sexta-feira, 15 de março de 2013

A Casa Assombrada

Minha familia havia comprado um sitio muito antigo na cidade de Pinhal do Sudoeste, corria uma história na cidade de que a antiga dona da casa havia sido assassinada pelo seu ex-amante a punhaladas dentro de um dos quartos, por isso aquele sitio era assombrado, ninguém deu muita importancia ao facto, achavamos que era coisa de caipira.

Já na primeira noite, eu que era completamente incrédulo passei a respeitar todas as lendas e hisória que o pessoal conta pelo Brasil afora...

O sitio era bem grande e antigo com uma aparencia sinistra, tinha 4 quartos, a cozinha não era ligada com o casarão antigo, nem o banheiro, por isso a noite eu tive que dar a volta pela casa para conseguir tirar agua do joelho, neste momento pude perceber alguem parado próximo a um arbusto me observando, nem fui ao banheiro, voltei correndo o mais rápido que pude e enfiei-me em baixo dos lençóis, passando a ouvir vários ruídos pelo corredor, arranhando as paredes, e as vezes até uns gemidos de dor, até que de repente tudo ficou no mais absoluto silêncio, ouvindo apenas os animais noturnos.

Quando amanheceu o dia não contei nada para ninguém. O dia estava correndo normalmente, vez ou outra, víamos algum animal andando pelas arvores ou colhendo frutos no chão, a tarde passou e a noite chegou. Eram aproximadamente 2:00hs da manhã, quando o barulho começou novamente, eu tremia todo de medo, a porta do quarto estava entreaberta, como não havia iluminação elétrica no sitio (o sitio era bem antigo, mesmo).

Minha mãe deixou uma lamparina no meio do corredor, isso fazia com que eu conseguisse ver se alguém passasse diante do meu quarto, quando percebi alguém andando em direção ao quarto dos meus pais, achei que fosse minha mãe, pulei da cama corri para o corredor, pois estava com medo e tinha um sofá velho no quarto dos meus pais, achei que minha mãe deixaria eu dormir lá, já que esta seria nossa última noite naquele sitio velho e bizarro.

Assim que alcancei minha mãe no corredor eu a toquei pelo ombro, e tomei um susto enorme, não era minha mãe, era uma outra mulher em estado de decomposição, no lugar de seus olhos, percebi apenas manchas de sangue, gritei e sai correndo em direção ao meu quarto, joguei-me em cima da cama e a figura monstruosa estava parada na porta do quarto olhando para mim, não me lembro de ter visto meu irmão, porém ouvi seu grito, chamando meu pai, quando olhei novamente em direção da porta, já não havia mais ninguém.

Segundos depois entraram meu pai e minha mãe no meu quarto, eu contei o que havia acontecido mas eles não se importaram muito, até o meu irmão dizer que havia visto alguém parado na porta do meu quarto, ele achou que fosse minha mãe, e a chamou, mas quando ela virou ele percebeu que não, ele viu que era uma mulher velha e feia com o rosto pálido que parecia que ela estava morta. Parece que quando meu irmão contou essa história, meus pais perceberam que não era pesadelo que eu tive, pois nunca ouviram falar de casos de pessoas que partilham pesadelos.

Meus pais ficaram com aquela casa cerca de 3 anos, até que de tanto eu me negar ir pra lá, meus pais resolveram vender o sitio.


Enviado por: Ricardo Serravallo Junior

Fonte: http://sobrenatural666.zip.net/

6 comentários:

  1. e essa imagem dessa gostosa ai? quase dei um pulo aqui

    ResponderExcluir
  2. ôôôô..é sempre o mesmo enredo. Vamos mudar um pouco....Parece como quando vamos ler uma estória infantil.."Era uma vez..."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quer ser autor e mudar um pouco o enredo? Estamos precisando de gente pra postar.

      Excluir
  3. gostei, parece uma boa estória pra se contar quando tiver apagão.

    ResponderExcluir
  4. kramba q medo essa kenga morreu
    o sitio nao e mais dela ela fica
    procuramdo a noite toda uma cama
    pra dormir, tem q ter compaixao
    com as almas penadas ainda mais as
    cegas como ela :p

    ResponderExcluir

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS