terça-feira, 24 de setembro de 2013

RELATO DOS LEITORES #10


Gostaria de compartilhar uma das muitas histórias que tenho.

Há muito tempo atrás, eu e alguns amigos meus começamos a praticar a Tábua Ouija. Sempre fui interessado pelo sobrenatural, e sempre tive uma conexão forte com o assunto.

Começamos fazendo uma vez por semana. Toda quarta feira, no Parque dos Eucaliptos, em Gravataí - RS. Cada vez começamos a nos sentir mais atraídos por aquela atividade. Depois de algum tempo, ficamos obcecados com aquilo. Todo dia, saíamos da aula e íamos direto ao parque para jogar.

Chegamos a um ponto em que escutávamos sons enquanto jogávamos. Pessoas passavam mal a nossa volta. TV's e rádios tinham interferência quando passávamos perto. Pequenos objetos moviam-se a pequenas distância quando íamos pegá-los (uma caneta em uma mesa que ia na direção de nossa mão, por exemplo).

Fui o primeiro a perceber que aquilo não estava certo.

Durante a nossa última partida, pedi permissão pra sair, e recebi o sim. Continuo com o interesse sobre o oculto, mas não pretendo usar a Ouija de novo.

Ainda tenho a tábua aqui em casa.

Enviado por: Kazuyama

2 comentários:

  1. Essa é uma premissa muito interessante, que o contínuo contato com o mundo espiritual tenha mudado alguma coisa no (como alguns chamariam) perispírito e faria sua frequência vibratória causar interferências. Não entrando no campo de se é possível ou não, parece bastante plausível acima de tudo. Gostei muito de ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato há interferência. Não apenas usando o ouija como qualquer tipo de contato com o mundo espiritual, isso altera a frequência do perispirito e, sendo a frequência mais alta que a das pessoas comuns, isso causa mal-estar e tontura. Um amigo meu, dos mesmos que usavam o ouija, faz coisas se mexerem toda hora. Inconscientemente, mas ele faz.

      Excluir

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS