terça-feira, 11 de dezembro de 2012

O Menino


Há momentos em que distinguir um simples sonho da realidade não é tão simples. Para mim, isso nunca foi um problema, como eu era altamente racional e a maioria das coisas que ocorreriam eram atribuídas a jogos sujos da minha imaginação ou de um simples sonho. Cerca de um ano atrás eu estava navegando na net de madrugada como a maioria dos adolescentes faz. Adormeci às 2:15 da manhã, mas não recordo exatamente o horário correto, não me lembro bem. Não me lembro de ter sonhado naquela noite, Foi simplesmente uma noite de sono tranqüila. Tão tranquila.... Geralmente as noites aqui em casa me dão ansiedade e desconforto, apenas por estar aqui. A questão é que estava tranqüila o suficiente para que eu pudesse dormir sem medo e sem pensar em coisas negativas. Minha mente não tinha motivos para pregar-me peças.

Acordei um pouco depois das cinco da manhã, porque a minha mãe entrou no meu quarto para usar o meu perfume. De imediato voltei a dormir, não me incomoda que tenha alguém no meu quarto, eu sabia que minha mãe logo iria para o trabalho e a tranquilidade reinaria dentro de casa. Passado poucos segundos após eu retomar o sono, acordei.  Despertei pensando que minha mãe tinha vindo mais uma vez  no meu quarto, mas quando abri os olhos me surpreendi ao ver um menino aparentemente de 7 anos. O menino estava de pé na frente da minha porta, imóvel, me olhando de forma estranha.

Naquele momento muitas perguntas vieram à minha mente, como esse menino entrou aqui? Que a mãe irresponsável tinha perdido uma criança? Minha mãe tinha deixado a porta aberta? Pensei em muitas coisas e já iria parar e perguntar à criança o que ela fazia dentro da minha casa e como se chamava, mas eu estava imóvel, paralisado... Tentei novamente, mas não podia mover-me, meu corpo não respondia aos meus estímulos, era como se os comandos mandados por meu cérebro não chegassem ao meu corpo. O desespero começava a tomar conta de mim e tentei falar, mas era impossível. Minha respiração era profunda e irregular, a batida do meu coração era tão forte que machucou meu peito. Me senti mal por não saber o que estava acontecendo ao meu corpo... E de repente o menino começa a andar em minha direção. Cada vez que se aproximava me sentia pior, mais tenso, com mais medo, sua presença estava me incomodando cada vez mais, e mais. O menino parou na frente da minha cama, me observando imóvel em absoluto silêncio. Eu comecei a entrar em pânico e viu o rosto da criança para ver se eu poderia reconhecer e eu fiz o que pude observar, mas deixou-me frio. Um calafrio percorreu meu corpo e parecia não querer me abandonar.

Seus olhos... Não eram olhos de uma pessoa, eram olhos de serpente. Seu olhar não era apenas sobrenatural, continha muita maldade. Passei a respirar com mais difículdade, sei que foi por causa do medo que imenso que sentia. O menino não disse uma palavra sequer, mas estendeu a mão para mim, como se quisesse que eu tocasse sua mão. Quando finalmente consegui me mover, a primeira coisa que fiz foi fechar meus olhos e como em um flash de o menino havia desaparecido, como se tudo aquilo fosse apenas um sonho estranho. Mas eu estava absolutamente certo de que estava acordado quando vi aquela coisa que nem sei se posso chamar de menino. Eu chequei a hora no relógio e vi que eram mais de  9 da manhã, algo estranho, porque meu relógio biológico automaticamente me acorda às oito. Outra motivo que me dá certeza de que eu realmente estava acordado.

Creio que Paralisia do Sono não causa alucinações, por isso não consigo entender o que aconteceu comigo. Levando em conta que tenho passado por uma série de experiências que a ciência não pode explicar, só posso pensar que o que eu vi em meu quarto naquela manhã era um demônio.

Um comentário:

  1. Que medooooo,meu deus do céu,quero sair do blog,morro de medo dessas coisas,mas não consigo msm morrendo de medo sou fascinada

    ResponderExcluir

Sua alma está mesmo segura dentro de você?

SENSITIVOS