar lanças de luz em meu corpo, não consigo me mover, a dor em meu corpo é imensa... Depois ele desce do céu e crava sua espada em meu peito, logo após isso enfia sua mão em minha barriga e arranca uma espécie de energia... Uma bola brilhante... ARGH... Meu corpo dói tanto! Agora voltou para a casa... Estou vendo a minha frente uma criatura negra e alta, possuindo dois pás de chifres... Eu grito: ‘’Demônio! Foi você que fez isso aos meus pais?  Porque fez isso? Leve-me e traga-os de volta... É um demônio certo? Aceite esse pacto!’’, mas o ser começa a se desfazer em luz e aquele anjo que antes me apunhalou aparece falando: ‘’Não sou um demônio! Seus pais mereceram o castigo que lhes dei! E não aceitarei tal pacto! Você parece ter uma grande resistência para energias demoníacas... Tome isso!’’ o anjo abre a mão e dela sai aquela bola de energia que teria arrancado de mim antes, ao tocar em minha pele sinto todo o meu corpo queimar... Uma dor... Tão intensa! E repentinamente milhares de imagens passam rapidamente pela minha mente e o anjo some. Depois caio de joelhos ao chão e grito com uma voz parecida a de um demônio e um humano ao mesmo tempo: ‘’Maldito arcanjo! Maldito seja Miguel... Irei ter minha vingança!’’. Depois disso volta a mim e fico muito assustada... Estou me tremendo... O que foi isso?
- Hã? O que foi? Eu dou choque agora? – O garoto pergunta espantado com minha reação ao tocá-lo.
- Não, desculpe... Esse é o seu certo? Eu espero o próximo! – Respondo tentando disfarçar a minha reação.
- Tudo bem, eu cheguei depois! Só não achei que pediríamos o mesmo sabor! – Fala sorridente me oferecendo o pastel.
- Ok! – Falo pegando o pastel e o mordendo.

Depois de termos merendado eu o levo ate minha casa e co caminho conversamos um pouco. Seu nome é Leandro, tem 16 anos assim como eu, é um estudante transferido, ele vive com a tia e ela viaja muito, por isso muda bastante de escola e nunca passa um ano inteiro em uma única escola, por sorte, segundo o que disse, ele é uma pessoa muito inteligente e consegue manter a sua media 10 mesmo com as mudanças de escola. Media 10... Ele deve ser um gênio se isso for verdade.

Chegando em casa peço para ele espera na porta, pois iria buscar a sua camisa. Subo para o meu quarto e quando desço e vejo-o sentado na sala de baixo conversando com a minha irmã.
- O que você esta fazendo aqui dentro? Não pedi para ficar lá fora? – Pergunto me aproximando a eles.
- Ora mais... Quer que o menino te espere lá fora? Quer dizer que esse é o seu salvador? – Minha irmã pergunta demonstrando sua personalidade intrometida de sempre.
- Pode-se dizer isso... Mas já esta na hora dele ir! – Termino de falar entregando a camisa dele em suas mãos. E o levo ate a porta.
- Bem, é isso, você já tem o que queria. Então tchau! – Falo o tchau com um grande sorriso. Espero que ele não ache que estou querendo que ele vá embora rápido, mesmo que seja isso que eu queira!
- Tchau! Mas deixa eu ti falar uma coisa? – Ele pergunta olhando para dentro da minha casa. Com certeza, vai perguntar algo sobre minha irmã... Ele dever ter ficado afim dela, duvido nada. Ela é bonita, legal e charmosa... Ao menos é isso que a maioria dos garotos pensam dela... Mas para mim, ele é apenas mais uma intrometida.
- Não tenha medo dele! Ele apenas estava preocupado com você! Não se preocupe! – Ele fala com um pequeno sorriso no rosto... Como?... Como ele sabe disso? Como ele sabe ‘’dele’’?... Como? - É isso. Ate amanha na escola! Tchau! – Fala sorridente e virando as costas seguindo o seu caminho. Tentei chamá-lo para perguntar de como ele sabia disso, mas me faltou a voz, tentei esticar meus braços para segura-lo, mas logo perdi as forças e comecei a chorar, mais uma fez lagrimas saiam descontroladamente de meus olhos... Fecho a porta e tento me controlar.
- O que foi irmã? Aconteceu algo com vocês? Ele te falou algo? – Vitoria pergunta preocupada.
- Si... Sim... mas... Nã... Fo... Nada... de... de mais! – Falo enquanto tento controlar meu choro e subo correndo as escadas e me jogo na minha cama... Como ele poderia saber
Continua?...
Escrito por: Luan

Poxa, ninguém comentou a minha ultima postagem :( ... Mas espero que tenham gostado e comentem o que acharam dessa e caso queiram podem dizer o que acharam da outra... Obrigado pela leitura! ~Luan

2 comentários:

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS