domingo, 20 de outubro de 2013

Projeto: Demoniac Personality. Ola Aligos! Cap. 3

Iaê! Eu estou sem internet em casa... Chato não? Sorte que tenho alguns jogos legais para passar o tempo... Bem, como ninguém comentou nada no Sangue de anjo... Acho que não deve estar sendo muito legal... Então essa semana ao invés de ter um capitulo de SA e um do PDP terá dois capítulos de PDP... ( Já que tenho um pouco mais de tempo e me senti um pouco melhor para continuar o PDP...) Boa leitura. ~Luan



Fiquei o resto da noite chorando e pensando em quem era esse homem que aparece para mim. Ele realmente só aparece quando estou com algum problema serio, mas ele precisa aparecer como uma sombra ou com aquele olhar ameaçador? Não né... Então ainda acho que ele quer mais algo comigo. Já li que demônios aproximam-se das pessoas nos momentos mais difíceis e desanimadores, mas o que o Leandro falou pode ainda ser verdade já que ele não tem motivos para mentir... Bem, talvez tenha... Ele pode estar apenas brincando comigo. Ele deve ter escutado sobre uma garota louca que vê espíritos... Mas agora não é hora para ficar pensando nisso, eu tenho que enfrentar aquele inferno que chamam de colégio e ver o diabo conhecido como Julieta, para que ao menos eu tenha algum futuro. Me arrumo para a escola. Quando desço as escadas vejo minha irmã.
- Vitoria! Você falou algo sobre mim para aquele garoto? – Pergunto curiosa, pois suspeito que ela tenha falado alguma coisa a ele sobre aquele homem...
- Bem... Sim, mas não foi nada de mais... Só falei que quando você era menor via um homem assustador pela casa e que acabou sendo excluída pelo que você via e falava que via... Eu pedi para ele ser legal com você e ele disse sim... Não acho que ele estava mentindo! – Ela fala calmamente. Pronto, ai esta a minha certeza... Ele estava apenas brincando comigo... Mesmo que minha irmã tenha um sexto sentido para saber a verdade, algumas vezes ela falha. – Algum problema? – Pergunta para mim curiosa.
- Não, só queria saber mesmo... Estou indo agora... Tchau mãe, Tchau Vitoria! – Saio rapidamente de casa. Aiai... E eu achando que ele teria visto algo... Mas ele é igual aos outros... Uma pena.  Ate estava começando a achar ele um cara legal... Que droga!... Tenho que parar de pensar tanta besteira.
Chego ao colégio, adiantada como sempre e subo para a minha sala que fica no segundo andar. Só eu estou aqui agora... Devo ter chegado um pouco cedo de mais. Bem, vou dormir um pouco.
- Ola Rafaela! – Escuto a voz de Leandro e acordo. Ao olhar o vejo entrando na sala com aquela vad... Julieta se esfregando nele. E me encarando com uma fúria que poderia ser sentida mesmo se eu não possuísse esse ‘’dom’’.
- Ola! Tu... Tudo bem? – Respondo gaguejando um pouco, pois o ambiente esta ficando meio hostil. Queria saber por que ele esta falando comigo... Ainda deve querer brincar comigo... Devo ficar atenta.
- Tudo! Eu passei na sua casa hoje... Tipo minha casa fica um pouco depois da sua e eu não queria vim para a escola sozinho...  A gente pode vim e voltar da escola juntos? Já que estamos no mesmo caminho? – Leandro pergunta um pouco envergonhado. O que será que ele quer com isso? Mas ir e vim para a escola não deve mudar muita coisa... É, não faz mal.
- Tudo bem! – Falo voltando meu rosto para meus braços cruzados para tentar voltar a dormir, mas... Existe uma grande hostilidade no ambiente agora... Como um ser humano pode emitir tanto ódio? Ela é uma grande vad... Possessiva.
- Porque você esta falando com ela Leandro? – Julieta pergunta puxando o braço de Leandro. Não consigo dormir, vou ficar olhando a sala.
- Qual é o problema? – Leandro pergunta para Julieta tentando descolá-la de seu braço.
- Eu não ti falei sobre ela? Ela é uma bruxa que vê espíritos e faz bruxarias... Duvido nada que já tenha feito um pacto com o diabo! – Julieta fala para Leandro querendo intimidá-lo. Serio que é isso que falam de mim? Já estava ate contentada com bruxa, mas pacto com o diabo agora? E o que eu ganhei em troca para falarem isso de mim? Eu não sou milionária, e também não sou muito talentosa e muito menos um gênio. Apenas tenho essa maldição. Se eu fizesse algum pacto seria para perder isso, mas não vou vender minha alma por algo assim.
- Wow, serio? – Leandro grita animado. Hã? Que tipo de reação foi essa? – Isso é muito legal... Tirando a parte do pacto é claro... Mas me diga Julieta... – Leandro fala seriamente segurando levemente o queixo de Julieta e aproximando seu rosto ao dela. Eles vão se beijar? Nossa Julieta ganhou de novo... Aquela va... Sempre pegando os novatos e botando todos contra mim. – Isso foi apenas uma invenção sua, certo? Ela não fez pacto algum não é? – Leandro pergunta olhando fixamente Julieta... Estranho... Estou sentindo levemente aquela aura, mas esta somente em volta de Julieta.
- Hã?... Ma... mas... si... sim... Foi apenas uma invenção minha!... – Julieta responde quase que gemendo e tenta aproximar seus lábios aos de Leandro, mas Leandro vira o rosto e ela acerta um beijo em sua bochecha. Ahahaha levou um fora! Tão bom ver isso ao vivo! Mas espera... Por que ele falou aquilo? Ele estava me protegendo? Nam... Que idéia besta, deve ser parte do jogo de sedução dele para com Julieta, mas a cara de tacho dela é impagável.

Dimitre, o loirinho, rico e sádico do colégio entra em sala. Ele se espanta ao ver Leandro no outro lado da sala.
- Quem diria lhe ver aqui! – Dimitre grita e Leandro olha para ele. – Ola Aligos! – Dimitre fala com um sorriso sádico no canto da boca e Leandro corre irritado em direção a Dimitre e o puxa pelo colarinho o levando ate a janela que estava aberta. Sinto aquela mesma aura da primeira vez que me encontrei com Leandro, mas ela esta mais fraca, como se ele a estivesse segurando.  – O que foi? Apenas lhe chamei pelo seu nome... Qual o problema Aligos? – Dimitre fala sorridente. Ele deve saber que isso irrita muito Leandro e continua a fazê-lo, ele deve esta querendo morrer, só pode... Hã? Aquela aura que consome toda a existência cobre toda a sala e Leandro acerta um chute no rosto de Dimitre e o arremessou pela janela... Mas que droga!... Corro para a janela junto com toda a sala e vejo Dimitre em pé e acenando para todos com um grande sorriso lá em baixo... Esse garoto não é normal... Leandro senta na cadeira detrás a minha e fica de olhos fechados. Dimitre sobe novamente para a sala.
- Ei cara! Ai é o meu lugar! – Fala para Leandro. Eu acho que o Leandro quer puxar mais confusão.
- Pode ficar com o meu... Ele é na frente da Julieta... Tudo bem por você? – Leandro fala olhando para Dimitre como se nada tivesse acontecido.
- Tudo bem! – Dimitre responde calmamente e senta-se no lugar de Leandro. Eles já resolveram o mal entendido? Todos ao meu lado estão confusos com essa atitude de ambos... Eu também estou... Eles são velhos amigos que estão acostumados com esse tipo de coisa? Essa é minha única ideia para explicar esse momento calmo depois de alguém ser jogado pela janela... Mas Dimitre nem mesmo se machucou. Ai minha cabeça... Esta doendo de tanto pensar nisso. O professor chega e coloca a sala em ordem, aparentemente todos decidiram o mesmo que eu... Ignorar o acontecido.

- Rafaela! – Leandro me chama no meio da aula. O que ele quer?
- Sim? – Pergunto educadamente, curiosa para saber o que ele quer falar.
- Aula chata não? Apenas cálculos e cálculos. Não irei usá-los na profissão que quero seguir e muito menos irei usar no dia-a-dia. – Leandro fala despreocupadamente, deve estar apenas querendo puxar assunto.
- E qual é a profissão que quer seguir? – Pergunto apenas para continuar a conversa. Não estou acostumada a falar no meio da aula...
- Digamos que quero me tornar alguém poderoso e respeitado, pois quero algo que sei que não poderei ter. – Leandro fala com uma voz entristecida ao termino.
- Espero que consiga... Se eu pudesse fazer alguma coisa... – Eu realmente entendo esse tipo de sentimento, querer tanto algo, mas saber que não posso ter... Gostaria de poder ajudar ao menos.
- É bom ouvir isso! – Leandra fala com um sorriso e emitindo uma harmônica aura. Ele deve ter gostado do que falei... Que bom.
- Leandro e Rafaela... Vocês estão conversando muito e olha... Ainda não copiou nada Leandro... Troque de lugar com o Dimitre e copie a matéria. Não irei permitir um aluno exemplar como você se distrair no meio da aula. – O professor fala olhando para Leandro. Leandro e Dimitre trocam de lugar e o professor volta a dar a aula.
- Iai Rafaela... Senti saudades de você! – Dimitre fala logo após sentar em sua cadeira com seu sorriso de sempre, mas o professor parece não ter notado... Talvez o professor não ligue para o desempenho de Dimitre ou para o meu. 
- Okay! – Falo apenas para não deixá-lo no vácuo, ele deve estar apenas brincando com a minha cara.
- Nossa que fria! Me deixa ate com um aperto no coração! – Dimitre fala com um tom sarcástico em sua voz e apertando seu peito com a mão. – Mas bem, eu nunca falei com você antes... Posso entender essa reação. Mas Rafaela... Você é capaz de ver espíritos, certo? – Pergunta com uma expressão seria. Muito estranho... Dimitre falando seriamente sobre esse assunto... Muito estranho.
- Talvez... O que tem isso? – Pergunto um pouco irritada, pois sei que ele ira tirar sarro com a minha cara.
- Então, você pode ver isso? – Dimitre pergunta fechando os olhos.
- Isso o q... – Vejo uma aura vermelha sair de Dimitre e formar um par de asas... Hã? – Ma... Mas o que é isso? – Pergunto não conseguindo esconder meu espanto.
- Ahahahaha! Então você realmente pode ver isso! Incrível garota... Comecei a me interessar por você! – Dimitre fala com um sorriso em seu rosto, desfazendo as asas em suas costas. Mas que droga ele é? Que droga esta acontecendo com a minha vida... Não estou gostando nada do rumo de acontecimentos... Dimitre é um anjo ou algo assim?
- Pode-se dizer que é mais ou menos isso! – Dimitre fala olhando calmamente para mim. Ele pode ler pensamentos?
- Vo... – Sou interrompida por Dimitre. – Sim, mas a sua apenas consigo ler quando esta em um estado de confusão ou abalada, por isso lhe mostrei minhas asas... Sempre achei estranho não poder ler sua mente com freqüência. – Dimitre sorri calmamente. Essa é a primeira vez que o vejo sorrir dessa forma... É ate estranho vê-lo sorrindo assim. Sinto uma aura de ódio, será que é a Julieta de novo? Ela tem ciúmes de todos que falam comigo é? Hã? A aura esta sendo emitida de Leandro? Eles realmente não devem se dar bem.
- Eu e o Leandro nos conhecemos há muito tempo... Nunca nos damos bem, mas aprendemos a conviver com o tempo, tivemos bons e maus momentos, ate mesmo aprendi e ensinei algumas coisas a ele... Mas foi mais por obrigação. Não se importe muito com detalhes! – Dimitre fala me olhando fixamente. Um calafrio passa por minha espinha e decido virar-me para prestar atenção na aula.
- Mas parece que ele também se interessou por você assim como eu... Tome cuidado, ele é perigoso. Você já deve ter visto do que ele é capaz, certo? – Dimitre fala calmamente. Verdade, ele pode ser muito aterrorizante, mas eu também sinto que Dimitre é perigoso... Por algum motivo sinto uma insegurança em confiar no nele... Mas ele não falou nenhuma mentira. Mas o que ele é? Um anjo? Mas como? O que esta fazendo aqui?... Ele não responde... Deve ter parado de ler minha mente.
- Você é um anjo? – Pergunto curiosa, mas olhando para o professor.
- Obrigado pelo elogio! – Dimitre responde sarcasticamente... Ele esta brincando comigo... – o que você é? – Pergunto seriamente e viro-me para encará-lo olhando para ele nos olhos. Ele se assusta com o meu olhar e logo desvia seu olhar de forma entristecida. – E isso importa? – Responde e em um piscar de olhos ele levanta-se e passa por mim, sem que eu sinta sua presença e passa lentamente pela porta de saída da sala.
- Professor o Dimitre saiu da sala sem pedir de novo! – Rodrigo, um garoto que sempre relata as saídas irregulares de Dimitre da sala... Ate parece que ele é o único que o vê sair... Eu mesma nunca o vi sair ate agora e ele sempre sai da sala todo dia sem pedir a ninguém e não volta mais.

Finalmente chega a hora do intervalo, a hora em que eu fico cochilando na escada do terceiro andar sozinha. Preciso dormir mesmo agora... Muita coisa acontecendo de um dia pro outro... Eu realmente não estou acostumada a isso. Sento-me no meu canto de costume, cruzo meus braços e encosto meu rosto entre eles.
- Rafaela? – A voz de Leandro me faz despertar. Mesmo na hora em que estou quase dormindo... Que mania chata.
- Sim? – Respondo um pouco irritada, pois realmente quero dormir.
- Você fica aqui sozinha todo dia? – Pergunta se sentando ao meu lado.
- Fico! Já estou acostumada, não à problema! – Respondo tentando avançar a conversa e ter meu tão esperado descanso.
- Hum... Importa se eu ficar aqui com você? – Pergunta com um olhar meio que de cachorro pidão... Ta né... Eu realmente não consigo dizer não a alguém que faça essa cara.
- Tudo bem! Mas serio Leandro... O que você quer? Se quiser aproximar-se de mim para tirar alguma brincadeira mais tarde... Por favor, eu lhe imploro... Não faça isso! Eu realmente odeio esse tipo de coisa! – Falo querendo evitar qualquer evento posterior. Leandro demonstra um pouco de surpresa, mas logo sorri.
- Por que acha isso? Não sou esse tipo de pessoa... Só que ser seu amigo! Vi que você estava falando com o Dimitre... Não sei o que ele falou, mas não vá na conversa dele... Ele é perigoso! – Leandro fala extremamente serio. Mas o que aconteceu com esses dois? Os dois falam que o outro é perigoso... Mas ainda sinto que os dois são perigosos... Aiiii minha cabeça...
- Tudo bem... Mas... – Paro de falar virando meu rosto para o lado. Eu iria perguntar sobre como ele sabia que aquele homem estava preocupado comigo e falar sobre as asas de Dimitre, mas acho melhor não.
- O que? – Leandro pergunta curioso.
- Nada não! – Nego, pois ainda não acho uma boa ideia falar sobre isso.
- Não vá me dizer que esta afim do Dimitre! – Leandro fala com um tom de voz de surpresa.
- Mas claro que não é isso! – Afirmo com a voz alta, quase gritando... Serio, de onde ele tirou essa ideia? O sinal toca e voltamos para a sala depois das aulas quando Leandro e eu estávamos saindo do colégio, uma limusine para em frente ao colégio e dela sai uma elegante e bela mulher.
- Ola Leandro, eu vim lhe buscar! – A mulher que sai da limusine afirma.
- Tia... A senhora poderia levar a Rafaela para a casa dela? Ela mora um pouco antes da nossa casa e eu falei que iria para casa com ela... Poderia ser? – Leandro pergunta para a mulher. Essa é a tia dele? E numa limusine... Ela deve ser uma pessoa importante.
- Hum... Ola, Rafaela... Meu nome é Lucindra e eu sou a tia desse garoto problemático... Você aceita a carona? – A mulher pergunta para mim. Mas é claro, sempre quis andar de limusine mesmo, não deve doer...

- Sim, tudo bem! – Afirmo com um grande sorriso em meu rosto. Estranhamente após entrarmos no carro ninguém abriu a boca para falar nada, ate o momento em que estávamos passando na frente da minha casa e Leandro pediu para o chofer parar. Desço, agradeço e me despeço. Chegando em casa, me jogo no sofá e lá mesmo durmo. 

Continua...
Escrito por Luan

Gostaram? Caso tenham alguma critica ou algo que deixei passar sem perceber, sinta-se a vontade para expressar suas opiniões. ~Luan

Um comentário:

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS