quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Risadas

Você acorda assustado, com falta de ar, se recuperando de um pesadelo. É o mesmo pesadelo que vem se repetindo há semanas. Toda noite, você vê impotente a mesma maldita cena se desenrolar diante de seus olhos.

Há crianças correndo ao redor de um parque infantil, e uma menina sobe através das barras de macaco. Você tem essa sensação nauseante de que algo está prestes a acontecer, mas não sabe o quê. Você tenta gritar para a menina para alertá-la, mas a única coisa que escapa de sua garganta é ar. Agora que você percebe que é tarde demais, tenta bloquear a visão de como a menina cai, causando uma rachadura revoltante a soar por toda sua cabeça. Você olha impotente seu corpo flácido, juntamente com o resto das crianças que riam apenas alguns minutos atrás... Até que você acorda suando frio, percebendo que era apenas o mesmo pesadelo novamente. Você não se acostumou com isso, e acha que nunca conseguirá. Ainda em seu torpor sonolento, você olha para os números digitais verdes e brilhantes olhando para você. É agora 1:30 da manhã, o mesmo que da última vez. Neste ponto, você tem toda a esperança de voltar a dormir, mas vai ao térreo para pegar um copo de água.

Você percebe que tem trabalho na parte da manhã. Cerca de uma semana atrás, você começou a ajudar a demolir uma antiga escola que não tem sido usado desde a década de 60. Estranho, já que foi quando o pesadelo começou.

"Ótimo", você diz entre goles, "Como é que eu vou  trabalhar corretamente com apenas quatro horas de sono?"

Mais tarde naquela manhã, você chega na escola. Sinais óbvios de idade eram mostrados por todo o edifício, tais como tubos enferrujados, plantas crescendo nas paredes, pintura lascada, e a camada de pó que revestia cada superfície dentro da área.

"O que aconteceu a este lugar?" Você diz enquanto atravessa as portas da frente.

"Uma bagunça, não é?", Disse Mike, de pé no alto de uma escada. Ele parecia estar derrubando o teto. Os ecos de brocas e pistolas de pregos ressoam por todo o edifício, com o zumbido ocasional de uma serra elétrica.

"Então, é... O que eu tenho que fazer hoje?" Você pergunta.

"Bem", disse Mike, não poupando nenhuma atenção de seu trabalho, "Você pode começar arrancando as tábuas do assoalho no ginásio. Depois disso, vamos precisar de sua ajuda para desmontar os quadros-negros das sala de aula. " Você assente com a cabeça, e com isso ele entrega-lhe um martelo e um pé de cabra. Assim que entra no ginásio, os sons da porta se abrindo e se fechando reverberam nas paredes. É silencioso. Ali, todos os ruídos das ferramentas não poderiam ser ouvidos. É uma escola grande, e você está em uma ala completamente oposta a dos outros.

Você encontra um canto no ginásio, onde decide que vai começar, e começa a difícil tarefa de erguer e partir as placas de madeira. No meio da tarefa, você nota algo estranho. Sente como se estivesse sendo vigiado, como se o olhar penetrante de alguém estivesse perfurando sua pele. Em uma tentativa de melhorar a sensação desconfortável, você chama:

"Sim, Mike?"

Nenhuma resposta. Claro, você esperava que não teria uma resposta, mas tinha esperança de que havia uma razão para essa sensação. Você rapidamente a esquece e continua trabalhando. Desde que começou a trabalhar ali, nada jamais parecia fora do lugar, ou mesmo estranho. Você chegou à conclusão de que era apenas o silêncio que o fez se sentir desconfortável, então decide começar a ouvir música enquanto trabalha. Mas, então, como antes, você tem aquela sensação de que alguém estava te observando. Mesmo a sua música não parecia correta. Soou como se houvesse um ruído fraco misturado com a canção, mas você não podia tocá-lo ou descobrir o que era. Você apressadamente tira um fone de ouvido para ver se alguém estava tentando te chamar ou algo assim. Você descobre que o ruído de fundo era uma risada, e definitivamente não estava vindo dos fones de ouvido.

"Olá?" Você chama enquanto enfia os fones em seu bolso da calça. "Quem está aí?"

O riso rapidamente parou, como se um grupo de crianças rindo corresse para as profundezas do edifício.

"Há crianças aqui?" Você diz para si mesmo. Puxa o pé de cabra debaixo de uma tábua de madeira que estava prestes a destruir, e o coloca no chão.

"Olá? Mike?" Você chama mais uma vez. Você sai do ginásio, e desce o lance de escadas em frente às portas duplas. Na parte inferior da escada, você encontra-se perto do que parece ser um refeitório. Este definitivamente não é o mesmo que você viu quando Mike o levou para o ginásio, mas você continuou. Primeiro verificou o refeitório para ver se as crianças estavam se escondendo lá dentro, mas tudo o que havia era um espaço aberto, e algumas mesas dobradas de almoço. Mais uma vez, ouve o riso vindo do fundo do corredor.

Você sai da sala, e caminha em direção às risadas, mas quando chegou mais perto, elas começaram a desaparecer novamente. Quando virou a esquina, percebeu que você chegou a um beco sem saída, com uma porta da sala no final. A porta era azul, combinando com os mosaicos de linóleo oxidados decorando o chão. Você caminhou até ela e girou a maçaneta, apenas para descobrir que ela estava trancada.

"Que diabos... Para onde eles foram?" Exatamente quando falou, uma mão agarrou seu ombro, fazendo-o saltar. Você se vira e vê Mike com um olhar interrogativo no rosto.

"Merda, cara, você me assustou." Você diz a ele.

"É, eu percebi", diz Mike, "O que você está fazendo aqui? Você terminou o ginásio? Bom, porque precisamos... "

"Não, eu não terminei. Hum... as pessoas trazem seus filhos aqui, ou algo do tipo?"

"Não que eu saiba, mas você precisa para terminar com o chão em breve, vamos precisar de um pouco ajuda com o material elétrico."

Você acena com a cabeça, e o segue de volta. Depois de finalmente desenrolar seus fones de ouvido e começar a sua música de novo, você começa a terminar o chão do ginásio. Mas nem dois minutos depois que começou a trabalhar, você ouve essas crianças malditas novamente. Desta vez, parecia que a risada estava zombando de você. Você imaginou que eles só iriam fugir de novo, e a risada finalmente cessaria, então decidiu continuar com o que estava fazendo, e a ignorou. Mas ela não foi embora. Por uma questão terrível, ela parecia aumentar ainda mais, e mais irritante aquilo ficava.

"O quê é?" Você grita com as crianças, mas a risada persistia. Desta vez, você joga o seu pé de cabra longe, porque não estava com vontade de jogar joguinhos estúpidos.

Em vez de caminhar em direção aos ruídos, você corre, esperando pegá-los. Com cada passo que dava, os armários que ladeavam o corredor se abalaram e sacudiram em resposta. Seus passos ecoavam pelas escadas, com você perseguindo as crianças. Neste ponto, você não tinha ideia de onde estava no edifício, ou para onde estava indo, mas a única coisa que importava para você era que estava seguindo a risadinhas, e iria captura-los.

Enquanto corria, você notou que o edifício começou a parecer mais limpo e mais vibrante. A pintura não estava lascada, e os armários, longe de estarem enferrujados. Droga, parecia que tudo tinha acabado de receber uma nova camada de tinta.

"Eu pensei que eles estavam demolindo a escola, não renovando-a." Você pensou para si mesmo. Continuou correndo, até que chegou ao refeitório. Você pensou que estava apenas correndo em círculos, mas a teoria foi logo abatida quando você percebeu que no refeitório, as mesas foram desdobradas, e o piso estava limpo. As latas de lixo e mesas pareciam estar revestidas com migalhas e leite de morango derramado em alguns pontos. Isso não faz sentido, vendo como dois segundos atrás, as mesas estavam dobradas e tudo parecia estar revestido de pó. Você para e encara tudo, completamente confuso, até que o riso o tira de seus pensamentos. Uma vez que você começa a correr de novo, o riso para. Não, ele não morreu devagar, como se a piada tivesse ficado velha, mas todos ao mesmo tempo pararam, como se tivessem sido atingidos por um trem, parando todo o barulho saído de suas bocas. Junto com o riso, seus passos pararam, e você tenta desfrutar o ambiente, de modo que possa descobrir onde você estava.
É quando uma pequena risada veio de dentro do banheiro à sua direita. Você sorri, pensando:

"Ah,  agora eu peguei vocês.", e anda até o banheiro.

Ao contrário do resto da área, o banheiro não era bonito e limpo, era uma bagunça completa. As dobradiças das portas dos boxes e as torneiras estavam terrivelmente enferrujadas, e as telhas estavam rachadas, ou tinham desaparecido completamente. Uma porta do box estava pendurada em uma só dobradiça, fazendo-a inclinar sem jeito. Você verificou cada box, na esperança de enfrentar um desses pequenos bastardos, mas ninguém estava lá.

"Que diabos..." Diz em voz alta.

Você jurou que tinha ouvido uma risada vinda desta área exata, como pode não haver crianças aqui? Você liga a torneira pensando que se você molhasse seu rosto algumas vezes, iria ajudá-lo a se recompor. É claro, não saiu água.

De repente, você vê algo no canto do espelho que lhe faz engasgar com sua própria respiração. Em um dos boxes estava uma garotinha.  O olhos dela, olhando para o seus. Exceto o fato de que ela realmente não tinha olhos, apenas leitosas bolinhas de gude brancas que pareciam grandes demais para seu crânio. Não eram apenas os olhos, no entanto. Nada nela não era normal. Sua pele se agarrava a seu osso, fazendo com que suas articulações se ressaltassem para fora. Seu cabelo estava emaranhado e faltando em alguns pontos, como uma boneca velha. Ela estava usando um vestido branco rasgado, manchado com sujeira e sangue. E então uma súbita percepção bateu em seus pensamentos como uma parede de tijolos.

Sob o que parecia ser os restos de um cadáver em decomposição, você percebeu que ela se parecia com a menina que aparecia em seus pesadelos. Seus lábios lentamente se repuxaram para trás, revelando um conjunto enorme de dentes que foram afiados longamente. Você grita, e corre para fora do banheiro. Em seu caminho para fora, você percebe que o prédio não era mais puro, mas estava de volta ao seu estado de decomposição. De repente você topa com Mike, enquanto virava um canto.

"O que diabos você está fazendo?", Disse Mike, claramente frustrado, "Esta é a segunda vez que você abandona o seu trabalho."

"Que merda está acontecendo aqui?" Você grita, exigindo uma resposta. Mike joga um olhar interrogativo para você, e fala:

"Do que você está falando? Nada está acontecendo. Escute, se você se sentir um pouco enjoado, você pode ir para casa. "

"Não, eu estou bem", você responde: "Eu prometo que vou terminar isso logo. Agora, onde está o caminho de volta? "

Mike aponta para o lance de escadas no final do corredor,

"Até as escadas, e no corredor à sua esquerda. Você vai ver as portas duplas quando alcançá-las. "
Enquanto os dois fazem a volta para onde originalmente estavam, um pensamento emerge do fundo da sua mente.

"Ei, Mike" Você diz, "Por que este lugar está fechado e largado, de qualquer jeito? É como se todo mundo tivesse saído um dia, e não voltado até hoje. "

"Bem...", começou Mike com o som de seus passos ressoando em torno da escada, "Uma estudante morreu aqui. Aparentemente, era tristeza demais para as crianças lidarem, e isso deixou todos deprimidos. Então, na esperança de apagar o incidente de suas mentes, os levaram para uma escola diferente ".

Uma mão fria de medo correu suas unhas afiadas na sua espinha.

"Como exatamente ela morreu?"

Enquanto atravessam as portas duplas, Mike responde:

"Ela caiu do playground e quebrou o pescoço."

Você engoliu em seco, enquanto Mike sai e volta para o que ele estava fazendo.

"Não deve demorar muito", disse Mike, "Você não tem muito mais a fazer, vai ser feito em pouco tempo."

O som das portas de metal se fechando seguiu depois.

Você imaginou que deveria se apressar e terminar de arrancar as placas de madeira, de modo que poderia ir para casa, e nunca mais voltar. Você começa a sua música novamente, e continua o seu trabalho, esperando ouvir as risadas, mas nada aconteceu. Mesmo quando você termina, não acontece nada.

Em seu caminho de casa, você começa a se questionar se tudo era ou não na sua cabeça, e se o pesadelo tinha lhe feito enlouquecer. No pensamento do pesadelo, o seu estômago se revira, lembrando o que Mike havia lhe dito. Este pensamento fica preso com você até que você finalmente decide ir para a cama, sabendo o que ia vir em seguida.

Você não queria pensar sobre o playground, ou a menina, não depois de hoje. Mas a imagem de seu rosto, o rosto terrível, estava preso com você. Não deve haver nenhuma razão para você ser paranoico agora. É o fim. Você está aqui, e ela ficou totalmente para trás por lá.

"Droga, ela provavelmente nem sequer existe." Você diz para si mesmo, enquanto lentamente perde a consciência.

Quando você fecha os olhos, esperando a visão horrível, uma pequena risada escapa de fora da porta do quarto.
                                                                      

Fonte: creepypasta.com

Enviado por: Ana Clara

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS