sexta-feira, 31 de maio de 2013

Carona Maldita - Part.02

Dois jovens rapazes em busca de aventuras acabam pegando uma carona numa estradinha deserta. Eles nem sequer podiam imaginar o que os aguardava.
Agora, vamos ver como termina essa história...

Os jovens paulistas teriam botado um ovo se fossem galináceos pois, pela pequena janela que separava a cabina da Rural e a carroceria, eles notaram, para o seu espanto, que o rosto do velho estava completamente mudado. Um par de olhos vermelhos encaravam os jovens, enquanto algo que parecia um focinho de um cão se projetava para fora da cabina. Pêlos longos e negros e uma orelha pontiaguda apenas confirmaram o desespero dos jovens.


Os jovens, por uma fração de segundo, encararam aquele rosto hediondo, enquanto o menino se contorcia ao lado do pai. De repente, um braço e suas garras estatelaram o vidro da janela e agarraram o pescoço do rapaz mais velho. Uma onda de pânico cresceu entre os jovens, pois a Rural, ainda em movimento, os deixava ainda mais confusos. Era questão de milésimos para o velho lupino esmagar os osso do pescoço do rapaz enquanto o outro, ainda paralisado de medo, estava a poucos centímetros do vidro.


Mas, por capricho do destino, a caminhonete se encontrava sobre uma ponte, e bastou apenas um chute do garoto, que estava tremendo todo, no volante para fazer com que a velha Rural fosse de encontro com um barranco, causando uma queda de 07 metros até o pequeno córrego que passava por baixo da ponte.

Isso pegou todos de surpresa. O velho Licantropo, que começara a esmagar o pescoço do rapaz, só sentiu o que estava acontecendo quando foi arremessado pelo pára-brisa na primeira capotagem. Outras 04 capotagens deram fim ao acidente. Os rapazes, que estavam na carroceria, tiveram sorte, pois caíram sobre o lamaçal, amortecendo a queda. O mesmo não se pode dizer do Licantropo pois, ao ser arremessado para fora da velha Rural, seu corpo foi esmagado pela sua própria caminhonete, quebrando todos os seus ossos.


Os jovens estavam atordoados e cambaleando, com poucos ferimentos. Alguns instantes depois, conseguiram ver o que aconteceu: o Lobisomem esmagado sob a Rural estava morto, mas e o garoto? Os jovens procuraram pelo garoto em volta do acidente, mas não encontraram nada. Estavam começando a ficarem preocupados, quando ouviram um gemido dentro da cabine da Rural. Aproximaram-se com muito cuidado, o rapaz mais jovem pegara uma enxada que estava com eles na carroceria e o mais velho, uma pá. Todas estavam caídas próximo a eles.


Quando abriram a cabine, viram uma cena horrível. O garoto estava no meio da transformação. Uma figura híbrida de lobo e humano estava se contorcendo em meio de uma poça de sangue pois, no acidente, a criatura ficou muito ferida e com sua perna  dobrada ao contrário, o que deixava a cena mais horrenda.


– Ô Meu! Você está bem? – perguntaram os dois.

O garoto respondeu com um uivo. A cena que se seguiu foi terrível. Os dois jovens burgueses, tomados pela raiva, pelo ódio e pelo medo, começaram a destruir a criatura com golpes de enxadas e pás. O corpo do garoto se tornara uma carne moída. Jatos de sangue espirravam a cada enxadada na barriga do monstro. Os rapazes estavam completamente ensopados com o sangue da criatura.


Essa carnificina durou apenas alguns minutos. Quando não se podia mais separar o que era corpo, sangue, lama e terra, os dois rapazes pararam de malhar com os equipamentos agrícolas. Ficaram lá, respirando profundamente, com uma repugnante mistura de lama, suor e sangue sobre o corpo inteiro, olhando as duas criaturas mortas no brejo.


Os dois rapazes se olharam, subiram os barrancos até a estrada e seguiram caminho para Belo Horizonte sob a luz da lua cheia. Mas, desta vez, sem carona................



Walacionil Wosch

2 comentários:

  1. E a polízzia? Bom conto, eu ri em algumas partes lol.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe como é, polícia só aparece quando você não precisa. kkk
      Valeu pelo comentário, amigo. Em breve posto mais algumas.

      Excluir

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS