terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Apenas Outra Meia-Noite

Desculpa o texto grande,mas vale a pena.
Se for direto pro final, o Monstro de Bacon vai te pegar hein!
                -------------------------------------------------------------------------------------------------

 ”Eu não poderia existir em um mundo desprovido de maravilhas... 
mesmo que me assuste considerá-las.”
    - Catlin R. Kiernan

12:09 AM

Tem que haver algo de errado comigo. Sério, eu tenho 22 anos de idade e ainda tem medo do escuro. Eu não sou um garotinho, mas eu não posso trabalhar até a coragem simplesmente desligar as luzes e ir dormir.  Ok deixe-me explicar como cheguei a isso. Há um minuto eu estava me divertindo, escrevendo um artigo sobre pinturas rupestres do Paleolítico para a minha aula de história da arte, e, em seguida, sem aviso imaginei que havia algo de assustador me esperando no corredor do meu apartamento, efetivamente prendendo-me no meu próprio quarto. Você vê, eu fiz mais do que apenas arrastar-me para fora, porque comigo, o medo tem a tendência de sair de controle em níveis de estupidez incompreensível.

No começo eu apenas ignorei, continuando com meu trabalho na esperança de que a sensação de ser perseguido iria embora por conta própria. Não aconteceu, e eu estava começando a me preocupar que alguns gritos de terror estavam a ponto de romper a porta, então eu tive que checar para ter certeza de que estava bem travada. Depois disso, eu não conseguia me concentrar em obter meu artigo escrito, como todos os outros minutos, eu tive que desviar o olhar do meu monitor para ver se a porta ainda estava fechada. "Isso está ficando ridículo", eu disse em voz alta para ninguém em particular, "é apenas a minha imaginação ferrando comigo." Qual é honestamente a verdade aqui. Eu sei que se eu fosse abrir a porta e olhar para o corredor, nada aconteceria. Uma única ação e "puf", a sanidade fica restaurada. O problema, claro, é a parte de abertura real. Isso é sempre quando a ansiedade atinge seu ponto alto.

Essa treta (NT: podia ter colocado outra coisa, mas preferi colocar treta, porque sim.) começou cerca de 30 minutos atrás, pouco antes da meia-noite, e não parece que está prestes a ir embora tão cedo. Então, é isso, eu estou preso no meu quarto para o que parece ser a centésima vez, a sós com o meu computador e pensamentos de bichos papões estranhos. Na verdade, essa coisa toda me faz questionar onde esses irracionais delírios paranoicos começaram. Essa é uma história interessante, na verdade, e isso aconteceu muito tempo antes que alguém pudesse me chamar de louco.

Há algo no porão.

Esta história aconteceu na primavera de 1998, na antiga casa em Erie Street que meus pais estavam alugando (Erie como em "Lake Erie", isso mesmo, coincidência estranha né?) Eu tinha seis anos de idade na época, então eu estava em um ponto em minha vida em que dormir com uma noite de luz ainda era considerado normal. Eu acho que nós só tínhamos vivido lá por algumas semanas, é meio difícil de lembrar com certeza exatamente, mas eu me lembro da primeira vez que meu pai me levou e meu irmão para verificar o porão. Agora, a casa em si tinha bem mais de cem anos de idade, e em uma vida anterior que serviu como uma estação de trem. O porão como se viu, foi usado como uma cela de prisão temporária, onde o xerife da cidade mantinha os criminosos que ele apanhava tentando pegar uma carona para Chicago, e no tempo entre antes e quando minha família se mudou, ninguém tinha pensado em arrumar o porão.

Basicamente, foi uma masmorra. As paredes eram feitas de pedras esculpidas ou algo assim, com determinadas áreas emparedadas sobre de onde as águas subterrâneas foram vazando. Além disso, o lugar inteiro foi revestido por camadas de teias de aranha e insetos mortos. E isso nem mesmo é a parte mais apavorante. No caminho de volta em torno de um canto estreito estava uma porta pesada rotulada "Quarto Ordenhador" ou o que isso lá queria dizer. De qualquer modo, o meu pai não conseguia abrir, mesmo com um pé de cabra. As dobradiças eram tão enferrujadas e endurecidas em cálcio que nada menos do que uma britadeira ia passar por isso.

Durante o dia, eu não me preocupei com o porão ou o críptico Quarto Ordenhador, eu evitava ir lá em baixo. Mas à noite eu não pude deixar de pensar sobre isso, e, invariavelmente, eu ia acabar me escondendo sob meus lençóis até que eu poderia eventualmente cair no sono. Claro, eu nem sempre fui capaz de adormecer. Às vezes, as vozes me mantinham com os olhos arregalados e alerta. E quando eu digo "vozes", quero dizer o que eu pensava, constituiu o som da fala abafada de um homem vindo do porão. Para mim soou como se alguém sob o piso estivesse murmurando incoerentemente. A realidade aqui, claro, era que os sons estavam saltando pelas frestas das entradas de ar, em forma de enganar o meu cérebro de criança a pensar que realmente havia alguém lá embaixo, preso atrás daquela enorme porta imóvel, tentando sair a fim de... Eu não sei exatamente. Talvez eu pensei que ele queria me comer, eu acho. Quem sabe, eu tinha seis anos, lembra-se? Não importa o que eu pensei que este homem feito queria tudo que eu sabia na época é que ele era mau. E ficou pior quando o meu irmão mais velho, Joshua ficava me dizendo que ele sabia o que realmente estava no porão. Ele era um idiota sádico, e ele pensou que era apenas muito engraçado me dizer que um monstro com um rosto de mulher e corpo coberto de tufos de pêlo estava tentando escapar do Quarto Ordenhador. Deixe-me repetir: o rosto de uma mulher, e um corpo coberto de tufos de pêlo. Foi semanas antes de eu poder dormir uma noite inteira sem gritar para os meus pais correrem para o meu quarto.

Vamos avançar alguns anos. Quando eu tinha nove anos, meus pais decidiram se mudar para uma casa melhor por razões de trabalho. Eu estava ajudando meu pai a mover algumas caixas para fora do porão, e neste momento o lugar tinha ficado bem limpo e sendo três anos mais velho, eu não achei o porão tão assustador. Até que eu me encontrei sozinho lá enquanto meu pai correu para falar com minha mãe sobre algo. No começo eu estava bem, mas, em seguida, do nada, comecei a ouvir um barulho estranho ecoando. Lembro-me de olhar em volta para o que estava causando isso, mais irritado do que assustado, quando olhei para a esquina em direção ao Quarto Ordenhador.

O barulho começou a ficar mais alto, e ele estava vindo de trás da porta negra. Eu não me movi para o que pareceram horas, petrificado, quando de repente ouvi um estrondo bater vindo de onde a batida  costumava vir. Eu gritei e comecei a correr de volta para as escadas, quase derrubando o meu pai no processo. Quando ele me perguntou o que estava errado, eu disse a ele sobre os ruídos vindos do Quarto Ordenhador. Ele riu. Eu juro que ele riu e me disse para segui-lo.

Indo em torno do canto, meu pai caminhou em direção a porta do Quarto Ordenhador, abriu-a, acendeu as luzes, e mostrou-me o descalcificador água mais barulhento do mundo. Ele me disse que ele havia o instalado há dois anos porque ele estava cansado de beber água com sabor de ferrugem, e que o Quarto Ordenhador era o melhor lugar da casa para colocá-lo. Como ele a abriu em primeiro lugar? Bem, um monte de lojas de ferragens vendem solventes projetados especificamente para a ferrugem e cálcio. Eu não tinha nada a temer, nunca tive, mas até hoje me lembro com perfeita clareza de um único momento de puro terror, onde eu estava absolutamente certo de que algo terrível se escondia por trás de alguns centímetros de madeira e sombras.
  
12: 42 AM

Então, o ponto dessa história foi lembrar-me que não há nada de mal me esperando do lado de fora do meu quarto. Eu não acho que funcionou. Tentei abrir cerca de um minuto atrás, para usar o banheiro, mas no segundo que eu coloquei minha mão em volta da maçaneta meu coração começou a bater como se eu tivesse acabado de tomar seis copos de café expresso. Imagens de uma massa se ​​contorcendo de podridão e moscas encheram minha mente, ou um cão preto esperando para atacar das trevas. Eu estou enlouquecendo um pouco por dentro, não só porque tenho a sensação de que há algo lá fora, mas também no sentido de que o que quer que seja ele sabe que eu estou com medo. Eu continuo dizendo que é tudo na minha cabeça, que eu só estou projetando meus medos sobre o meio ambiente. Mas isso não está funcionando, o que é uma pena, porque eu sei em primeira mão o quão assustador nossa própria imaginação pode ser. Então aqui está o que eu vou fazer: Primeiro, eu vou fazer xixi na garrafa de cerveja que eu encontrei na minha lixeira, e segundo: eu vou escrever outra história, onde eu tinha que ir de igual para igual com meus próprios demônios noturnos.


Cerca de quatro anos atrás, eu estava preso em um estado muito próximo da depressão total. Eu tinha acabado de me formar no ensino médio, mas minhas notas eram tão baixas que as minhas escolhas para a faculdade eram muito limitadas para o "primeiro lugar que me aceitar" da categoria. Acrescentando a isto que eu estava desempregado, meu melhor amigo já havia deixado o estado, e meus pais estavam no processo de obtenção de um divórcio. Em retrospecto, eu lidei com toda a situação de uma forma extremamente imatura, fumando uma quantidade absurda de maconha e trancando-me no meu quarto para jogar videogames todo maldito dia. Em outras palavras, eu estava começando a me transformar em um completo perdedor.

Agora, algumas escolas de pensamento sugerem que os pesadelos servem como um mecanismo subconsciente para resolver estressores perceptíveis. Se isso é verdade, então eu tive sorte que as coisas não estavam começando a ficar estranhas mais cedo.
  
Uma noite, depois de um longo dia de tragadas e masturbação, adormeci como eu sempre fiz. Só que desta vez eu acordei no meio dos acontecimentos. E com isso quero dizer meu cérebro acordou enquanto o resto de mim se manteve dormindo. Eu viria a descobrir que esse fenômeno chama-se "paralisia do sono", que ocorre quando uma pessoa acorda durante o meio do sono REM (NT: Rapid Eyes Movement; "Movimento Rápido dos Olhos" em tradução livre) , e não pode mover seus membros, devido ao sistema nervoso simpático ter desligado o controle muscular, a fim de impedir a pessoa de se ferir enquanto sonha. A experiência é conhecida por causar sentimentos de estar sendo sufocado ou de uma sensação de pânico, e é muitas vezes acompanhada por alucinações hipnagógicas. É desnecessário dizer, que eu não gostei nem um pouco dessa porcaria.

Eu não conseguia abrir os olhos, eu não podia mover meus braços, e eu comecei a sentir uma espécie de presença entrar no meu quarto. Eu queria gritar, mas não consegui. A entidade estava me cercando, me observando, me julgando. Eu não sabia o que era, mas de alguma forma, o pensamento que entrou na minha cabeça era que isso queria me machucar. Eu lutava para me libertar,  gritando para mim mesmo internamente para acordar, antes que isso chegasse mais perto, mas eu não podia mover sequer um dedo. Então eu senti uma pressão ou aperto no meu peito, como se a vida estivesse sendo esmagada para fora de mim por algo enorme e irritado. Se alguém tentar ler os meus pensamentos neste momento, tudo o que ouviria seriam os sons de um animal selvagem encurralado em um canto: vicioso e com medo, a  beira da loucura.

Bem quando eu pensei que estava prestes a morrer, eu me ouvi gritar: "Acorde!" Seja de dentro ou de fora eu não sei, mas de repente eu me parei ereto na cama, sentindo-se muito confuso e cansado. Eu olhei em volta do meu quarto, olhando para o que é que estava tentando me matar, mas tudo parecia bem, então eu decidi pegar um copo de água. Quase imediatamente depois de sair de debaixo das cobertas, eu comecei a ouvir um muito profundo, quase doloroso gemido vindo do corredor do lado de fora do meu quarto, seguido por um baque e passos. Neste ponto, eu estava mais irritado do que assustado, então eu peguei um taco de beisebol e fui para a porta. Eu não saí correndo para o salão de imediato, porque até agora, isso estava batendo-se contra a porta, tentando entrar, o tempo todo seu gemidos soavam mais e mais como se ele estivesse em um estado de agonia constante. Finalmente eu o ouvi começar a cambalear para longe, tão rápido quanto um raio, eu abri a porta e corri para o corredor. Foi quando eu o vi.

Ele era muito, muito alto. Tão alto que teve de se agachar um pouco para evitar o teto. Também era magro, mais osso do que carne. Ele não tinha braços, ou pele, ou até mesmo um rosto realmente. Acho que a melhor descrição aqui seria que era um esqueleto alongado vestindo uma camisa de força feita de bacon. Fosse o que fosse, ele se virou e começou cambalear em minha direção, então eu corri para a frente balançando meu taco como um louco até que ele havia parado de se mover, borbulhando em uma poça de seu próprio sangue.

Acordei na manhã seguinte de madrugada, deitado de bruços no tapete do corredor, ao lado do meu bastão. Aparentemente eu tinha sonhado tudo aquilo, e agora havia um buraco na parede no local onde meu taco havia socado. Eu não havia tido um caso de paralisia do sono, pois, eu nunca presenciei o monstro de bacon novamente, mas isso só serve para mostrar que tipo de pesadelos meu próprio cérebro é capaz de conjurar.
   
1: 38 AM

Bem, isso claramente não ajuda. Não, eu não estou preocupado com o demônio de bacon escondido lá (eu já pisoteei o traseiro  daquele imbecil no chão), mas eu ainda sou incapaz de apenas abrir a porta. Eu não consigo dormir se eu acho que há algo lá fora. Eu não posso me forçar a ficar acordado até o sol nascer também. Eu realmente não tenho a menor ideia aqui.

Merda, eu  puxei um músculo do pescoço de virar a cabeça tão rápido. Eu pensei que eu vi algo se movendo no canto do meu olho. Era apenas um sapato. Uma porcaria de sapato sujo, imóvel e desamarrado. Ok chega de brincar, eu encontrei um martelo. Eu gostaria de ter uma espingarda, mas eu acho que um martelo será útil. Vou tentar abrir a porta de novo, eu vou estar de volta em um minuto.
    
 1: 39 AM

Não. Isso não vai acontecer. Comecei a suar antes que eu pudesse tocar maçaneta. Eu tentei, eu realmente tentei, mas foi demais. Pior ainda, agora estou ouvindo ruídos vindos de fora da minha janela. Ainda bem que as persianas estão fechadas. Eu queria que meu colega de quarto voltasse. Ele trabalha no turno da noite, então ele  não costuma chegar em casa antes das cinco da manhã. Espere, espere, isso é daqui a mais ou menos três horas e meia. Sim, eu vou esperar ele sair do trabalho e então eu posso finalmente deixar  essa bobagem pra trás. Então, novamente, não é uma boa ideia ter muita fé em seus amigos. Especialmente quando eles sabem o quão facilmente você pode ser surpreendido. Como a minha amiga Stephanie, que decidiu me contar uma de suas próprias histórias de terror, só porque eu estava prestes a ir para casa à noite.
    
O Union Street Cemetery

O Union Street Cemetery é o mais antigo cemitério da cidade. É também o pior. Ao longo dos anos uma combinação de vandalismo, manutenção deficiente, e mau tempo tornaram as lápides praticamente ilegíveis, e os remendos em torno da grama que não foram invadidos por ervas daninhas são de uma cor amarelo doentio, semelhante a bile. O cemitério fica no canto do topo de uma pequena colina, e apesar do fato de que ele está lá por muito tempo, a maioria das pessoas da cidade não sabem nem mesmo onde ele está, se eles sequer sabem que ele existe. Isso pode ter algo a ver com o fato de que toda a área em torno do Union Street  Cemetery foi oficialmente designada para o gueto da cidade. Em outras palavras, as casas naquela área são feitas de lares para  famílias de baixa renda. Minha amiga Stephanie foi uma delas por um tempo.

Quando Stephanie estava nos seus vinte e poucos anos, ela levava  a vida gloriosa de uma mãe solteira, trabalhando o quanto fosse possível, como garçonete de uma lanchonete, e para sobreviver ela teve que se mudar por si mesma, com seu filho de quatro anos, para uma casa na Union Street, com dois companheiros de quarto. Ou talvez ela não fosse a única neste momento, eu estou um pouco confuso sobre os detalhes aqui, mas eu sei que ela morava em uma das casas da Union Street com seu filho.

Assim, a história contada por Stephanie, foi que uma noite, enquanto o marido/namorado/companheiros de quarto estavam todos fora de casa, Stephanie estava na cozinha tentando fazer o  jantar, enquanto seu filho brincava na sala de estar. Agora seu filho Tyler (pelo menos eu acho que o nome dele era Tyler) estava sendo barulhento, como de costume, batendo caminhões de brinquedo um no outro ,assim como garotinhos fazem, então naturalmente Stephanie ficou preocupada quando tudo ficou em silêncio. Quando ela entrou na sala de estar para ver se Tyler estava bem, ela o viu olhando para fora da janela da frente entre as cortinas e o vidro. Tenha em mente que a casa deles era do outro lado da rua do cemitério.
     
"O que você tá olhando Tyler?" Ela perguntou.
"Eles estão vindo." Ele respondeu, ainda olhando para fora da janela.
"Quem está vindo Tyler?"
"As pessoas do outro lado da rua."  Disse.

Foi aqui que Stephanie olhou para fora da janela da frente esperando  ver as pessoas reais, mas em vez disso viu apenas os portões para o cemitério. Agora Stephanie não é uma burra muda de um filme de zumbi brega, ela é uma pessoa real, e, como a maioria das pessoas na vida real, ela viu a parte justa dos  filmes de terror. Ela não ia apenas dar os ombros para isto como se o filho de outro estivesse dizendo coisas estranhas, ela iria dar o fora de  lá o mais rápido possível, o que ela fez. Stephanie pegou Tyler, uma bagagem de mão, e passou a noite na casa de sua mãe. Ela retornou na manhã seguinte, depois de quem quer que seja que tenha morado lá, havia lhe dito que estava tudo bem, que as paredes não estavam sangrando, nem nada remotamente sobrenatural. Mesmo assim, Stephanie mudou de casa em um ano.

Ela me contou essa história uma noite, antes de eu estar prestes a deixar a casa da minha ex-namorada (Stephanie era uma grande amiga da minha ex, e assim foi como eu a conheci.). Então eu estava mais do que nervoso para ir à pé pra casa sozinho no escuro. Na verdade, Isso realmente não era grande coisa, até que  a sua história veio na minha cabeça quando eu estava no meio do caminho, o que me fez questionar se eu estava exatamente na posição para o Union Street Cemetery, para que eu pudesse planejar minha caminhada, no fim de evitar isso. Lembro-me de pensar que eu estava muito perto da Union Street, então eu parei de andar rapidamente para tentar localizar os pontos de referência notáveis. Eu estava tentando olhar sobre uma colina quando aconteceu.

No pior momento possível, as nuvens se abriram o suficiente para que alguma luz fraca da lua delineasse as silhuetas de várias lápides descansando em cima do morro. Conforme o esperado, eu estava de frente para a parte de trás do cemitério, tão perto que eu poderia ter jogado uma pedra em cima da cerca, sem sequer tentar. É claro que eu me apavorei, eu sinceramente não percebi o quão perto eu estava do cemitério. Estava muito escuro. Eu me virei e corri sem olhar para trás. Eu não parei de correr até que eu tivesse alcançado a rodovia.
      
2: 57 AM

Eu não vou sair desse quarto hoje. Eu apenas não posso fazer isso. Há algo terrível lá fora. Não apenas na sala, mas também fora da minha janela, olhando por trás das persianas, esperando por mim, para deixá-lo entrar. Eu estive apertando o cabo do martelo com tanta força por tanto tempo, que eu conheço cada pedaço da madeira entalhada melhor do que eu conheço meu próprio rosto.

A lâmpada de da minha luminária de mesa explodiu cerca de 15 minutos atrás, então agora a única fonte de luz é o pouco que vem a partir desta tela. Eu estou começando a pensar que ele já chegou aqui. Sim, sim é. É definitivamente aqui, talvez ele sempre estivesse aqui, comigo. Eu não posso encarar a escuridão, é assim que isso te pega. Só se torna real, se você olhar para ele, mesmo que por apenas um momento. Ele irá piscar para a vida, como um rolo de filme que ignora um quadro. Ali por um instante, e depois desaparece. Mas isso é tudo o que ele  quer e tudo que ele sempre quis. Ele piscará existindo por apenas uma fração de segundo, mas o dano vai durar para sempre. De onde você acha essas histórias vêm? Eles são apenas conseqüências do que eu estou tentando esquecer: Algo que não quer ser esquecido.

Eu não vou deixar isso me atingir de novo. Só se torna real, se você olhar para ele, então eu não vou. Vou manter meus olhos na tela, e eu vou tentar ignorar as formas em movimento ao redor das bordas da minha visão. Eu vou ficar bem, enquanto eu estou olhando para a tela, porque ele só se torna real, se você olhar para ele. Só é real quando ele te olha de volta.


Fonte: Creepypasta.com

PS: Não coloquei uma imagem assustadora porque depois que li o final, achei que se colocasse, ia matar alguém do coração (incluindo à mim). xD

7 comentários:

  1. GRAÇAS A DEUS TODO PODEROSO QUE VOCÊ NÃO COLOCOU IMAGENS ASSUSTADORAS. QUASE TIVE UM TROÇO QUANDO DESCI A PÁGINA E VI O COMEÇO DE UMA FOTO...
    Mas a Creepy é boa, adoro essas longas.

    P.S.: Achei que ia aparecer o Sr. Bacon no final... O.O

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também,eu acabei de traduzir às 4 AM (naquele momento até a foto da barbie me assustaria),e eu não esperava esse final. Eu não achei uma foto de um ser estranho parecido com o Sr. Bacon,então coloquei essa mesmo.

      Excluir
  2. Muito bom! Mas se tivesse a imagem ficaria realmente ASSUSTADOR.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A creepy não tinha imagem :/ ai não achei uma realmente assustadora,eu ia colocar a do Rake,mas ai seria plágio huahuahua não tenbho o dom pra achar imagens bizarras e assustadoras, quando eu acho ou é assustadora demais,ou não assustadora demais huahuahuahua

      Excluir
  3. "Uma noite, depois de um longo dia de tragadas e masturbação, adormeci como eu sempre fiz."
    "Eu não conseguia abrir os olhos, eu não podia mover meus braços, e eu comecei a sentir uma espécie de presença entrar no meu quarto. Eu queria gritar, mas não consegui."
    "então eu corri para a frente balançando meu taco como um louco"
    "Acordei na manhã seguinte de madrugada, deitado de bruços no tapete do corredor, ao lado do meu bastão. Aparentemente eu tinha sonhado tudo aquilo, e agora havia um buraco na parede no local onde meu taco havia socado."
    hummmmmmmmmmmmmmm KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK Nunca ri tanto na minha vida!!!!! sinto q isso foi obra da maconha ein!
    engraçado eu já sabia q ele tava maconhado antes dele falar, será q sou vidente O.o? kkkkk

    ResponderExcluir

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS