quarta-feira, 20 de março de 2013

Destruindo Infâncias: A Turma do Bairro


Vocês sabem qual a real história por trás do desenho "KND: a Turma do Bairro"?

Essa é um pouco mais complicada de se explicar, pois quase todo o desenho não passa de uma farsa, um verdadeiro truque feito pela a mente de um doente, truque esse nada fácil de perceber, e que, na maioria das vezes não é notado.

Vamos direto a história, assim de forma rápida e bruta. KND não passa de um SONHO, isso mesmo, e muito diferente do que vocês pensam ele não é um sonho do líder  numero Um, e sim de numero Dois. O pequeno garoto gordo que sonhava em voar.

Quando era menor, Dois sofreu um acidente de carro junto ao seus pais, por culpa de estar sentado na cadeirinha para crianças no banco de trás do carro, ele conseguiu sobreviver. Levado ao hospital, ficou lá durante uma semana esperando que algum parente o procurasse. Quando a direção do hospital deu conta que ninguém viria, resolveram deixar a guarda da criança junto a um orfanato local.

As cuidadoras sabendo do acidente dele, resolveram colocá-lo junto com outra criança que estava sem os pais, um paciente de câncer que dormia no primeiro quarto do corredor. Dois quase não saia de seu quarto, diferente de seu colega de quarto que sempre brincava do lado de fora, o passatempo de Dois era ver esse seu mesmo colega se divertindo.

Foi então que dois olhou alem de seu companheiro de quarto, viu atras dele uma árvore muito velha, com uma caixa encima, algo que se assemelhava a uma casa da árvore. O interesse foi tomando cada vez mais o instinto de Dois, resolveu sair do dormitório e ir ao encontro da casa da árvore.

"Gordo!", foi a primeira coisa que ele ouviu logo quando saiu do dormitório, foi o garoto loiro valentão do orfanato. Simplesmente ignorou e continuou andando, ao se aproximar da casa da árvore, nem olhava direito para aonde estava indo, e desta forma esbarrou em uma garota negra, ela que parecia ter ficado meio nervosa não conseguiu parar o garotinho.

Chegou bem perto do tronco e se virou pra cima para deslumbrar a casa na arvores. Quando botou o primeiro pé no degrau pra subir, uma garotinha com um casaco verde falou meio baixinho, quase como se não quisesse ser escutada - "melhor não subir".

Dois parou, como se tivesse ouvido, quando parecia que iria perguntar o porquê ela tinha dito tal coisa, simplesmente se virou e voltou a subir.

Os degraus de madeira estavam todos tortos, os pregos que fixavam as madeiras soltas no tronco da árvore, estavam todos enferrujados. Enquanto estava subindo Dois percebeu que aquilo não parecia muito seguro, mas valeria a pena quando chegasse ao final.

E valeu mesmo, pelo menos pra ele, como sempre quis voar, se sentia muito bem encima da árvore. A estrutura inteira de cima era falha, algumas madeiras faltando tanto no chão quanto no teto, paredes de fato só tinham duas. A sujeira acumulada lá encima passava a impressão de que ninguém havia ficado ali durante um bom tempo.

Dois se sentia tão bem ali que encostou em uma das "paredes" e adormeceu. Não demorou muito e toda a estrutura veio abaixo, número Dois caiu de cabeça no chão e todas as madeiras que compunham a "casa da árvore" cairiam sobre ele.

O estrondo foi tão grande que o caos tomou conta do orfanato. Crianças corriam e gritavam para todos os lados, os cuidadores chamaram os paramédicos e esperaram para saber se o garoto estava bem.
Depois de um diagnóstico, foi descoberto que número Dois tinha entrado em estado de coma, como não tinha família e o orfanato era um lugar humilde, o hospital achou melhor desligar os aparelhos pois não poderia arcar com os custos sozinho.

Número Dois morreu em seus sonhos, sonhos estes que retratam como ele queria  viver, só queria ter amigos e brincar em casa da árvore.

* Curiosidade: No desenho você não vê os olhos dos personagens principais.

Por:

3 comentários:

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS