segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

RELATO DOS LEITORES #3

Apenas um relato...

BOBI

Cachorros. Meu pai vive dizendo que eles nos protegem de energias negativas. E eu concordo com ele.

Tínhamos um cachorro, Bobi - Um pastor belga preto e enorme. Era ótimo ter ele conosco. Além de ser muito ameaçador (levei anos até me acostumar completamente com o tamanho dele) e nos proteger contra ladrões, era bom ouvinte.

Não é brincadeira, é verdade. Às vezes eu ficava pra baixo e desabafava com ele por horas e todo o tempo ele ficava do meu lado, como se entendesse tudo.

Ele tinha uns onze anos quando morreu. Eu estava na casa da minha tia, e quando voltei pra casa ele estava muito mal e doente. Não deixava ninguém se aproximar e dar os remédios, chegando até a morder meus pais. Quando eu voltei, porém, ele foi manso e tomou todo o remédio (que era rosa e parecia realmente horrível), sem me morder.

No outro dia ele não acordou. Chorei por horas e horas (e tinha aula ainda, naquele dia), eu o amava muito.

E o pior não é isso. Ele uivara durante toda a madrugada, como se estivesse morrendo de dor. Foi horrível. Eu queria sair pro quintal e ficar com ele, mas tinha medo (a casa em que eu morava era daquelas antigas e com sótão; eu sempre ouvia barulhos estranhos. Acho que era assombrada).

Como eu era pequena, meu pai não me contou de imediato. Mas os anos se passaram (nos mudamos de lá, graças à Deus), e ele me contou.

Como já disse, cachorros absorvem a energia negativa que é direcionada ao dono. Não havia nenhum motivo para Bobi ter adoecido, a não ser a idade avançada. Ele era saudável, comia e bebia direito, e corria como um maluco pelo quintal. Então simplesmente adoeceu. Meu pai disse o que foi o que aconteceu com o nosso cão - ele suportou e carregou sozinho uma barra pesada demais, e acabou morrendo por isso.

Eu não disse ainda, mas a culpa é (ou era) da nossa vizinha. Ela morava na casa ao lado da nossa, que era uma casa maior que a nossa. Portanto, sempre podia nos ver da janela de sua casa. Eu a odiava. Sempre odiei. Quer dizer, eu tinha oito, nove anos na época. Sempre que a via me lembrava de uma bruxa bem ruim. Bem... Eu não estava totalmente errada.

Ela sempre odiou o Bobi. Acho que é porque ele também não gostava dela. Às vezes, ele simplesmente sentava e começava a latir para a casa dela. Ela chegou a jogar água e outras coisas nele para ele parar de latir.

E posso dizer que ela também não gostava muito da gente. Minha mãe costumava fazer festas, e geralmente ia até tarde. Dava pra ouvir os gritos dela pedindo pra parar a festa a quilômetros dali.

Por isso (e mais algumas coisas que ele certamente não me contou), eu tenho certeza absoluta de que foi ela. Já ouviu falar nas plantas Espada-de-São-Jorge e Comigo-ninguém-pode? Se sim, sabe pra quê elas servem (se não, eu explico - elas são receptoras de energia má, de pessoas que entram na nossa casa querendo o nosso mal. É aconselhável deixa-las logo na entrada, pra que o mal pare por ali. Geralmente, quando ela intercepta uma energia má, as folhas secam e caem, apodrecidas. Já vi isso acontecer com as que temos aqui, após uma ou outra visita indesejada). Bem, logo antes do nosso Bobi morrer, TODAS as folhas de TODAS as plantas protetoras que tínhamos apodreceram e caíram.

E... Lembra que eu disse que era culpa da vizinha? Bem, é que logo depois que nos mudamos pra outra casa e meu pai me contar sobre o que achava, ela morreu. Não sei como nem porquê, mas ela bem que mereceu.

 Opa.

 Acho que eu desejei bastante que ela morresse antes dela morrer.

 Hum... Mas não deve ter nada a ver com toda essa história.

 Ou será que tem?


Relato de: Ana Clara

4 comentários:

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS